http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Josef Mengele: o Anjo da Morte

Josef Mengele: O Anjo da Morte (Douglas Lynott)


SELEÇÃO


Seleção de reclusos em Auschwitz. 


O trem de carga retumbou em uma parada agonizante sobre os trilhos dentro do complexo de Auschwitz. A carga humana que foi embalada firmemente em seu bando de vagões de gado continuou a gemer e clamar. O sofrimento era claro pois vinham de uma viagem de quatro dias sem ar comida, água, sem casa de banho, ou mesmo um ar fresco. 

Esses prisioneiros judeus foram as últimas vítimas da campanha nazista para liquidar a população judaica da Hungria, a última comunidade judaica que permanecia intacta durante a guerra. Seu destino final era o pesadelo, violento dantesco de Auschwitz, a fábrica da morte do premier nazista no sudoeste da Polônia. A engrenagem mais eficiente na roda da perversidade nazista. Solução Final, para a chamada questão judaica.


As portas de cada vagão de gado foram violentamente abertas pelos soldados nazistas SS carregando metralhadoras. "Raus, raus!" ("Fora, fora!") Gritaram para os judeus assustados e desorientados, que se apressaram para fora das portas sob uma chuva de golpes e a poucos  centímetros das mandíbulas e dos latidos de ferozes pastores alemães do acampamento. O ar estava pesado com o som ensurdecedor e confuso de ordens sendo gritadas, cães latindo, e o cheiro de carne queimada e cabelo que era vomitada das chaminés do acampamento. Lá existiam cinco fornos crematórios funcionando 24 horas por dia. 


As famílias foram separadas imediatamente, com os machos formando um grupamento em linha e as fêmeas formando o outro. A maioria das vítimas não sabiam que esta seria a última vez que eles iriam ver seus entes queridos vivos, inconscientes de suas oportunidades perdidas de expressar as últimas despedidas.


As tropas da SS forçaram os prisioneiros a marchar como condenados junto a rampa de onde eles haviam saído. Eles foram conduzidos antes que um oficial da SS que, no meio de toda a loucura agonia e morte, parecia muito fora de lugar. Seu rosto bonito foi definido com um sorriso amável, seu uniforme impecavelmente costurado, lavado e impecavelmente passado. 


Ele foi alegremente assobiando uma música de ópera, um de seus favoritos que era  Wagner. Seus olhos não se importavam, mas havia um interesse superficial no drama que se desenrolava à sua frente, o drama de que ele fora o arquiteto-chefe. Carregava um chicote de equitação, mas ao invés de usá-lo contra os prisioneiros que passavam por ele, apenas utilizava-o para indicar a direção que ele desejava. Ia indicando o caminho, esquerda ou direita. 


Sem o conhecimento dos prisioneiros, este oficial charmoso e bonito, com o comportamento inócuo estava envolvido em sua atividade favorita em Auschwitz, selecionando quais recém-chegados estavam aptos para trabalhar e quais deveriam ser enviados imediatamente para as câmaras de gás e crematórios. Aqueles enviados para a esquerda, que eram cerca de 10 a 30 por cento de todos os recém-chegados, tiveram suas vidas poupadas, pelo menos para o momento. 


Aqueles enviados para a direita, geralmente 70 a 90 por cento de todos os recém-chegados, tinha sido condenado à morte, mesmo sem uma rápida olhada de seu juiz e júri em Auschwitz. O belo oficial que dominou onipotente sobre o destino de todos os prisioneiros do campo foi o Dr. Josef Mengele, o Anjo da Morte.


OS Mengele de Günzburg


Josef Mengele era o mais velho de três filhos nascidos de Karl e Walburga Mengele na aldeia bávara de Gunzburg. Karl era um industrial local, que era dono de uma fábrica que fabricava equipamentos agrícolas. Ele era conhecido como um empregador severo, mas justo e trabalhador. Era sua esposa Walburga, no entanto, que seus funcionários mais temiam. Uma mulher imensa, com um temperamento terrível, ela ordenou muitas vezes seus seguranças que castigassem no chão de fábrica do seu marido, publicamente, funcionários que a preguiça e inabilidade profissional não a agradassem. Avisos eram colocados na linha de produção, determinando a política de Walburga dentro da fábrica, e os trabalhadores se esforçavam para não exacerbar a sua ira.


Walburga governou sua casa com uma quantidade igual de firmeza, exigindo respeito e obediência de seus três filhos, Josef, Alois, e Karl Jr. Católica devota, Walburga fez com que seus meninos praticassem estritamente a fé da Igreja. Ela era igualmente fria e exigente em seu relacionamento com seu marido Karl. 


Uma tarde, Karl chegou em casa em um automóvel novo que ele havia comprado para celebrar o sucesso crescente de sua fábrica. No entanto, em vez de emocionar e impressionar sua esposa com esta compra, Karl foi recebido com admoestações rancorosas pelo dinheiro tão estupidamente gasto em algo tão frívolo como um carro sem primeiro consulta-la. Foi um momento que exemplificou a medida que Walburga utilizava para o controle total sobre sua família e as vidas daqueles que viveram com ela.


É claro a partir de suas memórias que o comportamento da mãe e da relação que ela dividia com Karl deixaria uma impressão duradoura sobre o jovem Josef. Ele descreve seu pai como um homem frio, distante e preocupado com o seu trabalho na fábrica. Walburga é descrita como alguém incapaz de amar. Enquanto ela pode ter sido de fato capaz de moldar um filho, disciplinado respeitoso que era Josef, seus métodos de coração frio podem ter contribuído para a capacidade de seu filho de ser frio e afeito a assassinato e sede de sangue como um médico da SS em Auschwitz.


Apesar da falta de amor e carinho em sua casa, o jovem Josef é lembrado como um rapaz brilhante e alegre em Gunzburg. Conhecidos e pessoas idosa de sua época saudavam-no como "Beppo", um apelido carinhoso para o bonito e atraente jovem. Como estudante que atingiu formação superior, Josef, no entanto, foi bem, e foi reconhecido como um estudante brilhante e ambicioso. Ele foi o modelo de um aluno bem-comportado, ganhando elogios verbais de seus professores pela sua seriedade e rigor nos estudos, pela conduta e pontualidade.


Como Beppo amadureceu na adolescência, continuou a aperfeiçoar suas habilidades sociais, tornando-se um homem surpreendentemente jovem e bonito. Mengele é lembrado como alguém que exalava uma natural auto-confiança, convincente e articulado era encantador e foi muito procurado por jovens da aldeia. Seu cabelo perfeito em estilo escuro, olhar e sorriso cativante, causavam extraordinários exitos sociais, tornando-o extremamente carismático. Foi nessa idade que Mengele adquiriu o hábito de vestir-se exclusivamente com roupas sob medida e desportivas que se tornariam sua marca registrada. Usava luvas brancas de algodão, luvas que foram usadas ​​por sobreviventes de Auschwitz para distingui-lo de outros médicos SS.



Foi durante este período que Josef e sua ambição entraram em conflito direto com os desejos de seu pai, Karl. O Pai de Josef desejou que seu filho mais velho trabalhasse para a fábrica da família em Gunzgburg, talvez como um contador, no entanto, o jovem Josef sonhava com uma carreira muito além da esfera limitada do negócio, e muito além das fronteiras de sua casa bávara provincial. Ao longo de sua juventude Josef sonhou deixando Gunzburg e seguir uma carreira em ciência e antropologia. 


Fazendo segredo do âmbito de suas ambições, Josef profeticamente confidenciava a um amigo que seu nome havia de aparecer na enciclopédia. Em 1930, Josef se formou na academia Gunzburg, ou escola, e passou a Arbitur, o exame preliminar de entrada da faculdade. Sua pontuação foi boa o suficiente para ele fosse aceito na Universidade de Munique. Munique é a capital da Baviera, e na época era o coração do crescente movimento nacional-socialista, e liderada por um político revolucionário chamado Adolf Hitler.

A realização de um nazista JOVEM

Josef Mengele deixou Gunzburg indo para Munique, em outubro de 1930 para começar seus estudos na Universidade de Munique. Ele se matriculou como estudante de Filosofia e Medicina, carreiras que acabariam por levar sua carreira para o Coração das Trevas de Auschwitz. Ao mesmo tempo em que o jovem Mengele estava começando seus estudos, a cidade de Munique, se viu no meio de uma revolução ideológica. 


Em 1930, os nazistas eram o segundo maior partido político do Parlamento alemão. Adolf Hitler usou Munique como palco principal a partir do qual ele iria conseguir o domínio sobre toda a sociedade alemã. Seu ódio, frenético e os discursos nacionalistas incitaram o público e as massas  bávaras, e intoxicados com visões de um novo império alemão se viram envolvidos pela ilusão da Raça superior Alemã.


Mengele permaneceu apolítico, até este ponto em sua vida. Ele estava satisfeito em sua busca dos prazeres da vida e do lazer. Sua busca pelo sucesso e renome ficou confinada ao domínio da antropologia e da academia. No entanto, ele facilmente sucumbiu à histeria contagiosa nazista que varreu muitos de seus pares. Em suas memórias, ele escreveu: Minhas inclinações políticas foram, acho que por razões de tradição familiar, nacional conservadoras. Eu não tinha aderido a qualquer organização política.


Mas no longo prazo, era impossível ficar de lado nestes tempos politicamente agitados, em que a Pátria sofria o assédio marxista-bolchevique. Este conceito simples de política finalmente se tornou o fator decisivo na minha vida. Este "conceito político" que Mengele escreveu tornou-se o veículo sobre o qual ele iria utilizar para avançar na sua carreira e em sua fama como pesquisador e cientista. Sem perder tempo, ele se juntou a uma organização nacionalista chamado Stalhelm, ou os capacetes de aço, em 1931.


O Stalhelm usava uniformes alemães decorativos e desfilavam para a música nacionalista durante eventos públicos, enquanto eles eram ainda filiado ao Partido Nazista. Neste momento, ele compartilhou a ideologia nacionalista raivosa exatamente como os nazistas. Sua consciência política começou a florescer e Mengele começou seus estudos, com foco em antropologia e paleontologia, bem como em medicina. Medicina, ou a arte de curar, era verdadeiramente um interesse secundário de Mengele. Sua crescente paixão foi para a eugenia, a busca das chaves para destravar o segredo da genética e revelar as fontes de deformidades e imperfeições humanas.


O interesse de Mengele neste campo de estudo surgiu num momento em que uma série de importantes acadêmicos alemães e profissionais médicos que defendiam a teoria da "vida indigna", uma teoria que lançou a noção de que algumas vidas simplesmente não eram dignas de existir. Foi aqui que Mengele começou a se empenhar em seus esforços para distinguir-se, adquirindo renome e ganhando respeito como pesquisador científico para avançar na elaboração da raça alemã perfeita. 


Mengele, ambicioso desenvolveu sua paixão acadêmica revelando pouco ou nada do zelo assassino que seriam um  dia seu destino. Um de seus colegas de universidade, o professor Hans Grebe, declarou que "Não havia nada em sua personalidade para sugerir que ele faria o que ele fez (como um médico da SS em Auschwitz)"


Se Mengele se tornou um monstro de sangue frio, no auge de sua carreira nazista, ele certamente aprendeu aos pés de algumas das mentes mais diabólicas da Alemanha. Como Mengele ainda estudante, assistiu as palestras do Dr. Ernst Rudin, que postulava não só que haviam alguns seres humanos cuja vida não valeria a pena, e que os médicos tinham a responsabilidade de destruir a tal vida e remove-los da população em geral. 


Seus pontos de vista proeminentes ganharam a atenção de Hitler, e Rudin foi designado para auxiliar na criação da Lei para a Proteção da Saúde e hereditariedade, que passou em 1933, mesmo ano em que os nazistas tomaram o controle completo do governo alemão. Este darwinista sem remorso social contribuiu para o decreto nazista, que ordenou a esterilização de pessoas que demonstrassem falhas genéticas que levavariam esses excluídos socialmente a se reproduzirem e contaminar o conjunto de genes Alemães. Debilidade mental, esquizofrenia, depressão maníaca; epilepsia; cegueira hereditária, surdez; deformidades físicas; doença de Huntington  e alcoolismo eram considerados motivos suficientes para a esterilização.


Em 1934, Hitler ordenou a SA, ou camisas castanhas, que absorvessem a organização Stalhelm, automaticamente tornando membro Mengele. No entanto, um problema no rim que o deixou em uma condição enfraquecida, obrigou-o a demitir-se da organização. Ele agora estava livre para dedicar todo o seu tempo aos seus estudos. Cinco anos depois de entrar na Universidade, Mengele foi premiado com um doutorado para a sua tese intitulada "Investigação morfológica Racial sobre a seção inferior da mandíbula de quatro grupos raciais". 


Através de Mengele foi desenvolvida uma tese bastante rígida e científica, postulando que era possível detectar e identificar os diferentes grupos raciais, estudando a mandíbula. Embora desprovida de qualquer conotação racista (especificamente anti-semita), o argumento de Mengele ocorreu em paralelo com aqueles feitos por outros que afirmavam que as características físicas, como o maxilar ou a forma de um nariz poderiam ser usados para determinar se alguém era judeu. Em 1936, Mengele passou no seu exame para conclusão da carreira médica e começou a trabalhar em Leipzig na clínica médica da universidade.


No ano seguinte, 1937, provou ser um ponto de virada para a carreira de ambos Mengele e da história do Holocausto. Ele foi indicado e recebeu uma posição como assistente de pesquisa no Terceiro Reich, no Instituto de Biologia Hereditária e Pureza Racial da Universidade de Frankfurt. Ele foi designado para trabalhar para o Professor Otmar Freiherr von Verschuer, uma das mentes de primeira, no campo da genética. Von Verschuer era um defensor público de Hitler, elogiando-o por "ser o primeiro estadista a reconhecer a higiene biológica e raça hereditária". 


Mengele rápidamente aplicou-se em sua adulação descarada louvando e declarando aprovação a Von Verschuer. Em Von Verschuer Mengele havia encontrado a adulação dos pais e a afirmação que não tivera em sua infância. Com von Verschuer Mengele encontrou o ambiente que ele havia ansiado por toda a sua vida. Mengele devolveu o gesto com um empenho inflexível para agradar seu mentor.


As duas correntes de ambição que haviam definido a vida de Mengele, concorreram para torna-lo um cientista de renome e um purificador de genética, encontrando a unidade dentro do movimento nazista. Ele se tornou um membro oficial do Partido em 1937. Em maio de 1938 o pedido de adesão foi aceito no Schutzstaffel, ou SS. Mengele foi introduzido no corpo da elite de Hitler, aqueles que demonstraram tanto o purista fundo racial ariano como adesão à ideologia nazista e suas práticas. Com a idade de 28 anos, Mengele havia subido para um lugar de destaque dentro da hierarquia nazista e foi posicionado para exercer poder e influência.


Mengele atuou no programa de  "pureza" racial e foi entrevistado em 1940, destacando experiências com um casal de idosos polonêses (Posner).


Neste mesmo ano, Frankfort University concedeu a Mengele seu grau médico. Foi também em 1938 que ele recebeu sua primeira experiência em treinamento militar, passando três meses de treinamento para o combate junto a Wehrmacht, ou exército alemão. De 1938 até 1940, Mengele ficou com o Instituto, auxiliando von Verschuer revisando o trabalho de outros pesquisadores. Em 1939, a guerra eclodiu, e Mengele embarcou no objetivo de lutar pela Patria Alemã. 


Embora tivesse que esperar até junho de 1940, devido à sua doença renal, foi aceito para a Waffen SS, como soldado de elite dentro da SS, estando entre os adeptos mais fanáticos e susceptíveis ao convite de Hitler para preservar e proteger o projeto Nazista. Mengele continuou a distinguir-se, desta vez como um soldado. Como tenente, ele foi premiado com o segundo lugar na Classe Cruz de Ferro, em junho de 1941 na Frente Ucraniana. 


Em janeiro de 1942, enquanto servia com a Divisão SS Viking atrás das linhas soviéticas, puxou dois soldados alemães do interior de um tanque em chamas, e foi premiado com a primeira Cruz de Ferro, bem como o emblema preto para os feridos e a Medalha para os Cuidados com o povo alemão. As feridas recebidas durante esta segunda campanha impediram Mengele de voltar ao combate. Em vez disso, ele foi para Berlim, onde também foi promovido ao posto de capitão. 


Nesta altura o seu mentor, o professor von Verschuer, também foi trabalhar em Berlim, no Instituto Kaiser Wilhelm de Antropologia, Ensino hereditária Humana e Genética. Um proeminente cientista nazista, tal como von Verschuer certamente tinha conhecimento em primeira mão da política denominada "Solução Final" que foi recentemente formalizada em Berlim pelos membros do topo da hierarquia nazista. 


Ele também teria sido correspondentemente ciente dos planos nazistas para a construção de campos de concentração em toda a Europa, e sabia que em tais campos teria oportunidades incalculáveis ​​para experimentos in vivo, vivendo a pesquisa genética a ser realizada em seres humanos. Dentro de um ano depois de ter sido enviado para Berlim, o Dr. Josef Mengele recebeu uma nova missão. Em maio de 1943, Mengele partiu de Berlim para sua próxima missão: o campo de concentração nazista de Auschwitz, na Polônia.





EM HARMONIA COM O MAL: AUSCHWITZ


A fábrica da morte em Auschwitz era um reino horripilante da miséria humana. O Quartel e seus habitantes foram inundados com a mais suja das condições sanitárias. Doenças como o tifo e diarréia eram comuns, assim como piolhos, parasitas e pulgas. Foi sobre este reino que o Dr. Josef Mengele veio a presidir. A missão declarada de Mengele em Auschwitz foi realizar pesquisas sobre genética humana. Seu trabalho foi financiado através de uma subvenção que o professor von Verschuer havia assegurado através do Conselho Alemão de Pesquisa em agosto de 1943. 


O objetivo do trabalho de Mengele foi desvendar os segredos da engenharia genética, e elaborar métodos para erradicar fios de genes inferiores da população humana como um meio de criar uma raça super-germânica. No entanto, apesar da premissa científica por seu trabalho, as realizações de Mengele acrescentaram volumes para os anais da crueldade humana, contribuindo em nada de valor para uma maior compreensão da genética humana e engenharia genética. 


Mengele imediatamente distinguir-se dos outros médicos da SS em Auschwitz. Ele já se destacou como o único médico no acampamento que tinha sido condecorado por sua conduta no campo de batalha. Mengele fez questão de usar seu uniforme impecável da SS com as medalhas que ele tinha sido adjudicado. Ele sempre fez referência a suas experiências na frente, e foi obviamente muito orgulhoso e protetor de suas medalhas. 


Mas não foi apenas seu passado militar que viria a distinguir Mengele de seus colegas, mas sua devoção obcecada pelo seu trabalho em Auschwitz que estabeleceu sua reputação como um cruel, assassino de sangue frio, cujo nome inspirou medo até mesmo em outros oficiais da SS. Ele imediatamente demonstrou uma profunda capacidade de assassínio gratuito durante uma epidemia de tifo que irrompeu no acampamento, poucos dias depois de ter chegado. 


Ele ordenou que milhares de homens ciganos e mulheres que tiveram a doença fossem para as câmaras de gás, poupando a vida de Alemães ciganos. A importância deste incidente é duplo: Mengele aderiu à crença nazista de que os Ciganos fossem uma subespécie da raça humana e, portanto, eram "vida indigna". No entanto, o fato de que ele poupou a vida dos ciganos alemães, pelo menos neste caso, pode ter resultado do fato de que Mengele mesmo tinha muitos aspectos ciganos na sua própria aparência física, a partir de sua pele bronzeada e o seu cabelo e olhos escuros. 


Ele não era em tudo semelhante ao ideal nazista ariano com cabelo loiro e olhos azuis. De qualquer forma, a sua vontade de executar 1.000 pessoas inocentes em um momento pode apontar para uma necessidade psicológica de purificar o mundo das coisas que ele odiava em seu próprio eu. Fosse o que fosse que Mengele tenha se inspirado para cometer esse primeiro ato de assassinato, ela continuou a alimentar a sua ambição de ser a autoridade principal de Auschwitz sobre questões de vida e morte. 


Em nenhum momento isto é mais evidente do que durante o processo de seleção, que foi primeiramente realizado após o transporte por trens dos deportados judeus que chegavam ao acampamento. Segundo a Dra. Ella Lingens, um médico austríaco que foi preso em Auschwitz na tentativa de esconder alguns amigos judeus, Mengele adorou seu papel como seletor: Alguns, como Werner Rhode odiavam seu trabalho, havia também Hans Konig que estava profundamente desgostoso com o trabalho e tinha que ficar bêbado antes que suas vítimas aparecessem na rampa . 


Apenas dois médicos realizaram as seleções sem estimulantes de qualquer espécie: Dr. Josef Mengele e Dr. Fritz Klein. O Dr. Mengele era particularmente frio e cínico. Ele (Mengele) me disse uma vez que existem apenas duas pessoas talentosas no mundo. Alemães e judeus, e é uma questão de quem vai ser superior. Então ele decidiu que os judeus tinham que ser destruídos.


Mengele realizava esta tarefa com prazer, aparecendo em seleções para as quais  ele não havia sido oficialmente designado, sempre vestido com seu melhor uniforme. Ele se portava com graça e facilidade em suas botas pretas brilhantes, suas calças bem passadas, jaqueta, e suas luvas brancas de algodão, enquanto um mar de miséria desaguava a seus pés em forma de prisioneiros exaustos e famintos. A Dra. Olga Lengyel, outra residente médica, lembra amargamente o comportamento de Mengele na rampa. Desprezando a miséria, individual, arrogante, assobiando, sua contínua crueldade frígida. 


Dia após dia, ele estava em seu posto, observando a multidão lamentável de homens, mulheres e crianças, lutando, passando pelos últimos estágios de cansaço provenientes da jornada desumana nos caminhões de gado. Ele apontava com a bengala, cada pessoa e encaminháva-os com uma palavra: "direita" ou "esquerda". Ele parecia gostar de sua terrível tarefa.

Esta "crueldade fria", declarou o Dr. Lengyels, muitas vezes, deram lugar a uma raiva ardente, quente, que Mengele desencadearia sem aviso àqueles que procuraram desafiar a ordem, que ele procurou estabelecer no acampamento. 


A médica Gisella Perl, lembra um incidente quando Mengele pegou uma mulher em sua sexta tentativa de escapar de um caminhão de transporte de vítimas para a câmara de gás: Ele a agarrou pelo pescoço e começou a bater a cabeça da prisioneira criando uma pasta de sangue. Ele bateu, esbofeteou, oprimindo sempre a cabeça. Gritava o mais alto que conseguia. "Você quer escapar, você não, Você não pode escapar agora. Você está indo para queimar como os outros, você vai morrer, você judia suja. " 


Enquanto eu olhava, presenciei os dois belos olhos inteligentes daquela judia desaparecem sob uma camada de sangue. E em poucos segundos, seu nariz, aquilino, reto, tornou-se uma massa desforme, quebrado sangrando. Meia hora mais tarde, o Dr. Mengele voltou ao hospital.Ele pegou um pedaço de sabão perfumado de sua bolsa e, assobiando alegremente com um sorriso de profunda satisfação em seu rosto, começou a lavar as mãos.


Apesar de sua capacidade largamente demonstrada para ser frio e distante, assim como cruel e brutal, Mengele também demonstrou um lado, despreocupado e encantador, que ele usou para desarmar os prisioneiros e as vítimas. Ele agiu de maneira solidária preocupado quando confrontado com mulheres exaustas e seus filhos na rampa, só com o objetivo de enviá-los para as câmaras de gás, um momento depois. 


Sua aparência de estrela de cinema e sua maneira confiante de autoridade tornou-o sexualmente desejável para as mesmas mulheres que ele degradara, torturava e assassinava. A natureza totalmente imprevisível da personalidade de Mengele se tornou sua ferramenta mais poderosa para exercer controle sobre os prisioneiros e pessoal da prisão, nos quais incutiu um medo profundo avassalador em todos aqueles com quem ele entrou em contato.


Além das seleções e espancamentos, Mengele ocupou seu tempo com outros numerosos atos de crueldade corriqueiros, incluindo a dissecção de bebês vivos; a castração de meninos e homens, sem a utilização de um anestésico, e a administração de alta tensão elétrica, choques elétricos em mulheres presas, sob os auspícios de testar sua resistência. Em uma ocasião ainda Mengele esterilizando um grupo de freiras polonesas com uma máquina de raios-X, deixou as mulheres celibatárias horrivelmente queimadas. 


Em 1981, o escritório da Procuradoria da Alemanha Ocidental  elaborou 78 acusações diferentes contra Mengele, acusando-o dos crimes mais hediondos e bestiais contra a humanidade, incluindo: A ativa e decisiva participação de seleções em bloco de prisioneiros doentes, a tortura de tais presos através da fome, as privações até a exaustão, a inserção de doenças, os abusos de toda espécie, o assassinato dos que foram considerados inaptos para o trabalho no campo ou cuja rápida recuperação não estava prevista ... 


Os selecionados eram mortos através de injeções ou pelotões de fuzilamento ou por asfixia dolorosa até a morte através de ácido cianídrico nas câmaras de gás, a fim de abrir espaço no campo para obter mais vagas para prisioneiros, escolhidos por ele ou por outros médicos SS ... 

As injeções que mataram foram feitas com gasolina, fenol, Evipal, clorofórmio, ou ar para a circulação, principalmente nos vasos do coração, seja com suas próprias mãos ou ordenando os funcionarios das SS encarregados do trabalho sanitário de fazê-lo, enquanto ele observava.


Mengele introduziu a degradação sexual no processo de seleção já desumanizante. Os prisioneiros e principalmente as várias mulheres eram obrigadas a desfilar diante dele, despojadas de todas as roupas, totalmente nuas. Muitas vezes ele iria fazer com que cada mulher parasse diante dele, obrigando-as a responder as mais vis perguntas sobre os detalhes íntimos de suas vidas sexuais, enquanto ele constantemente referia-se a mulher judia como "prostitutas sujas". É impossível escapar à conclusão de que a crueldade de Mengele era, pelo menos em parte, enraizada a um desejo sexual secreto em relação a essas mulheres a quem o Reich considerava como "verboten", (proibido).


Mengele deu inúmeros exemplos de sua devoção à ordem nazista, e a cumpria de forma cruel e como assassino, ele estava preparado para defende-la e preservá-la. Em uma ocasião, um soldado do acampamento que conduzia prisioneiros judeus que tinham ajudado os nazistas na condução de presos para as câmaras de gás, tentou recuperar alguns detentos da linha de câmaras de gás e colocá-los na linha de trabalho. Mengele ficou tão furioso que ele próprio assassinou o soldado com sua própria pistola. 


Em outra ocasião, quando os crematórios se tornaram muito cheios para acomodar os milhares de judeus que lotavam o campo de concentração, ele mandou cavar trincheiras, que foram preenchidas com gasolina e incendiadas. Ambos, os mortos e os vivos, tanto adultos como crianças e bebês, foram jogados vivos nesses poços para arderem, os vivos até a morte sob supervisão de Mengele.


Talvez seja quase impossível distinguir entre os atos assassinos de Mengele quais aqueles que eram piores do que outros, talvez um incidente exemplifique a natureza demoníaca desse homem, melhor do que a maioria. Um detento russo chamado Annani Silovich Pet'ko testemunhou uma cena que desafia a descrição e compreensão: Depois de um tempo um grande grupo de oficiais da SS chegaram em motocicletas, Mengele entre eles. Eles foram para um grande quintal com suas motocicletas. Ao chegar eles circularam grandes chamas, que queimavam na horizontal. 


Nós assistimos e vimos o que viria a seguir. A seguir chegaram caminhões basculantes, com crianças dentro. Havia cerca de dez destes caminhões. Depois de terem entrado no quintal um oficial deu uma ordem e os caminhões jogaram seu conteúdo diretamente para o fogo. Os caminhões começaram a atirar as crianças para o fogo, para o poço. As crianças começaram a gritar, algumas delas conseguiram se arrastar para fora do poço em chamas. Um oficial andava com paus a empurrou de volta e todos aqueles que conseguiram sair. Hoess (comandante de Auschwitz) e Mengele estavam presentes e foram dando ordens.

O corpo de provas contra Mengele é vasto em sua enormidade e variedade, são atos de crueldade física e emocional que ele patrocinou às milhares de vítimas indefesas. Seu comportamento praticamente escapa a descrição humana, enquanto seus motivos são praticamente além da análise. Isto é especialmente verdade à luz do fato de que era um homem que tinha um papel respeitável como médico SS e pesquisador, e que aderiu tão duramente ao conceito nazista de ordem e disciplina. Ele consistentemente mostrou prazer, e desapego ao tormento e sofrimento por ele patrocinado e testemunhado. 


Um psicanalista, Dr. Tobias Brocher, postulou que "Ele (Mengele) não ter prazer em infligir dor, mas no poder (grifo nosso) que exerceu por ser o homem que teve de decidir entre a vida e a morte dentro da ideologia de um médico do campo de concentração". Enquanto Mengele praticou essa ideologia dentro do contexto do seletor, ele também a praticou com igual fervor sob o disfarce de pesquisador. Esse era o papel para o qual ele supostamente foi enviada para Auschwitz por seu mentor, o professor von Verschuer.
JOSEF MENGELE

Antes de sua associação com Mengele, o professor von Verschuer havia concentrado suas pesquisas sobre o assunto relativo a gêmeos. Seu trabalho se limitava a observar o comportamento dos sujeitos individualmete. Ele foi proibido de praticar experiências que resultassem em interferência na vida e nos corpos, pelas normas éticas que prevaleciam antes da era nazista. Os nazistas eliminaram essas normas e, em Auschwitz, von Verschuer viu possibilidades ilimitadas para o seu protegido, Josef Mengele, no sentido de conduzir os tipos de experimentos in vivo que ele desejava conduzir por tanto tempo. 


Mengele, sempre ansiosos para agradar seu mentor, chegou a Auschwitz com a missão de sondar as profundidades do mistério humano, e para extrair os segredos da genética humana a partir dos espécimes vivos gêmeos à sua disposição.
Prof. Dr. Otmar Freiherr von Verschuer

Mengele ordenou que os guardas da SS que lhe ajudaram no processo de seleção vasculhassem as linhas de prisioneiros procurando por gêmeos. "Zwillinge, zwillinge", "gêmeos, gêmeos," os guardas gritavam eloquentemente enquanto marchavam para cima e para baixo na rampa dos trens que chegavam e transportavam novos prisioneiros. 


Sobreviventes gêmeos, como Eva Mozes da Hungria, lembram-se do momento em que foram retirados da linha do condenados e entregues ao Dr. Mengele: Quando as portas para o nosso carro de gado abriu, ouvi gritar soldados da SS, "Schnell Schnell! "("Mais rápido! Rápido!"), E ordenando toda a gente. Minha mãe pegou Miriam e a mim pela mão. 


Eva Mozes - Sobrevivente do Campo de Auschwitz


Ela estava sempre tentando nos proteger porque éramos mais novos. Tudo estava se movendo muito rápido, e quando olhei em volta, notei que meu pai e minhas duas irmãs mais velhas foram embora. Enquanto eu segurava a mão da minha mãe, um homem da SS correu, gritando, "gêmeos! Gêmeos!" Ele parou para olhar para nós.Miriam e eu olhei muito parecidos. "São gêmeos?" ele perguntou a minha mãe. "Isso é bom?" , respondeu ela. Ele acenou com a cabeça sim. "Eles são gêmeos", disse ela.


Eva e Miriam Mozes

Enquanto os gêmeos foram poupados da execução pura e simples, os outros familiares dos gemeos foram entregues a um destino decididamente mais cruel. Mengele reservara um quartel especial para suas cobaias individuais, bem como para anões, aleijados e outros "espécimes exóticos." 

Miriam Mozes

O quartel foi apelidado o Jardim Zoológico. Segurando uma caneta segurando Mengele os relacionava. Os gêmeos eram seus temas favoritos, e eles tinham um tratamento diferenciado, como ter a permissão de manter seu próprio cabelo e roupas, e receber rações extras. Os guardas tinham ordens estritas para não abusar das crianças, e foram instruídos para cuidar de seu bem-estar evitando que ficassem doentes e viessem a morrer. 


Mengele ficava irado explosivamente se um de seus espécimes amados chegasse a morrer. Esses gêmeos eram chamados de "Filhos de Mengele". Foi aqui no Zoológico que os gêmeos vieram a saber do destino de seus pais verdadeiros nas câmaras de gás. Mengele simultaneamente tornou-se para eles uma figura da morte e da vida. O homem que havia condenado os seus pais e familiares para a aniquilação, enquanto ao mesmo tempo poupara as suas vidas.


As crianças de Mengele também foram poupadas de espancamentos, trabalhos forçados e seleções aleatórias de forma a manter sua boa saúde. No entanto, Mengele não foi motivado por impulsos humanitários, mas pelo desejo de manter seus espécimes saudáveis ​​para a experimentação. 

Ironicamente, foram suas experiências próprias que extraíram o mais pesado passaporte físico sobre as crianças a quem ele dedicou tanto cuidado e carinho, e centenas acabaram morrendo como resultado de suas experiências com gêmeos e seus atos horríveis. 


Tal como acontecia com outros detentos em Auschwitz, Mengele exercitou sua imaginação que não conhecia limites quando se tratava de conceber tormentos físicos para suas vítimas. Exames preliminares eram imputados aos gêmeos como rotina. As crianças preenchiam um questionário, eram pesados ​​e medidos. No entanto, um destino mais terrível os aguardava nas mãos de Mengele. Ele retirava amostras de sangue diários de seus cobaias gemeos, e enviava-os para o professor von Verschuer em Berlim. Ele injetou amostras de sangue de um gêmeo para outro gêmeo de um tipo de sangue diferente e registrou a reação. 


Como resultado, ocorria invariavelmente, uma dor de cabeça dolorosa e febre alta que durava vários dias. A fim de determinar se a cor dos olhos pode ser geneticamente alterada, Mengele injetou corante nos olhos de vários cobaias individuais. Isso sempre resultava em infecções dolorosas, e às vezes até mesmo a cegueira. Se as gêmeas morriam, Mengele recolhia os olhos e fixava-os na parede de seu escritório, com pinos de biólogo, além de amostras de insetos  em uma espécie de isopor. 


As crianças novas foram colocadas em gaiolas de isolamento, e sujeitas a uma variedade de estímulos para ver como eles reagem. Vários gêmeos foram castrados ou esterilizados. Muitos gêmeos tiveram membros e órgãos retirados em procedimentos cirúrgicos macabros que Mengele realizava sem o uso de um anestésico. Outros gêmeos foram injetados com agentes infecciosos para ver quanto tempo levaria para que sucumbissem a várias doenças.


É claro que, apesar do objetivo pelo qual ele foi enviado a Auschwitz, a experimentação de Mengele não tinha absolutamente nada a ver com a investigação científica verdadeira. O que estava em jogo era o resultado da adesão ambiciosa e zelosa de um homem à visão nazista da supremacia ariana. O sobrevivente Alex Dekel discorre sobre o assunto: Eu nunca aceitei o fato de que Mengele acreditava que ele estava fazendo um trabalho sério, principalmente na forma como ele foi desleixado sobre isso. Ele estava apenas exercendo seu poder. Mengele era um açougueiro. Grandes cirurgias foram realizadas sem anestesia. 


Uma vez, eu testemunhei uma operação de estômago - Mengele foi removendo pedaços do estômago, mas sem qualquer anestesia. Outra vez, era um coração que foi removido, novamente, sem anestesia. Foi horrível. Mengele era um médico que se tornou louco por causa do poder que lhe foi dado. Ninguém nunca o questionou sobre quem deveria morrer? Por que deveria perecer aquele? Os pacientes não contavam. Ele professou fazer o que fez em nome da ciência, mas foi uma loucura de sua parte.


Loucura, de fato, da parte de um homem que proporcionava amor e atenção para com crianças que seriam cobaias mais cedo ou mais tarde para seus experimentos cruéis. Ele seria mais provavelmente um assassino cruel em busca de informações genéticas que não existiam, excepto na imaginação de um ideólogo nazista doutrinado. 

Era um louco do qual uma gêmea sobrevivente se lembra como um homem gentil, que amava as crianças! 

De onde se origina tal loucura? Como é possível que dois personagens separados e diametralmente opostos se manifestam dentro da mesma pessoa?


EM HARMONIA COM MAL


Nas palavras de várias testemunhas e sobreviventes de Auschwitz e de historiadores e psicólogos, o Dr. Josef Mengele era não apenas de Auschwitz. O Dr. Josef Mengele era Auschwitz. Através de suas ações e comportamento, Mengele foi capaz de incorporar as contradições sobrenaturais de um campo de extermínio onde os presos iam chegando, com a música valsa tocada por uma orquestra de prisioneiros, enquanto a poucos metros de distância, centenas de pessoas foram reduzidas a cinzas no crematório, um campo onde afeto e conforto foram dispensados a crianças que viviam no Jardim Zoológico, apenas, de modo a mantê-los saudáveis ​​o suficiente para uma experimentação distorcida e sem sentido. Um acampamento onde Mengele escoltava seus amados "filhos", enquanto enviava seus familiares para as câmaras de gás, referindo-se a essas caminhadas como um jogo que ele chamou de "a caminho da chaminé." 

O único relato em primeira mão sobre as experiências do Anjo da Morte vem de um punhado de sobreviventes dos campos de concentração e de um médico judeu, Miklos Nyiszli, que trabalhou com Mengele como um patologista assistente que submetia suas vítimas – gêmeos e anões com idades entre dois anos de idade prá cima – a exames clínicos, exames de sangue, raios X e outros processos médicos.

No caso dos gêmeos, ele desenhou esboços de cada dupla, para a comparação. Ele também injetou em suas vítimas várias substâncias, gotas de produtos químicos em seus olhos, aparentemente em uma tentativa de mudar a cor dos olhos, causando sérios danos aos olhos dos mesmos.

As experiências do Dr. Mengele em crianças, matou milhares de inocentes através da injeção de clorofórmio em seus corações, assim como para realizar exames comparativos patológicoa em seus órgãos internos. A finalidade deste cruel procedimento de Mengele, segundo o Dr. Nyiszli, foi estabelecer a causa genética para o nascimento de gêmeos, a fim de facilitar a formulação de um programa para duplicar a taxa de natalidade da raça ariana(!). As experiências com gêmeos afetaram cerca de 180 pessoas, entre adultos e crianças.

Nunca é uma tarefa fácil imaginar que qualquer ser humano é capaz de cometer atos de brutalidade gratuita tal e tamanha crueldade. Atos que bespeak não apenas desprezou no indivíduo em relação a dar valor a vida humana, mas seu desejo infinito para degradar e destruir. O Holocausto apresentou a história com um enigma, com eventos e personalidades que talvez desafiam explicação e significado. No entanto, é em nossos esforços no sentido de prevenir que outras dessas tragédias futuras ocorram, que nós nos esforçamos para entender o que é que motiva tais indivíduos a se comportarem dessa maneira.


Josef Mengele abrigou uma ambição profunda para alcançar a grandeza, e foi conduzido internamente desde cedo a distinguir-se como um adulto. Isto é evidente nas escolhas que ele fez ao longo de sua carreira como um nazista. Ele não se limitou a se juntar ao exército. Entrou para a SS, e não se limitou a juntar-se a SS, ele entrou para a Waffen SS, e quando enviado a Auschwitz ele não executou algumas seleções, ele parecia estar presente em quase todas as seleções. 


De toda forma possível, Mengele tentou avançar seus próprios interesses, demonstrando que não havia mais ninguém no campo, que fizeram tantas coisas como ele fez,  já que não havia mais ninguém com seu senso de devoção ou zelo.

Mas será que isso vai longe o suficiente para explicar o salto do jovem cientista ambicioso assassino bárbaro? Isso explica a transformação de um homem afável jovem chamado Beppo para um sangue-frio demônio, torturante? 


O Autor e professor Robert Jay Lifton, sugeriu que para alguém como Mengele, essa dualidade foi possível por causa de um fenômeno a que ele se refere como "duplicação": A chave para a compreensão de como os médicos nazistas chegaram a fazer o trabalho de Auschwitz é o princípio psicológico que eu chamo de "dobrar": a divisão do eu em dois conjuntos de funcionamento, de modo que uma parte produz atos como um ser inteiro. Um médico de Auschwitz poderia, através de duplicação, não apenas matar e contribuir para a morte, mas também organizar silenciosamente, em nome desse projeto do mal, toda uma auto-estrutura abrangendo praticamente todos os aspectos de seu comportamento. 


O médico nazista indivíduo precisava de sua auto-Auschwitz para funcionar psicologicamente em um ambiente tão contraditório com seus padrões éticos anteriores. Ao mesmo tempo, ele precisava de sua auto anterioridade, a fim de continuar a ver a si mesmo como médico humanitário, marido e pai. A auto Auschwitz tinha de ser simultaneamente autónoma e ligado ao auto prévio que lhe deu origem.


Embora haja uma certa lógica no argumento de Lifton, que informa que os médicos acostumados a aderir ao juramento de Hipócrates precisavam de um "auto de Auschwitz" para funcionar no campo da morte, ele mesmo aponta para a especial afinidade de Mengele para o trabalho nesse meio. Em outras palavras, não foi um grande salto que Mengele era obrigado a fazer para que a auto-Auschwitz desabrochasse para sair da auto prévia noção moral que fora dada pela sua cultura. A afinidade de Mengele em relação a sua auto Auschwitz deu a impressão de uma afinidade, rápida e rápida adaptação ... A duplicação de personalidade foi realmente exigida de um homem que fez amizade com as crianças e, em seguida, dirigiu alguns deles pessoalmente para a câmara de gás. 


Seja qual for a sua afinidade com Auschwitz, um homem que podia ser retratado em condições normais como "um professor sádico Alemão" teve que formar um novo eu para se tornar um assassino empedernido. O ponto sobre a duplicação de Mengele é que seu eu anterior poderia ser facilmente absorvido pelo auto de Auschwitz, e a sua fidelidade de continuar com a ideologia nazista e o projeto de sua auto Auschwitz, mais do que no caso de outros médicos nazistas, e permanecer ativo ao longo de anos após a Segunda Guerra Mundial.


Talvez seja esse o maior mistério, não que o processo de duplicação ocorreu dentro de Mengele, mas o fato de que ocorreu sem esforço consciente de sua parte. O fato de que a auto Auschwitz parecia surgir de dentro, em vez de ter se separado da sua prévia auto-moral cultural. Por que Mengele escorregaria para o papel da auto Auschwitz com tanta facilidade? 


O que havia em sua composição psicológica que lhe permitiu transmitir a aparência de seu auto anterior, ao mesmo tempo comportando-se como a auto Auschwitz? 

Porque o próprio Mengele morreu antes que pudesse ser capturado e entrevistado? 

É possível que a última palavra possa ser que, pelo menos no seu caso, esse comportamento era possível porque ele era simplesmente uma personificação do mal, e não há maneira de explicar psicológicamente como ele se tornou assim.

NOTA: É sabido que quando uma pessoa se envolve com o mal seja por pensamento, atos ou palavras, ela se separa de sua natural proteção espiritual boa que todos possuem, pois todos tem direito a ela. No entanto existem pessoas que tem uma natural propensão para o mal. Essas se separam rapidamente de sua boa influência, e quando o fazem, a parte sombria e negra vai gradualmente envolvendo e se apossando da pessoa. Embotando sua consciência que é em verdade seu guia para as leis universais que são em verdade a lei do amor. É um engano pensar-se que o mal é sempre idiota. Não. Ele pode ser inteligente e sedutor, animado por verdadeiras inteligências do mundo espiritual que exercem poder, fascínio, sedução para atingir seus objetivos.

Essas personalidades do mal estão por ai e sua ascensão ou não depende particularmente de cada ser humano que habita esse planeta. No caso da Alemanha anterior à Segunda Grande Guerra, criou-se um sentimento popular muitíssimo negativo, uma aura de trevas que misturava ódio, com orgulho exacerbado. Foi a atmosfera ideal para que se manifestassem as forças das trevas sobre a humanidade. A humanidade em si teve uma grande parcela de culpa nesse episódio pois exerceu sobre a pujante nação alemã uma opressão decorrente de uma tentativa de humilhação pela derrota na Primeira Grande Guerra Mundial, relegando essa nação a uma condição de desumanidade e crueldade. Esse cenário determinou que seres trevosos do mundo espiritual colocassem entre os homens, os personagens ideais dentro de um grande planejamento estratégico, para que o mal assomasse, buscando o domínio mundial. Um domínio calcado em ódio, orgulho, vaidade, crueldade. 

Os envolvidos nesse planejamento não foram induzidos. Eram sedutores, inteligentes. Foram injetados propositalmente dentro desse cenário, e guiados e protegidos pelas forças das trevas. Muitos se perguntam, como Mengele escapou? Com toda certeza ele e outros que vieram parar aqui na América do Sul fugiram no célebre submarino que conduziu entre outros o próprio Fuhrer, que hoje sabe-se não se suicidou como muitos pensam. Viveu e morreu aqui na América do Sul protegido pelas comunidades alemãs criadas aqui préviamente e que até hoje existem.

Eram seres que julgavam-se portadores de uma missão divina. Sua missão criam, era um reordenamento da terra, provavelmente instituindo uma NOVA ORDEM MUNDIAL que passava entre outras por crueldades e extermínio de povos inteiros. Esse poderia ser o plano das trevas. Só que eles se esqueceram de perguntar a Deus se ele concordava com isso. 

Havia uma proteção espiritual em torno desses personagens. Hitler escapou de 51 atentados contra a sua vida. Era uma proteção espiritual. Uma proteção das forças das trevas. Não das forças da luz. O problema das trevas é que elas jamais prevalecerão contra a luz, pois onde há luz não pode haver trevas. A luz naturalmente discipa as trevas, e onde há trevas é porque há uma consciência coletiva que as fortalece. Onde prevalece o amor e a prece, as trevas não conseguem prevalecer.

Ademais o planeta também tem uma destinação. Aqueles que permanecerem sintonizados com as trevas, brevemente serão retirados desse ambiente, porque o planeta tem que seguir a sua destinação em direção à luz. Para permanecer aqui nesse ambiente será cada vez mais necessário estar sintonizado com a verdadeira luz.


EPÍLOGO


Dr. Josef Mengele fugiu de Auschwitz em 17 de janeiro de 1945, quando o exército soviético avançava através do desmoronado Reich alemão em direcção a Berlim. Durante os primeiros anos do pós-guerra, Mengele permaneceu escondido na fazenda perto de sua Gunzburg nativa. Ele assumiu uma identidade falsa, e trabalhou como lavrador, mantendo-se informado sobre os acontecimentos através de contactos secretos com velhos amigos Gunzburg. 


Incrivelmente, inicialmente ele aspirava continuar sua carreira como pesquisador, mas tornou-se cada vez mais evidente que os Aliados não iam deixar um criminoso de guerra célebre como ele simplesmente retomar a vida que ele tinha apreciado antes da guerra sem pagar pelos crimes que cometeu durante a mesma, e provávelmente Mengele não escaparia da morte. Mengele finalmente decidiu que ele não estava mais seguro na Europa e escapou através da Itália para um transatlântico com destino a Argentina. 

MENGELE EM SEUS ÚLTIMOS ANOS DE VIDA

Mengele chegou à Argentina em 1949, um país que era governado pelo ditador Juan Perón. O governante de direita já havia cultivado uma relação amigável com os nazistas na Europa, bem como com aqueles que viviam na comunidade alemã expatriada na Argentina. Mengele foi capaz de passar desapercebido em tal ajuste com facilidade e logo estabeleceu uma rede de devotos nazistas que estavam dispostos a ajudá-lo a assumir uma nova identidade na América do Sul.


Mengele passou os próximos 30 anos em fuga das autoridades internacionais. Enquanto recebeu ajuda e abrigo da rede neo-nazista na Argentina, Paraguai e Brasil, Mengele também foi inadvertidamente assistido por uma falta de compromisso por parte do governo da Alemanha Ocidental para trazer o Anjo da Morte para a justiça, e uma semelhante falta de compromisso por parte dos Estados Unidos e seu Departamento de Justiça. 


O governo de Israel não tinha essa falta de compromisso com a sua captura, julgamento e execução. Na verdade, os agentes israelenses estavam perto da apreensão de Mengele em um punhado de ocasiões na década de 1960. No entanto o tumulto, internacional sobre o seqüestro para Israel de criminoso de guerra nazistas como Adolf Eichmann na Argentina, em 1960, e as questões de segurança urgentes envolvendo estados árabes hostis, desviaram os esforços de Israel para prosseguir com a captura de Mengele.


Enquanto nazi-caçadores, como Simon Wiesenthal continuaram a pressionar objetivando a captura e execução de Mengele, o médico nazista conhecido pareceu cair fora do radar da maioria dos governos internacionais. O interesse em seu caso foi subitamente revigorado quando, em 17 de janeiro de 1985, um grupo de sobreviventes de Auschwitz retornou ao campo da morte para lembrar amigos e familiares que morreram lá. Uma semana depois, muitos dos sobreviventes reuniram-se em Jerusalém para tentar capturar Mengele à revelia. 


O evento foi televisionado em todo o mundo, e por quatro noites consecutivas, as ondas estavam cheias de imagens de sobreviventes relatando seu tratamento, horrível bárbaro nas mãos de Josef Mengele. Em menos de um mês, tanto o Departamento de Justiça dos Estados Unidos como o governo Israelense havia anunciado que o caso de Josef Mengele fora oficialmente reaberto e estratégias foram redesenhadas para trazer o médico nazista à justiça.


No entanto, estes esforços incipientes foram parados em suas trilhas, quando, em 31 de maio de 1985, da Alemanha Ocidental, a polícia invadiu a casa de Hans Sedlmeier, um amigo ao longo da vida de Mengele, e a sua pessoa de contato na Europa. Os policiais apreenderam várias cartas de Mengele e outros expatriados alemães que viviam com ele no Brasil, e as autoridades brasileiras foram imediatamente notificadas. Dentro de uma semana a polícia brasileira identificou as famílias que haviam abrigado Mengele, e através deles foram capazes de localizar o túmulo onde o corpo de Mengele fora enterrado depois de um acidente de afogamento em 1979. 


Exames periciais sobre os restos ósseos confirmaram que o corpo era de fato a de Josef Mengele. Sobreviventes do tratamento de Mengele que desejavam por toda a sua vida pós-guerra viver para enfrentar esse homem cruel e demoníaco tiveram negados que isso poderia realmente ser feito. Muitos ainda vivem para o dia em que eles serão capazes de extrair da justiça a reparação para o seu sofrimento retirando do homem que foi responsável por muito do que, durante e depois da guerra eles sofreram. Infelizmente, Mengele escapou do julgamento terrestre através desse ato sobre o qual ele procurou exercer controle total - a própria morte.

Cooperação
Copyright 1999, Dark Horse Multimedia, Inc. 

4 comentários:

  1. Olá,nossa adoro esse blog,só tem artigo bom,sempre que dá estou passando aqui,depois que meu amigo me recomendo nunca mais deixei de visitar,alguem sabe me falar se assim aqui é bom www.softwarecelularespiao.org ? abraços,assim que der eu volto pra comentar aqui no blog

    ResponderExcluir
  2. Baixar o Documentário - Mengele - O Anjo da Morte - Dublado - http://mcaf.ee/yrqus

    ResponderExcluir
  3. Escapou da justiça dos homens, mas não escapará da justiça de Deus.

    ResponderExcluir
  4. Implantes cerebrais e tortura mental da forma mais hedionda.

    Organização criminosa no Brasil utiliza dispositivo de envio de voz para o crânio humano para torturar pessoas, o equipamento permite a escuta e o monitoramento neural constante dos pensamentos com captação de imagens visuais, atacando diretamente o crânio com emissão de sons da fala 24 horas online segundo a segundo. Os criminosos utilizam uma conexão através de ondas curtas de rádio frequência com o cérebro, proporcionando o acompanhamento constante e vigilância silenciosa. Eles podem ouvir o que ouvimos, vemos e até mesmo ler nossos pensamentos, vigilância total de qualquer um, em qualquer lugar do globo terrestre. Essa patente americana que foi muito usado por militares em época de guerra, está sendo usada como instrumento de tortura não rastreável e arma não letal. Ao interagir com o cérebro, os operadores podem transmitir sons inexplicáveis, vozes, imagens, cheiros e gostos, e causar numerosas dores e sensações por todo o corpo. Estas incluem a sensação de corrente elétrica e as vibrações zumbido nos ouvidos sensação de clicks intracraniano. As vítimas são submetidas a privação do sono e intensa tortura física e psicológica em uma tentativa de empurrá los ao suicídio ou violência. Esse serviço pode ser alugado, estes grupos operam no mundo todo, seus números e enorme alcance sugerem o envolvimento do governo e de financiamento de ricos empresários possivelmente com o aparato de segurança interna com ligações com o crime organizado utilizando táticas semelhantes à nazistas. Todos estão potencialmente em risco, imagine um Hitler ou Stalin com acesso à essa arma. Milhares de pessoas em todo o mundo são vítimas de perseguição organizada e tortura e tem os seus direitos constitucionais e humanos sob ataque suas carreiras relacionamentos saúde e vidas destruídas atrocidades indescritíveis estão sendo cometidas crimes contra a humanidade tal como definido pelas Nações Unidas.

    ResponderExcluir

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES