http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

REVELAÇÕES ASSUSTADORAS

Brinquedo Playmobil com o olho de Orus. O olho que tudo vê.
Recentemente tem sido divulgado uma série de DVDs que estão sendo vendidos, e que inicialmente eram veiculados com permissão de cópia gratuita, e que revelam fatos estarrecedores. São no total 15 DVDs até o momento e continuam a ser produzidos. Esses DVDs tem feito um grande sucesso, porque abrem a mente das pessoas para diversos fatos que ao tomar conhecimento as pessoas se surpreendem, porque os VALORES, aqueles a que nos acostumamos e que foram transmitidos por nossos pais vão desmoronando e em seu lugar aparecem os verdadeirtos valores ocultos que estão a nossa volta e que não percebemos. 

Muitas das coisas ali reveladas já eram motivo de suspeita ou de questionamentos tanto de nossa parte como por parte de inúmeras pessoas e instituições ao redor do mundo. Grupos e organizações já questionavam por exemplo a queda das torres gêmeas de New York que nós cansamos de questionar aqui, porém quanto mais eu tomo conhecimento de inúmeros fatos, mais estarrecido vou ficando com essas coisas até então desconhecidas para mim.

A questão é que esses DVDs levaram-nos a investigar outros produzidos nos Estados Unidos, principalmente por David Ickle que foi um dos protagonistas da divulgação dos fatos que levam à conclusão de que se prepara uma Nova Ordem Mundial, e os filmes produzidos nos Estados Unidos revelam fatos novos ainda mais contundentes e mais estarrecedores.

Alguns podem achar que isso é delírio, ou que é exagero, ou que é produto de uma mente doentia e conturbada, mas o fato é que dia após dia, mais e mais pessoas vão se convencendo desses fatos, e essa consciência ameaça esse poder oculto e talvez por isso eles procuram acelerar seus planos de estabelecer talvez pela força uma nova ordem mundial no planeta.

Brinquedo à venda no Shopping Via Parque no Rio de Janeiro
De entre os fatos que temos tido conhecimento nesses DVDs e nos filmes, está o de que eles nos passam mensagens subliminares que não percebemos mas que se instalam no nosso inconsciente. São flashes rápidos em filmes principalmente, em brinquedos, e em toda sorte de artifício. Veja por exemplo essa foto de um brinquedo que eu pessoalmente fotografei já com minha mente treinada em uma loja de brinquedos no Shopping Via Parque na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. Vê-se a pirâmide, e acima da pirâmide, uma pirâmide menor com o olho de ORUS, ou seja o olho que tudo vê.

Para quem não sabe, a pirâmide representa a sociedade. A pirâmide é feita de tijolos. Os tijolos são os cidadãos que compõem a sociedade que são para a elite dirigente como tijolos descartáveis, ou meras cabeças de gado. Acima da pirâmide está uma pirâmide menor que representa a elite e o olho representa o controle que essa elite exerce sobre todos os cidadãos, vigiando todos os passos e até os pensamentos de todos os cidadãos descartáveis.

Filme "O BEBÊ DE ROSEMARY"
De entre os fatos estarrecedores revelados nos filmes principalmente de David Ickle nos Estados Unidos, está a declaração de um ex integrante do FBI que investigou e se especializou em rituais satânicos ou contrários à lei. Ele descobriu que esses rituais existem nos Estados Unidos e também na Europa e não são seitas isoladas como vimos no filme BEBÊ DE ROSEMARY. São na verdade rituais que existem nos Estados Unidos e na Europa e que envolvem Juizes, Médicos, Políticos, Artistas e Grandes estrelas da Música e de todas as artes. Mais a frente é demonstrado um ritual de iniciação, em que um juramento é feito, e os termos desse juramento é o seguinte: "Cada iniciado tem um mestre ao qual eles chamam de SENIOR, e lhes é dito que tudo o que esse "SENIOR" lhes pedir para fazer deverá ser feito. Seja o que for. Esse pedido pode ser amanhã, daqui a vinte anos ou poderá nunca ser feito, mas quando for pedido deverá ser feito. Isso é um juramento no qual fica empenhado a sua vida, a sua família, e todos os seus bens, inclusive sua alma. Em troca disso tudo o que esse iniciado pedir ao seu SENIOR será providenciado e esse se assegurará dos meios para garantir o cumprimento do pedido."

Na minha modesta opinião isso significa vender a alma ao Diabo, porque como você pode jurar que irá fazer tudo o que lhe for pedido? E se te pedirem para matar alguém? E se te pedirem para colocar bombas em um edifício e o implodirem e com isso matar as pessoas que ali estão? Será que as pessoas que fizeram isso não estão com a sua consciência atormentada? Será que não tiveram que passar por cima dos seus princípios morais, éticos, espirituais para levarem adiante tal juramento, não podendo revelar sua atrocidade a ninguém.

O pior de tudo é que há rituais que envolvem sacrifícios humanos, há outro que envolve a colocação de uma virgem que é seguidamente estuprada enquanto outros, os iniciados se masturbam ao seu redor, e quem faz parte de um ritual dessa natureza fica sabendo das intimidades dos outros e pode obviamente denuncia-los, tendo em seu poder uma arma contra todos. Por isso o juramento de não revelar essas coisas é um juramento sagrado. 

Existem linhagens de nobres Ingleses que se dedicavam a esses cultos, magos negros ao longo da história que fundaram essas ordens, esses cultos e que existem até hoje.

Esse pacto é feito entre irmãos de uma mesma fraternidade. Isso me faz lembrar o filme "O PODEROSO CHEFÃO", filme que foi baseado em conhecimentos específicos da Máfia Americana, A Cosa Nostra, a um tal ponto em que a Cosa Nostra interferiu nas filmagens para que não fossem revelados fatos ligados a tal organização. Logo no início do filme, um pai de uma filha que foi violentada pede ao PADRINHO o Chefão que faça justiça e mate os homens que violentaram sua filha e a machucaram, e esse lhe diz que tinha que beijar sua mão e chama-lo de padrinho, e só assim poderia fazer o que desejava. A seguir lhe diz o seguinte. "Algum dia que poderá nunca chegar, eu lhe pedirei que faça alguma coisa para mim e quando esse dia chegar você não poderá negar."

O PODEROSO CHEFÃO dessa forma ia construindo sua rede de poder. Homens que estavam sob o seu total domínio, que fariam qualquer coisa que lhes fosse pedido e que não revelariam o que foi feito, com a própria vida. Eles tinham seus códigos de honra e de lealdade. 

Nessa mesma série mais a frente na parte dois, um integrante da Máfia resolve revelar segredos da organização. Foi então visitado por um advogado da organização que lhe fez lembrar o pacto que envolve inclusive membros da família. No caso de ele se matar (O que não foi dito explicitamente em momento nenhum), toda a sua família estaria amparada de acordo com os rígidos juramentos da organização. Isso foi o suficiente para que esse integrante da organização viesse a se matar, evitando ter que denunciar a organização.

Dessa forma vamos descobrindo que Hitler fazia parte dessas organizações satânicas, e que foi financiado inclusive por banqueiros e lordes Ingleses que tinham ligações com famílias alemãs também.

As mensagens subliminares que eles vem passando fazem parte do nosso dia a dia. Essas mensagens visam entre outras coisas, desacreditar a Jesus como o verdadeiro caminho, a instituir a destruição, a enganar, a espalhar o terror e a morte. Veja uma das mensagens que por acaso vi em um filme alugado em uma locadora. É uma passagem rápida que um olho não treinado não tem como perceber, a não ser que você tenha conhecimento dessas coisas, e então percebe que tentam lhe passar uma mensagem. Eu percebi e congelei a imagem e repasso aqui para que seja analisada.
Essa imagem aparece muito rápidamente. Quase não dá para se notar. O que me chamou a atenção foi o símbolo feito com as mãos. Esse símbolo representa o bode. Os dedos são os chifres. Ao congelar a imagem percebe-se a alusão ao papa. A coroa papal, o crucifixo e a fita ao redor do pescoço.

Sabemos hoje que muitos líderes ao redor do mundo fazem também esse símbolo. Veja alguma fotos.

Nessa altura talvez você esteja se perguntando.

Como eles conseguem tantos adeptos? É simples. Só chega às culminancias do poder, quem eles querem, e Eles só escolhem aqueles que não os questionam muito. Se você os questiona, não fará parte dessa Elite Global.


















quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A EDUCAÇÃO E A SAUDE É DE MÁ QUALIDADE NO BRASIL PORQUE "ELES" QUEREM.

Estava eu a fazer um estudo sobre a HOLANDA. Lá em que a droga é permitida e onde os jovens se drogam até morrerem em uma praça no centro de Amsterdã, agora também permitiu a EUTANASIA. Eutanasia é a permissão para que um médico decida tirar a vida de um ancião ou idoso que esteja em estado terminal. Com isso muitas famílias estão optando por tirar a vida de seus idosos pois os consideram um peso. De fato o governo os considera um peso pois tem que pagar a eles pensões e aposentadorias e um idoso não traz retorno em termos de trabalho. É uma peça desgastada dentro do regime de escravidão moderna, e por isso é conveniente que seja devidamente descartado.


Asilo na Alemanha converte-se em abrigo para idosos que fogem da Holanda com medo de serem vítimas de eutanásia a pedido da família. São quatro mil casos de eutanásia por ano, sendo um quarto sem aprovação do paciente.
Eutanásia praticada numa unidade de terapia intensiva
Eutanásia praticada numa unidade de terapia intensiva

O novo asilo na cidade alemã de Bocholt, perto da fronteira com a Holanda, foi ao encontro do desejo de muitos holandeses temerosos de que a própria família autorize a antecipação de sua morte. Eles se sentem seguros na Alemanha, onde a eutanásia tornou-se tabu depois que os nazistas a praticaram em larga escala, na Segunda Guerra Mundial, contra deficientes físicos e mentais e outras pessoas que consideravam indignas de viver.

A Holanda, que foi ocupada pelas tropas nazistas, ao contrário, é pioneira em medidas liberais inimagináveis na maior parte do mundo, como a legalização de drogas, prostituição, aborto e eutanásia. O povo holandês foi o primeiro a ter o direito a morte abreviada e assistida por médicos. Mas o medo da eutanásia é grande entre muitos holandeses idosos. 

Estudo justifica temores – Uma análise feita pela Universidade de Göttingen de sete mil casos de eutanásia praticados na Holanda justifica o medo de idosos de terem a sua vida abreviada a pedido de familiares. Em 41% destes casos, o desejo de antecipar a morte do paciente foi da sua família. 14% das vítimas eram totalmente conscientes e capacitados até para responder por eventuais crimes na Justiça.
Os médicos justificaram como motivo principal de 60% dos casos de morte antecipada a falta de perspectiva de melhora dos pacientes, vindo em segundo lugar a incapacidade dos familiares de lidar com a situação (32%). A eutanásia ativa é a causa da morte de quatro mil pessoas por ano na Holanda.


Porém como um assunto acaba levando a outro, esbarrei com o famoso RELATÓRIO KISSINGER que recomenda medidas para o controle da população mundial, porque o aumento da população mundial ameaça o "PODER" nos Estados Unidos de acordo com esse relatório, e descobri porque a EDUCAÇÃO e a SAUDE no nosso país é péssima.


O filme Matrix, revela que todos nós que não somos ricos e que não pertencemos à elite global, somos escravos. Escravos disfarçados de trabalhadores, mas no fundo escravos. Precisamos de dinheiro e para isso temos que trabalhar, e a necessidade do dinheiro por parte de  todas as pessoas nos leva a estudar para que fiquemos mais preparados para servir à sociedade.


Mas para que existe a sociedade? Em tese ela serviria para nos proporcionar bens e serviços, para nos amparar e para cuidar de nós. É um engano. Na verdade o que se vê é que a sociedade existe para servir a uma elite dominante. O interesse “COLETIVO” está acima do interesse “INDIVIDUAL” e o interesse COLETIVO é o interesse dos poderosos.

Sendo uma sociedade CRISTÃ, e por isso mesmo baseada nos valores do cristianismo que tem como pano de fundo o AMOR AO PRÓXIMO, a sociedade pauta-se no seu direito constitucional, por valores Cristãos como o cuidado com os desamparados, com os idosos e com as crianças. Isso no plano institucional, porém no plano prático o que se vê é o culto à juventude, à vaidade, aos valores materiais. A todo o momento somos bombardeados por propagandas que evidenciam a sensualidade, a riqueza e o poder. Valores que parecem ser a verdadeira motivação de toda uma sociedade que se locomove afoita perseguindo cada vez mais bens materiais que não preenchem as nossas verdadeiras necessidades. As necessidades espirituais.

Pistas para entender

Nunca a família e a vida estiveram tão ameaçadas como nos dias de hoje! O avanço tecnológico e as transformações sociais, sem uma preocupação ética, têm motivado uma série de problemas que levam, por um lado, à destruição de vidas humanas, por outro, à desagregação da família.

Além disso, a disputa pelo domínio político do mundo e os projetos dos grupos que buscam a hegemonia da “raça de puro sangue” têm causado verdadeira ameaça à humanidade. Hoje os projetos políticos e demográficos impostos ao chamado “Terceiro Mundo” pelos países do Norte que se sentem ameaçados pelo crescimento demográfico e pelo desenvolvimento do Sul, são em grande parte responsáveis pela “cultura da morte” de que nos fala o Papa, João Paulo II, na sua recente encíclica “Evangelium Vitae”.

O documento “Implicações do crescimento da população mundial para a segurança dos Estados Unidos e dos seus interesses externos”, também conhecido como “Relatório Kissinger”, concluído em 1974 e codificado como confidencial (“NSSM 200”), desclassificado pela Casa Branca em 1989, traz à tona valiosas informações para se entender o problema do controle de população no mundo.

Por outro lado, vários outros documentos de grupos eugénicos explicam procedimentos e projetos em curso para as transformações sociais que implicam a destruição de conceitos éticos e morais da sociedade. Entre estes grupos, o mais importante pela atuação e abrangência em termos mundiais está a IPPF – International Planned Parenthood Federation (Federação internacional de Planeamento Familiar). Esta organização tem sede em Londres e mantém 142 filiais em todo o mundo. No Brasil a sua filial é a BEMFAM-Sociedade Civil de Bem-Estar Familiar. A IPPF foi criada em 1932, embora já existisse com outra denominação desde o início do século. Criada sob os auspícios da Sociedade de Eugenia inglesa, teve o apoio do “Population Council” e a sua primeira presidente foi a Sra. Margareth Sanger, falecida na década de 60.

Essas organizações, tanto as de origem política como as de origem racista, estabelecem diretrizes e estratégias para conseguirem os seus objetivos.

Entre as estratégias estabelecidas pelo Relatório Kissinger estão:
·                                 “A condição e a utilização das mulheres nas sociedades dos países subdesenvolvidos são particularmente importantes na redução do tamanho da família… As pesquisas mostram que a redução da fertilidade está relacionada com o trabalho fora do lar” (NSSM 200, pag. 1301).
 
·                                 “Ter como prioridade educar e ensinar sistematicamente a próxima geração a desejar famílias menos numerosas” (Idem pág. 111)
·                                 “A grande necessidade é convencer a população de que é para seu benefício individual e nacional ter em média, só 3 ou então dois filhos” (Idem, pág. 1308)
·                                 “… devemos mostrar a nossa ênfase no direito de cada pessoa e casal determinar livremente e de maneira responsável o número e o espaçamento dos seus filhos e no direito de terem informações, educação e meios para realizar isso, e mostrar que nós estamos sempre interessados em melhorar o bem-estar de todos” (Idem pág. 22, § 34).
·                                 “Há também o perigo de que alguns líderes dos países menos desenvolvidos vejam as pressões dos países desenvolvidos na questão do planeamento familiar como forma de imperialismo económico e racial; isso bem poderia gerar um sério protesto” (Idem pág. 106).


As pressões a que alude o relatório Kissinger são várias, entre elas:

a) convênios de ajuda condicionada a providências dos governos no sentido de reduzir o crescimento populacional;
b) renegociação da dívida externa com condições impostas aos países em desenvolvimento;
c) empréstimos externos para áreas que significam redução da população, como por exemplo implantação do “planejamento familiar” (controle de população) com distribuição e incentivo ao uso de métodos artificiais e promoção da mentalidade contraceptiva, etc.


Não é por acaso que as coisas acontecem e que muitas vezes não as percebemos claramente. Dentro deste contexto é explicável a não destinação de recursos para as áreas de educação e saúde. Se a população tem atendimento em hospitais públicos e em escolas públicas de bom padrão, isso significa estímulo à procriação, ao aumento do número de filhos. Enquanto que se os hospitais e escolas públicas não são suficientes, ou mesmo se estão em estado precário, os pais são forçados a colocar os seus filhos em escolas particulares e a levar os seus filhos para atendimento em hospitais particulares ou a pagarem um plano de saúde.


Nesse caso raciocinam: não se pode ter mais de 2 filhos, uma vez que a vida hoje está difícil. Escolas caras, médicos e hospitais… uma fortuna. É sem dúvida uma estratégia que traz os seus efeitos no controle populacional. Um outro exemplo é a redução de descontos para abatimentos quando da declaração anual de renda. A redução dos descontos com educação, assistência médica, etc., constitui uma forma de pressão para se ter poucos filhos.


Se, de um lado existem as pressões econômicas, do outro, os projetos chamados “Projetos de População” criam condições para uma efetiva redução do número de filhos. Nesses projetos são investidos milhões de dólares do Governo Americano, através da USAID e de outros governos do chamado Primeiro Mundo (Japão, Canadá, Alemanha, etc.). Entre esses projetos estão o de esterilização, o de distribuição de meios contraceptivos (pílulas, DIUs, preservativos, injetáveis etc.); os de “educação sexual”, voltada para a criação de uma mentalidade contraceptiva e de destruição dos padrões morais da sociedade; os de treinamento de pessoal médico para assistência ao “planeamento familiar”, para organização de congressos, seminários, etc., além de recursos destinados aos media e ao assessoramento “lobby“ no Congresso Nacional para aprovação de leis que legalizem a contracepção, a esterilização e o aborto.


Nada do que está a acontecer no Terceiro Mundo e particularmente no Brasil, em matéria de controle populacional, de “educação sexual”, de “planeamento familiar” é por acaso. Tudo isso faz parte de um plano muito bem elaborado e com altos investimentos em dólares.


Prof. Humberto L. Vieira
Presidente da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família


O problema do rígido controle da natalidade no Ocidente

Data: 20/04/2009
Autor: Ivanaldo Santos
Fonte: http://ivanaldosantos.blogspot.com/2009/04/o-problema-do-rigido-controle-da.html

No mês de março de 2009 o jornalista Maurício Horta publicou na revista Super Interessante (março de 2009, p. 23-24) um artigo, cujo título é Faça amor e faça a guerra. Neste artigo ele apresenta de forma muito sucinta o problema do rígido controle da natalidade no Ocidente.

O Ocidente se desenvolveu tecnologicamente e economicamente. Conseguiu realizar importantes revoluções como, por exemplo, a revolução industrial e a revolução francesa. Além disso, desenvolveu a democracia, aperfeiçoou os direitos humanos e garantiu a liberdade de expressão e de pensamento.

Os países do Ocidente também venceram muitas guerras ao redor do planeta e, com isso, garantiram que as conquistas oriundas do desenvolvimento econômico, da democracia e da liberdade de pensamento fossem levadas a outras partes do planeta.

Entretanto, Maurício Horta chama a atenção para o fato de que “sem guerra alguma [sem conquista militar], séculos de hegemonia ocidental poderão acabar porque seus casais têm poucos filhos. Nada menos que 70% dos europeus vivem em países onde se morre mais do que nasce. Mas, a população da União Européia vai continuar crescendo. Não por causa das taxas de natalidade, mas pela imigração. O mundo pobre, cada vez mais apertado, deve invadir cada vez a praia do mundo rico. E mudar a cada do planeta. Essa bomba demográfica já está explodindo há um bom tempo: a população árabe na Europa mais do que dobrou nas últimas décadas. Em 1982, eram 6,8 milhões. Hoje são 16 milhões. Na França, que recebeu levas de imigrantes muçulmanos de suas ex-colônias no norte da África, eles já representam quase 10% da população”(Super Interessante, março de 2009, p. 23).

O fato concreto é que nos últimos 60 anos os países do Ocidente adotaram uma rígida política de controle da natalidade. O objetivo dessa política era – e ainda é – reduzir a população nacional e, com isso, diminuir problemas sociais como, por exemplo, o desemprego, a violência e a fone. Além disso, a ideologia do consumo e do prazer a qualquer custo tornou-se hegemônica nos países ocidentais. Essa ideologia afirma que ter filhos é um prejuízo. Isto acontece porque ter filhos faz os casais gastarem dinheiro com a educação e a saúde dos filhos e sobra pouco dinheiro para consumir e viver loucamente os prazeres do sexo e da vida moderna.

São variadas as técnicas utilizadas para colocar em prática a rígida política de controle da natalidade. Entre essas técnicas cita-se: ampla propaganda nos meios de comunicação incentivando os casais a não terem filhos ou terem apenas um filho, vasta educação (nas escolas secundarias e na universidade) para que os jovens não desejem ter filhos, vasta distribuição de métodos e remédios que evitam a mulher engravidar, esterilização em massa de mulheres e homens em idade vertil, legalização e incentivo ao aborto – em alguns lugares fazer um aborto se transformou em moda entre os jovens – e amplo incentivo ao homossexualismo.

A conseqüência do rígido controle da natalidade é que em muitos países do Europa o número de pessoas que morrem é maior do que nascem. Na prática isso representa que em algumas décadas esses países serão um deserto populacional. Inclusive o fenômeno do deserto populacional (cidades fantasmas, as escolhas e universidades são obrigadas a fechar por falta de alunos, a indústria e o comércio entram em crise por falta de consumidores, etc) já se manifesta em muitas partes da Europa.

O que salva o Ocidente é a imigração dos países do terceiro mundo, principalmente dos países mulçumanos. É importante esclarecer que os países ocidentais têm feito constantes apelos e financiado muitas ações dentro dos países do terceiro mundo, principalmente dos países mulçumanos, para que estes países desenvolvam rígidas políticas de controle da natalidade iguais as políicas ocidentais. Entretanto, esses apelos e essas ações até agora tem sido um grande fracasso.

Inclusive os países mulçumanos possuem uma política oficial de crescimento e expansão populacional. O Islã pretende dominar o mundo ou pela força das armas – por meio da guerra santa – ou pela expansão populacional. Os países mulçumanos abertamente incentivam o crescimento populacional como forma de vencer e dominar o Ocidente. O crescimento populacional islâmico é debatido abertamente no Parlamento de países mulçumanos como, por exemplo, o Irã, a Arábia Saudita e o Iêmen.

Em hipótese alguma está se defendendo uma política anti-imigração, ou seja, um país ou uma região do planeta se feche para o resto do mundo. A questão é bem mais complexa. De um lado, o Ocidente tal qual existe hoje é fruto de muitas imigrações que ocorreram ao longo de séculos. Do ouro lado, uma das marcas registradas do ser humano é a capacidade de andar ao redor do planeta. E com o aperfeiçoamento da economia e da tecnologia essa marca fica cada vez mais acentuada.

O problema é que as populações que estão imigrando para o Ocidente não aceitam o estilo de vida ocidental e, o pior, vêem os valores ocidentais como, por exemplo, a liberdade de pensamento e a democracia, como pura decadência fruto do secularismo e do ateísmo dominante no Ocidente.

A questão é dramática. De um lado, têm-se os países ocidentais (cheios de riqueza e tecnologia, mergulhados no secularismo e no ateísmo) com uma rígida política de controle da natalidade, a qual estimula as pessoas a não terem filhos ou então terem apenas um filho. Com isso os países do Ocidente estão correndo o risco de virarem um deserto populacional. Do outro lado, têm-se os países do terceiro mundo, especialmente os países mulçumanos. Estes países possuem altas taxas de natalidade. E ainda por cima os países mulçumanos estão utilizando o crescimento populacional como arma para vencer, destruir e dominar a cultura e os valores ocidentais.

A solução que Maurício Horta apresenta enquadra-se dentro do que atualmente chama-se de relativismo cultural. Em suas palavras: “A saída mais clara para os países que vão enfrentar migrações em massa não é um contra-ataque demográfico nessa linha, mas o entendimento. Isso significa deixar de lado laços de sangue e abraçar a assimilação cultural” (Super Interessante, março de 2009, p. 24).

A dois sérios problemas com a política do relativismo cultural, da assimilação cultural.

O primeiro é que países ocidentais com uma população majoritariamente idosa e vivendo o fenômeno do deserto populacional não possuem – e não possuirão – nenhuma condição de assimilar qualquer tipo de população imigrante. Pelo contrário será facilmente assimilado por essa população. Uma multidão de árabes mulçumanos jovens facilmente assimilará e até pode engolir a população idosa de um país ocidental ou – mais fácil ainda – ocupar o deserto populacional criado pelo rígido controle da natalidade.

O segundo é que as populações imigrantes não desejam serem assimiladas ou vêem com maus olhos a cultura ocidental. Cultura essa que é marcada pela democracia, pela liberdade de pensamento e pelo secularismo. O que as populações imigrantes desejam, especialmente os mulçumanos, é implantar no Ocidente seu estilo de vida e sua cultura. Atualmente está na moda falar da imigração para os países ocidentais. Entretanto, pouco ou quase nada se fala dos problemas e das tensões sociais e políticas que essa imigração pode trazer. Alguém já imaginou, por exemplo, a França ou a Inglaterra com uma população de maioria mulçumana? Os mulçumanos vêem a democracia como decadência cultural. Eles são contra a liberdade de pensamento e a liberdade religiosa. A comunidade islâmica na Europa deseja abertamente implantar um Estado islâmico guiado unicamente pelas leis do Alcorão. Se isto acontecer representará na prática o fim da cultura ocidental tal qual nós a conhecemos atualmente.

Obviamente que uma população de um país, por questões diversas, pode livremente escolher em não ter filhos e, por conseguinte, desaparecer. E com isso abrir espaço para que o território desse país seja conquistado e colonizado por outros povos, inclusive pelos mulçumanos. Entretanto, até o presente momento nenhum país no Ocidente realizou uma votação, um plebiscito, para decidir se este país será extinto pela falta de população causada pelo rígido controle da natalidade.

Diante do quadro apresentado afirma-se que é tempo de se (re)pensar a rígida política de controle da natalidade que praticamente proibi as pessoas de terem filhos nos países do Ocidente. 

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

BRASIL PODE ESTAR PERTO DE UMA GUERRA

Muitas de nossas mazelas como nação deve-se a interferência de uma outra Nação. Falo dos Estados Unidos da América. Esse país está por trás de vários acontecimentos aqui no Brasil e em toda a América Latina. O golpe militar de 1964 teve por trás uma conspiração tramada e urdida desde seus primordios nos gabinetes de Washington, que também está por trás da deposição do governbo Salvador Allende no Chile e por trás de todas as ditaduras Latino Americanas dos anos 60 e 70.

Quando ocorreu o retorno à democracia, fato que foi ao mesmo tempo em toda a América Latina, esse retorno se fez sob o comando dos Estados Unidos da América. Eles também estão por trás do domínio que os meios de  comunicação exercem sobre as massas, pois a Rede Globo e outras organizações das telecomunicações e das comunicações operam sob seu comando, como estão por trás de muitas outras coisas como o baixo nível de educação do povo (Não interessa ter um povo educado), o alto nível de endividamento do país, (Os Bancos fizeram grandes empréstimos com o fim de levar o país a um elevado nível de endividamento com o fim de brecar o seu desenvolvimento.).

Todas essas intervenções levaram o país a situação de sumissão em que se encontra hoje, e eles deixaram isso bem claro por meio de declarações do secretário de estado Robert Mc. Namara (Governos Kennedy e Lyndon Johnson) que declarou que os Estados Unidos não desejavam um novo Japão abaixo da linha do equador. Referência clara ao Brasil. O Secretário  de estado Henry Kissinger do governo Geral Ford e George Bush (pai), também declarou mais enfáticamente que os Estados Unidos não permitiriam outro Japão abaixo da linha do equador.

Pois eis que os Estados Unidos querem levar o nosso país a uma guerra, o que já tentaram antes por ocasião do Golpe militar de 1964. Como é notório o presidente deposto João Goulart sabia que os Estados Unidos tinham uma força tarefa nas costas Brasileiras prontas para entrar em ação com o objetivo de apoiar  o Golpe Militar (Operação Brother Sam). As tropas que apoiavam o presidente João Goulart se concentravam no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul por conta do TERCEIRO EXÉRCITO. E as forças revoltosas tinham vindo de Minas e outra parte estava em São Paulo chefiada pelo General Mourão filho que negou apoio a Jango apesar de ser padrinho de casamento de uma das filhas de Jango, depois de um duro diálogo por telefone. Queriam os Americanos fazer no Brasil o que fizeram na Coréia e no Vietname. Dividi-lo em dois. João Goulart resolveu renunciar pois entendeu que um tributo em sangue muito grande seria exigido do povo Brasileiro e ele não quiz isso. Foi uma decisão difícil que revoltou muitos aliados, que não entenderam seu gesto.

Pois eis que agora lentamente os Estados Unidos que vêem no Brasil o celeiro do mundo, dono de expressivas cotas de agua doce, e mata nativa, bem como amplas glebas de terras cultivaveis, em um mundo que caminha para a exaustão de recursos naturais, vem lentamente estabelecendo seu cerco.

Está estabelecendo BASES MILITARES em torno do Brasil em seus visinhos Latino Americanos. O subterfúgio para a guerra é muito fácil. Os Americanos são mestres em montar mentiras. Veja por exemplo que para invadir o Iraque mesmo contra a determinação da ONU eles inventartam que o IRAQUE estava fabricando ARMAS QUÍMICAS. Não encontraram nada. O filme "ZONA VERDE" conta essa farsa em alguns detalhes. Eles podem por exemplo dizer que o Brasil está devastando a Amazônia que é o PULMÃO DO MUNDO para justificar uma ocupação da Amazônia. O povo Brasileiro se isso vier a acontecer não irá lutar, porque o povo Brasileiro gosta muito mesmo é de Carnaval, Samba e Copa do Mundo.

Gonzaguinha retratou isso muito bem na música COMPORTAMENTO GERAL. Veja a letra.


Comportamento Geral
Composição: Gonzaguinha
Você deve notar que não tem mais tutu
e dizer que não está preocupado
Você deve lutar pela xepa da feira
e dizer que está recompensado
Você deve estampar sempre um ar de alegria
e dizer: tudo tem melhorado
Você deve rezar pelo bem do patrão
e esquecer que está desempregado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você deve aprender a baixar a cabeça
E dizer sempre: "Muito obrigado"
São palavras que ainda te deixam dizer
Por ser homem bem disciplinado
Deve pois só fazer pelo bem da Nação
Tudo aquilo que for ordenado
Pra ganhar um Fuscão no juízo final
E diploma de bem comportado

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
Se acabarem com o teu Carnaval?

Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal
E um Fuscão no juízo final
Você merece, você merece
E diploma de bem comportado
Você merece, você merece
Esqueça que está desempregado
Você merece, você merece
Tudo vai bem, tudo legal

Essa música feita durante a vigência do Regime Militar para protestar contra as pessoas que se deixavam alienar retrata bem o atual estágio. Enquanto um lobo nos ronda e busca uma forma de nos devorar, ficamos como ovelhas tranquilamente comendo capim.

Brasília – Há mais de 50 anos o professor Luiz Alberto Moniz Bandeira tem como objeto de estudo os Estados Unidos da América. Em entrevista à Agência Brasil, ele fala sobre os "cerca de 6.300 militares americanos [que] estiveram baseados ou realizaram operações na região da Amazônia entre 2001 e 2002", conforme revela no livro Formação do Império Americano. Da guerra contra a Espanha à guerra do Iraque.


Leia, abaixo, a entrevista concedida no escritório de seu amigo, o secretário-geral do Ministério de Relações Exteriores, Samuel Pinheiro Guimarães ( Nota Defesa@Net o secretário-geral é o segundo em importância logo após o Chanceler).


Agência Brasil: O que o senhor diz da presença dos Estados Unidos na América do Sul?

Moniz Bandeira: Os Estados Unidos estão realmente criando, já há muitos anos, um cinturão em volta do Brasil.


ABr: De bases militares?

Moniz Bandeira
: De bases militares sim. Base de Manta, no Equador, e outras, no Peru, na Bolívia. Algumas são permanentes, outras são para ocupação ocasional. Como essa do Paraguai, que não é propriamente uma base: eles têm uma pista construída desde a década de 80, maior do que a pista do Galeão (no Rio de Janeiro, a maior pista de pouso do Brasil, com 4.240 metros de extensão). Agora a notícia é de terão 400 soldados (norte-americanos, no Paraguai). Fazem exercícios conjuntos, juntam grupos para fazer exercícios perto da fronteira do Brasil ou em outros pontos. O mais curioso nisso tudo, e aí sim levanta muita suspeita: primeiro, a concessão de imunidade aos soldados americanos; segundo, a visita de Donald Rumsfeld (secretário de Defesa dos EUA) a Assunção, capital do país; terceiro, o fato de que Dick Cheney (vice-presidente norte-americano) recebeu nos Estados Unidos o presidente do Paraguai. O que representa o Paraguai para os Estados Unidos? Isso é só uma forma de perturbar o Mercosul.


ABr: Analistas dizem que hoje o Paraguai cumpre a função de aliado dos EUA, que um dia cumpriu a Argentina, com o presidente Carlos Menem, e depois o Uruguai, com Jorge Battle.
Moniz Bandeira com Brizola 

Moniz Bandeira:
É o que eles tentam, primeiro a Argentina de Menen, depois o Uruguai de Battle, agora querem manipular o Paraguai. É uma situação delicada. O Paraguai não tem peso. Inclusive, se o Brasil fiscalizar a fronteira, acaba o Paraguai, porque a maior parte das exportações do Paraguai é contrabando para o Brasil. O Paraguai, oficialmente, destina ao Brasil mais de 30% de suas exportações. Se considerar o contrabando, sobe para mais de 60%. E mesmo para exportar para outros países depende substancialmente do Brasil, dos corredores de exportação que levam para os portos de Santos, Paranaguá e Rio Grande. O Paraguai é um país com muitas dificuldades, se superestima, e não cai na realidade. Cada país tem que ver suas limitações, relações reais de poder. O Paraguai é inviável sem o Brasil e a Argentina. A Argentina está solidária com o Brasil, não tem interesse no Paraguai como instrumento dos Estados Unidos para ferir o Mercosul.

ABr: Onde estão, especificamente, os militares norte-americanos que formam esse "cinturão" ao redor do Brasil?

Moniz Bandeira:
Eles se estendem desde a Guiana, passam pela Colômbia... Sobretudo não são militares fardados, mas empresas militares privadas, que executam uma série de serviços terceirizados para os Estados Unidos. O Pentágono está terceirizando a guerra. Eles criaram, já há algum tempo, desde o início dos anos 90 as Military Company Corporations [Companhias Militares Privadas, em inglês], que executam os serviços militares justamente para fugir às restrições impostas pelo Congresso americano. Pilotam aviões no Iraque, por exemplo. As companhias militares privadas estão fazendo tudo, até torturando. Com isso, escamoteiam as restrições impostas.


ABr: Existem também operações secretas?

Moniz Bandeira:
Sim, mas isso é outra coisa. Sabemos dessas informações. Se você ler os jornais, verá, às vezes, que foi interceptado um avião americano no Brasil que voava da Bolívia para o Paraguai clandestinamente. Essas informações estão espalhadas em vários lugares.

ABr: Qual a razão desses militares norte-americanos na América do Sul?

Moniz Bandeira:
Diversos fatores. As bases permitem a manutenção de grandes orçamentos para o Pentágono. Por causa da indústria bélica, do complexo industrial militar nos EUA, eles precisam gastar seus equipamentos militares para novas encomendas. É um círculo vicioso. E qual é o mercado para o consumo dos armamentos? A guerra. Os EUA têm interesse na guerra porque a sua economia depende em larga medida do complexo bélico, para inclusive manter empregos. Há certas regiões dos EUA dominadas totalmente pelo interesse dessas indústrias. Há uma simbiose entre o estado e a indústria bélica. O estado financia a indústria bélica e a indústria bélica necessita do estado para dar vazão aos seus armamentos e a sua produção.

ABr: Existe alguma razão estratégica do ponto de vista dos recursos naturais?

Moniz Bandeira:
Os países andinos são responsáveis por mais de 25% do petróleo consumido nos Estados Unidos. Só a Venezuela é responsável por cerca 15% desse consumo. De um lado querem derrubar o (presidente venezuelano Hugo) Chávez, de outro sabem que uma guerra civil ali levaria o preço do petróleo a mais de US$ 200 o barril.
EUA alegam combater terrorismo para justificar presença
militar na América do Sul, avalia estudioso
Agência Brasil: No livro Formação do Império Americano, o senhor fala sobre a presença de militares norte-americanos na América do Sul. Os Estados Unidos garantem que muitos desses militares estão na região para combater o terrorismo.

Luiz Alberto Moniz Bandeira
: Combater o terrorismo é uma besteira. O terrorismo não é uma ideologia, não é um Estado. É uma ferramenta de luta, é um método que todos usaram ao longo da história. O que eles querem combater agora é o terrorismo islâmico. Mas por que surgiu esse fenômeno do terrorismo islâmico? Com a presença dos EUA na Arábia Saudita ocupando os lugares sagrados, por exemplo. Antes disso, ainda, Os EUA insuflaram o terrorismo islâmico contra os soviéticos, no Afeganistão. Começou aí.


ABr: Os EUA classificam de terroristas o Exército Zapastita de Libertação Nacional do México e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. Estão certos?

Moniz Bandeira:
Eles desejam que todos que os se insurgirem contra eles sejam considerados terroristas. Sempre foi assim. Hitler chamou de terroristas todos os que resistiam à ocupação alemã. Os companheiros que foram da luta armada aqui no Brasil contra o regime autoritário foram chamados de terroristas. O terrorismo é um método de guerra, usado inclusive pela CIA [sigla em inglês para a Agência Central de Inteligência dos EUA]. O que a CIA fez contra Cuba? Planejou até um atentado, derrubando um avião, para acusar o governo cubano e justificar a invasão de Cuba. Planejou explodir o foguete que levaria John Glenn ao espaço para acusar Cuba e invadi-la. A CIA sempre foi um instrumento de terrorismo. Os EUA definem o terrorismo como sendo uma organização a serviço de um estado que pratica atos de violência com objetivos políticos. É exatamente o que CIA sempre fez. A CIA, o Mossad [a agência de inteligência israelense] e outros serviços. Quem são terroristas? Ariel Sharon, David Ben Gourion e Menachem Begin foram terroristas. Eles explodiram em 1946 o King David Hotel em Jerusalém, matando pessoas contra o domínio inglês. Venceram e hoje são estadistas.

ABr: Os Estados Unidos dizem que existem terroristas na tríplice fronteira.

Moniz Bandeira:
Besteira também. Apenas porque existam lá islâmicos. Porque eles mandam dinheiro privadamente para suas famílias. Que esse dinheiro seja desviado para outras atividades ninguém pode impedir. É um pretexto para justificarem a sua presença no Paraguai e em outras partes da América do Sul. Os Estados Unidos são o único país que tem um exército não para defesa do país, mas para manter bases americanas pelo mundo.

ABr: A presença de bases americanas pode atrair o terrorismo?

Moniz Bandeira:
A maior quantidade de ataques terroristas contra os Estados Unidos, até recentemente, foi na América latina. Grande parte contra militares, empresas privadas norte-americanas e contra os oleodutos na Colômbia. Mas eles podem forjar um atentado terrorista em Foz do Iguaçu para acusar terroristas e, na verdade, foi praticado pela CIA. Eles fazem isso. Isso é guerra psicológica. A CIA cansou de fazer isso, inclusive aqui no Brasil. Veja o caso do Rio Centro: um atentado preparado para justificar a repressão.
Brasil trabalha para evitar a presença norte-americana
na América do Sul, diz professor
Agência Brasil: Qual o interesse do Brasil na América do Sul?

Moniz Bandeira
: Ao Brasil interessa a estabilidade da América do Sul. E também não interessa a presença americana na América do Sul.


ABr: Mas como é que se pode evitar isso?

Moniz Bandeira:
Evitando a entrada das Farc [Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia] aqui. O exército está preparado. Existe uma operação para prevenir uma eventual invasão da Amazônia pelos norte-americanos. Os norte-americanos precisam do Brasil, porque o Brasil é um país moderado, fator de moderação. E é claro que isso interessa ao Brasil, ser um fator de moderação na América do Sul, entre os EUA e a Venezuela, por exemplo.

ABr: Mas o Brasil não consegue evitar que países como o Paraguai, por exemplo, façam acordos bilaterais com o EUA.

Moniz Bandeira:
Consegue. Se o acordo ferir o Mercosul, o Paraguai é expelido e o Brasil aplica sanções. Os países do Mercosul têm acordos que tem serem cumpridos. E eles não podem correr o risco de saírem do Mercosul, porque dependem do mercado brasileiro, que é mais certo do que o mercado norte-americano. O Uruguai vai vender carne para os Estados Unidos, ou arroz? É muito mais barato exportar para o Brasil do que para os EUA.

ABr: O Brasil teria como evitar a presença militar norte-americana em países que estão fora do Mercosul?

Moniz Bandeira:
O Brasil não pode interferir na soberania dos outros países. O Brasil também não está competindo com os Estados Unidos, não é caso. No caso do Mercosul sim, aí é diferente porque há compromissos, tratados. Não pode fazer um acordo de livre comércio com o EUA e manter a tarifa dentro de uma união aduaneira em que há uma tarifa externa comum.

ABr: O presidente mexicano, Vicente Fox, já declarou ter interesse em levar seu país ao Mercosul. É possível?

Moniz Bandeira:
É ridículo quando o presidente Fox diz que o México quer entrar no Mercosul. Essa é uma jogada a serviço do Estados Unidos, porque o México não pode compatibilizar a Alca [Área de Livre Comércio da América, proposta pelos EUA] com o Mercosul. Nem o Mercosul tem uma tarifa externa comum como o Nafta [sigla em inglês para o Acordo de Livre Comércio da América do Norte]. É um acordo entre Estados Unidos, México e Canadá, sem tarifas externas. É uma área de livre comércio pura e simplesmente, então não é possível compatibilizar os compromissos do Mercosul com os do Nafta. Conciliar o México com o Mercosul é impossível. Aliás, não é um país do sul, é um país do norte.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

NOS ENGANARAM - 2 Controvérsias sobre a ida do homem à lua.

Recentemente foi divulgado um filme realizado segundo os divulgadores nos estúdios onde teriam sido feitos os videos criados para enganar a população sobre a ida do homem à Lua. Os autores do vídeo não desejam ser identificados, mas divulgaram um entrevista. Veja o vídeo clicando no link abaixo.


Se você chegou a esta página porque acabou de ver uma parte surpreendente da gravação mostrando que a chegada da Apollo 11 na Lua foi feita em um estúdio, então continue lendo. Se você não viu o clipe, clique no link acima, e se prepare para ficar assombrado.


No dia 20 de julho de 1969 às 4:17 p.m., Neil Armstrong foi visto na televisão por milhões de pessoas ao redor do mundo aparentemente caminhando na superfície da lua, e dando um gigantesco salto nas páginas da história. MAS, ELE REALMENTE FEZ ISSO? Teorias de conspiração abundam na Internet.

A parte da gravação que você acabou de ver responde a pergunta - mas traz muitas outras. Nós não sabemos as respostas pra todas estas perguntas - mas aqui está o que nós sabemos:

1) é real?

Sim. Esta gravação foi feita claramente em um estúdio, e tem a clara intenção de representar a chegada na Lua da Apollo 11. A atenção para os detalhes é cambaleante. A intenção é claramente a de enganar os espectadores para que acreditem que a gravação é genuína.

2) é conclusivo?

Não. Não há nenhuma prova de que porque essa gravação foi feita em um estúdio, a chegada à lua foi necessariamente uma falssificação. Mas nós sabemos que a gravação não-digital original foi destruída e que certas pessoas (perigosas) estão muito bravas com o fato desse clipe ter vazado.

3) como nós o conseguimos?

Nós não o obtivemos diretamente de uma fonte da NASA. Nossa fonte está bem colocada para atestar a autenticidade da gravação e teve ligações com os produtores de 2 recentes documentários, um para a BBC e um para a CNN sobre as conspirações envolvendo a chegada do homem à Lua. Nós não podemos revelar a identidade dele, e provavelmente nunca seremos capazes disso. A posição dele é mais perigosa do que você poderia imaginar.

4) por que eu não vi isto antes?

A gravação foi enterrada durante mais de 30 anos. Todos os originais, exceto essa parte, foram destruídos. Nós a temos há mais de 2 anos e naquele tempo entramos em contato (anonimamente) com quase todos os donos de grandes redes de televisão para vender os direitos. Sem exceção, eles estavam interessados e queriam comprá-la. Então, em um certo ponto, todos eles, sem exceção, mudaram de idéia e começaram a tentar descobrir quem nós éramos. Naquele ponto, nós deixamos de negociar com eles. Foi muito assustador.

5) como, quando e onde foi feito?

Foi feito em 1965, julgando pela câmera em que ela foi feita - uma Ikegami Tubo. Nós temos evidência de que a gravação foi feita fora do EUA - possivelmente na Europa, por uma equipe estrangeira.

6) quem está dentro da roupa espacial?

Nenhum dos astronautas originais. Na realidade, eles estão totalmente desavisados de que esta gravação foi feita. O sujeito na roupa espacial é um ator chamado Symond Lewis.

7) por que está na Internet e não na televisão?

Veja o ponto 4

8) Qual é a reação da Nasa a esta gravação?

Eles se recusaram a comentar. Mas nós ouvimos recentemente que eles estão aumentando os esforços em uma enorme campanha para convencer a todos nós que as aterrissagens de todas as Apollo aconteceram.
 
_________________________________________________________
Quais seriam então os argumentos dos que estão convencidos de que o homem não foi à LUA? E o que dizem os que advogam a tese de que o homem foi às LUA?
 
Uma matéria na revista SUPER INTERESSANTE tenta advogar essa tese, mas no final até eles entregam os pontos. Veja as argumentações e  as contra argumentações.
 
Na penumbra


A "farsa" da Nasa

Como só há uma fonte de luz na Lua (o Sol) e como não há atmosfera para difundi-la, as sombras não deveriam formar as regiões de penumbra mostradas nas fotos. Além disso, objetos paralelos não têm sombras paralelas, o que prova que havia mais de uma fonte de luz: os refletores do estúdio.

Verdade ou mentira?

Além do Sol, havia fontes de luz secundárias - a reflexão da luz solar na Lua, nas roupas dos astronautas e no módulo lunar. Boa parte dos raios refletidos na superfície do satélite "bate" de novo nos objetos e espalha-se em diversas direções, o que explica o aparecimento da penumbra. Quanto ao paralelismo, a transposição de 3 dimensões para 2 provoca as distorções.

Tremulando no vácuo

A "farsa" da Nasa

As fotos e os vídeos exibidos mundo afora mostram a bandeira americana tremulando. Como isso é possível se na Lua não há atmosfera nem vento? Esta é mais uma prova de que a tripulação da Apolo 11 simulou a alunissagem num estúdio, onde começou a ventar acidentalmente.

Verdade ou mentira?

Além da haste vertical, a bandeira tinha um suporte horizontal, para manter-se aberta. Ao ser fincado no solo, o mastro foi girado, criando o movimento. Justamente porque não existe atmosfera em solo lunar o movimento durou algum tempo (não há ar para brecá-lo). Além disso, as dobras do pano reforçam essa impressão. Aliás, se havia vento no estúdio, por que não se vê poeira?

Filmes ultra-resistentes

A "farsa" da Nasa

As temperaturas na superfície lunar variam de 120o Celsius negativos a 150o Celsius positivos. O fato é que nem filmes especiais seriam capazes de resistir a tamanha oscilação. Por isso, todas as fotos que você já viu sobre o homem na Lua (inclusive as que ilustram estas páginas) são, é claro, 100% falsas.

Verdade ou mentira?

De fato, nenhum filme agüentaria tais condições de temperatura. Só que os filmes não foram expostos a elas. No vácuo lunar o calor não se propaga por condução ou convecção, só por irradiação (incidência direta de luz) e seus efeitos podem ser muito reduzidos com proteção reflexiva. Por isso, as câmeras foram envolvidas com material branco - como as roupas.

Ouvir estrelas

A "farsa" da Nasa

Mais uma prova de que o homem não foi à Lua é o fato de que não aparecem estrelas no céu em nenhuma das fotos. Certamente os manipuladores da Nasa se esqueceram de colocá-las no cenário montado dentro do estúdio.

Verdade ou mentira?

Quantas vezes você já fez fotos à noite e apareceram estrelas? Além disso, em locais muito claros, como o solo dos desertos ou da Lua, o tempo de exposição do filme deve ser muito reduzido, o que impede que as estrelas sejam "impressas" na película.

Tem fogo?

A "farsa" da Nasa

As imagens do pouso e da decolagem em solo lunar não mostram as chamas expelidas pelo foguete e também não há marcas na superfície do satélite. Além disso, como os 3 astronautas poderiam retornar da Lua num módulo tão pequeno para caber o combustível necessário para impulsioná-lo?

Verdade ou mentira?

A combustão da mistura de hidrazina e tetróxido de nitrogênio produz uma substância incolor. Como não havia ar em volta da nave, os gases espalharam-se rapidamente. Ou seja, nada de chamas visíveis. O mesmo vale para a ausência de crateras. Como não há ar, a parte do solo atingida pelos gases não se dispersou. A gravidade menor exige menos energia para a decolagem.

Siga as pegadas

A "farsa" da Nasa

As marcas das botas usadas pelos astronautas são mais parecidas com pegadas feitas em solo úmido. Mas todo mundo sabe que na Lua não há água. Ou seja, as imagens são mais uma prova da grande armação.

Verdade ou mentira?

Essa nem os cientistas explicam direito. As fotos foram feitas para registrar a natureza da poeira lunar e os efeitos da pressão sobre o solo. E elas mostram que a superfície é seca, fina e se compacta facilmente, por causa da ausência de ar. Ah, tá.


NESSE PONTO ATÉ A REVISTA SUPER INTERESSANTE ENTREGOU OS PONTOS

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

O JÔGO SUJO DOS TUCANOS. OS FACTOIDES.

VERÔNICA SERRA
Uma das formas que a direita hoje encarnada pela candidatura de José Serra, utiliza para alcançar seus objetivos é a criação de FACTOIDES. FACTOIDES são escandalos FABRICADOS, utilizando-se de veículos de comunicação já habilmente tendenciosos que procuram enfatizar os escandalos fabricados. Visam dessa forma reverter tendências, como a que ocorre nesse momento em que a candidata DILMA ROUSSEF tem mais de 50% de aprovação do eleitorado e se afigura como vencedora das eleições presidenciais talvez no primeiro turno.

O povo Brasileiro já viu esse filme antes. Nas duas eleições passadas em que LULA sagrou-se vencedor não faltaram escandalos habilmente explorados pela imprensa, e mesmo durante a gestão do governo, não faltaram escandalos todos fabricados, todos explorados pela revista VEJA e pela REDE GLOBO. Escandalos esses que provocaram sequelas, derrubando colaboradores do Governo e procurando atingir o próprio Governo.

No momento portanto já era de se esperar que os FACTOIDES voltassem a ocorrer diante do desespero de SERRA que não para de descer a rampa.

O mestre dos factoides é um velho conhecido da história. Trata-se de HITLER. Para conseguir poderes absolutos na Alemanha, já que como primeiro ministro ainda não tinha poderes acima da lei, engendrou colocar fogo no parlamento alemão, o REICHTAG. A seguir colocou a culpa nos Judeus e exortou ao KEISER lhe outorgar poderes absolutos, acima dos direitos individuais, objetivando botar ordem na casa. Dessa forma censurou toda a oposição e suspendeu os direitos individuais, tornando-se um ditador, ou como se auto intitulou o FURER, o COINDUTOR do povo Alemão. Pouco depois o KEISER morreu e Hitler acumulou para si todos os seus poderes. Será que a morte do velho KEISER não foi arranjada?

Aqui no Brasil, o uso  de FACTOIDES é habilmente explorado ao longo da história para reverter processos populares. Foi usado na Ditadura Militar que se implantou no Brasil a partir de 1964. O caso da Bomba do rio Centro foi uma tentativa de FACTOIDE. A tentativa de explodir o Gasômetro no Rio de Janeiro para depois colocar a culpa na esquerda, foi outra tentativa de Factoide. em ambos os casos não se consumou a tentativa.
Veja portanto o que está na Revista CARTA CAPITAL que é um dos poucos veículos da imprensa que não se deixa corromper.

______________________________________________________________________________

Em 30 de janeiro de 2001, o peemedebista Michel Temer, então presidente da Câmara dos Deputados, enviou um ofício ao Banco Central, comandado à época pelo economista Armínio Fraga. Queria explicações sobre um caso escabroso. Naquele mesmo mês, por cerca de 20 dias, os dados de quase 60 milhões de correntistas brasileiros haviam ficado expostos à visitação pública na internet, no que é, provavelmente uma das maiores quebras de sigilo bancário da história do País. O site responsável pelo crime, filial brasileira de uma empresa argentina, se chamava Decidir.com e, curiosamente, tinha registro em Miami, nos Estados Unidos, em nome de seis sócios. Dois deles eram empresárias brasileiras: Verônica Allende Serra e Verônica Dantas Rodenburg.


Ironia do destino, a advogada Verônica Serra, 41 anos, é hoje a principal estrela da campanha política do pai, José Serra, justamente por ser vítima de uma ainda mal explicada quebra de sigilo fiscal cometida por funcionários da Receita Federal. A violação dos dados de Verônica tem sido extensamente explorada na campanha eleitoral. Serra acusou diretamente Dilma Rousseff de responsabilidade pelo crime, embora tenha abrandado o discurso nos últimos dias.

Naquele começo de 2001, ainda durante o segundo mandato do presidente FHC, Temer não haveria de receber uma reposta de Fraga. Esta, se enviada algum dia, nunca foi registrada no protocolo da presidência da Casa. O deputado deixou o cargo menos de um mês depois de enviar o ofício ao Banco Central e foi sucedido pelo tucano Aécio Neves, ex-governador de Minas Gerais, hoje candidato ao Senado. Passados nove anos, o hoje candidato a vice na chapa de Dilma Rousseff garante que nunca mais teve qualquer informação sobre o assunto, nem do Banco Central nem de autoridade federal alguma. Nem ele nem ninguém.

Graças à leniência do governo FHC e à então boa vontade da mídia, que não enxergou, como agora, nenhum indício de um grave atentado contra os direitos dos cidadãos, a história ficou reduzida a um escândalo de emissão de cheques sem fundos por parte de deputados federais.

Temer decidiu chamar o Banco Central às falas no mesmo dia em que uma matéria da Folha de São Paulo informava que, graças ao passe livre do Decidir.com, era possível a qualquer um acessar não só os dados bancários de todos os brasileiros com conta corrente ativa, mas também o Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos (CCF), a chamada “lista negra”do BC. Com base nessa facilidade, o jornal paulistano acessou os dados bancários de 692 autoridades brasileiras e se concentrou na existência de 18 deputados enrolados com cheques sem fundos, posteriormente constrangidos pela exposição pública de suas mazelas financeiras.

Entre esses parlamentares despontava o deputado Severino Cavalcanti, então do PPB (atual PP) de Pernambuco, que acabaria por se tornar presidente da Câmara dos Deputados, em 2005, com o apoio da oposição comandada pelo PSDB e pelo ex-PFL (atual DEM). Os congressistas expostos pela reportagem pertenciam a partidos diversos: um do PL, um do PPB, dois do PT, três do PFL, cinco do PSDB e seis do PMDB. Desses, apenas três permanecem com mandato na Câmara, Paulo Rocha (PT-PA), Gervásio Silva (DEM-SC) e Aníbal Gomes (PMDB-CE). Por conta da campanha eleitoral, CartaCapital conseguiu contato com apenas um deles, Paulo Rocha. Via assessoria de imprensa, ele informou apenas não se lembrar de ter entrado ou não com alguma ação judicial contra a Decidir.com por causa da quebra de sigilo bancário.

Na época do ocorrido, a reportagem da Folha ignorou a presença societária na Decidir.com tanto de Verônica Serra, filha do candidato tucano, como de Verônica Dantas, irmã do banqueiro Daniel Dantas, dono do Opportunity. Verônica D. e o irmão Dantas foram indiciados, em 2008, pela Operação Satiagraha, da Polícia Federal, por crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas, sonegação fiscal, formação de quadrilha, gestão fraudulenta de instituição financeira e empréstimo vedado. Verônica também é investigada por participação no suborno a um delegado federal que resultou na condenação do irmão a dez anos de cadeia. E também por irregularidades cometidas pelo Opportunity Fund: nos anos 90, à revelia das leis brasileiras, o fundo operava dinheiro de nacionais no exterior por meio de uma facilidade criada pelo BC chamada Anexo IV e dirigida apenas a estrangeiros.

A forma como a empresa das duas Verônicas conseguiu acesso aos dados de milhões de correntistas brasileiros, feita a partir de um convênio com o Banco do Brasil, sob a presidência do tucano Paolo Zaghen, é fruto de uma negociação nebulosa. A Decidir.com não existe mais no Brasil desde março de 2002, quando foi tornada inativa em Miami, e a dupla tem se recusado, sistematicamente, a sequer admitir que fossem sócias, apesar das evidências documentais a respeito. À época, uma funcionária do site, Cíntia Yamamoto, disse ao jornal que a Decidir.com dedicava-se a orientar o comércio sobre a inadimplência de pessoas físicas e jurídicas, nos moldes da Serasa, empresa criada por bancos em 1968. Uma “falha”no sistema teria deixado os dados abertos ao público. Para acessá-los, bastava digitar o nome completo dos correntistas.

A informação dada por Yamamoto não era, porém, verdadeira. O site da Decidir.com, da forma como foi criado em Miami, tinha o seguinte aviso para potenciais clientes interessados em participar de negócios no Brasil: “encontre em nossa base de licitações a oportunidade certa para se tornar um fornecedor do Estado”. Era, por assim dizer, um balcão facilitador montado nos Estados Unidos que tinha como sócias a filha do então ministro da Saúde, titular de uma pasta recheada de pesadas licitações, e a irmã de um banqueiro que havia participado ativamente das privatizações do governo FHC.

A ação do Decidir.com é crime de quebra de sigilo fiscal. O uso do CCF do Banco Central é disciplinado pela Resolução 1.682 do Conselho Monetário Nacional, de 31 de janeiro de 1990, que proíbe divulgação de dados a terceiros. A divulgação das informações também é caracterizada como quebra de sigilo bancário pela Lei n˚ 4.595, de 1964. O Banco Central deveria ter instaurado um processo administrativo para averiguar os termos do convênio feito entre a Decidir.com e o Banco do Brasil, pois a empresa não era uma entidade de defesa do crédito, mas de promoção de concorrência. As duas também deveriam ter sido alvo de uma investigação da polícia federal, mas nada disso ocorreu. O ministro da Justiça de então era José Gregori, atual tesoureiro da campanha de Serra.

A inércia do Ministério da Justiça, no caso, pode ser explicada pelas circunstâncias políticas do período. A Polícia Federal era comandada por um tucano de carteirinha, o delgado Agílio Monteiro Filho, que chegou a se candidatar, sem sucesso, à Câmara dos Deputados em 2002, pelo PSDB. A vida de Serra e de outros integrantes do partido, entre os quais o presidente Fernando Henrique, estava razoavelmente bagunçada por conta de outra investigação, relativa ao caso do chamado Dossiê Cayman, uma papelada falsa, forjada por uma quadrilha de brasileiros em Miami, que insinuava a existência de uma conta tucana clandestina no Caribe para guardar dinheiro supostamente desviado das privatizações. Portanto, uma nova investigação a envolver Serra, ainda mais com a família de Dantas a reboque, seria politicamente um desastre para quem pretendia, no ano seguinte, se candidatar à Presidência. A morte súbita do caso, sem que nenhuma autoridade federal tivesse se animado a investigar a monumental quebra de sigilo bancário não chega a ser, por isso, um mistério insondável.

Além de Temer, apenas outro parlamentar, o ex-deputado bispo Wanderval, que pertencia ao PL de São Paulo, se interessou pelo assunto. Em fevereiro de 2001, ele encaminhou um requerimento de informações ao então ministro da Fazenda, Pedro Malan, no qual solicitava providências a respeito do vazamento de informações bancárias promovido pela Decidir.com. Fora da política desde 2006, o bispo não foi encontrado por CartaCapital para informar se houve resposta. Também procurada, a assessoria do Banco Central não deu qualquer informação oficial sobre as razões de o órgão não ter tomado medidas administrativas e judiciais quando soube da quebra de sigilo bancário.

Fundada em 5 de março de 2000, a Decidir.com foi registrada na Divisão de Corporações do estado da Flórida, com endereço em um prédio comercial da elegante Brickell Avenue, em Miami. Tratava-se da subsidiária americana de uma empresa de mesmo nome criada na Argentina, mas também com filiais no Chile (onde Verônica Serra nasceu, em 1969, quando o pai estava exilado), México, Venezuela e Brasil. A diretoria-executiva registrada em Miami era composta, além de Verônica Serra, por Verônica Dantas, do Oportunity, Brian Kim, do Citibank, e por mais três sócios da Decidir.com da Argentina, Guy Nevo, Esteban Nofal e Esteban Brenman. À época, o Citi era o grande fiador dos negócios de Dantas mundo afora. Segundo informação das autoridades dos Estados Unidos, a empresa fechou dois anos depois, em 5 de março de 2002. Manteve-se apenas em Buenos Aires, mas com um novo slogan: “com os nossos serviços você poderá concretizar negócios seguros, evitando riscos desnecessários”.

Quando se associou a Verônica D. Na Decidir.com, em 2000, Verônica S. era diretora para a América Latina da companhia de investimentos International Real Returns (IRR), de Nova York, que administrava uma carteira de negócios de 660 bilhões de dólares. Advogada formada pela Universidade de São Paulo, com pós-graduação em Harvard, nos EUA, Verônica S. Também se tornou conselheira de uma série de companhias dedicadas ao comércio digital na América Latina, entre elas a Patagon.com, Chinook.com, TokenZone.com, Gemelo.com, Edgix, BB2W, Latinarte.com, Movilogic e Endeavor Brasil. Entre 1997 e 1998, havia sido vice-presidente da Leucadia National Corporation, uma companhia de investimentos de 3 bilhões de dólares especializada nos mercados da América Latina, Ásia e Europa. Também foi funcionária do Goldman Sachs, em Nova York.

Verônica S. ainda era sócia do pai na ACP – Análise da Conjuntura Econômica e Perspectivas Ltda, fundada em 1993. A empresa funcionava em um escritório no bairro da Vila Madalena, em São Paulo, cujo proprietário era o cunhado do candidato tucano, Gregório Marin Preciado, ex-integrante do conselho de administração do Banco do Estado de São Paulo (Banespa), nomeado quando Serra era secretário de Planejamento do governo de São Paulo, em 1993. Preciado obteve uma redução de dívida no Banco do Brasil de 448 milhões de reais para irrisórios 4,1 milhões de reais no governo FHC, quando Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-arrecadador de campanha de Serra, era diretor da área internacional do BB e articulava as privatizações.

Por coincidência, as relações de Verônica S. com a Decidir.com e a ACP fazem parte do livro Os Porões da Privataria, a ser lançado pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr. Em 2011.

De acordo com o texto de Ribeiro Jr., a Decidir.com foi basicamente financiada, no Brasil, pelo Banco Opportunity com um capital de 5 milhões de dólares. Em seguida, transferiu-se, com o nome de Decidir International Limited, para o escritório do Ctco Building, em Road Town, Ilha de Tortola, nas Ilhas Virgens Britânicas, famoso paraíso fiscal no Caribe. De lá, afirma o jornalista, a Decidir.com internalizou 10 milhões de reais em ações da empresa no Brasil, que funcionava no escritório da própria Verônica S. A essas empresas deslocadas para vários lugares, mas sempre com o mesmo nome, o repórter apelida, no livro, de “empresas-camaleão”.

Oficialmente, Verônica S. e Verônica D. abandonaram a Decidir.com em março de 2001 por conta do chamado “estouro da bolha” da internet – iniciado um ano antes, em 2000, quando elas se associaram em Miami. A saída de ambas da sociedade coincide, porém, com a operação abafa que se seguiu à notícia sobre a quebra de sigilo bancário dos brasileiros pela companhia. Em julho de 2008, logo depois da Operação Satiagraha, a filha de Serra chegou a divulgar uma nota oficial para tentar descolar o seu nome da irmã de Dantas. “Não conheço Verônica Dantas, nem pessoalmente, nem de vista, nem por telefone, nem por e-mail”, anunciou.

Segundo ela, a irmã do banqueiro nunca participou de nenhuma reunião de conselho da Decidir.com. Os encontros mensais ocorriam, em geral, em Buenos Aires. Verônica Serra garantiu que a xará foi apenas “indicada”pelo Consórcio Citibank Venture Capital (CVC)/Opportunity como representante no conselho de administração da empresa fundada em Miami. Ela também negou ter sido sócia da Decidir.com, mas apenas “representante”da IRR na empresa. Mas os documentos oficiais a desmentem.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES