http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

BRASIL - NÃO HÁ RAZÃO PARA ESTAR PESSIMISTA.


Entendo que há uma vantagem prática em se analisar as mudanças que acontecem no mundo para dai se poder tomar algumas decisões na nossa vida pessoal, e não ser colhido de surpresa.



O mundo contemporâneo por acaso passa por mudanças importantes que afectarão as próximas gerações. Entender essas mudanças poderá trazer algumas vantagens.



É evidente que o mundo está passando por uma nova crise do petróleo, pois o preço do barril encostando na casa dos 100 dólares, está próximo de bater um novo recorde de preço, mas importante é notar que os preços corrigidos pela inflação da moeda americana já quase empatam com o recorde de 1981, quando (a preços actuais) o barril chegou a custar 102 dólares.



Desta vez, porém, não são guerras, revoluções ou boicotes árabes os principais motivos da subida, mas sim a sede por petróleo de economias como as da China e Índia.



Hoje não só multiplicaram-se as grandes potências consumidoras, especialmente com a entrada da China, mas também multiplicaram-se as áreas produtoras, como no Brasil, especialmente no Mar Cáspio e na costa ocidental da África.






Nos termos mais abrangentes possíveis, e a prazo curto, o barril de petróleo a 100 dólares enfraquece consideravelmente americanos e europeus. E favorece alguns dos regimes mais ditatoriais, corruptos e intratáveis do planeta.



Aqui não se trata de um julgamento moral: o adjectivo “intratável”, por exemplo, é usado do ponto de vista de Washington. É óbvio que o expansionismo russo –e a mão dura de Vladimir Putin a partir do Kremlin– está ligado à recuperação económica da Rússia a partir dos preços de exportação de energia (e seu mercado cativo na Europa Ocidental).



É suficientemente claro que o regime dos aiatolás no Irã só consegue superar as severas sanções (em parte impostas desde 1979) graças ao petróleo. A sede chinesa de petróleo está transformando o quadro de negócios na África, abrindo a países como Angola (um dos alvos principais da China) e Nigéria bar ganhas insuspeitadas menos de 20 anos atrás. Até mesmo quem não tem petróleo, como a Turquia, se beneficia vigorosamente do ponto de vista militar e estratégico pelo fato de que sua posição geográfica é fundamental para determinar como e por onde passará o petróleo do Mar Cáspio.



O mundo do petróleo a 100 dólares não será um mundo mais fácil. Ao contrário –talvez alguns nostálgicos até sintam falta de um mundo, o que já acabou, no qual alguns podiam fazer o papel de polícia (como EUA e URSS fizeram) e acomodar interesses.


Até que um novo arranjo surja, vai passar bastante tempo. E correr muito petróleo, quer dizer, muito sangue, parafraseando o título do célebre livro de Michael Klare, no qual petróleo e sangue são sinónimos.



Quadro I

Preço do Petróleo nos últimos 50 anos(Preços reais do barril em dólares de 2000,médias, crude norte-americano)
1950-1959 -20,47
1960-1973 -17,72
1974-1985 -43,42
1986-2001 -20,82
Fonte: Oil and the Macroeconomy since the 1970's, Robert Barsky e Lutz Kilian, Julho 2004


____________________________________________________________
Quadro II


Disparo do Petróleo após a viragem geo-políticada Administração Bush(Preços nominais em dólares do barril WTI, EUA, médias)
2002 - 24,72
2003 - 29,64
1º semestre de 2004 - 36,78
3º trimestre de 2004 (estimativa do DOE) - 41

Fonte:
www.tax.state.ak.us e Departamento de Energia (DOE) dos EUA, Agosto 2004Nota: WTI=West Texas Intermediate


______________________________________________________________
Quadro III


Evolução histórica do preço spot do petróleo Brent (europeu)entre 1970 e 2004(Actualizado a preços correntes de 2004, em dólares por barril)Nota: Preços do Brent são mais baixos do que os norte-americanos
Fase 1


4º trimestre de 1973 - 2,50 dólares


Outubro 1973 -Guerra do Yon Kippur e Embargo - 1º choque petrolífero -2º trimestre de 1974


13 dólares (equivale a 40 dólares actuais) Crescimento de 354%
____________________________________________________________


Fase 2


2º choque petrolífero - Outubro 1978 - Revolução no Irão, Queda do Xá - Setembro de 1980 - Guerra Irão-Iraque - 1º trimestre de 1982
Cerca de 40 dólares (equivale a 70 dólares actuais) Crescimento de 60%
___________________________________________________________________


Fase 3


Mini-choque petrolífero - Agosto 1990 - Invasão do Kuwait pelo Iraque - 1990-1991 - Guerra do Golfo - 1991
Acima dos 30 dólares (equivale a cerca de 40 dólares actuais) -
Crescimento de 50%
_____________________________________________________________________
Fase 4
1997 a 1999 - Quebra dos preços


________________________________________________________________
Fase 5
3º choque petrolífero - Março de 1999 - Início nos cortes na produção da OPEP - Março de 1999a Novembro de 2000


Preços disparam dos mínimos nos 10 dólarespara cerca de 30 dólares


2002


Média de 25,03 dólares Crescimento de 160%


___________________________________________________________________
Fase 6


Mini-choque petrolífero - Dezembro 2002 - Greve na Venezuela (5º exportador mundial)


2003 -Ocupação do Iraque
2003
Média de 28,81 dólares


______________________________________________________________________
Fase 7


Junho 2004 - Greve na Noruega (3º exportador mundial)
Julho/Agosto 2004
Disputa sobre a Yukos (Rússia, 2º produtor mundial)e luta política na Venezuela
1º semestre de 2004
Média de 33,7 dólares (segundo o OPEC Reference Basket)


________________________________________________________________________
Fontes: Relatório do Citigroup Smith Barney/Equity Strategy (13 de Agosto);

www.mees.com; e Oil and the Macroeconomy since the 1970's,



Os Estados Unidos da América, parecem perder o controle do seu sonho de HEGEMONIA MUNDIAL sobre o mundo. A aventura nuclear se disseminando. HUGO CHAVES quem diria quer entrar nesse clube, do qual o Irã também participa. Alguns países de entre os quais o Brasil tomando a dianteira.






A China é o verdadeiro expoente desse grupo e possui atualmente uma das economias que mais crescem no mundo. A média de crescimento económico deste país, nos últimos anos é de quase 10%. Uma taxa superior a das maiores economias mundiais, inclusive a do Brasil. O Produto Interno Bruto (PIB) da China atingiu 2,2 triliões de dólares em 2006, fazendo deste país a quarta maior economia do mundo. Estas cifras apontam que a economia chinesa representa atualmente 13% da economia mundial.




Dentro do grupo dos países com maior potencial para conquistar um lugar no G6, O grupo dos países mais industrializados do mundo, a China é a economia que se prevê irá ultrapassar os Estados Unidos da América até 2040. Do Atual G6, somente Estados Unidos e Japão deverão permanecer nesse grupo depois de 2040.




Embora apresente todos estes dados de crescimento económico, a China enfrenta algumas dificuldades. Grande parte da população ainda vive em situação de pobreza, principalmente no campo. A utilização em larga escala de combustíveis fósseis (carvão mineral e petróleo) tem gerado um grande nível de poluição do ar. Os rios também têm sido vítimas deste crescimento económico, apresentando altos índices de poluição. Os salários, controlados pelo governo, coloca os operários chineses entre os que recebem uma das menores remunerações do mundo. Mesmo assim, o crescimento chinês apresenta um ritmo alucinante, podendo transformar este país, nas próximas décadas, na maior economia do mundo.








No entanto é preferível um crescimento sustentável o que poderá nos dar no futuro a dianteira do processo.






Não temos razão para estarmos pessimistas.


Participe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES