http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

COMEÇA A FEDER O CADÁVER DA LAMBANÇA QUE FOI O 11 DE SETEMBRO.

A muito tempo temos afirmado aqui algumas verdades que são:

  • 1 - Existe uma elite mundial que procura controlar os acontecimentos e para isso move pessoas e recursos nesse sentido. Para atingir seus objetivos engendram crimes e acobertam esses crimes com a contribuição de elementos poderosos da sociedade.

  • 2 - A derrubada das torres gêmeas no 11 de setembro foi uma conspiração com o fim de atingir vários objetivos, tendo sido tramada e urdida nos subterrâneos do próprio governo norte americano, não tendo sido um atentado feito por Osama Bin Laden como alardearam os meios de comunicação controlados por esse poder.
Pois eis que agora quando o Presidente Russo Vladmir Putin resolve divulgar segredos sobre esse atentado, e para isso três repórteres Norte Americanos resolvem investigar, todos eles são sumariamente assassinados.

Brasília - Sexta , 20 de Fevereiro de 2015

Morrem três jornalistas que investigavam a participação dos EUA em demolição das Torres Gêmeas
Fotos: Bob Simon, Ned Colt e David Carr
Estados Unidos - Aporrea - [Tradução do Diário Liberdade]

Jornalista do New York Times David Carr
Três jornalistas que trabalhavam em um documentário sobre o envolvimento do governo norte-americano na demolição das torres gêmeas morreram nos últimos dias. 
Trata-se do ex-repórter internacional da NBC Ned Colt, o correspondente da CBS News Bob Simon, e o jornalista do New York Times David Carr. 
Bob Simon, de 73 anos, foi assassinado na quarta-feira na cidade de Nova York em um acidente automobilístico e na quinta-feira Ned Colt, de 58 anos, dizia-se que tinha morrido por um derrame cerebral massivo, seguido em poucas horas por David Carr, de 58 anos, quem colapsou e morreu em seu escritório na sala de redação do New York Times. 
NED COLT
Os três jornalistas mais Brian Willias, quem teve que renunciar à NBC por mentir sobre uma notícia do Iraque, tinham formado uma companhia independente de notícias em vídeo no mês passado e apresentaram os documentos de segurança necessários que lhes permitiriam o acesso ao arquivo mais secreto do Kremlin, onde se encontrariam provas relacionadas com os atentados de 11 de setembro de 2001. 
Em relação a esses arquivos do 9/11 em poder do Kremlin, o presidente Putin tinha alertado que iria divulgá-los.
BOB SIMON


O leitor atento poderá aquilatar o que afirmo se assistir com atenção o vídeo que está na nossa página de downloads que tem o título POR TRÁS DO 11 DE SETEMBRO. Clicando aqui ou no link abaixo será possível baixar esse vídeo



Aqui estão algumas matérias que publicamos no nosso blog sobre o assunto:


Mas se o leitor não tiver paciência para assistir ao vídeo todo, pode assistir ao resumo abaixo em cinco minutos.


Entretanto esse crime, que ceifou a vida de 3000 Norte Americanos, foi uma lambança tão grande, foi uma mentira tão deslavada, foi uma monstruosidade tão hedionda que eu não me conformava com a forma como a sociedade engoliu isso quando há tantas e enormes evidências a respeito dessa monstruosa mentira. Mas agora depois de tantos anos a mentira, a hediondez o crime começa a feder tanto que muito em breve será impossível mantê-lo oculto.


A Rússia está preparando a divulgação de evidências do envolvimento do governo dos EUA e os serviços de inteligência nos atentados de 11 de setembro. A lista de provas inclui imagens de satélite.
BY  ON

O presidente da Rússia Vladimir Putin ameaçou liberar imagens de satélites russos sobre o 11 de setembro e recontar a história que fazem os norte-americanos tremerem 


O material publicado pode provar a cumplicidade do governo dos EUA nos ataques de 11 de setembro e a bem sucedida manipulação da opinião pública. O ataque foi planejado pelo governo dos EUA, mas usando seu proxy, de modo que um ataque aos Estados Unidos e ao povo dos Estados Unidos parecesse um ato de agressão do terrorismo internacional.
O motivo para a farsa e o assassinato de seus próprios cidadãos serviu aos interesses dos EUA no petróleo e nas empresas estatais do Oriente Médio.
A prova será tão convincente que totalmente desmascara a história oficial do 11 de setembro que foi divulgada pelo governo dos EUA.
A Rússia demonstra que a América não é estranha para usar false flag terrorismo contra os seus cidadãos, a fim de conseguir um pretexto para uma intervenção militar em um país estrangeiro. No caso do “11 de Setembro”, as provas serão conclusivas imagens de satélite.
Se for bem sucedido, as consequências da tática de Putin exporia políticas terroristas secretas do governo dos EUA. A credibilidade do governo será prejudicada e deve provocar protestos de massa nas cidades que levariam a um levante, de acordo com analistas americanos.
E, como os Estados Unidos vai parecer na arena política mundial? A validade da posição dos Estados Unidos como um líder na luta contra o terrorismo internacional será totalmente prejudicada dando imediatamente vantagem para estados párias e terroristas islâmicos.
O desenvolvimento real da situação poderia ser muito pior, alertam os especialistas.

 Cientistas dinamarqueses deixam questões para se refletir, fatos descobertos pelos pesquisadores revelam que o atentado do 11 de setembro foi uma grande farsa: "A ganância do ser humano não tem limites."
Muito já se falou sobre o suposto ataque terrorista às Torres Gêmeas do World Trade Center, no 11 de Setembro. Surgiram teorias, surgiram especialistas, surgiram muitas questões... Mas quando um investigador cientista encontra explosivos Nano Thermite em destroços do World Trade Center cai por terra a ideia de um ataque terrorista ou, pelo menos, a versão oficial começa a feder e muito.

"A ganância do ser humano não tem limites."
Uma equipe de oito pesquisadores liderados pelo professor Niels Harrit da Universidade de Copenhaguem (Dinamarca), comprovaram a existência de explosivos altamente tecnológicos em amostra dos escombros das torres gêmeas e do prédio 7.

Essa pesquisa vem confirmar um trabalho semelhante previamente executado pelo professor Steven Jones nos Estados Unidos. Outras matérias que vêm de encontro a esse achado são as da equipa de Arquitectos para o 9/11.
Com esse achado explica-se a queda livre dos prédios num processo de demolição implosiva controlada. Os aviões não poderiam derrubar as torres gémeas devido a temperatura do combustível não ser suficiente para derreter aço. O impacto também não pode ter afectado a estrutura no nível afirmado pelo governo americano, uma vez que o prédio foi desenhado para suportar aviões daquele tamanho. Ferro derretido na base dos prédios ficou vivo por várias semanas.

  • Fundado em 2006, o grupo exige que o Congresso dos Estados Unidos persiga "uma investigação verdadeiramente independente" em 11 de setembro como eles acreditam. A agência de investigações do governo para o colapso do World Trade Center não abordou o que chama de "evidência maciça de demolição explosiva" . 
Duas pessoas que prendem uma bandeira
de Arquitetos e Engenheiros for 9/11 Truth.
Richard Gage (segunda da esquerda) com 11/09 ativistas
da verdade no World Trade Center, em Nova Iorque, em 9/11/2010.




  • Richard Gage, uma área de San Francisco Bay arquiteto,fundada Arquitetos e Engenheiros for 9/11 Truth em 2006. Gage, que é membro do Instituto Americano de Arquitetos , tem funcionado como um arquiteto para 20 anos e estava envolvido na construção de numerosos edifícios à prova de fogo com estrutura de aço. Ele ficou convencido da necessidade de criar uma organização que reúne arquitetos e engenheiros depois de ouvir uma entrevista estação de rádio independente com o teólogo David Ray Griffin

  • A organização continua a recolher assinaturas para uma petição que exige uma investigação independente com poder de intimação de 11 de setembro, especificamente o colapso das torres do World Trade Center e 7 WTC. Em dezembro de 2014, mais de 2.300 arquitetônico e profissionais de engenharia haviam assinado a petição.  De acordo com a organização, a identidade e qualificações de todos os arquitetos e engenheiros cujos nomes estão sendo publicadas em seu site, bem como os de outros apoiadores que estão listados separadamente são sujeitos a verificação antes da aceitação licenciados . Arquitetos e Engenheiros para 9/11 Truth publica The Blueprint , um boletim informativo e-mail periódica.

  • Gage tem dado palestras em conferências organizadas por simpatizantes do movimento 9/11 Truth  em vários locais nos Estados Unidos e no Canadá, e apresentou seus depoimentos sobre o 11/9 "Blueprint for Truth" - A Arquitetura da Destruição "em 14 países. Suas apresentações focam a sequência de eventos que levam à destruição dos edifícios do World Trade Center e incluem vídeos de seus colapsos e filmagens de outros incêndios de construção de arranha-céus. Ele foi em uma excursão de países europeus em 2008 e deu palestras na Austrália, Nova Zelândia e Japão em 2009. Em 2009, Arquitetos e Engenheiros para a verdade sobre o 11/9 tiveram um estande na convenção anual da Instituto Americana de Arquitetos.

  • O polêmico filme de duas horas "9/11 Blueprint for Truth" , popular entre os membros do movimento "9/11 Truth", é baseado em uma apresentação feita por Richard Gage no Canadá. Gage também foi entrevistado para um episódio da televisão BBC programa Os arquivos da conspiraçãoum episódio da ZDF série 's History , com base em uma co-produção da BBC e da ZDF, , bem como para um documentário produzido pela canadense telejornal revista The Fifth Estate .

  • A organização é o principal constituinte da coalizão ReThink911(Repensando o 11/9) , que decorreu uma campanha publicitária colocação de cartazes e outdoors em sete cidades dos Estados Unidos, bem como em Vancouver, Toronto, Londres e Sydney, em 2013.

  • Em 07 de fevereiro de 2013, uma visitante do sexo feminino no museu Louvre-Lens em Lens, Pas-de-Calais , França desfigurou a pintuda de Eugène Delacroix intitulada A Liberdade Guiando o Povo. Na ocasião ela escreveu "AE911" no marcador indelével. A mulher não identificada, que teria sido considerada mentalmente instável, foi presa pela equipe do museu. A inscrição levou à especulação na mídia francesa de que o incidente estava relacionado ao grupo "Arquitetos e Engenheiros para a verdade sobre o 11/9. O grupo divulgou um comunicado afirmando que a organização "condena e lamenta a desfiguração deste trabalho inestimável de arte e todos os públicos e da propriedade privada. " A pintura, que não tinha qualquer dano permanente, foi rapidamente restaurado e voltou ao usufruto público.

  • Por três meses fotos infravermelhas de satélites mostraram bolsões de alto calor nas três torres. Larry Silverstein comprou o leasing do WTC entre 2000 e 2001, dois meses antes do “ataque” ele segurou os prédios em dois bilhões de dólares contra ataque terrorista, algo como todos sabemos um tanto incomum. 

O ataque 9/11 serviu para:

  • 1. Criar ódio contra os árabes e fomentar as guerras americanas na saga pelo petróleo e a hegemonia Israelense no Médio Oriente.
  • 2. Desaparecer com 1,5 trilhões de dólares a fundo perdido das contas do Pentágono (Rumsfeld declarou um dia antes).
  • 3. Documentos provas contra a Enron que desapareceram na queda do predio 7.




  • 4. Auto-pagar os empreiteiros, talvez via Larry Silverstein e a fortuna que ele arrecadou de seguro. Existem evidências que agentes do Mossad (serviço israelense) foram capturados no dia carregando explosivos. Todos foram libertados pelo FBI. (esta informação precisa ser confirmada).

Os especialistas norte americanos acham que, apesar do fato de as relações entre os EUA e a Rússia terem chegado no ponto mais grave desde a Guerra Fria, Putin negociou com Obama problemas menores. Os analistas acham que isto é só a "calma antes da tormenta".

Após a destruição da imagem de Williams, e a estranha morte de Carr, Colt e Simon, o regime de Obama enviou um "mensagem clara" à elite norte-americana quanto à exposição dos seus segredos mais obscuros. Pior ainda, as elites dos meios nos EUA agora fogem de medo e o regime de Obama ameaça agora os meios de comunicação alternativos com ilegalizar todos os sites dissidentes. 

Para isso tem uma escandalosa uma proposta legislativa de Ordem Fraternal da Policial Nacional para classificar qualquer crítica contra a policia nas redes sociais como um "crime de ódio".


Nesse ponto nos interrogamos. Até quando nós a população, os homens de bem iremos tolerar essa imundície. Esse assínte. Essa falta de caráter, de compostura, de patriotismo, de cidadania. Essa falta de amor ao próximo. Esse desprezo para com os nossos valores mais sagrados??????

Até quando vamos permitir que o mal prevaleça nesse nosso planeta?

O mal prevalece por causa da covardia dos bons?



sábado, 7 de fevereiro de 2015

PETROBRAS - A INTENÇÃO DA DESTRUIÇÃO

A nomeação do ex-presidente do Banco do Brasil Aldemir Bendine para a presidência da Petrobras foi apresentada pelo governo como reconhecimento pelo seu trabalho à frente de uma das maiores instituições financeiras brasileiras. 

O mercado, os especialistas e particularmente aqueles que sempre foram contra o PT e o governo Lula e Dilma, a imprensa golpista e todo o arsenal de gente que deseja a destruição da Petrobrás, visando entregar o PRÉ SAL nas mãos das multinacionais, se posicionaram contra a nova direção da Petrobras que foi indicada pelo atual governo, auxiliados nesses protestos por uma bem articulada campanha que encontra adeptos e analista especializados em toda a mídia espalhada pelos meios de comunicação que todos sabemos são controlados pelos interesses da direita porque isso faz parte da estratégia de dominação que é o controle dos meios de comunicação.
O mercado financeiro apontava sete executivos como possíveis substitutos de Graça Foster na presidência da Petrobras, informou nesta quarta-feira o jornal O Globo. O nome mais cotado para assumir o comando da estatal era Rodolfo Landim, ex-diretor da companhia e ex-presidente da OGX. Além dele, também estavam no páreo, segundo o jornal, Henrique Meirelles, Roger Agnelli, Luciano Coutinho, Antonio Maciel Neto, Alexandre Tombini e Nildemar Secches.
Óbviamente de entre todos esses diretores, o pior do ponto de vista da força de trabalho é o nome de Rodolfo Landim porque teve várias demandas contra a força de trabalho quando era diretor, além de ter dado um monumental "CANO" no Eike Batista.
O que essa gente derrotista e anti-nacional não divulgou muito embora saiba, é que o Governo não encontrou nomes que quisessem pegar esse pepino que é a direção da Petrobrás em um momento em que a Empresa se vê sofrendo um verdadeiro fogo de artilharia pesada que no fundo visa uma coisa muito pior. O impeachment do governo Dilma. 

A dívida que a Petrobras contraiu parte de uma política de investimentos no PRÉ SAL que visa dobrar a produção até 2020 e tem todas as condições para isso, embora tenha perdido uma cota expressiva de campos rentáveis que por direito deveriam ser seus, pois foi ela quem descobriu esses campos, e é ela a Petrobrás, quem tem a infra estrutura necessária para operacionaliza-los e explora-los.

A dívida será paga com o petróleo, e isso está implícito nos contratos, portanto não é por desmandos e nem por causa de uma má administração que a dívida existe, mas sim por uma visão arrojada,  que tem um horizonte perceptível, e um negócio com amplas perspectivas.

Nos últimos meses, a Petrobrás tem sofrido uma forte exposição, ou melhor, uma fritura na mídia nacional e internacional por conta de uma “suposta” deterioração da sua condição financeira e do esquema de corrupção em contratos de terceirização, cuja investigação foi denominada de Operação Lava Jato. O ápice desse processo ocorreu, em primeiro lugar, com a divulgação das demonstrações contábeis do terceiro trimestre de 2014 e, segundo lugar, com a renúncia da atual presidente e de cinco diretores da Petrobrás.

PAULO ROBERTO COSTA
BOI DE PIRANHA Nº 2
A muito tempo já vimos percebendo que faz parte da estratégia da direita, infiltrar pessoas dentro dos quadros do Governo para gerar escândalos. Primeiro monta-se um esquema criminoso e depois se expõe esse esquema criminoso visando gerar um factoide que termine por desgastar o governo do PT.

A estratégia é semelhante àquela que Hitler utilizou para tomar o poder ditatorial na Alemanha. Mandou incendiar o parlamento Alemão e depois pôs a culpa nos Judeus, exigindo do presidente Hindemburg poderes ilimitados para pôr fim ao descalabro. Depois que tomou o poder absoluto em um golpe no congresso em que utilizou vários estratagemas para coagir os parlamentares oposicionistas, mandou simplesmente eliminar todos os opositores e calou a imprensa.

Existe uma inteligência da direita que está se especializando em fabricar escândalos. Eles plantam gente ou cooptam por elevadas somas, pessoas que se disponibilizem a montar esquemas criminosos dentro do governo ou em empresas como a Petrobrás geridas pelo governo, e depois revelam esses esquemas, fritando alguns bois de piranha que obviamente depois ficarão muito ricos, e escaparão da justiça pois a nossa justiça é leniente.

BOI DE PIRANHA Nº 1
Foi assim com Roberto Jefferson que se imolou para denunciar o Mensalão, que já existia a muito tempo desde antes de FHC, e continua sempre a existir, pois a distribuição de pastas e cargos entre os aliados do governo visa nada mais nada menos do que roubar verbas para financiar pessoas e partidos. Ninguém tem interesse realmente em "SERVIR AO PAÍS". Na verdade têm interesse é nas verbas que possam manipular, para obter fatias que serão desviadas para os inúmeros caixas 2. 

E os governos dentro desse esquema atual são obrigados a distribuir cargos porque caso contrário não conseguirão aprovar nada no congresso. Portanto trata-se de um esquema de chantagem, roubo e falcatruas generalizado que só poderá ser derrogado com uma profunda reforma política.


As demonstrações contábeis do terceiro trimestre divulgadas pela Petrobrás não confirmaram esse cenário de deterioração, uma vez que alguns resultados, omitidos ou minimizados pela diretoria demissionária, apontaram um contínuo progresso da estrutura produtiva e operacional da Petrobrás. 

PRODUÇÃO DO PRÉ SAL

A produção de petróleo e LGN aumentou em 6%, em relação ao terceiro trimestre de 2013, em função dos excelentes resultados operacionais de algumas plataformas da Bacia de Campos, bem como por conta da inauguração do sistema de produção antecipada (SPA) de Tartaruga Verde e dos testes de longa duração na área do pré-sal de Iara Oeste. A produção de gás natural também apresentou uma expansão significativa (7%), basicamente pelo aumento dos sistemas de produção de algumas plataformas das Bacias de Campos e de Santos. 

Além disso, em setembro de 2014, a Petrobrás alcançou um novo recorde da produção do pré-sal (532 mil barris/dia). Fora isso, as análises de mercado a respeito da redução de lucro da Petrobrás, em geral, desconsideraram o cenário de forte retração da demanda e do preço do petróleo que impactaram várias gigantes do setor. Se a Petrobrás conseguiu um lucro de R$ 3,1 bilhões, no terceiro trimestre de 2014, a norueguesa Statoil apresentou prejuízo próximo à R$ 1,8 bilhão e a russa Rosneft um lucro irrisório de R$ 57,1 milhões.

AUMENTO DA PRODUÇÃO DE BARRIS/DIA


Ignorando o turbulento cenário externo e os êxitos operacionais – que colocam grandes perspectivas para a Petrobrás no médio prazo –, a diretoria da companhia, de modo desastroso, cedeu às pressões do mercado. Ao invés de dar ênfase aos resultados operacionais e as perspectivas futuras, a apresentação das Demonstrações Contábeis se resumiu a fazer um resumo, mal e porcamente, dos pretensos prejuízos do caso Lava a Jato. Como se isso não bastasse, ressaltou o fato dos resultados não terem sido auditados pela PwC, a mesma auditoria que havia avaliado como excelentes os ativos do banco Lehman Brothers logo antes da sua quebra na crise internacional de 2008. 

ESSE GRÁFICO DEMONSTRA COMO O GOVERNO DO PT FEZ BEM A PETROBRAS.
(O DEMONSTRATIVO DO LUCRO 2013 AQUI NÃO LEVA EM CONTA O QUARTO TRIMESTRE)

Em outras palavras, a diretoria da Petrobrás sucumbiu aos fundamentos da Bolsa de Valores de suposta credibilidade – a mesma credibilidade que legitimou a quebradeira internacional de 2008 – e deixou, em segundo plano, os sucessos operacionais alcançados por toda sua força de trabalho.

Mas, o enquadramento da Petrobrás ao mercado não parou nesse aspecto. A criação da Diretoria de Governança, Risco e Conformidade, ocupada pelo empresário João Adalberto Elek Junior, foi mais um exemplo de que a gestão não tem se mostrado comprometida em dar fim às raízes da corrupção, mas apenas dar uma resposta ao mercado. Como já afirmado pela FUP diversas vezes, “a corrupção sempre esteve intimamente ligada à terceirização do trabalho no Sistema Petrobrás”. O processo de eliminação da corrupção sempre dependeu do fim dos contratos de terceirização, estes mesmos que deram início a todos os esquemas de desvios de recursos da empresa. Torna-se fundamental ressaltar que isso não significa afetar a vida dos petroleiros terceirizados, que devem ter seus empregos e salários preservados, mas, sim, eliminar um ciclo vicioso de negociatas que geram rendas extraordinárias apropriadas por executivos e parlamentares.

Por fim, a mera mudança da atual diretoria tem sido parte de uma estratégia muito mais ampla definida pelo mercado: a de transformar a Petrobrás naquela da década de 1990, uma empresa reduzida, com menor protagonismo econômico e com menos compromissos sociais. Ou seja, a visão do mercado para a Petrobrás sempre se caracterizou pela forte redução de custos, por meio da desarticulação e redução de áreas de atuação, eliminação dos investimentos em áreas com menor margem lucro (como, na construção de novas refinarias no Nordeste) e, principalmente, o abandono do papel social da empresa em vários municípios isolados pelo interior do país.

Ao sucumbir à estratégia do mercado, a atual direção da Petrobrás/governo tem minado as bases de reconstrução da empresa, desde 2003, que privilegiou a expansão dos investimentos nacionais, geração de tecnologia local e aumento do emprego e renda, a partir da criação de vários elos produtivos. Na verdade, o que a empresa necessita agora é de uma nova reconstrução, com o fim da terceirização, menos centralização decisória e novos investimentos. Mas, o que se vê, até agora, é a implementação da gestão da destruição, liderada pelo mercado e seus parceiros – a mídia, principalmente. Com essa estratégia destrutiva da Petrobrás, o mercado propõe extinguir “um conceito, uma bandeira, uma nação”, como bem definiu Mauro Santayanna. Uma nação que exerce um papel central na vida de grande parte dos trabalhadores brasileiros.

Portanto vejo como acertada a posição da PRESIDENTE DILMA em manter o controle da Maior empresa do País, porque assim ela está demonstrando que não está cedendo às pressões e está mantendo o contrôle da sua administração. Se ela cedesse às pressões e indicasse alguém que agradaria aos investidores da Bosa de valores, estaria demonstrando fraqueza e uma condição de acuada e assim a pressão subiria cada vez mais utilizando inclusive a Petrobrás como arma já que estaria fora de seu controle.

A decisão dos governos Petistas de controlar os preços dos combustíveis, foi a nosso ver também uma estratégia acertada tendo em vista que o ativo da economia que mais deteriora a inflação é o preço dos combustíveis pois atua em toda a cadeia produtiva, já que nesse país estruturado em cima de rodovias tendo um imenso potencial hidrográfico, quando os combustíveis aumentam, aumenta tudo, pois os combustíveis têm impacto em toda a cadeia produtiva.

Por fim parabéns à PRESIDENTE DILMA pela firmeza e por dizer para o mercado e para o país...

 quem é que manda.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

AS AVES DE RAPINA APROVEITAM A FRAGILIDADE DA PETROBRÁS PARA SEU BANQUETE.

Mais uma vez, as forças e os interesses contra o povo coordenaram-se e novamente se desencadeiam sobre mim. Não me acusam, insultam; não me combatem, caluniam, e não me dão o direito de defesa. Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação, para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes.

Sigo o destino que me é imposto. Depois de decênios de domínio e espoliação dos grupos econômicos e financeiros internacionais, fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei o regime de liberdade social. Tive de renunciar. Voltei ao governo nos braços do povo. A campanha subterrânea dos grupos internacionais aliou-se à dos grupos nacionais revoltados contra o regime de garantia do trabalho. A lei de lucros extraordinários foi detida no Congresso. Contra a justiça da revisão do salário mínimo se desencadearam os ódios. Quis criar liberdade nacional na potencialização das nossas riquezas através da Petrobrás e, mal começa esta a funcionar, a onda de agitação se avoluma. A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero. Não querem que o trabalhador seja livre.
Não querem que o povo seja independente. Assumi o Governo dentro da espiral inflacionária que destruía os valores do trabalho. Os lucros das empresas estrangeiras alcançavam até 500% ao ano. Nas declarações de valores do que importávamos existiam fraudes constatadas de mais de 100 milhões de dólares por ano. Veio a crise do café, valorizou-se o nosso principal produto. Tentamos defender seu preço e a resposta foi uma violenta pressão sobre a nossa economia, a ponto de sermos obrigados a ceder.

Tenho lutado mês a mês, dia a dia, hora a hora, resistindo a uma pressão constante, incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo, para defender o povo, que agora se queda desamparado. Nada mais vos posso dar, a não ser meu sangue. Se as aves de rapina querem o sangue de alguém, querem continuar sugando o povo brasileiro, eu ofereço em holocausto a minha vida.

Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quando a fome bater à vossa porta, sentireis em vosso peito a energia para a luta por vós e vossos filhos. Quando vos vilipendiarem, sentireis no pensamento a força para a reação. Meu sacrifício vos manterá unidos e meu nome será a vossa bandeira de luta. Cada gota de meu sangue será uma chama imortal na vossa consciência e manterá a vibração sagrada para a resistência. Ao ódio respondo com o perdão.

E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue será o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.

Quando lemos essa carta testamento de Getúlio Vargas, percebemos que ela ainda está muito atual. Apesar das Aves de Rapina daquela época já terem morrido ou estarem muito velhas, já deram filhotes. Apesar do mundo ter mudado, e os interesses mundiais terem se modificado, ainda existe a determinação da nossa elite EGOISTA E INCOMPETENTE conforme as palavras do já falecido LEONEL BRIZOLA,  aliada aos interesses NORTE AMERICANOS. Um conjunto de forças que procura sufocar o SORRISO DE MENINO como as palavras de Milton Nascimento na sua música Coração de Estudante.

Setores dessa elite, não percebem que a felicidade só vem com o bem estar de toda a nação. Não percebem que só se é feliz de verdade quando todos à nossa volta atingem patamares expressivos da nossa felicidade. Não conseguem perceber que o bem que se derrama a todos multiplica a nossa própria felicidade. Não conseguem perceber que hoje sofrem de mazelas como a criminalidade, a corrupção e outros males por causa do seu próprio egoismo, e que o rico de hoje nas próximas vidas  poderá ser o pobre de amanhã.

A Petrobrás já passou por diversos momentos difíceis e conseguiu supera-los, mas agora as aves de rapina não cansam de alardear que esse é o momento mais difícil que essa empresa de economia mista está passando, e nós que torcemos pela Petrobras, somos compungidos a ouvir opiniões grotescas de figuras que já tiveram a chance de fazer alguma coisa por esse país e que fracassaram redondamente por sua incompetência, por seus equívocos ideológicos, por sua compulsão ao entreguismo. São figuras patéticas que vem com aquela mesma e velha receita que já deu errado nesse país por décadas, dos regimes militares aos governo FHC, ou seja 
  • RECESSÃO
  • ELEVAÇÃO DE TAXA DE JUROS
  • ARROXO SALARIAL
  • ARROCHO FISCAL
  • APERTO DE CINTO
  • PRIVATIZAÇÃO
  • TERCEIRIZAÇÃO
O que essa gente deseja mesmo é que o Brasil continue a ser um país do terceiro mundo, dominado por uma elite comprometida e comprada pelos interesses Norte Americanos, porque é óbvio que um país para crescer precisa exatamente do inverso ou seja:
  • CRESCIMENTO
  • REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS
  • VALORIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA - ELEVAÇÃO DA RENDA
  • REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA
  • PROMOÇÃO E FACILITAÇÃO DA CRIAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DE PEQUENAS MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS.
  • INVESTIMENTO EM EMPRESAS ESTATAIS DE INFRA ESTRUTURA (Petróleo, Geração de energia, Serviços básicos como Saúde, Saneamento, Água etc...)
  • EMPRESAS QUE PROPORCIONEM COMPETÊNCIAS E QUALIDADE. (As terceirizadas só enchergam o lucro e os contratos e não investem em aprimoramento de mão de obra.)


Esse é o ciclo do crescimento, porque se eu tenho taxa de juros baixas eu posso tomar emprestado para impulsionar meu negócio sem ir a falência, e impulsionando meu negócio eu vou empregar mais gente, e empregando mais gente eu vou também pagar melhor pois a mão de obra se valoriza na medida em que há oportunidades de emprego e ela se torna disputada, e na medida em que eu tiver mais pessoas empregadas e ganhando melhor eu vou ter mais mercado, mais consumo e esse aumento da demanda irá gerar mais lucro no comércio e mais necessidade de repor estoques e por isso as fábricas necessitarão de produzir mais e empregarão mais pessoas e o ciclo entra em uma espiral de crescimento.

Mas ai irão dizer os inimigos do progresso. Mas isso gera inflação, e eu digo que exatamente o contrário é que gera inflação, porque se eu tenho recessão, eu tenho uma redução do mercado e assim só poucos conseguem sobreviver. Esses não tem concorrência, e dessa forma estabelecem os preços que quiserem, formam cartéis que por mais que não se queira sempre acabam por existir, e o governo torna-se impotente para estabelecer regras que possam controlar a inflação.

Quando eu tenho mercado, começa a haver uma concorrência na disputa dos espaços do mercado, e dessa forma o preço cai para o patamar mínimo em que é possível obter lucro, porque todos querem abocanhar a maior fatia do mercado e dessa forma buscam oferecer vantagens sobre os concorrentes, vantagens essas que acabam por reduzir os preços. Um exemplo claro disso que falo é a concorrência que existe hoje na área da telefonia celular. As operadoras TIM, OI, CLARO, VIVO e NEXTEL travam entre si uma batalha para conseguir o domínio do mercado, e então vimos a oferta de inúmeras vantagens por parte de todas elas, possibilitando dessa forma a redução do custo das ligações. O mesmo ocorreria se tivéssemos a mesma concorrência em outras áreas, inclusive na agricultura. 

Outra chaga que produz aqui no Brasil um entrave ao progresso, é a enorme carga tributária que é uma das maiores do mundo. Isso torna os produtos e serviços extremamente caros e por isso menos consumidos. Dessa forma o governo dá um tiro no próprio pé, porque pensa que arrecada mais, entretanto acaba por arrecadar menos, porque se reduzisse a carga tributária, o consumo aumentaria, como ocorreu com os automóveis por força da redução do IPI (Imposto sobre produtos industrializados). O governo ai deixa de arrecadar mais por unidade, mas arrecada mais por número de negócios realizados, porque se em vez de dois eu consigo vender dez, é lógico que mesmo que eu arrecade menos por unidade, ao somar os dez no final eu terei arrecadado mais. 

É por isso que um GOL fabricado no Brasil e vendido aqui sai por R$38.000,00 mas o mesmo GOL vendido no México sai por R$15.000,00, incluindo-se ai o custo do transporte. Imaginemos quanto o governo não arrecadaria se o GOL fosse vendido aqui no Brasil por R$15.000,00. Todo mundo iria comprar e bastaria que o Governo lucrasse o custo do transporte que é de R$3000,00, para ser transportado ao México e ele lucraria muito porque todo mundo iria comprar. 

Mas será que esses economistas de araque, vagabundos não sabem de tudo isso? É lógico que sabem, mas o que eles querem no fundo é manter o BRASIL como uma economia de terceiro mundo, já que o BRASIL tem todos os ingredientes para ser uma potência econômica no mundo.


Vejam que a postura diferente do governo LULA que se posicionou contra as políticas NEOLIBERAIS, projetou o Brasil de um país em crise, no rastro da ARGENTINA em uma país de vanguarda, situado entre os países emergentes do mundo. Tanto que o Banco GOLDMAN SACHS que orienta os investimentos no mundo, cunhou a sigla dos países emergentes do mundo com o nome de BRIC, BRASIL RUSSIA INDIA E CHINA, que são as economias que estão deslanchando e com taxas de crescimento acima de outros que já foram consideradas as maiores economias do mundo. O Brasil recentemente estava no ranking das maiores economias do mundo com o sétimo lugar. Tudo isso graças a postura diferenciada do Governo Lula que rompeu com velhas receitas NEOLIBERAIS que só serviram para situar o mundo no quase desastre de 2008 com os escândalos dos derivativos.

EX MINISTRO DA FAZENDA
DO GOVERNO MILITAR
JOÃO FIGUEIREDO
DELFIN NETO

Portanto quando eu ouço no Radio um ex ministro da fazenda como Mailson da Nobrega dando palpites infelizes, me vem a pergunta. O que é que esse infeliz fez de bom? Teve sua chance e deu com os burros n'agua. Seu plano econômico naufragou, assim como a sua política econômica e assim como as políticas econômicas de Delfin Neto e outros. Esse Delfin Neto é outro infeliz. Levou o país ao FMI, e só sabia fazer viagens ao exterior para conseguir mais e mais empréstimos para rolar a dívida, aumentando indiscriminadamente a dívida do país. Sabia fazer arroxo salarial, que conseguia fazer na base da truculência porque o país era governado pelo regime militar e as greves eram reprimidas com os "milicos" impondo seus cassetetes, e o que deixou? 


EX MINISTRO DA FAZENDA
MAILSON DA NÓBREGA

Um país endividado, arrasado, com elevados índices de pobreza, de exclusão social, carga tributária como uma das maiores do mundo e elevados índices de corrupção da máquina pública. Elevadíssimos índices de desemprego, baixíssimo crescimento. Um desastre completo. As décads de 70 e 80 foram décadas perdidas e a de 90 também não ficou na frente. O Brasil só teve uma lufada de ar fresco com a subida de Lula ao poder em 2002. Ai o Brasil começou uma virada.

Dirigentes e militantes de entidades da sociedade civil, que integram o movimento em defesa da Petrobrás, reunidos no Rio de Janeiro nesta quarta-feira (4/02/2015) com o objetivo de se posicionar a respeito da mudança da diretoria da Companhia, manifestam a firme expectativa de que o governo, ao escolher os novos nomes, tenha como principais critérios:

- reputação ilibada;

- conhecimento especializado da área de petróleo;

- histórico de defesa da soberania nacional.

Os dirigentes e militantes manifestam também a profunda repulsa ao processo em curso de cancelamento generalizado de investimentos e obras da Petrobrás, o que, em nome de um suposto combate à corrupção, representa a liquidação já iniciada de centenas de milhares de empregos na cadeia produtiva do petróleo.


Petrobras: Por que a mídia a transformou de símbolo em ‘Geni’?

Por Helio Silveira e Rogerio Lessa Benemond | Via PDT
Matéria publicada na página da Associação dos engenheiros da Petrobras.

1 - A Petrobras se tornou o principal alvo do oligopólio da mídia brasileira por ser vítima de um amplo e longo esquema de corrupção, felizmente descoberto pela atuação livre da Polícia Federal e do Judiciário.

No entanto, de vítima a empresa como um todo passou a ser tratada como “lixo” pelas técnicas da comunicação. Logo a empresa do orgulho nacional descobridora do PRÉ-SAL, garantia e lastro da economia nacional para os próximos 50 anos, é reduzida perante a opinião pública a uma pobre Geni, da “Ópera do Malandro”, de Chico Buarque.

Às vésperas da eleição no 2ºturno, em um jogo pesado, foi divulgada a notícia que teria vazado do depoimento do ex-diretor da empresa, Paulo Roberto de Costa, segundo a qual Lula e Dilma sabiam dos desvios. Após as eleições, tudo foi desmentido pelo próprio Costa sem maiores consequências para os caluniadores.

2 – A técnica do mar-de-lama

A descoberta dos esquemas de desvios de recursos, nos quais são utilizadas empresas e instituições públicas, tem vindo a público durante os governos petistas. Antes, porém, dificilmente se conseguia quórum para instalações de CPI’s. Tampouco agiam os órgãos do Judiciário ou a Polícia Federal. Hoje, ainda que sejam encerradas quando atingem certo clímax, as CPI’s têm “ensinado” como se desenvolve a sistemática dos desvios.

Lembremos a do “Banestado”, quando nos foi apresentada a arte da transferência ilegal de recursos para o exterior (Alberto Youssef já estava envolvido), lavados para depois voltarem, ou não, travestidos de “investimentos externos”. Ou a da “CPI do Cachoeira” em que o oligopólio das mesmas empreiteiras estava envolvido nas obras públicas engordadas pelo organograma da Copa.

Ou a do Mensalão, quando, à falta de uma radical mudança da legislação eleitoral, aprendemos a lógica da “institucionalidade perversa” em que o tripé dos oligopólios (mídia, bancos e grandes empresas, sobretudo empreiteiras) financia políticos e depois recebem retornos na forma de verbas publicitárias, política de juros altos e encomendas-financiamentos oficiais.

A Petrobras estava, sim, sendo utilizada pelo modus operandi do tripé. Tomamos conhecimento dos modos de desvios de recursos através de falsas consultorias e falsas empresas daqui e do exterior. Hoje sabemos como o oligopólio das empreiteiras escolhe previamente a vencedora da licitação e depois distribui partes das encomendas entre as demais. Aprendemos que existe a “indústria do aditivo”, em que o baixo preço vitorioso é depois engordado por diversos aditivos e quanto mais a obra demora mais gordo se tornam os aditivos.

Sim, aprendemos que a Petrobrás estava sendo saqueada, que bom que foi descoberto, vamos acompanhar para que ela seja “higienizada”. Mas vamos ficar em alerta, pois queremos mantê-la NACIONAL. Queremos vê-la reestruturada administrativamente para limpar os malfeitos organizacionais, a excessiva terceirização, os elevados altos salários dos executivos para “acumpliciar” os fracos corações e mentes.

Queremos ver separados o joio (corruptos e corruptores) do trigo (uma Petrobras de excelência e seu eficiente corpo técnico). Não vamos nos deixar enganar pelos mesmos que querem denegri-la, afundá-la no “conto do mar-de-lama”, o mesmo que levou seu criador, Getúlio Vargas, ao suicídio, há mais de 50 anos, para mantê-la viva! Sabemos que existe uma estratégia para privatizá-la porque a Petrobras é operadora e a única a deter o conhecimento da região geológica do PRÉ-SAL.




3 – O que nos escondem ou querem que esqueçamos

Diante da técnica de divulgar à exaustão e até ampliar em manchetes e/ou noticiários, os esquemas sujos, utilizam a estratégia de metralhar diariamente com “lama” a imagem da Petrobras para transformar o orgulho do público em vergonha em relação à empresa.

Emanuel Cancella, diretor do SINDIPETRO RJ, nos lembra que nos vazamentos do Wikileaks os estrangeiros alertavam na ocasião do leilão de Libra para tomar cuidado para não despertar o orgulho nacional (http://www.aepet.org.br/site/faixalivre/pagina/286/Programa-Faixa-Livre-12122014) em relação à empresa para não inviabilizar a operação.

Querem minar o orgulho nacional em relação à empresa cujo corpo técnico foi descobrir petróleo na Bacia de Campos a 2 mil metros de profundidade, nos anos 80 (pós-sal), quando dependíamos fortemente do petróleo, desde a alta de 73 e que nos levou à rendição perante os bancos externos na crise de 82.

Querem minar nosso orgulho pela empresa que, pela genialidade de sua equipe técnica, intuiu que havia petróleo a 7 mil metros de profundidade no PRÉ-SAL e, por ser estatal, investiu US$ 260 milhões no furo exploratório para confirmar a tese. Dificilmente uma empresa privada arriscaria bancar e testar uma tese de seus funcionários!

Querem que esqueçamos que com alguns poços do PRÉ-SAL, conforme Fernando Siqueira vice-presidente da AEPET, já alcançamos reservas de 70 bilhões de barris de petróleo suficiente para atendimento dos próximos 50 anos de nossas necessidades. Fernando Siqueira acredita que o PRÉ-SAL ainda não totalmente dimensionado pode nos revelar reservas de até 300 bilhões de barris. Este é um dos principais objetivos da destruição da imagem da Petrobras. Querem desacreditá-la com a finalidade de privatizar ou transferir a exploração do imenso campo para interesses externos.

Querem que nos esqueçamos que nosso verdadeiro risco como Nação (risco soberano) é o déficit na conta de Transações Correntes, razão de todas as nossas crises: a de 1929, a de 1982 e a de 1998/99. O déficit de 2014 poderá atingir US$ 86 bilhões, um valor arriscado que indica preocupações. No entanto, se atingirmos maiores níveis de reservas ajuda a mitigar o risco soberano!

Querem esconder que a polêmica Refinaria Abreu Lima já está operando e produzindo Diesel, substituindo importações!

Querem nos esconder que os poços do PRÉ-SAL, que diziam ser de complexa exploração, já estão atingindo mais de 400 mil barris/dia.

4 – Petróleo abaixo de US$ 50 o barril inviabiliza o PRÉ-SAL?

O petróleo é a commodity mais estratégica do mundo e para garantir reservas, historicamente, nações foram à guerra e nações foram destruídas. O petróleo é insumo de mais de 3 mil produtos, além da energia dos transportes ainda está inserido na alimentação do gado, nos fertilizantes nos plásticos e borrachas sintéticas e na indústria farmacêutica.

É possível que uma recessão velada no mundo deu a base para a queda da cotação, mas muito provavelmente, o que está acontecendo é “dumping” geopolítico. Existem razões conhecidas para desestabilizar nações produtoras como a Rússia, a Venezuela e o Irã. Mas um choque deflacionário no principal insumo do mundo pode causar efeitos não “desejados” na estratégia política e jogar o mundo de uma recessão velada para uma explícita. O tiro pode sair pela culatra!

Informações técnicas nos garantem que cotações no nível entre US$ 50/60 não inviabiliza o PRÉ-SAL e parece difícil sustentar este verdadeiro “dumping geopolítico” no médio prazo – logo veremos a cotação no nível de pelo menos US$ 70/80.

Mesmo se acontecer uma grande depressão mundial e a cotação cair para níveis muito abaixo de US$ 50 (por exemplo, ao mínimo de novembro de 2008, quando o a cotação atingiu US$ 32,40) ainda assim vale a regra, uma empresa de Estado Nacional, da mesma forma que arriscou, prospectou e achou o PRÉ-SAL com perfuração-teste de US$ 260 milhões, só entraria em falência ou seria desmobilizada por uma decisão política do Estado Nacional.
Antes disso, pode ser capitalizada por decisão estratégica para sustentar um período crítico. Ainda poderia mais, por exemplo adquirir posições acionárias estratégicas no setor de petroquímica a preços baixos, para aguardar a retomada econômica. Em setembro de 2001, o governo dos EUA adquiriu ações das companhias aéreas e vendeu tempo depois com bons retornos.

5 – O que fazer diante do atual imbróglio policial e jurídico?

5.1 – A diretoria da Petrobras está colocada em suspeição. E oito das dez principais empreiteiras que executam os investimentos físicos da empresa, estão com executivos presos!

5.2 – O baixo nível das cotações do petróleo, prejudica o faturamento e o nível dos negócios!

5.3 – E o endividamento externo, a baixa cotação da ação da empresa, as investigações pela SEC dos EUA podem causar o rebaixamento do “rating” e a exigência de pagamento antecipado, colocando a empresa como insolvente!
Entendemos que a Petrobras está em situação emergencial e de risco máximo, encontra-se paralisada e isso poderá levá-la a uma situação extrema. É a situação que desejam os interesses difusos internos e externos que querem vê-la afundada no mar-de-lama e impedida de desenvolver a exploração do PRÉ-SAL!

Quer dizer, então, que aqui no Brasil estamos condenados sempre a ver malfeitos nas encomendas públicas? O advogado e professor de direito Modesto Carvalhosa diz que não e apresenta em sua elucidativa entrevista ao programa Roda Viva em 15-12-2014, como usar os mecanismos legais para acabar com a relação perversa entre empresas públicas e empreiteiras nacionais.



A Petrobrás conforme o advogado e professor de direito Modesto Carvalhosa [dos 23 aos 24 minutos] é uma empresa de Estado é o braço operacional do Monopólio Estatal do Petróleo garantido pela Constituição.

Entendemos que ela é a Operadora do PRÉ-SAL, no mínimo em 30%, mas no caso do leilão de Libra, infelizmente, 60% foi garantido para empresas chinesas e europeias. Entretanto, o alvo da cobiça é 100% do PRÉ-SAL!

Não estamos vendo ação do governo e isso nos angustia! A Petrobras está “sangrando” e o Estado seu dono, inerte!

Voltemos ao professor Modesto Carvalhosa citando seus comentários de sua elucidativa entrevista ao programa Roda Viva:

A Petrobras está em situação emergencial e de risco máximo, encontra-se paralisada e isso poderá levá-la a uma situação extrema. No entanto, a Lei Anticorrupção já está em vigência desde fevereiro de 2014 e prevê a punição da pessoa jurídica, independente do dolo dos administradores que serão julgados pelo código penal. Então, o que aparentemente pareceria uma agressão, no caso, à Petrobras, na verdade a defende, uma vez que ao puni-la como também as empreiteiras com multas muitas vezes pecuniárias, pelos contratos dolosos, não as paralisa!

E, sejamos realistas, no caso das empreiteiras é melhor puni-las do que as considerarmos inidôneas para futuros contratos com instituições públicas, pois isto garantira automaticamente o mercado público às empreiteiras estrangeiras.

Carvalhosa diz que a lei anticorrupção pode ser aplicada já [dos 3:15 aos 5:00 minutos; dos 10:20 aos 11:30 minutos e dos 47 aos 49 minutos], ao contrário dos membros do TCU/CGU que dizem que falta a regulamentação para aplicação. Isso prejudica o funcionamento normal das empresas com prejuízos para a economia. No caso da aplicação da Lei Anticorrupção permite o Acordo de Leniência (equivalente ao acordo de delação premiada, no caso da pessoa física) o que elimina o risco de dissolução da empresa por parte do Ministério Público.

Carvalhosa, junto com o reitor da Universidade Cândido Mendes do RJ – Cândido Antônio Mendes – e outros, fizeram parte do grupo de notáveis da sociedade civil destacados para a Comissão Especial de Investigação, criada no Governo de Itamar Franco para investigar casos de corrupção e como evitá-las, sobre este episódio, escreveu “O Livro Negro da Corrupção” (disponível em:

http://www.muco.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=491:relancamos-o-livro-negro-da-corrupcao&catid=41:livro-negro-da-corrupcao&Itemid=60).

Ele cita que ao final dos trabalhos e como era final do Governo Itamar, o presidente entregou o trabalho da Comissão ao FHC, o presidente eleito que, conforme Carvalhosa, demitiu a Comissão sem nenhum agradecimento e “arquivou” o relatório final. Carvalhosa cita que a Comissão sugeria a declaração de inidoneidade às empreiteiras contratadas pelo DNER e empresas farmacêuticas fornecedoras aos ministérios correspondentes [dos 17:30 aos 20:15 minutos].

Sobre FHC, em resposta ao repórter Frederico Vasconcelos da Folha de S. Paulo [dos 16:52 aos 17:28], Carvalhosa confirma que no seu governo quando da regulamentação da Petrobras na lei que criou a ANP permitiu onde estava determinado que a empresa poderia ter a concorrência simplificada no caso de compra de materiais fosse introduzido “e de obras” o que Carvalhosa denominou como fraude [dos 20:15 aos 21:30]!

Carvalhosa, em resposta ao repórter Rodolfo Borges do El País [dos 33:05 aos 33:53], afirma que a corrupção dos contratos poderia ter terminado com a aplicação das regras do relatório da CEI que FHC “arquivou”. Ele diz que se FHC desse continuidade a declaração de inidoneidade poderia ser introduzido o ”Performance Bond” (sugestão das próprias empreiteiras para negociar a não imputação da inidoneidade) instrumento utilizado nos EUA, desde 1897, que elimina a interlocução das empresas públicas e governos quando da contratação de obras junto às empreiteiras. Trata-se, da operação, de quando da concorrência ganha, a empreiteira inclui a seguradora que vai garantir o “Performance Bond” ou seja a seguradora ressarcirá ao governo por qualquer não cumprimento do contrato seja por atraso, má qualidade da obra etc. A seguradora, por sua vez, cobrará da empreiteira os recursos ressarcidos ao governo o que poderá até levar a empresa à falência.

Se tivesse sido aplicado no Governo de FHC o instrumento do “Performance Bond”, Carvalhosa afirma que não teríamos, hoje o fato lamentável que assistimos na Petrobras. Ele fala que lá fora as nossas empreiteiras quando ganham concorrências públicas seguem o dispositivo contratual de apresentar a Seguradora bancadora do “Performance Bond” [dos 33:53 aos 36:50]. Carvalhosa afirma que a falta do “Performance Bond” e a “instituição negativa” da renovação dos aditivos fazem com que as obras se perenizem e não sejam concluídas tais como a ferrovia Norte-Sul, a transposição das águas do S. Francisco e o encarecimento da refinaria Abreu Lima [dos 59:30 a 1:00:55].

Em outro episódio do governo de Itamar Franco, ao estar diante de “especulações” de corrupção do seu ministro Chefe da Casa Civil e amigo particular Hargreaves no caso da “CPI dos Anões”, afastou-o do cargo constituiu uma comissão de investigação que, ao concluir os trabalhos, declarou a não existência de provas contra Hargreaves, que foi imediatamente reconduzido ao cargo.

Assim, tendo em vista as orientações de Modesto Carvalhosa e lembrando os atos adotados por Itamar Franco, vemos todas as condições para tirar a Petrobrás do imbróglio que ameaça até sua existência como de criar uma situação de risco soberano.

6 – Para sair da emergência

A saída desta situação emergencial sugere alguns passos que nada teriam de original, a começar pelo afastamento da diretoria da Petrobras e a instituição de um comitê gerenciador composto por notáveis reconhecidos pela sociedade civil. Caberia também à presidente Dilma Rousseff a aplicação da Lei Anticorrupção, tanto à Petrobras quanto sobre as empreiteiras.

O governo, então, assumiria a dívida externa da Petrobras nos mesmos termos e prazos do contrato original, trocando-a por empréstimo do BNDES em reais. De sua parte, a Petrobras se comprometeria a pagar em reais o equivalente ao valor em dólares, já que as receitas do PRÉ-SAL são referenciadas naquela moeda.

Em seguida, o passo mais importante: a recompra das ações da Petrobras pela União, conforme a legislação da CVM/SEC.

7 – Conclusões

A Presidente, ao anunciar as medidas sugeridas, tiraria imediatamente a Petrobras da inércia e do “sangramento” em que se encontra.
As consequências são lógicas:

7.1 – O anúncio do afastamento da atual diretoria, mostrará ação por parte do Estado, dono da Empresa. O fato de o governo estar em transição facilitaria a troca ou manutenção da atual diretoria após os resultados da investigação. O simples fato da atuação do governo já valorizará a cotação da ação da Petrobras.

7.2 – A Lei Anticorrupção e a penalização das envolvidas elimina o risco de dissolução das empresas permitindo, após as mudanças dos envolvidos, que as empresas continuem funcionando com seus bons técnicos. A aplicação do “Acordo de Leniência (equivalente a delação premiada)” permitirá que as empresas reduzam suas penalidades e voltem à operação o mais rápido possível. É imprescindível a aplicação do dispositivo do “Performance Bond”, que eliminaria, conforme Modesto Carvalhosa, o risco de corrupção nos novos contratos. A aplicação da Lei eliminaria o risco sistêmico de declaração de idoneidade de um setor com grande participação no PIB.

7.3 – A Presidente como representante do Estado, dono da Petrobras, ao anunciar a troca do endividamento em dólares para reais, simplesmente eliminaria o risco soberano. Considerando que o endividamento gira em torno de US$ 110 bilhões e se adicionarmos mais o comprometimento de um terço das reservas com operações de “swap” cambial por parte do Banco Central significa dizer que dois terços das reservas brasileiras poderiam trocar de mãos rapidamente numa subida exagerada do dólar frente a esses riscos. Então, é de extrema responsabilidade o Estado assumir o endividamento em dólar da Petrobras e trocar por reais.

Evidentemente, seria necessário abrir uma exceção ao BNDES do seu compromisso de austeridade com o trio econômico, tendo em vista o risco sistêmico envolvido. Por outro lado, isso também não é original é uma simples troca de moedas nos contratos, muito mais leve que a injeção maciça de recursos que o Tesouro norte-americano e o FED injetaram nos bancos privados para mitigar o risco sistêmico em 2008. Na ocasião foi comentado que os bancos privados eram grandes demais para quebrarem!

7.4 – O anúncio de compra de ações por conta do Estado Brasileiro, dono da Petrobras é outra medida que gera imediata mitigação de riscos, e em conjunto com as outras medidas farão com que a subida das cotações, incentivando mais brasileiros a comprarem as ações, eleve o valor da empresa, melhorando o ânimo dos negócios.

Enfim, a subida do valor da Petrobras fará com que ela volte a ser o orgulho nacional e a vitória contra os seus detratores conhecidos.

(*) Helio Pires da Silveira é economista (aposentado) do BNDES 
Rogerio Lessa Benemond é jornalista da Aepet.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES