http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

domingo, 20 de abril de 2008

AS VERDADES SOBRE O NOTEBOOK COMPAQ PRESÁRIO 1200 XL 101/125



Notebook Compaq Presario 1200 XL 101 / 125

AS VERDADES SOBRE ESTE COMPUTADOR

Matéria da Topsys Computadores e Eletrônica




Por que só encontramos na internet empresas que dizem que consertam apenas os Presarios 1200?


A explicação é simples: Uma falha de hardware nestes computadores passou despercebida pelos engenheiros da Compaq. Simples, porém fatal para o sistema.


Em algum momento, desconhecido, uma instrução do chipset principal corrompe o arquivo da BIOS, impedindo que a máquina inicie novamente.



A solução: Um programa de BIOS corrigido. Não pensem que veio da Compaq, mas sim da persistência e conhecimentos profundos de alguns técnicos, que por programação, conseguiram contornar o defeito, evitando que aconteça novamente.



Algumas empresas gravam o arquivo original disponibilizado pela Compaq, o que resolve o problema por algum tempo, mas não definitivamente.



Por que então utilizamos outro chip (diferente do original) para se fazer a gravação, já que o defeito não esta no chip e sim no programa?



Porque os chips originais têm um encapsulamento raro de ser encontrado em distribuidores de componentes eletrônicos (TSOP32), nos obrigando a optar pelo PLCC32, mais comum e mais barato que o original e que, por sorte, a placa mãe aceita sem nenhum problema.



Apesar da aparência simples do serviço, ele deve ser feito por técnicos especializados e com equipamentos para solda SMD (Estações de retrabalho e estações de solda).


MENSAGEM NO FORUM INFO - ON LINE:



Enviado por: Júnior em 16/02/2005


Em 2002, a Compaq foi comprada pela HP, que parece não querer saber das falhas da antecesora. Sabe-se que foi uma transação milionária! Ocorre a série de Notebooks Presario 1200 XL-101, fabricada pela Compaq, saiu com um "erro de projeto", algo como incompatibilidade entre alguns componentes ou material que se desgasta prematuramente, não consegui ainda saber o que causa "tecnicamente" o referido defeito.


A HP nega veementemente este "erro" e não chamou os proprietários para o "recall" obrigatório.


Todos os computadores desta série, se não apresentaram este defeito irão apresentar em breve. Isso é caso para a Justiça resolver.


Trata-se de um "vício oculto", previsto no Código de Defesa do Consumidor em seu artigo 26, parágrafo 3º. A solução é o ingressar com ação nos Juizados de Defesa do Consumidor contra a sucessora da Compaq, a HP, pedindo a devolução do dinheiro pago ou a substituição por outro modelo novo.


O prazo para reclamar é de 90 dias após o aparecimento do defeito, independente da garantia já ter acabado.


O problema é conseguir documentos que provem esse erro!! estamos a procura das provas! quem quiser ajudar pode indicar revistas especializadas, páginas na web e o que mais sirva de embasamento para a ação. Abraços a todos!



_______________________________________________



COMPAQ PRESARIO 1200 XL 101
MELHORIAS
1 resposta(s)
olá sera que alguem poderia me ajudar pois tenho um notebook e ele nao liga mais preciso de outra placa pra ele eu pago no maximo 260 reais se tiver alguem que tem me responde muito obrigadoMORO EM SAO PAULO



Enviado por: Júnior em 08/07/2005


Prezado, aconselho buscar a Justiça para solucionar o seu caso. Se seu computador tiver menos de 5 anos de comprado, dirija-se ao Juizado Especial Cível ou de Defesa do Consumidor. Esse problema é definido no direito como vício oculto. Foi um erro de projeto da Compaq e que a HP, sucessora, tem que corrigir. Existem diversas fontes de prova na internet, como páginas e páginas falando sobre o problema. Reúna tudo e siga para a Justiça. Não custa nada e várias pessoas já ganharam. Boa sorte.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

IMPRESSORAS - TUDO QUE SEI SOBRE ELAS.








Impressoras é para mim que gosto de Informática um ítem crucial. Tenho investido muito para encontrar o melhor custo benefício em termos de Impressoras, e confesso que até o momento não cheguei a uma conclusão definitiva. Por isso vou desfilar aqui o resultado de anos de pesquisa, porque julgo que esses conhecimentos ajudarão muitas pessoas na hora de fazer as suas opções.

Existem vários tipos de impressoras no mercado, porém as que dominam o cenário atualmente são as impressoras Jato de tinta e as impressoras a laser.

Não vamos tecer considerações sobre impressoras matriciais ou térmicas ou mesmo à cera porque essas impressoras tem aplicações muito específicas. Iremos nos deter sobre as impressoras Jato de Tinta e as impressoras a LASER, que são as que detem maior qualidade e praticidade.

Quando as primeiras impressoras a Jato de Tinta chegaram no mercado, era um luxo ter uma impressora a laser. Seu preço era proibitivo, pois eram muito caras. As impressoras a laser coloridas a laser então eram coisa de outro planeta, e só empresas podiam ter. Hoje porém elas cairam de preço e chegaram a um patamar que as tornou viáveis. No entanto por trás de todas elas existem inúmeras armadilhas, e isso vai ser objeto de nossos estudos.

A qualidade das impressoaras a laser no passado era muito superior a qualidade das impressoras jato de tinta. Isso hoje não é verdade. As impressoras a jato de tinta evoluiram tanto que sua qualidade hoje ultrapassa a qualidade das impressoras a laser. As impressoras a laser continuam a ser vantajosas para impressões em grandes tiragens, por serem mais econômicas e mais rápidas, mas em termos de qualidade as impressoras a jato de tinta quando a impressão é feita em papel fotográfico atingiram hoje um impressinante nível de perfeição que permite imprimir fotografias com qualidade semelhante a uma revelação em laboratório. Isso no entanto não as torna econômicas quando o quesito é uma comparação entre a revelação em laboratório ou na impressora.

As impressoras a laser são muito mais rápidas e permitem um melhor custo beneficio por cópia impressa, mas são ainda caras se comparadas às jato de tinta e sua manutenção, bem como a reposição dos toners são uma verdadeira armadilha, pois os toners originais ultrapassam o preço da impressora.


EXEMPLO:

Okidata 42127401 - Cartucho de Toner Amarelo ( Original ) - Alta Capacidade - 5.000 páginas ( Impressoras: OKI C5100 / C5150 / C5200 / C5300 / C5400 series ) Preço: R$553,00

Este preço se aplica às outras cores CIANO e MAGENTA. O cartucho PRETO é um pouco mais barato ou seja R$299,00, na loja KANGAROO.

Isso indica que o preço do conjunto completo de toners originais sairia por R$1958,00 (Um mil novecentos e cinquenta e oito reais)

Para exemplificar vejamos quanto custaria uma impressora modelo C5500 da OKI.



Portanto como é possível depreeender, a reposição dos cartuchos é mais cara do que uma impressora nova na caixa.

Como é possível ver, existe por trás tanto das impressoras a jato de tinta como por trrás das impressoras Laser uma armadilha econômica. Refiro-me ao preço exorbitante dos cartuchos, e dos toners. Pelo certo as impressoras deveriam ter seus cartuchos repostos por outros originais. Isso no entanto é proibitivo devido ao elevado custo dos cartuchos. Chega-se ao ponto de que o preço dos cartuchos venham a superar o preço das próprias impressoras. O mesmo se aplica aos toners originais.

Uma impressora colorida a laser que tem três toners coloridos e um preto, fica normalmente mais barata do que um jogo completo de reposição com o conjunto dos quatro toners. O mesmo se aplica a algumas impressoras jato de tinta, cujos cartuchos coloridos e preto superam o preço de uma impressora nova com todos os cratuchos.

É bem verdade que os cartuchos que vem na impressora, bem como os toners vem com meia vida, ou seja, vem com 30% de tinta, o mesmo se aplicando aos toners, que podem conter 40%, 50% ou no máximo 60% da carga completa.


Isso ocorre porque o grande filão das fábricas de impressoras é a comercialização dos cartuchos de tinta. Vendem as impressoras a preços bem em conta para ganharem rios de dinheiro na comercialização dos cartuchos de tinta e dos toners.


Isso veio a fomentar um mercado paralelo de carga de cartuchos. Empresas se instalaram e desenvolveram tecnologia para recarregar os cartuchos de tinta e os toners, explorando esse filão. Há pessoas que adquirem as tintas e conseguem em casa fazer a carga dos cartuchos.


A HP, que é a maior fabricante de impressoras jato de tinta, no entanto sentida com certeza pela crescente opção dos consumidores pelas recargas de cartuchos optou por desenvolver tecnologia que não permite a recarga dos cartuchos. Dessa forma ao lado de impressoras de ultima geração também desenvolveu um cartucho que não permite recarga, e o tornou tão barato que o rivaliza com uma recarga.

Exemplo: O cartucho da impressora HP Muntifuncional Photosmart C6180 que é uma impressora que detém a ultima tecnologia em qualidade de impressão, custa em torno de R$23,00 na Kangoo e na Kalunga (Compras feitas pela Internet)quando uma recarga custa em torno de R$20,00 a R$15,00.

Esse tipo de cartucho mesmo que se o recarregue, o nível de tinta vai baixando até que ele fique zerado. A impressora então não funciona sem a colocação de outro cartucho, embora se faça a recarga.


Quanto as cartuchos que aceitam recarga, o grande segredo é recarrega-los antes que acabem e mante-los sempre em operação. Dessa forma evita-se o ressecamento das tintas nas cabeças de impressão dos cartuchos, e a queima das micro resistências que aquecem a tinta no momento da impressão. Se essas resistências não encontram tinta, então elas queimam e o cartucho fica irrecuperável.


As impressoras Epson no entanto usam uma tecnologia diferente. Nessas impressoras as cabeças de impressão não se localizam nos cartuchos, e sim na impressora. Isso significa que se essas impressoras ficarem algum tempo sem funcionamento, a tinta irá ressecar na cabeça de impressão e essas ficarão entupidas e consequentemente perdidas, pois troca-las não compensa. É mais em conta comprar outra impressora. O segredo é nunca passar mais do que uma semana sem imprimir alguma coisa.


Cabe aqui um preambulo sobre as impressoras OKI a laser. Essas usam um tipo de toner de alto brilho que empresta uma excelente qualidade de impressão às impressões feitas em papel comum. As impressões fotográficas em papel comum e mesmo as impressões comuns ficam com uma qualidade excepcional, brilhante, como se fosse um papel fotográfico brilhoso. Porém esse toner original é muito caro. Para solucionar isso alguns fornecedores paralelos estão fornecendo esse toner de alto brilho e ensinando a carregar o toner. Essa opção parece que poderá viabilizar o uso dessas impressoras, já que esse fornecedor garante que o toner fornecido não estraga a impressora, e é equivalente ao original.


O fabricante, bem como a assistência técnica informa que o uso de outros toners que não os originais estragam a impressora o que é real. Portanto em se comprando uma impressora OKI a laser, na inviabilidade da compra do toner original caríssimo, existe essa opção da compra do toner similar mais barato, podendo o comprador se candidatar a troca do toner em casa por ele mesmo. Vide o site clicando no seguinte link. http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-71198933-toner-alto-brilho-okidata-c5000-c5100-c5150-c5200-c5250-_JM



Mais orientações sobre reciclagem de toners e insumos de impressoras a laser, Clique aqui. ou no link abaixo






Mais de uma vez já nos surpreendemos quando compramos uma impressora e voltamos a loja depois de algum tempo e descobrimos que os cartuchos para reposição são mais caros do que a impressora, pois bem visando este inconveniente e tendo em vista que recarregar cartuchos não é contra a lei vão aqui algumas considerações para que muitos possam acabar com o gasto absurdo de dinheiro com cartuchos de tinta das diferentes marcas de impressoras:Colocamos o exemplo de um cartucho novo.


Em media este cartucho terá uma autonomia de 300 paginas, agora vejamos na possibilidade de recarregar este cartucho onde ele pode continuar a imprimir encontraremos um valor perto das mesmas 300 impressões a um custo com redução de 70% do valor de um cartucho novo original ou 50% em relação aos compatíveis.


O preço da impressão já ficou bem mais em conta. E assim por diante a cada recarga fica mais barata a impressão de cada folha, se utilizados os cartuchos que você já possui.
Estraga a impressora?

NÂO existe a menor possibilidade de que um cartucho recarregado estrague ou cause qualquer dano a sua impressora.


O pior que pode acontecer é o cartucho não estar em condições 100% para a recarga e o cartucho vazar, a conseqüência é apenas e tão somente a impressora suja.

Reflita: mesmos os cartuchos originais correm esse risco e as empresas não dão garantia, se isto ocorrer caso a impressora esteja com mais de um ano de uso, o máximo que eles garantem é a troca do cartucho.


Indicações: no Mercado Livre você encontrara muitas opções de tinta, adquira de vendedores com empresa aberta, onde possa ir pessoalmente a loja, e sempre filiados a ABRECI garantia de vendedor filiado e tintas com procedência , qualidade e garantia.


Lembramos que o BRADESCO, Banco do Brasil, Grupo Votorantin , Gerdau ... só utilizam cartuchos recarregados.




Para complementar essa matéria não poderia deixar de acrescentar a nova descoberta que fiz e que a meu ver será a solução definitiva em matéria de impressoras, me permitindo imprimir a custo muito em conta e de forma ilimitada.







Trata-se de um artifício que foi inventado pelo mercado paralelo que chamam de BULK INK. Posso falar de cadeira porque eu adquiri o equipamento para a minha impressora, uma C6180 e impressionantemente a coisa funcionou.


O equipamento funciona da seguinte forma:


Reservatórios de tinta externos, um para cada cor são posisionados externamente à impressora, e são conectados por meio de micro mangueiras a cartuchos similares aos originais de cor transparente, que possuem chips chamados de chips FULL que mantém a impressora permanentmente habilitada, ao contrário dos chips que vem nos cartuchos originais.




Periódicamente por meio de um processo de limpeza dos cartuchos a própria impressora vai aspirando a tinta dos reservatórios de forma que é necessário apenas periódicamente completar os reservatórios antes que eles fiquem vazios.





Essas tintas fornecidas são similares às originais e a impressora as aceita perfeitamente. As impressões ficam muito boas, e são essas tintas muito mais baratas. Um recipiente com 100 mililitros sai por módicos 15 reais, contra os 23 reais de um cartucho original que tem apenas 6 mililitros de tinta.



Vale a pena conferir. Veja alguns fornecedores nos links abaixo.












Veja também



Com a quantidade absurda de ofertas de Tintas de variados preços e qualidades no Mercado fica a dúvida Qual a melhor para meu Bulk ou fazer minhas recargas?



A Dmell com 3 anos de experiência em recarga de cartuchos e toners, venda de insumos, tintas, Cartuchos recarregáveis e Bul Ink tem algumas considerações e sugestões a fazer a respeito de tintas e recargas.






Tinta pigmentada é a base de um pigmento chamado de negro de fumo : carbono em dispersão muito fina, obtida por combustão incompleta de gás natural (petróleo), mais resistente à água. As tintas pigmentadas deverão ser utilizadas somente em cartuchos originais de impressoras ou plotters que não possuam esponjas internas:



As tintas pigmentadas podem causar mais danos à cabeça de impressão que as tintas com base corante. O pigmento age como um abrasivo, que devagar vai danificando o circuito e encurtando a vida de seus cartuchos e impressoras.

Tinta corante é a base de corantes artificiais dispersos em água, isentos e ou com baixos teores de sais. Ao contrario da pigmentada deve ser usada em cartuchos originais de impressoras ou plotters que possuam esponjas internas ou Cartuchos Recarregáveis e Bulk Ink.

Mas as tintas à base de corantes podem não fornecer texto limpo e nítido sobre papel liso. Os corantes tendem a ter mais "sangramento" entre as cores que as tintas pigmentadas. Essa pequena falha pode ser facilmente corrigida com a utilização de papeis de alta performance. Também, algumas pessoas podem se preocupar com a performance da tinta se o papel ficar úmido. É importante entender os pontos fortes e fracos de cada tipo de tinta para predizer o que vai se adequar melhor as suas necessidades.

A tinta pigmentada é apropriada para a impressão em papeis transfer e NUNCA para fotos ou impressões de textos.

Para impressão de fotos digitais sugerimos sempre tinta corante, impressoras Epson, Bulk Ink ou Cartuchos Recarregáveis DMELL e papeis fotográficos de alta performance, com esse conjunto você terá trabalhos profissionais.

quarta-feira, 16 de abril de 2008

O PETROLEO NÃO É MAIS SÓ NOSSO.





DEVON COMEÇA A PRODUZIR PETRÓLEO NO BRASIL SEM PETROBRÁS






Mas se o estrago da Vale do Rio Doce foi feito, e o da Usiminas e o das TELES etc..., Os estragos na Petrobrás só não foram maiores devido à uma fantástica competência dos Técnicos e Engenheiros da Petrobrás que vestindo a camisa jogaram bonito nos bastidores para que a Gigante desse a volta por cima como vem dando, e utilizasse os próprios instrumentos de mercado para se tornar mais competitiva e mais eficiente.




Eis no entanto que o estrago feito pelos ENTREGUISTAS, começa a fazer seus efeitos.

Após ter adquirido no 6º leilão o bloco CM-61 para explorar petróleo na área do bloco azul, o filé mignon, por ser potencialmente produtor, a companhia petrolífera estadunidense Devon obteve anteontem licença ambiental para começar a explorar petróleo no campo brasileiro de Polvo, na bacia de Campos.

O início da produção, inicialmente previsto para este mês, fará da Devon a primeira companhia estrangeira produtora de petróleo no País não-associada à Petrobrás.

A Shell já produz no Brasil no campo de Bijupirá-Salema, na Bacia de Campos, desde 2003. Mas a empresa, apesar de ser operadora, tem a Petrobrás como sócia no projeto com uma participação de 20% e vem exportando 70 mil barris/dia de petróleo.

A SK Corp., a maior refinaria da Coréia do Sul, é parceira da Devon no campo de Polvo, detendo uma fatia de 40%. A petrolífera estadunidense tem uma plataforma no campo de Polvo. Ela deverá bombear o petróleo para um navio-tanque com capacidade de 1,5 milhão de barris. O projeto alcançará a produção máxima de 50 mil barris por dia de petróleo pesado em meados de 2008.

Segundo o presidente da AEPET, Heitor Pereira, o CM-61 é parte do BC-60, bloco que a Petrobrás foi obrigada a devolver à Agência Nacional do Petróleo (ANP), mesmo tendo encontrado petróleo, o que deveria garantir a propriedade do bloco conforme assevera o artigo 33 da Lei 9478/97.

A devolução é objeto de ação judicial movida pelo Sindipetro-RJ. Além desta irregularidade, a Devon ganhou a licitação por ter apresentado um conteúdo local de 81%, inviável, enquanto a Petrobrás, que propôs um investimento de milhões de reais a mais, perdeu a concorrência porque apresentou um conteúdo local de 60%, viável, considerando a realidade brasileira.

A AEPET, através de ofício, já havia alertado à ANP sobre a possibilidade de uma empresa `sem escrúpulo` pudesse ganhar a licitação. `As áreas oferecidas no sexto leilão são próximas aos blocos adjacentes nos quais a Petrobrás tinha feito descobertas. Ou seja, a Devon comprou um bilhete premiado e pode exportar petróleo como vem sendo feito pela Shell no campo de Bijupirá-Salema.

Para o poder econômico, não existe a palavra lei e sempre há uma brecha para que se atinjam os objetivos estratégicos`, disse Heitor. (Brasil Online/Redação)

segunda-feira, 14 de abril de 2008

O FIM DA ERA DO PETRÓLEO VAI COMEÇAR



Quando a controvérsia do aquecimento global aquece, o mesmo se passa com a discussão do `pico petrolífero` - o momento em que a produção mundial de petróleo atingirá o pico e começará então a declinar.






Algumas pessoas afastam isto como uma trama das grandes companhias de petróleo a fim de justificar preços elevados ao passo que outras assumem que isto é outra campanha enganosa de ambientalistas para encorajar a conservação de energia.






Dada a contínua manipulação da opinião pública, são compreensíveis as dúvidas quanto ao pico petrolífero. O mundo é sólido e durante a nossa vida ter combustível barato nunca foi um problema. Avanços tecnológicos na eficiência do combustível e energias alternativas deveriam providenciar uma solução antes de a Terra ficar sem petróleo. No entanto, há cinco razões para recear que o pico petrolífero esteja próximo.






Cinco razões para nos preocuparmos com a proximidade do pico petrolífero:



1 - Descobrir petróleo tornou-se extremamente caro e arriscado.
Os depósitos de petróleo formaram-se ao longo de milhões de anos no interior da Terra. A grande produção de petróleo começou a apenas um século atrás. Os Estados Unidos atingiram o pico petrolífero em 1970 e a produção anual do óleo caiu gradualmente para a metade. A atual produção seria menor se não houvesse novas descobertas no norte do Alasca e o desenvolvimento de campos de petróleo offshore. Os Estados Unidos são o líder mundial na exploração e no desenvolvimento do petróleo, mas a produção nos EUA continua a declinar. Toda a gente concorda em que a produção mundial de petróleo atingirá o pico um dia, e não existe método de importar petróleo de outros planetas.







Se há abundantes depósitos de petróleo disponíveis:· Por que as companhias petrolíferas investem milhares de milhões de dólares em tentativas complexas e arriscadas de produzir petróleo a parte de furos em águas profundas?








(1)· Por que as tentativas de desenvolver campos no ártico congelado ou construir plataformas de milhares de milhões de dólares no caminho de furacões no Golfo do México?· Por que as companhias petrolíferas estão a arriscar milhares de milhões de dólares e as vidas dos seus trabalhadores em alguns dos mais hostis países do mundo, como o Sudão e o Iraque?· Por que investir milhares de milhões de dólares em projetos petrolíferos em países como a Rússia, que muitas vezes impõem multas maciças pela `poluição` às companhias de petróleo estrangeiras?· Por que negociar com países com o Equador, que acaba de revogar licenças e tomar campos desenvolvidos?· Por que negociar com o Irã e as suas incertezas?






2 - As companhias de petróleo rejeitam o pico petrolífero





Apesar de acusações não confirmadas, publicamente as grandes companhias de petróleo desprezam o pico petrolífero como um problema ameaçador. Declarações nos seus sítios web, anúncios e discursos de executivos de grandes companhias de petróleo evidenciam isto.






Aqueles que desconfiam do big oil deveriam aceitar isto como prova de que o pico petrolífero está próximo.Por que as companhias de petróleo desprezam este problema uma vez que projeções de preços muito altos aumentariam o valor das suas ações?






Primeiro, as companhias estão continuamente a negociar arrendamentos (leases) petrolíferos e outros acordos com base nos preços projetados do petróleo. Se tais projeções duplicassem, o mesmo aconteceria aos seus custos. Segundo, as companhias de petróleo estão atualmente a arrecadarem lucros enormes.






Elas são a indústria mais lucrativa do mundo. Se o mundo soubesse que elas em breve fariam lucros astronômicos devido à escassez do petróleo, os governos fariam esforços para regular ou aplicar impostos a estes lucros inesperados.








Finalmente, os altos executivos das companhias de petróleo desenvolveram esquemas de pagamentos pelos quais podem-se tornar multimilionários depois de uns poucos anos em posição de topo. Tudo o que eles precisam fazer é sentar e dizer a toda a gente que ninguém deveria ficar alarmado.












Aqueles que argumentam que o pico petrolífero já chegou nunca afirmaram que o mundo ficará subitamente sem petróleo, ou que uma grande escassez provocará a catástrofe. Eles meramente destacam que a oferta mal pode acompanhar a procura. Mesmo se o pico petrolífero estiver a uns poucos anos de distância, as projeções da Agência Internacional de Energia (AIE) mostram que a procura ultrapassará a oferta no 4º trimestre de 2007.








(2) Mesmo que o mundo continue a aumentar a produção de petróleo em milhões de barris por ano, isto não será suficiente para atender o crescimento da procura, levando os preços a aumentarem agudamente. A produção à escala mundial parece ter atingido o pico a aproximadamente 85 milhões de barris por dia (mbd), e o experiente perito em petróleo e geólogo T. Boone Pickens declarou recentemente ser este o nível do `pico petrolífero` e previu US$ 80 o barril no fim de 2007






(3) As projeções da AIE mostram que a procura mundial de petróleo cresce até um recorde de 87 mdb no 4º trimestre de 2007, ao passo que a produção permanece estagnada em torno de 85 mbd. Esta diferença parece pequena, mas ela significa que os compradores de petróleo devem licitar por uma oferta limitada, e espera-se que todas elas tragam para casa contratos para entregas de óleo.







4 - As reservas de petróleo estão a esgotar-se







Os poços de petróleo ficam secos depois de 10 a 15 anos. Aumentar a produção não é apenas uma questão de furar novos poços, mas sim substituir poços esgotados por novos. Algumas companhias de petróleo não estão a conseguir substituir as suas reservas de petróleo no momento em que a produção está a cair. Elas disfarçam este problema através da compra de pequenas companhias de petróleo e registrando-se as nas suas reservas e produção. Se bem que isto resolva o seu problema, nada faz para substituir reservas esgotadas à escala mundial.John Busby, colaborador da SRA, descobriu um outro engano através das análises dos relatórios anuais.






(4) As companhias de petróleo também produzem gás natural. Trata-se de um produto energético, mas não algo que possa ser utilizado pela maioria dos automóveis. No entanto, agora as companhias de petróleo listam as suas reservas como barris de petróleo `equivalente`, contando o conteúdo energético do gás natural como dados de barris de petróleo. Isto obscurece exatamente quanto petróleo bruto foi esgotado, pois pode estar a ser compensado por aumentos no gás natural.






Outra questão é a das reservas contabilísticas das companhias de petróleo quando este é descoberto. Em muitos casos, a falta de infra-estrutura local ou a instabilidade política tornam o desenvolvimento destas reservas demasiado custoso ou arriscado. As companhias de petróleo também furaram dúzias de poços militares de pés abaixo da base do oceano e apregoaram estas descobertas em águas ultra-profundas como grandes acréscimos às suas reservas de petróleo. No entanto, não há qualquer esforço em andamento para produzir petróleo de muitos destes furos pois as complexidades e os riscos são aterradores. (5)






5- A procura por petróleo cresce apesar dos preços mais altos





Os gurus do livre mercado estão confusos porque a sua mágica da oferta versus procura fracassa nos mercados de petróleo. Os preços da gasolina duplicaram nos últimos três anos, mas a procura aumentou. Preços mais altos da gasolina não resultaram em procura diminuída, mas menos gastos em outras áreas. Exemplo: a Wal-Mart culpou os preços mais altos da gasolina pelas suas vendas mais baixas em 2005.






Preços mais altos reduziram o crescimento da procura pois as pessoas conduzem menos, fazem partilhas de carros, utilizam transportes públicos e compram veículos mais eficientes em combustível.Contudo, a procura por petróleo ainda aumentou devido a tendências infraestruturais e culturais que evoluíram desde a Segunda Guerra Mundial, especialmente nos Estados Unidos.






Eles prefeririam antes retirar dinheiro das suas poupanças para pagar US$ 10 por galão (3,78 litros) de gasolina do que ficar à espera numa fila de auto-carro. O grande livro de Paul Fussel acerca da sociedade americana definia a classe pobre como a daqueles que embarcam no auto-carro.Além disso, grandes carros de luxo são um símbolo de status. Eles prefeririam trabalhar num segundo emprego do que serem vistos a conduzir um pequeno Honda.






Uma das canções mais populares dos últimos anos era `Gasolina`, em língua espanhola, cujo refrão se traduz por `ela gosta de gasolina`, enquanto o seu vídeo mostra jovens a desfrutarem carros grandes e poderosos. Na China e em outros países em desenvolvimento, o símbolo do êxito é possuir um carro. Os trabalhadores pobres querem possuir um carro mais devido ao status do que pela sua utilidade como transporte.
Le gusta la gasolina






Estes padrões culturais certamente provocarão um choque de civilizações pois toda a gente compete pelo petróleo. A gasolina a US$ 5 por galão provoca impacto na economia, mas tem um impacto limitado no crescimento da procura por petróleo. O mercado livre sabe como reduzir a procura - preços mais altos, mas quão altos devem ir? O problema é que o preço não é um fator importante para a alta classe média e acima, para os militares, governos e a maior parte dos negócios.






Eles pagarão seja o que for que o mercado peça desde que isto não exija sacrifício pessoal. Ironicamente, nas mentes da maior parte dos americanos, preços mais elevados da gasolina apenas elevarão o status social de conduzir um monstro bebedor de gasolina. Infelizmente, aqueles que têm um orçamento limitado e estão dependentes de um automóvel para o transporte lutarão para sobreviver nesta era em que todos gostam de `Gasolina`






(1) O Thunder Horse parte uma perna, 04/maio/2007


(2) Oil Market Report, IEA, May 11,2007


(3) `Conference speakers point to $70-80 oil by end of year`, Fort Worth Business Press, May 13,2007


(4) `Ignotum per ignotius`, SRA; Octer 27,2006


(5) O Thunder Horse parte uma perna, 04/maio/2007

terça-feira, 8 de abril de 2008

A PETROBRAS E O NEOLIBERALISMO


Interessante que na América Latina quando ocorre algo em um país, por coincidência ocorre o mesmo nos outros, tudo na mesma época. Quando começou a eclodir as ditaduras latino americanas dos anos 60, isso veio a ocorrer em práticamente todos os países ao mesmo tempo.


Quando as ditaduras do cone sul começaram a cair, cairam todas ao mesmo tempo. Quando começaram a soprar os ventos do NEO-LIBERALISMO, ele soprou em todos ao mesmo tempo, e quando a desilusão sobre as propostas neo-liberais começaram a soprar, esse sopro atingiu a todos ao mesmo tempo.


Por sorte não mergulhamos de cabeça nas propostas neo-liberais. Os NEO LIBERALISTAS tiveram muito trabalho por aqui, mas a Argentina mergulhou de cabeça e o que aconteceu com ela pode ser avaliado em um filme que está na Internet. Consulte o endereço http://www.veoh.com/videos/v6480270g2ZNebTm e assista o filme.


Segundo o economista HENRIQUE JÄGER responsável pela assessoria do DIEESE à FUP e ex membro do conselho fiscal do Banco do Brasil e ex sub secretário de trabalho do estado do Rio de Janeiro, em entrevista publicada pela revista IMAGEM do Sindipetro NF, afirma que A luta para preservar a PETROBRAS como empresa estatal foi acertada e foi um grandioso êxito, isso porque nenhuma empresa privada do mundo iria investir 1 bilhão de dólares em um investimento incerto como a prospecção de petróleo em águas profundas que a partir de 2003 desembocou no acréscimo em termos de reservas da metade dos 25 bilhões de barris de petróleo que representam hoje as reservas da Petrobrás.


Isso significa que a Petrobrás investiu em prospecção de petróleo e com isso dobrou as suas reservas em quatro anos.


Por outro lado as recentes descobertas indicam que estamos apenas na ponta do iceberg que segundo a direção da Petrobrás pode desembocar na descoberta de uma das maiores províncias petrolíferas do mundo que se estende da costa do Espírito Santo até Florianópolis, colocando o Brasil como um dos países com as maiores reservas de petróleo do mundo.



terça-feira, 1 de abril de 2008

NOVO POÇO DESCOBERTO AINDA MAIOR DO QUE O DE TUPI==> O CEU É O LIMITE?


PETROBRÁS DESCOBRE POÇO AO SUL DAS RESERVAS GIGANTES DE TUPI
A Petrobrás descobriu mais um reservatório de petróleo e gás abaixo da camada de sal na bacia de Santos, ao sul das reservas gigantes de Tupi. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) recebeu a notificação no último dia 6 de março. A estatal não fez comunicação ao mercado porque ainda não foram feitos testes de produção para avaliar o potencial na jazida.


Esse é o novo poço bem-sucedido na região, que vem sendo encarada como a principal província petrolífera mundial encontrada nos últimos anos. O jornal norte-americano “Washington Post” publicou anteontem a conclusão de Eliott Gue, editor da “Energy Strategist”, noticiando o petróleo em águas profundas no País como “a ultima fronteira no setor” e o Brasil como “um dos atores dominantes nos próximos anos”, referindo-se à descoberta do megacampo de Tupi.


Segundo Gue, a Petrobrás é “reputada amplamente como a estatal de petróleo mais bem gerenciada” e “está na dianteira do novo boom de produção”. O BM-S 8 fica no entorno de uma área com potencial de reservas batizadas pela Petrobrás de “Carioca”, que se estende por quatro blocos exploratórios na porção paulista da bacia se Santos.








Analistas acreditam que essa área pode ser maior que a de Tupi, onde a estatal encontrou de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de óleo equivalente (somado ao gás). Em relatório de dezembro do ano passado a seus cliente e investidores, o Banco Credit Suísse estimava a existência de algo entre 7 bilhões a 24,5 bilhões de barris em Carioca.



O BM-S 8 fica numa área chamada de franja do pré-sal, ou seja, na borda dos principais reservatórios identificados. Para o Credit Suisse, o bloco tem o menor potencial dos quatro que compõem Carioca, com estimativas de reservas de 250 milhões e 750 milhões de barris.



A Petrobrás também começou a perfurar o segundo poço do bloco BMS-9 em Carioca. A área se estende ainda ao sul pelos blocos BM-S-21 e BM-S 22, esse último operado pela petrolífera norte-americana Exxon, arrematado nos leilões da ANP. Na porção fluminense da bacia de Santos estão Tupi, Júpiter e Parati, todos já com poços perfurados. (O Estado de São Paulo/Folha de S.Paulo)

SOMOS TODOS CHAPECOENSES