http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

FAÇA TRATAMENTOS ALTERNATIVOS PARA O CANCER. QUEREM QUE VOCÊ ADOEÇA PARA LUCRAR.

Dr. Emmanuel Revice - O Médico que curava cancer



Temos visto que muitas vezes pessoas idosas que tinham uma relativa saúde, são acometidas por alguma doença, vão ao médico, esse lhes receita algum remédio e como consequência, aquela pessoa idosa antes com uma doença, entra em um processo terminal que resulta em morte.



Isso ocorre principalmente quando a pessoa dá entrada em um hospital e principalmente se o hospital for público. Se os medicamentos não matarem, o descaso e a falta de condições termina por matar.



É lógico que para a família e os amigos se dirá que morreu porque é chegada a sua hora. Mas ocultamente pode ter ocorrido um erro médico por imperícia, ou mesmo dolo ou mesmo um esquema que tem por trás de  si a indústria farmaceutica.

O pior disso é que os grandes conglomerados farmaceuticos querem nos impor seus métodos em detrimento dos métodos alternativos. Caia na mão deles que você será candidato certo ao cemitério.

Se você sabe que é um dos candidatos certos a cancer pois 25% dos seres vivos terão cancer como mostra a estatística acima, previna-se agora se você ainda não tem, e se tem, faça tratamento alternativo também porque não? Na próxima matéria daremos um roteiro para prevenção contra o cancer e para ter saúde.


O QUE OCORRE COM O CÂNCER?

Temos apontado aqui algumas alternativas para cura do cancer de forma terapeutica como preventiva. Uma delas é o tratamento com bicabornato de sódio, limão etc... Mas há também a autohemoterapia, o alho, a reposição vitaminica por meio de ingestão diária de uma complemento vitamínico, bem como o exame do cabelo para verificar se há algum nutriente que lhe falta na alimentação, bem como se há algum outro que não lhe está fazendo bem ou está em excesso, a ingestão de algua alcalina e a supressão de refrigerantes, a substituição do óleo de cozinha, principalmente o óleo de Canola por  gordura de coco, o uso de óleo de coco etc...  Como consequencia disso, aparecem alguns personagens até mesmo médicos que contestam e combatem os métodos alternativos de cura.
Evolução da mortalidade por câncer de estômago no Estado do Rio de Janeiro: uma comparação entre a região metropolitana e o interior no período de 1979 a 1986  


Um poderoso conglomerado de agências governamentais, empresas farmacêuticas internacionais e hospitais de tratamento de câncer principais coloca os lucros em primeiro lugar. Não querem que o público conheça e busque por curas alternativas eficazes. O resultado é que quimioterapia, radiação, e cirurgia são a lei da terra como tratamentos de câncer-por motivos políticos, não terapêuticos. O que a maioria das pessoas tem ouvido durante seu tempo de vida sobre tratamentos de câncer não é a verdade. Pelo menos, tem recebido uma imagem incompleta. Nos Estados Unidos, interesses econômicos mascaram com esquemas terapêuticos e preocupação científica.

Seu objetivo é de possuir e controlar completamente a doença-câncer como se fosse uma mercadoria e anular a concorrência (significado abordagens alternativas), para manter um monopólio de mercado. Dinheiro leva política pelo nariz. Os interesses financeiros de empresas farmacêuticas, médicos, hospitais, HMOs e outros no que é conhecido como o estabelecimento de câncer, tem eclipsado a integridade do juramento de Hipócrates. 



Dinheiro e política têm proclamado abordagens convencionais como cientificamente validados e, portanto, exigido por lei. A terrível falha nessa configuração conveniente financeira é que os lucros que fluem para o estabelecimento de câncer são derivados de vidas humanas perdidas para o câncer e as abordagens alternativas bem sucedidas são proibidas ou não declaradas. Para o estabelecimento de câncer, um paciente com câncer é um centro de lucro. 

A evidência clínica e científica real apóia as reivindicações da indústria de câncer. Tratamentos oncológicos convencionais estão em vigor, como a lei da terra, porque eles pagam. Décadas da política-de-câncer impediram saber isso e continuarão a fazê-lo, a menos que você acorda para sua realidade. As taxas de câncer aumentaram muito e a tendência é que se multiplique, e virou um grande mercado a para a indústria de tratamento de câncer, como alguns críticos têm rotulado-lo. Neste ambiente, palavras que soam científico e muitas vezes mascara uma agenda diferente. A frase "sucesso de tratamento" pode significar rentável, enquanto tratamento "perigoso" ou "questionável" pode se referir a terapias que ameaçam os lucros da indústria de câncer. Quando você começa a sair fora do contexto econômico e motivações de tratamento de câncer, ele ajuda a entender por que terapias de câncer alternativas são suprimidas ou impedidas de levá-las ao público.

Esse conglomerado de interesses que pretende lhe obstaculisar a visão procura ensinar você a ver tratamentos alternativos como perigosos e coloca-los como coisas sem consistência e sem êxito. Dizem que quimioterapia é que é bom e continuam a dominar o campo da oncologia. A eficiência dos tratamentos alternativos de câncer não são mais mistério e tem pouco a ver com a alegada ineficácia terapêutica e muito mais a ver com o controle político sobre a terapia de mercado. A política de câncer têm uma influência primordial sobre as pessoas com problemas de câncer e, em última análise, sao influenciadas à respeito das opções de tratamento. 

Os médicos e cientistas que realizam pesquisas e tratamentos de câncer não são os únicos no controle do campo de câncer. É a maior estrutura de poder do estabelecimento de câncer que efetivamente controla a forma e a direção de prevenção do câncer, diagnóstico e tratamento.' O campo de tratamento do câncer U.S.A. está organizado em torno de um monopólio de médico que garante um fluxo contínuo de dinheiro para as empresas farmacêuticas, empresas de tecnologia médica, institutos de investigação e agências do governo, como a comida e Drug Administration (FDA) e o National Cancer Institute (NCI) e organizações mistas, como a American Cancer Society (ACS). 

Esta é "a indústria do câncer", diz Ralph Moss, pH.d., extensões que incluem mídia corporativa, especialistas em relações públicas, petroquímica e indústrias nucleares, corporativos cientistas e médicos que se especializam em câncer de "matar". Pesquisa do câncer foi configurada quase inteiramente em favor de abordagens convencionais desde que a guerra contra o câncer, formalizada em 1971 como a lei nacional de câncer, foi primeiro script na década de 1960. Nesse momento, o senador Ralph Yarborough (D-Texas) organizou o painel nacional de consultores de conquista de cancro dos seus 26 Membros, 10 veio a American Cancer Society e 4 foram filiado Memorial Sloan-Kettering Hospital; Benno Schmidt, MD, o diretor do Memorial Sloan-Kettering Cancer Center foi Presidente do painel, e Sidney Farber, MD, ex-Presidente da ACS, era seu Vice-Presidente.

Por John Diamond, MD, Lee Cowden, MD


Proibida terapias de curas 'Alternativas'
por Ken Adachi

As Três grandes ["medicina organizada, o alimento Drug Administration e seus senhores na indústria farmacêutica"] coletivamente iniciaram uma conspiração médica para a maior parte dos anos 70 influenciando órgãos legislativos sobre o Estado e a nível federal para criar regulamentos que promovem o uso de droga se simultaneamente criando restritivas, controlando mecanismos (licenciamento, aprovação do governo, etc.) destinados a limitar e sufocar a disponibilidade de modalidades que fogem aos seus padrões, alternativas não convencionais de tratamento. A conspiração para limitar e eliminar a concorrência sobre os seus métodos convencionais de tratamento e suas drogas e terapias  não começou com o relatório de Flexner de 1910.

Abraham Flexner foi contratado por John D. Rockefeller para executar em todo o país e "avaliar" a eficácia das terapias ensinada nas escolas de medicina e outras instituições de artes de cura. Rockefeller (UM NOTÓRIO ILLUMINATTI) queria dominar o controle sobre petróleo, produtos petroquímicos e produtos farmacêuticos (que são derivados de 'carvão alcatrões' ou petróleo). Ele organizou para sua empresa, a Standard Oil de New Jersey a obtenção de uma participação de controle em um cartel de drogas alemão enorme chamado IG Farben. 

Ele se juntou aos seus concorrentes mais fortes como Andrew Carnegie e JP Morgan colocando-os como parceiros, ao mesmo tempo em que cooptava os outros concorrentes menos poderosos, como os acionistas da Standard Oil. Aqueles que não vieram para o aprisco (O GRUPO DE INTERESSES)  "foram esmagados" de acordo com a biografia de Rockefeller (w. Hoffman, David: um relatório sobre um Rockefeller {New York: Lyle Stuart, Inc., 1971} página 24.)

O relatório que flexner enviada à Fundação Carnegie foi intitulado "Médicos e educação no Estados Unidos e Canadá". Na Página 22 do relatório é dito: "os privilégios da escola médica não podem mais ser abertos para terapias alternativas casuais da estrada. É necessário instalar uma censura que irá, pela análise crítica, verificar a adequação do requerente, uma necessidade sugerida, em primeiro lugar, mas consideração para o candidato, cujo tempo e talentos poderão servir melhor em alguma outra vocação, se ele é próprio para isso e em segundo lugar, com o objetivo de proteger o público, o direito de proteção contra aqueles a quem a ousadia pode influenciar a estratégia médica moderna equipada com instrumentos que são tremendamente eficazes para a boa terapeutica quando bem utilizados, o que pode proteger contra o dano desses métodos alternativos se ignorantes ou baratos".

Frequentemente, os políticos estão dispostos a promulgar leis que roubam os cidadãos de sua liberdade constitucional sob a bandeira da "proteção pública". Decidiu-se que a associação médica americana (AMA), seria o "porteiro". A AMA pode certificar ou de-certificar qualquer escola médica no país por razões de adequação às normas da AMA de medicina "aprovada".

AMA entrou a existência em 1847. É uma organização privada de médicos alopáticos que serve os interesses de seus membros, especialmente quando se trata de influenciar a legislação favorável. Ele funciona em todos os sentidos da palavra como uma União, embora seus membros usam Colares brancos em vez de azul. Dando a AMA o poder sobre a certificação de escolas de medicina.  É o equivalente a dar o direito exclusivo de decidir sobre as leis de comércio interestadual e transporte. É de admirar que o número total de escolas de medicina dos Estados Unidos passou de 160 em 1906 (antes do relatório Flexner) 85 em 1920 e mais para baixo para 69 escolas em 1944? Um pouco como colocar a raposa tomando conta de galinheiro, não?

Não surpreendentemente, Flexner diz que qualquer disciplina que não usa drogas para ajudar a curar o paciente é equivalente a charlatanismo. As escolas de medicina que oferecem cursos de bioelectric medicina, homeopatia ou medicina oriental, por exemplo, disseram para descartar estes cursos de seu currículo ou perderão sua credencial. Algumas escolas resistiram durante algum tempo, mas, eventualmente, a maioria das escolas colaboraram (ou foram encerradas). Um cenário semelhante foi jogado fora do Canadá. Foi tentada na Inglaterra contra a homeopatia, mas falhou devido a intervenção pessoal da família real que tinham recebido muito relevo e cura de curandeiros homeopáticos no século XIX. 

Aqui na América, uma implacável campanha de desinformação, fraude, engano e supressão de terapias alternativas e curandeiros está em vigor para a maior parte deste século para não revelar e manter as terapias alternativas altamente eficazes escondidas da opinião pública. Controle é exercido através de "Notícias" e propaganda de organizações pro-establishment como The American Medical Association, The American Cancer Society, A Diabetes Foundation, etc.; conselhos médicos locais. e agências governamentais como o FDA, The National Institute of Health (NIH) e O National Cancer Institute (NCI), A Academia Nacional de Ciências, etc. com a plena cooperação do main-stream naturalmente.

Nas últimas décadas, centenas de curandeiros alternativos foram presos e acusados como criminosos comuns para o "crime" de curar as pessoas de doenças fatais de forma "não aprovada" por agentes do governo. Durante todo o tempo, esses mesmos agentes e agências postaram-se antes de câmeras de TV e o público sob a ridícula pretensão de ser servos do povo e protetores do bem comum.

O cartel de drogas de medico foi resumido pelo JW Hodge, MD, de Niagara Falls, NY, nestas palavras: "O monopólio médico ou confiança médica, eufemisticamente chamado American Medical Association(AMA), não é apenas um monopólio alguma vez organizado, mas a organização mais arrogante, perigosa e despótica que nunca se preocupou com o povo livre neste ou em qualquer idade. Todos e quaisquer métodos de cura dos doentes por meio de remédios seguros, simples e naturais são denunciados pelos líderes arrogantes de confiança dos médicos AMA como falsificações, fraudes e farsas. Cada praticante da arte de cura que aliar-se com a relação de confiança médica é denunciado como um perigoso impostor pelos médicos de confiança predatórios. Cada terapeuta que tenta restaurar o doente para um estado de cura por meios naturais sem recurso a faca ou drogas venenosas, toxinas mortais ou vacinas, é amargamente denunciado, vilipendiado e perseguido em toda a extensão.' 

Finalmente, no entanto, a consciência do público parece finalmente ter atingido uma massa crítica e agora está começando a questionar seriamente a eficácia e a adequação do uso de terapias ortodoxas e medicina alopática em geral. Graças a Deus.

Exemplos famosos de pesquisadores com êxito que empregam abordagens holísticas não convencionais para curar o cancro que estavam ou estão sendo perseguidos por interesses financeiros/medical adquiridos são Dra. Johanna Budwig, Dr. Josef Issels, Dr. Wilhelm Reich e Dr. Ryke Geerd Hamer, com o último até recentemente atuando outra pena de prisão.

Outros incluem Dr. Emanuel Revici (compare próximo livro revisão de “O médico que cura câncer”, Dr. Koch e outros médicos pendentes.

Solange C. Ventura





 O livro Terapia Alternativa Câncer Publicado por Avery Publishing Group) Dr.Emanuel Revici desenvolveu uma abordagem inicial para o tratamento do cancro. Sua quimioterapia não tóxico utiliza lípidos, lípidos à base de substâncias, e os elementos essenciais para corrigir um desequilíbrio na química subjacente do paciente. 

Lipids-compostos orgânicos, tais como ácidos gordos e esteróis-são componentes importantes de todas as células vivas.Eles são um sistema separado crítica nas defesas do corpo contra a doença, de acordo com pesquisa realizada pelo Dr. Revici no início de sua carreira. O médico romeno-nascido, que atua em Nova York, tem aplicado suas amplas descobertas há mais de 60 anos para o tratamento de cancro, bem como muitas outras doenças, incluindo a SIDA, artrite, doença de Alzheimer, dor crónica, dependência de drogas, esquizofrenia, alergias, choque e queimaduras. 

A grande maioria dos seus pacientes com câncer estão em estágios avançados da doença. Cinco, dez, às vezes 20 anos depois de receber tratamento, alguns desses pacientes estão em remissão, sem sinais de doença ativa. Revici, em meados dos anos noventa, é ferozmente dedicado, ainda faz chamadas de casa ocasionais, e chama os pacientes em casa . 

Para os críticos, a sua abordagem é muito complexa, muito teórica, e inconsistente em seus resultados. Até mesmo os críticos amigáveis ​​no campo da saúde alternativa diz ele cura pacientes com câncer muito pouco. Mas, para os admiradores, ele é um homem que já salvou a vida de pacientes com câncer pronunciados desesperançados por médicos ortodoxos, um gênio científico que abriu inteiras novas perspectivas e cujas teorias e descobertas podem servir como base principal para a medicina do futuro. 

 O livro "Comentando Revici 1961" , Pesquisa em Fisiopatologia como base de quimioterapia guiada com aplicações especiais para o câncer, Dr. Gerhard Schrauzer uma autoridade líder em selênio, escreveu: "Eu cheguei à conclusão de que o Dr. Revici é um gênio inovador médico, químico e um excelente pensador altamente criativo. Percebi também que alguns de seus colegas médicos seriam capazes de seguir sua linha de pensamento e, portanto, seriam muito dispostos a endossar o seu trabalho. 

"1 Dr. Revici vê a saúde como um equilíbrio dinâmico entre dois tipos opostos de atividade que ocorrem em todos os sistemas vivos. Um processo, o anabolizante, ou construtiva, promove o crescimento e acúmulo de padrões naturais. O outro processo é catabólico, ou destrutivos, envolvendo a quebra de estrutura, a libertação de energia, e para a utilização dos recursos que estão armazenados. Segundo o Dr. Revici, uma predominância de longo prazo de qualquer atividade leva a anormalidade e doença. Em sua "guiada 1ipid" terapia de pacientes com câncer, Revici encontrou dois padrões básicos de 1ipid desequilíbrio-um, o resultado de um excesso de esteróides , e o outro, o resultado de um excesso de ácidos gordos. Os esteróides são sólidos álcoolls insaturados, tais como o colesterol. No tratamento do câncer, Revici primeiro determina se a fase anabólica ou catabólica de atividade está progredindo desmarcada. Então ele administra compostos lipidbased para renormalizar o equilíbrio entre forças opostas do corpo. Revici descreve o sistema de defesa do organismo em geral como sendo composto de quatro fases sucessivas. Quando um antigénio, ou de corpo estranho, tal como um vírus ou micróbio, entra um organismo, que activa o sistema de defesa. Na primeira fase, o antigénio é decomposto por enzimas. Isto é seguido pela fase lipídica, por sua vez seguido por uma fase de anticorpo coagulante,  e seguida, finalmente, por uma fase mediada por anticorpos capazes globulinic para neutralizar completamente o antigénio. Revici Therapy © 1993 Richard Walters (Extraído com permissão de Opções: The Cancer Alternativa Livro Terapia Publicado por Avery Publishing Group) (2 de 7) 

O ponto-chave sobre o sistema de defesa é de que uma nova fase não começa até que a fase anterior é concluída com êxito. Em qualquer ponto onde os agentes disponíveis são qualitativamente insuficiente para proteger contra a influência nociva, a sequência de quebra. 

Em seguida, o corpo é sobre compensado fabricando quantidades excessiva de agentes de defesa do ponto de ruptura, e não progride para a fase seguinte. 

Revici descobriu que a maioria das doenças crónicas, como o cancro, são caracterizadas por as referidas condições anormais.Quando a defesa do organismo é presa na fase lipídica, tanto os ácidos gordos ou esteródeis são produzidos em quantidades anormalmente grandes, conduzindo a uma variedade de doenças, incluindo o cancro. 

Doentes diagnosticados com um excesso de esteróides são tratados com os ácidos gordos para corrigir o desequilíbrio. Por outro lado, os pacientes encontrados para ter uma predominância de ácidos graxos são tratados com esteróides e outros agentes. 

Esta "quimioterapia guiada biologicamente", como o Dr. Revici chama, é altamente individualizada para atender às especificidades de cada pessoa metabólica e condiçõe. 

"Simplesmente não existem dois tipos de câncer que são iguais, assim como não há duas pessoas iguais", ele tem propriedades próprias.

2 As substâncias e dosagens utilizadas são únicas para cada paciente e podem ser alteradas se os testes analíticos revelam uma mudança no equilíbrio do corpo. Através de testes regulares, tais como o pH da urina, gravidade específica, a tensão superficial, e índice de cloreto, o Dr. Revici pode detectar alterações sistémicas no corpo produzidas por desequilíbrios lipídicos. 

Investigações do Dr. Revici tem demonstrado que os lípidios têm uma afinidade para os tumores e outros tecidos anormais .Por causa disto, os lípidios ou lípidos tais como os compostos sintéticos administrados ao paciente, quer por via oral ou injectável, viajam directamente para o tumor ou lesão. 

Tecido canceroso é anormalmente rico em lipídios livres, e os agentes lipídicos introduzidos na corrente sanguínea são facilmente absorvido pelo tumor.

A terapia Revici câncer não tóxica teve negado tanto teste justo como um  financiamento nos Estados Unidos, embora tenha sido estudado e colocado em prática na França, Itália e Áustria. 

Um distinto médico e cientista que se formou primeiro em sua classe na Universidade de Bucareste, o Dr. Revici foi estereótipo retratado pela mídia americana como um charlatão que deveriam ter sido colocados fora do negócio há muito tempo. 

A American Cancer Society coloca a terapia Revici em sua lista negra de métodos não comprovados, em 1961, e em 1984, o Estado de Nova York tentou revogar sua licença médica permanente em razão de desvio da medicina padrão, negligência, incompetência, fraude, uso de drogas não aprovadas experimentalmente , ou outros motivos. 

Depois de quatro anos de luta, Revici triunfou em  1988 com uma decisão que o colocou em liberdade condicional, e permite-lhe continuar a tratar pacientes com câncer. 

Para salvar a sua licença, os pacientes Revici e vários médicos dos grupos de liberdades civis  realizaram um  intenso lobby no Capitólio do estado. 

No nível federal, em New York o congressista Guy Molinari realiza uma audiência todos os dias, em Março de 1988 para tratar do assunto Revici e todo o campo de terapias contra o câncer alternativos. 

O Dr. Seymour Brenner, um oncologista respeitado em consultório particular em Nova York, testemunhou a favor de Revici Ele investigou um número de pacientes em estágios avançados de câncer incurável, por meio ortodoxos, a quem Revici tinha colocado em remissões longas. 

O Dr. Brenner tinha um painel independente de patologistas que confirmam o diagnóstico e o estágio da doença antes da visita inicial de cada paciente para Revici. Ele testemunhou que suas descobertas sugerem fortemente que o Dr. Revici tem um tratamento de câncer que merece um estudo mais aprofundado, e ele propôs que tal avaliação seja conduzida pela FDA.

Revici Terapia © 1993 Richard Walters (Extraído com permissão de Opções: O livro Terapia Alternativa Câncer Publicado por Avery Publishing Group) (3 de 7)Em uma carta ao congressista Molinari, Brenner delineou um protocolo em que um painel de médicos vai monitorar pacientes com câncer colocados em terapias alternativas depois que  suas condições tinham sido considerado refratário nos formulários de tratamento. 

A carta continha as histórias de caso detalhados de 10 pacientes com câncer avançado que Revici havia cicatrizado. Um paciente, um homem de 43 anos, foi diagnosticado com um procedimento invasivo, o câncer de alto grau da bexiga no Centro de Câncer Memorial Sloan-Kettering em setembro de 1980. "Eles disseram: 'A única maneira que você pode ser tratada é se tomarmos a sua bexiga e dar-lhe uma colostomia ao lado." Ele disse que não. ", O paciente visitou o Dr. Revici em outubro e passou a terapia. 

Ele não teve nenhum outro tratamento. Em 1987, ele retornou ao Sloan-Kettering para uma cistoscopia, que revelou que ele estava livre do câncer. 

Outra paciente, uma mulher de 29 anos, foi operado no Memorial Sloan-Kettering, em outubro de 1983 para um cordoma, um tumor cerebral.O tumor foi incompletamente ressecados, e o paciente foi dado um curso de radioterapia. 

As Condição da jovem pioraram progressivamente, durante os doze meses após a cirurgia. Ela foi vista pelo Dr. Revici maio 1984, momento em que ela estava confinada a uma cadeira de rodas, com função limitada. Desde que iniciou o programa Revici, ela teve dois bebês e está bem. Seu único problema é que ela anda com uma bengala.

Marianne Dimetres teve remissão alcançada a partir de câncer uterino pré-terminal através de uma combinação de medicamentos não tóxico, Revici-terapia, wheatgrass, dieta e apoio psicológico. 

Revici, que detém patentes de seus compostos químicos numerosos, afirma ter desenvolvido uma nova técnica para abrir ligações duplas nas moléculas de ácidos graxos insaturados, a fim de incorporar diferentes elementos metálicos em pontos precisos nas moléculas. O resultado é uma série inteiramente nova de compostos terapêuticos de  muito baixa toxicidade e incorporando o selénio, cobre, zinco, enxofre, cálcio, níquel, berílio, mercúrio, chumbo e outros elementos. 

Em geral, estes compostos possuem uma toxicidade supostamente menor do que um milésimo do que os elementos nas formas normalmente disponíveis.

A técnica converte substâncias tóxicas em seguros agentes anticancerígenos. "Através deste método, Revici abriu um campo totalmente novo para o uso terapêutico desses elementos", de acordo com o Dr. Dwight McKee, um dos médicos Revici associates


4 - O uso pelo Dr. Revici de selênio no tratamento do câncer antecede o principal interesse deste mineral por mais de vinte anos.

O selénio é um dos principais elementos vestigiais sempre encontradas no cancro deficiente e em propensas populações. A investigação tem mostrado que é de valor não só na prevenção de cancro, mas também no seu tratamento. 

Revici utiliza uma forma especial molecular de selénio (bivalente-negativa selénio) incorporado numa molécula de ácido gordo. Nesta forma, pode administrar-se a 1 grama de selénio por dia, o que corresponde a 1 milhão de microgramas por dia, alegadamente, sem efeitos colaterais tóxicos. 

Em contraste, o excesso de selenito (hexavalente-positivo de selénio) tem efeitos tóxicos nos animais, a ingestão de modo humano de selenito comercial é limitada a uma dose de apenas 100 a 150 microgramas por via oral.

O Dr. Revici muitas vezes administra sua forma não tóxico de selênio por injecção, geralmente considerada a ser quatro vezes mais potente que a forma dada por via oral. selênio extra na dieta reduz drasticamente a ocorrência espontânea de câncer em camundongos.

Em populações humanas, a ingestão de selênio tem alta correlação com as baixas taxas de câncer. Em um dos 140 estudos  pacientes de vítimas de câncer tratados com selênio,o  Dr. R. Donaldson do Hospital St. Louis Veterans 'Administration relatou em 1983 que alguns pacientes considerados terminais com apenas algumas semanas de viver eram completamente livre de todos os sinais de câncer após quatro anos; todos os pacientes apresentaram uma redução no tamanho do tumor

5 -  Terapia Revici © 1993 Richard Walters (Extraído com permissão de Opções: 

O livro Terapia Alternativa Câncer Publicado por Avery Publishing Group) (4 de 7) O Dr. Revici utiliza a Tabela Periódica dos Elementos, como um dos vários guias na escolha do melhor curso de tratamento para um paciente. 

Isto está de acordo com sua visão de que o câncer é parte de uma organização hierárquica encontrada em toda a Natureza, desde o nível precellular para todo o organismo. Todos os elementos conhecidos, em sua opinião, pode ser classificada como suportando a atividade anabólica ou catabólica, e atividade biológica de cada elemento correlaciona-se com a sua posição na Tabela Periódica. 

Revici sustenta que as linhas verticais na tabela partilham ou actividade anabólica ou catabólica, enquanto que as linhas horizontais indicam em que nível de organização biológica de um determinado elemento atou-se ao nível de uma partícula subnuclear (nucleoproteína), núcleo, célula, tecido, , órgão ou organismo inteiro. 

Por este meio, o Dr. Revici determina o nível do corpo (ou níveis) mais afetado pela doença e, portanto, com maior necessidade de intervenção terapêutica. Esta informação está relacionada com testes de diagnóstico que indica que o desequilíbrio está presente em qual nível. 

Assediado por décadas pelo monopólio médico americano, Revici, ironicamente, veio originalmente para os Estados Unidos em busca de liberdade para fazer seu trabalho.Um prodígio científico, ele havia escrito seu manuscrito a  primeira vez em uma  pesquisa com a idade de 12 anos e entrou na Universidade de Bucareste, em 1917. Em 1936, depois de atuar como professor assistente na Faculdade de Medicina, ele se mudou com a família para Paris, onde passou três anos investigando a bioquímica do câncer. 

Quando eclodiu a Segunda Guerra Mundial, Revicis fugiu para Nice, onde o médico entrou para a Resistência Francesa e deu assistência médica a combatentes da Resistência feridos procurados pelos nazistas. Suas atividades anti-fascistas levaram a que sua família e sua esposa e filha ficassem sob ameaça de tal forma, que os líderes da resistência francesa tiveram que organizar a passagem da família da Europa

6 -  No México, o Dr. Revici fundou o primeiro Instituto de Biologia Aplicada, na Cidade do México. Ansioso para avançar sua pesquisa nos Estados Unidos, Dr. Revici obteve três vistos especiais por intercessão de Sumner Welles, um assessor especial do presidente Franklin D. Roosevelt.

7 - Revici mudou-se para Chicago, depois para Nova York, onde institui novo instituto no Brooklyn em 1947. Hoje, seu escritório está localizado em um prédio de dois andares em Manhattan, onde ele trata pacientes auxiliado por uma equipe de apoio de pequeno porte. 

Em 1948, Revici tinha começado a explorar o uso de selênio no tratamento do câncer e como um meio para tornar menos radiação prejudicial.

Seus resultados promissores sobre radiação chamaram a atenção de cientistas dos Estados Unidos e da Marinha testando bombas atômicas no Pacífico. Por duas vezes, os cientistas o convidaram para se juntar a eles para estudar os efeitos nocivos da radiação. 

Em 1954, a organização Revici de angariação de fundos financiou a compra de Beth David Hospital, em Manhattan.

Rebatizado Trafalgar Hospital, esta facilidade geral de cuidados empregando mais de 200 médicos residentes e visitantes habilitados, Revici, como o chefe de oncologia, para fornecer volta do relógio de cuidados para pacientes criticamente enfermos. 

Seus laboratórios de pesquisa animal possuem uma equipe de 35 cientistas e técnicos, todos envolvidos em projetos relacionados às teorias Revici e abordagem terapêutica. 

Revici serviu como chefe da Trafalgar oncologia do departamento por mais de vinte anos. O hospital foi fechado em 1978 devido a dificuldades financeiras. 

O método Revici de tratamento, foi utilizadas na Bélgica, com resultados favoráveis ​​pelo professor José Maisin, presidente da União Internacional Contra o Câncer e diretor do Instituto do Câncer da Universidade de Louvain. 

Entre 1965 e sua morte em um acidente de carro em 1971, correspondeu com Maisin Revici para descrever como ele tratou pacientes com câncer metastático avançado que não tinham terapias convencionais. Maisin usou várias preparações do método Revici, por vezes em conjunto com baixas doses de radiação.

Ele relatou que, em nove dos 12pacientes terminais de câncer, pelo método Revici, ocorreram melhorias significativas , incluindo a regressão de tumores, o desaparecimento de metástases, e cessação de hemorragia. 

Incrivelmente, pacientes paralisados ​​foram capazes de andar novamente. 
Revici Terapia © 1993 Richard Walters (Extraído com permissão de Opções: O livro Terapia Alternativa Câncer Publicado por Avery Publishing Group) 

(5 de 7)O Dr. Revici desenvolveu tratamentos bem sucedidos para o vício em heroína e álcool. Seu agente de desintoxicação para viciados em heroína, chamado Perse, quase foi escolhido em detrimento de metadona no tratamento da droga de escolha. 

Perse, que incorporou o selénio em uma base de lípidos, fisicamente dependentes desintoxicada dentro de 5-8 dias. A pedido do Congresso, Revici apresentou mais de 2.000 relatos de casos de usos de sucesso deste agente não tóxico e que  não viciam. 

A idéia para Perse havia surgido a partir da prática de Revici sobre  câncer após ele observar que pacientes previamente sobre a ação de analgésicos viciantes e narcóticos não apresentaram sintomas de abstinência quando colocado em seus níveis de  analgésicos lipídicos. 

Em uma audiência da subcomissão 1971 do Congresso que tomou depoimento sobre Perse por um dia inteiro, o congressista Charles Rangel de Nova York, disse: "Os resultados e o que assistimos com os pacientes foi tão inacreditável que o médico do Hospital Municipal já voltou em uma base diária, a fim de continuar com essa chance de ver os resultados milagrosos que ocorreram." 

Barron correu um recurso de página inteira em tratamentos Revici para dependência de narcóticos e álcool em 1972. Tanto o Congresso quanto o FDA prometeu ao Dr.  Revici apoio completo para testes em larga escala clínica, sinalizando que Perse poderia ser a descoberta mais importante no tratamento de drogas. 

Porque o selênio é normalmente tóxico em altas doses, Revici reformulou a medicação para eliminá-lo. A nova substância, chamada Bionar, funcionando tão bem na mesma quantidade de tempo, sem sintomas de abstinência. (O selênio incorporado em Perse era uma forma bivalente negativo, muito ativa e praticamente não tóxico.) O palco parecia armado para um grande avanço na guerra contra as drogas. 

Mas menos de um mês após a audiência no Congresso, a FDA reverteu sua posição e metadona foi recomendada, uma droga que vicia e é tóxica como o tratamento de escolha. 

Por quê? Uma resposta possível é fornecido por Marcus Cohen, que ajudou a coordenar a campanha para salvar a licença Revici. Ele sugere, "A hospitalização foi necessária para o tratamento com Perse, e porque muitos dos pacientes eram pobres, o Medicaid pediram para pegar a guia. Tal como no caso dos viciados em drogas a maioria, eles apresentaram com outras condições além do vício que precisavam de atenção médica Metadona ...., viciando em si, no entanto, essa droga foi favorecido por funcionários do Estado e da cidade como um meio de controlar a população de drogas em sua maioria negros e hispânicos ...

As empresas farmacêuticas e profissionais de saúde que lucraram com o uso exclusivo de metadona não acolheram a  competição, muito menos de um tratamento que não causa uma dependência ao longo da vida ".

 8 - Tratamento não tóxico de Revici para a AIDS se aplica às suas descobertas sobre as propriedades antivirais e imune de reforço de lipídios determinados. Ele vê a Aids como uma "condição patológica quádrupla", que consiste em: 1.uma infecção primária viral, induzindo 2. uma deficiência de defesa natural do organismo lipídico, seguido por 3.secundárias infecções oportunistas ou neoplasias específicas (cancros), devido à falta de determinados lípidos, resultando em 4. um desequilíbrio exagerado, geralmente catabólico. 

Cada uma das quatro condições é abordada com uma abordagem terapêutica específica. Agentes antivirais são dadas para inactivar ou matar, o vírus da imunodeficiência humana (HIV).Para contrabalançar a perda inespecífica do paciente de defesa contra infecções oportunistas, Dr. Revici administra, através de injeção, um grupo de fosfolipídios que ele chama de lipídios de refratariedade. 

Estes compostos parecem induzir uma resistência generalizada (refractariedade) para muitos antigénios diferentes. O médico afirma resultados impressionantes com estes preparativos nas manifestações clínicas da AIDS e Complexos relacionado à AIDS (ARC). 

Os antibióticos são dados também para combater as infecções secundárias oportunistas. Para corrigir os desequilíbrios corporais, os agentes apropriados anticatabólicos ou antianabolic são usados. 

Revici Terapia © 1993 Richard Walters (Extraído com permissão de Opções: O livro Terapia Alternativa Câncer Publicado por Avery Publishing Group) 

(6 de 7) Dois dos compostos terapêuticos Revici para o câncer , amilo seleneto e tri-thioformaldehyde (TT), Tiveram testes positivos realizados no final de 1970 pelo Instituto Nacional do Câncer Roswell Park Memorial e Institute

9 -  Outro composto de selênio que Revici desenvolvidos mostrou atividade contra quatro sistemas de tumores em testes realizados na Inglaterra.No entanto, a dose em que a atividade antitumoral foi encontrado foi "bastante próxima da dose tóxica", e outros estudos do composto foram recomendados. 

Um estudo inédito dos 1.047 pacientes com câncer tratados com o regime Revici entre 1946 e 1955 foi feita por Robert Ravich, MD, que trabalhou de perto com Revici.A maioria dos pacientes estavam em estado avançado ou terminal, e a maioria teve tratamento prévio convencional. Dos 1.047 casos, Ravich constatou que 100 tiveram resposta favorável (objetiva e subjetiva), 11 tiveram resposta objetiva apenas, 95 tiveram resposta subjetiva apenas, 296 não apresentaram resposta, e 545 tiveram resposta equívoco ou indeterminado (380 deste último grupo foram tratados por menos de três meses)(MUITO POUCO) ,

10 -  O único estudo publicado sobre a clínica de tratamento para o câncer de Revici apareceu no Jornal da Associação Médica Americana JAMA) em 1965. Ele foi escrito por um painel de nove médicos de Nova York após Revici solicitar que um painel científico revisse o seu programa de gestão de câncer. Após dois anos de observação, o painel concluiu que a terapia Revici era "sem valor". Os autores relataram que 22 dos 33 pacientes do estudo morreram de câncer ou de suas complicações durante o tratamento Revici e mais 4 morreram após a interrupção do regime. Nenhum dos 33 mostraram sinais de regressão tumoral objectiva, segundo os autores. 

O Dr. Revici escreveu uma refutação detalhada em que ele afirmou que o painel havia ignorado evidências indicando remissões de tumores diversos, reduções múltiplas no tamanho do tumor e alívio da dor em muitos pacientes avançados. 

Ele observou que, dos nove médicos no painel, apenas dois tinham realmente visto os pacientes durante o estudo de dois anos inteiro. Ele ainda comentou que ele tinha pedido o estudo na esperança de "que a demonstração de resultados positivos no mesmo alguns destes casos avançados iria despertar o interesse suficiente para levar a um estudo em grande escala da nossa abordagem ....

 Para concluir a partir de um estudo limitado, tal como este, que o método deve ser interrompida, em todos os tipos de cancro, quer dizer que uma vez que a cirurgia e radioterapia falharam nestes mesmos pacientes terminais, estes "reconhecidas" métodos devem também ser interrompido, não só nestes tipos de câncer, mas em todos os cânceres em geral. " Embora o Dr. Revici apresente e fundamente dados patológicos em sua réplica longa, a JAMA se recusou a publicá-lo. 

Agora depois de mais de 40 anos desde que Revici desenvolveu sua quimioterapia não tóxica. Uma mente aberta, avaliaou imparcialmente uma opinião que está muito atrasada. Referências 1.Gerhard N. Schrauzer, Ph.D., carta ao Conselho de Regentes, Departamento de Educação, do Estado de Nova York, 14 de Fevereiro de 1986. 2. Barry Bryant, Câncer e Consciência (Boston: Sigo Press, 1990), p.147. 3. As Crônicas de Câncer, vol. 2, não. 1 Verão, 1990, p. 2 e Seymour Brenner, MD, carta a Guy V. Molinari, 24 de Março de 1988. 4. Dwight L. McKee, MD, Emanuel Revici MD:. Uma revisão de seu trabalho científico (New York: Instituto de Biologia Aplicada, 1985), p. 14. 5. Richard A. Passwater, Câncer e suas terapias nutricionais (New Canaan, CT: Keats Publishing, 1983), p. 149. 6. Marcus A. Cohen, "On Emanuel Revici, MD", manuscrito não publicado, 1988.7. Ibid., Pp 1, 6. 8. Ibid., P. 12. 9. Ibid., Pp 4, 14. 10.Robert Ravich, manuscrito inédito, sem data "Método Revici de Controle do Câncer de Avaliação de 1047 doentes com doenças avançadas tratados de 19.461.955,.". Recursos Revici Terapia © 1993 Richard Walters (Extraído com permissão de Opções: 

O livro Terapia Alternativa do Câncer Publicado por Avery Publishing Grupo) (7 de 7) Emanuel Revici, MD 26 East 36th Street New York, NY 10016 Telefone: 212-685-0111 . inforanation Para mais adiante Revici terapia e detalhes sobre o tratamento material de leitura Câncer e Consciência, por Barry Bryant, Sigo Imprensa (PO Box 8748, 25 New Chardon Street, Boston, MA 02114; 508-2814722), 1990. Contém uma entrevista com Emanuel Revici. "Pesquisa e base teórica para o tratamento da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS)", por Emanuel Revici, MD, Townsend Letter para Médicos, vol. 45, fevereiro-março de 1987. Contém uma discussão aprofundada de aspectos do tratamento Revici para o câncer e AIDS. Emanuel Revici, MD:. Uma revisão de seu trabalho científico, por Dwight L McKee, MD, do Instituto de Biologia Aplicada (veja acima endereço e número de telefone), março de 1985 . Um bastante técnico livreto 19 páginas. "No Emanuel Revici, MD,. Marcus A. Cohen, do Instituto de Biologia Aplicada (veja acima endereço e número de telefone), de 1988. Datilografado. Uma valiosa fonte de informações sobre a vida do Dr. Revici e trabalho. Da Opções:.... Livro Terapia Alternativa Câncer por Richard Walters, © 1992 Publicado por Avery Publishing, Nova York apenas para uso pessoal, nem a cópia digital, nem impresso pode ser copiado ou vendido Reproduzido com permissãoCopyright © 1993





Morre-se cada vez mais de câncer no mundo todo. Ainda assim, o câncer não se tornou uma doença comum. Ela chega com uma carga emocional muito forte, como um estigma. O doente reage com uma dor moral. Parece que o câncer é uma punição, um castigo merecido.

“Por que eu?”, pergunta-se quase todo paciente. Sente-se como um pecador diante das pessoas sadias, ou daquelas nas quais a terrível doença ainda não se manifestou. Poucos se comportam como se tivessem um tipo comum de moléstia.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou a passar por essa via crucis. Seus próximos três meses, pelo menos, serão dedicados a combater o tumor maligno que se instalou na sua laringe, impedir que ele se propague e recuperar sua vitalidade.

Alguns dos seus hábitos o expunham ao mal: fumava cigarrilhas tanto quanto tomava álcool - e abusava das comidas gordurosas. O futebol de fim-de-semana não era antídoto para o sedentarismo de suas atividades, parte delas o obrigando a permanecer longos períodos sentado e outra parcela lhe impondo movimentação frenética.

Apesar dos avisos que o corpo passou a lhe dar em tempos mais recentes, nem Lula nem a opinião pública cogitavam de vê-lo atacado pelo câncer. Sua vitalidade e sua invejável vontade de vencer, além de uma sorte excepcional, pareciam capazes de anular os fatores adversos da sua constituição física e da sua rotina estressante.

A doença, agora, não é só um drama pessoal do ex-presidente, da sua família e do círculo mais íntimo de pessoas em torno dele: é um fato político.

A dor moral que passa a atormentar o canceroso (na rude expressão, descartada pela sintaxe politicamente correta, que segue a linhagem já expurgada da linguagem em torno do leproso de outros tempos) tem, como compensação, a misericórdia, a simpatia e a solidariedade da esmagadora maioria da sociedade (exceto os selvagens acobertados pelo anonimato na rede mundial de computadores).

O duro e sofrido preço que o ex-presidente pagará no combate ao mal lhe concede, desde já, um habeas corpus preventivo às críticas, às revelações negativas e mesmo ao exame isento da sua presença na vida pública brasileira. Todas as especulações sobre a sucessão do presidente da república no exercício do cargo, que começaram mal ele tomou posse, estarão condicionadas, a partir de agora, ao desfecho do drama de Lula. Ele é um predestinado até nessa circunstância. Imobilizado, decide tanto quanto em plena articulação política.

Neste momento, o mais provável sucessor de Dilma em 2014 é, não ela, com o direito consuetudinário à reeleição e projetada por índices de popularidade recordes, superiores, no mesmo período, ao do próprio antecessor, mas o próprio Lula. 

O trato publicitário e emocional com as expectativas da população atenua ou camufla os problemas mais graves. O quadro do futuro, porém, dependerá da evolução do tratamento médico de Lula e da sua reação à doença. Ele poderá reaparecer como o candidato imbatível à nova eleição ou como uma bandeira emotiva para o PT, se ele tiver que se afastar da vida pública ou sucumbir ao mal.

De qualquer maneira, desconsiderando seu pungente drama pessoal, que ninguém saudável (ou são) pretende para si nem para os outros, a trilha que ele seguirá nestes próximos meses o levará a patamares ainda mais altos, se não se defrontar com novas surpresas desagradáveis. A tendência nacional de ficar ao lado da vítima poderia colocá-lo nas alturas de Getúlio Vargas, embora toda a carreira sindicalista e política de Lula tenha tido, como um dos seus objetivos laterais, apagar do inconsciente coletivo a imagem do pai dos pobres anterior a ele. Tornar-se o único.

O estudo do carisma e de outros componentes subjetivos da personalidade de grandes líderes políticos ainda é deficiente e insuficiente entre nós. A reação que a análise marxista estimulou contra a glorificação de heróis levou a males equivalentes no outro extremo. A história se transformou em produto de grandes estruturas, com ênfase nas econômicas. Deixou de ser o resultado vivo da ação humana, com suas condicionantes externas, é verdade, muitas vezes determinantes, mas também com suas aberturas ao imprevisível, paradoxal ou, mesmo, absurdo.

O reducionismo marxista, explícito desde os manuais escolares de história e geografia, chegando até aos livros de literatura, desfavorece a percepção do sentido histórico contido nos atos dos seres vivos, no momento mesmo em que eles atuam na chamada conjuntura. Conceitos refratários à demonstração, como imperialismo, burguesia, reacionarismo et caterva esmagam as individualidades e tiram da história o que a define: seu conteúdo humano. Tudo passa a ser efeito de maquinações, de determinações pré-existentes. Jogo de marionetes.

A saturação desses esquemas explicativos talvez ajude a entender o sucesso de livros sobre história e política escritos por bons jornalistas, atentos aos fatos, sem se deixarem aprisionar pelo minimalismo da crônica impressionista. José Nêumanne Pinto enveredou por esse caminho. Desde o título do livro (O que sei de Lula), passando pela foto da capa (o ex-presidente, que teve uma infância dura, sem fantasias, se agachando para pegar um carro de brinquedo), e chegando com um estilo literário como forma de abordagem (o jornalista é também ficcionista).

O livro é mais do que uma grande reportagem: é um ensaio de interpretação. Com abundância de referências a fatos e a outras interpretações, ele mostra que Lula, ao escapar à miséria, ao anonimato e ao esmagamento a que está sujeita a grande maioria dos brasileiros, saiu fortalecido, como nenhum outro líder do seu tempo (e raros em toda história do Brasil), para empalmar o poder, como gostam de dizer os políticos profissionais.

De todos eles Lula se distinguiu por sua origem de retirante nordestino que consegue chegar à maior cidade do continente (e das maiores do mundo) e galga seus patamares desde a base mais rés-do-chão, tomando-a como impulso para uma carreira com poucos similares na história universal. Nenhum outro rival podia competir com ele nesse fundamento, como se diz agora nos esportes.

O problema deu-se a partir daí. Lula foi se amoldando ao padrão do passado à medida que chegava próximo do topo. As tropelias, malfeitos, traições, fraudes e crimes que foram se acumulando em torno dele, sempre o beneficiando, sem jamais o macular perante o grande público, não o impediram de continuar a perseguir o máximo, passando por cima das barreiras que fossem surgindo. A “metamorfose ambulante”, termo que usou na autodefinição, tornou-se imprescindível para que ele não ficasse pelo caminho. Ao final da corrida, o que restou?

Um líder nato, um homem dotado de instintos e inteligência excepcionais, guiado pelo seu conhecimento empírico, incrível aproveitador do melhor que a experiência lhe proporcionou para se tornar num grande comandante de massas, mas amoral, incapaz de orientar o seu governo por princípios inovadores consistentes, que constituíam o maior compromisso do PT.

Ignorando tudo que diz respeito ao conhecimento intelectual, colocou a economia nacional no piloto automático em que o governo de Fernando Henrique a deixou. Vigiando os sinais vitais da atividade produtiva, um financista internacional, tucano de origem, o banqueiro Henrique Meirelles. Manipulando os cordéis das políticas sociais compensatórias, que os tucanos também criaram, mas, por seu vezo elitista e tom acadêmico, mantiveram como decoração e perfumaria, a “companheirada” e os súditos fieis, como o célebre Delúbio Soares, capazes de se sacrificar pelo chefão, o godfather.

O Brasil que FHC construiu ficou ainda maior e melhor depois dos oito anos de Lula, que não hesitou em gastar o necessário para manter uma proporção sem igual de brasileiros ao seu lado, para o que desse e viesse. Mas esse Brasil, que come frango e compra carro ou moto como antes se comprava pão, também se tornou ainda mais violento, desigual, sem ética, viciado em “jeitinhos”, corrupto como “nunca antes”, de alto a baixo, quase como vítima de uma ameba maligna sem limites para se expandir.

Nêumanne tentou o grande ensaio sobre Lula e o seu tempo, mas nesse aspecto não atingiu o objetivo. O livro podia perder um terço de suas páginas sem o menor prejuízo. Adotando a técnica literária de repetir para acrescentar dados a cada novo capítulo, o jornalista se excedeu. O trabalho ficou repetitivo demais, como se, afinal, ele quisesse engrossar um tomo que, por natural, seria bem mais magro. Em páginas e em conteúdo, uma ossatura pretensiosa com enchimento de menos.

O que Nêumanne tentou realizar e não conseguiu continua a ser um grande desafio para quem quiser enfrentar o enigma Lula e ajudar a nação a entendê-lo melhor. A tarefa se tornará mais árdua a partir de agora, com o componente da doença a atiçar a subjetividade do país, liberando instintos e crenças.

Quaisquer que venham a ser os desdobramentos desse novo capítulo da história dos nossos dias, pode-se perguntar sobre o destino do ex-presidente. O suicídio tirou Getúlio Vargas de uma situação crítica e o projetou na história como o presidente da república mais lembrado até hoje. A deposição e a cassação fizeram muito mal ao também fazendeiro dos pampas gaúchos João Belchior Marques Goulart, herdeiro de Getúlio. Ele morreu deprimido e melancólico do outro lado da fronteira, impedido de voltar ao seu país pelos militares vingativos que assumiram o poder. Mas está revivendo nos livros que começam a ser escritos sobre ele, com um enfoque menos cáustico do que os anteriores.

E Lula? Ao que parece, apesar de tudo, ele parece empenhado em consumar outra façanha: ser o autor de si mesmo.





3 comentários:

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES