http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

quarta-feira, 16 de abril de 2008

O PETROLEO NÃO É MAIS SÓ NOSSO.





DEVON COMEÇA A PRODUZIR PETRÓLEO NO BRASIL SEM PETROBRÁS






Mas se o estrago da Vale do Rio Doce foi feito, e o da Usiminas e o das TELES etc..., Os estragos na Petrobrás só não foram maiores devido à uma fantástica competência dos Técnicos e Engenheiros da Petrobrás que vestindo a camisa jogaram bonito nos bastidores para que a Gigante desse a volta por cima como vem dando, e utilizasse os próprios instrumentos de mercado para se tornar mais competitiva e mais eficiente.




Eis no entanto que o estrago feito pelos ENTREGUISTAS, começa a fazer seus efeitos.

Após ter adquirido no 6º leilão o bloco CM-61 para explorar petróleo na área do bloco azul, o filé mignon, por ser potencialmente produtor, a companhia petrolífera estadunidense Devon obteve anteontem licença ambiental para começar a explorar petróleo no campo brasileiro de Polvo, na bacia de Campos.

O início da produção, inicialmente previsto para este mês, fará da Devon a primeira companhia estrangeira produtora de petróleo no País não-associada à Petrobrás.

A Shell já produz no Brasil no campo de Bijupirá-Salema, na Bacia de Campos, desde 2003. Mas a empresa, apesar de ser operadora, tem a Petrobrás como sócia no projeto com uma participação de 20% e vem exportando 70 mil barris/dia de petróleo.

A SK Corp., a maior refinaria da Coréia do Sul, é parceira da Devon no campo de Polvo, detendo uma fatia de 40%. A petrolífera estadunidense tem uma plataforma no campo de Polvo. Ela deverá bombear o petróleo para um navio-tanque com capacidade de 1,5 milhão de barris. O projeto alcançará a produção máxima de 50 mil barris por dia de petróleo pesado em meados de 2008.

Segundo o presidente da AEPET, Heitor Pereira, o CM-61 é parte do BC-60, bloco que a Petrobrás foi obrigada a devolver à Agência Nacional do Petróleo (ANP), mesmo tendo encontrado petróleo, o que deveria garantir a propriedade do bloco conforme assevera o artigo 33 da Lei 9478/97.

A devolução é objeto de ação judicial movida pelo Sindipetro-RJ. Além desta irregularidade, a Devon ganhou a licitação por ter apresentado um conteúdo local de 81%, inviável, enquanto a Petrobrás, que propôs um investimento de milhões de reais a mais, perdeu a concorrência porque apresentou um conteúdo local de 60%, viável, considerando a realidade brasileira.

A AEPET, através de ofício, já havia alertado à ANP sobre a possibilidade de uma empresa `sem escrúpulo` pudesse ganhar a licitação. `As áreas oferecidas no sexto leilão são próximas aos blocos adjacentes nos quais a Petrobrás tinha feito descobertas. Ou seja, a Devon comprou um bilhete premiado e pode exportar petróleo como vem sendo feito pela Shell no campo de Bijupirá-Salema.

Para o poder econômico, não existe a palavra lei e sempre há uma brecha para que se atinjam os objetivos estratégicos`, disse Heitor. (Brasil Online/Redação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES