http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

SOMOS TODOS CHAPECOENSES

sábado, 24 de outubro de 2015

CENTRO DO RIO DE JANEIRO E SEUS FANTASMAS



Maior rota do turismo internacional no Brasil, da América Latina e de todo o Hemisfério Sul, a capital fluminense é a cidade brasileira mais conhecida no exterior, funcionando como um "espelho", ou "retrato" nacional, seja positiva ou negativamente. É a segunda maior metrópole do Brasil (depois de São Paulo), a sexta maior da América e a trigésima quinta do mundo. Tem o epíteto de Cidade Maravilhosa e aquele que nela nasce é chamado de carioca


Parte da cidade foi designada Patrimônio Cultural da Humanidade, com o nome "Rio de Janeiro: Paisagem Carioca entre a Montanha e o Mar", classificada pela UNESCO em 1 de julho de 2012.

Biblioteca Nacional, também chamada de Biblioteca Nacional do Brasil, cujo nome oficial institucional é Fundação Biblioteca Nacional, é a depositária do patrimônio bibliográfico e documental do Brasil, considerada pela UNESCO como a sétima maior biblioteca nacional do mundo e, também, é a maior biblioteca da América Latina.Entre suas várias responsabilidades incluem-se a de preservar, atualizar e divulgar uma coleção com mais de oito milhões de peças, que teve início com a chegada da Real Biblioteca de Portugal ao Brasil e cresce constantemente, a partir de doações, aquisições e com o depósito legal.

Entre os objetos que deveriam acompanhar a família real em sua viagem para o Brasil estavam os caixotes de livros e documentos da Real Biblioteca da Ajuda, de Lisboa, com um acervo de cerca de 60 mil peças. Na pressa, os caixotes ficaram abandonados no porto e só em 1810 começaram a ser transferidas para o Brasil. Com o acervo novamente reunido, D. João fundou a Real Biblioteca Nacional. Até 1814, apenas os estudiosos podiam consultar a biblioteca e, mesmo assim, mediante autorização régia. Depois dessa data, o acesso foi liberado ao público. 





O crescimento constante e permanente do acervo da biblioteca foi fundamental para a realização de um projeto de construção de uma sede que atendesse a todas as necessidades da biblioteca, acomodando de forma adequada suas coleções. Com base nisso foi projetado seu atual prédio, que teve sua pedra fundamental lançada em 15 de agosto de 1905, durante o governo de Rodrigues Alves. A inauguração se realizou em 29 de outubro de 1910, durante o governo Nilo Peçanha.


O edifício da Biblioteca Nacional, cujo projeto é assinado pelo engenheiro Sousa Aguiar, tem um estilo eclético, no qual se misturam elementos neoclássicos e art nouveau, e contém ornamentos de artistas como Eliseu ViscontiHenrique e Rodolfo BernardelliModesto Brocos e Rodolfo AmoedoEliseu Visconti, ainda em1903, já havia projetado o ex-libris e o emblema da Biblioteca Nacional.
O prédio da Biblioteca fica situado na Avenida Rio Branco, número 219, praça da Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, compondo com o Museu Nacional de Belas Artes e o Teatro Municipal um conjunto arquitetônico e cultural de grande valor.


O centro do Rio de Janeiro é um lugar que tem muitas histórias. Por ali já passaram muitos escravos, senhores, políticos empresários, estudantes, e toda sorte de pessoas de Reis a mendigos. Ali já se escreveram muitas histórias, algumas narradas em livros como os do notório escritor Machado de Assis.

EIRAS E BEIRAS, caracterizavam as construções imperiais, que embelezaram um dia uma área que hospedou a família imperial no Brasil. 

Dessa forma é certo que por lá também perambulem muitos fantasmas, que são espíritos presos à Terra.



Como foi, sucessivamente, capital do Estado do Brasil (1621-1815), uma colônia do Império Português, desde 1763 até 1815, depois do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815-1822), do Império do Brasil (1822-1889) e da República dos Estados Unidos do Brasil (1889-1968) até 1960, quando a sede do governo foi transferida para a recém construída Brasília, recebeu inúmeros investimentos durante todo esse tempo e tem um considerável acervo cultural em termos de prédios e espaços culturais além da maior concentração demográfica do Brasil, o que garante o sucesso de quase todo e qualquer investimento, ou iniciativa.


O edifício-sede do antigo Ministério da Fazenda, situado em uma enorme quadra no Centro da cidade, tendo como limites as ruas Debret e Araújo Porto Alegre, além da Avenida Almirante Barroso, foi inaugurado em 1943. 



Assinado pelo engenheiro Ary Fontoura de Azambuja, sua parte frontal localizada na avenida Presidente Antônio Carlos tem como finalidade mostrar a riqueza do Estado Brasileiro.



Muito imponente, impressiona pelos lampadários e requintados pilares, brasões da República, escadarias, pilastras de mármore, gigantescos vasos, assim como um conjunto monumental de portas em sua magestosa fachada. 



O sofisticado acervo contido em seu interior dotado de lustres, escadas e vários outros artefatos decorativos de grande valor compõe, igualmente, todo o conjunto tombado pelo Patrimônio Cultural Carioca.



Ao perder a condição de ministério, as enormes e valiosas placas com a inscrição Ministério da Fazenda foram mantidas. 



Porém, com a ida da capital para Brasília, o Edifício passou a abrigar agências bancárias e a Receita Federal.


Antigo Forte de Santiago, atualmente é o Museu Histórico Nacional.

Museu Histórico Nacional, criado em 1922, é um dos mais importantes museus do Brasil, reunindo um acervo de mais de 348.515 itens, entre os quais a maior coleção de numismática da América Latina.

O conjunto arquitetônico que abriga o Museu desenvolveu-se a partir do Forte de Santiago, na Ponta do Calabouço, um dos pontos estratégicos para a defesa da cidade do Rio de Janeiro.

Desde a fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, em 1565, a ponta que avançava sobre o mar entre as praias da Piaçaba e de Santa Luzia foi considerada estratégica para a defesa da Baia da Guanabara, tornando-se ao longo dos séculos local de um importante conjunto arquitetônico de origem militar, hoje ocupado pelo Museu Histórico Nacional.
Porto do Rio de Janeiro e entrada da Barra, vendo-se no centro, ao fundo, a Ponta do Calabouço. Foto de George Lauzinger, 1867
PONTA DO CALABOUÇO - INÍCIO DO SÉCULO





MUSEU HISTÓRICO NACIONAL
Praça Marechal Âncora, s/nº
Próximo à Praça XV
20021-200 - Centro - Rio de Janeiro - RJ - Brasil

mhn.comunicacao@museus.gov.br

https://www.facebook.com/MuseuHistoricoNacionalRJ
www.instagram.com/museuhistoriconacional
Telefones: 55-21-3299.0324 (Recepção), 3299.0311 (ASCOM) e 3299.0321 (Direção)

Agendamento para visita guiada de grupos escolares: 21-32990360/61 ou 62 ou do email mhn.educacao@museus.gov.br
Aberto ao público de 3º a 6º feira, das 10h às 17h30 e aos sábados, domingos e feriados (exceto Natal, Ano Novo, Carnaval e dias de eleições), das 14h às 18h.
Não abre ao público nas segundas feiras, mesmo que seja feriado.






Ingresso: R$ 8,00 (oito reais) - (Outubro de 2015)
Estão isentos de pagamento (mediante comprovação): crianças até cinco anos de idade; sócios da Associação dos Amigos do Museu Histórico Nacional e do ICOM-International Council of Museum; funcionários do IPHAN e do IBRAM; alunos e professores das escolas públicas federais, estaduais e municipais; brasileiros maiores de 65 anos; guias de turismo e estudantes de museologia. Alunos agendados da rede particular de ensino e brasileiros entre 60 anos e 65 anos pagam a metade do valor.


Disponível, ainda, ao valor de R$ 20,00 (vinte reais) o ingresso família, com direito a dois adultos e dois estudantes. Aos domingos, a entrada é franca.


Até 31 de dezembro de 2015 entrada franca todos os dias para os portadores do Passaporte dos Museus Cariocas.
Referências : 1. Museu Histórico Nacional / 2. Aeroporto Santos Dumont / 3. Aterro do Flamengo / 4. Santa Casa / 5. Museu da Imagem e do Som / 6. Praça XV / 7. Restaurante Albamar / 8. Club da Aeronáutica / 9. Baía da Guanabara






Serviço de áudio guia e multimídia com linguagem em libras

Com recursos do Ministério do Turismo, o Museu Histórico Nacional oferece serviço de áudio guia em três linguas (português, espanhol e inglês) e guia multimídia com linguagem em libras (Linguagem Brasileira de Sinais) para deficientes auditivos.

São 40 equipamentos de audio e dois especiais, com tela de TV para os deficientes auditivos. A duração do áudio guia em português é de 1 hora e 23 minutos. A versão em espanhol tem a duração de 1 hora e 11 minutos e a em inglês 1 hora e 5 minutos.

O serviço é disponibilizado ao visitante no valor de R$ 8,00 (oito reais). 
Museu Histórico Nacional preserva e difunde a cultura a história da Nação brasileira. Criado na década de 1922, hoje reúne um acervo com cerca de 350 mil itens, dentre os quais a maior coleção de numismática da América Latina.

Seu conjunto arquitetônico e entorno sobressaem como Monumento Histórico da ocupação, defesa, urbanização e transformação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro desde sua fundação, no Alto do Morro do Castelo, em 1565 até os dias de hoje.

Abrigou o primeiro curso de museus do país, criado por Gustavo Barroso em 1932, atual Escola de Museologia da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, primeira instituição de ensino superior em Museologia na América Latina.
O museu também foi o pioneiro na política de preservação do Patrimônio Nacional, abrigando, entre 1934 e 1937, a Inspetoria de Monumentos Nacionais.

O início das atividades do museu, criado em 1922, coincide com a inauguração do Pavilhão das Grandes Indústrias da Exposição Internacional de 1922.
Do núcleo inicial, instalado em duas salas da Casa do Trem, o museu passou a ocupar o que sobrou do antigo complexo do velho Forte de São Tiago, do o Arsenal de Guerra e da Casa do Trem.
Hoje, o circuito expositivo de longa duração percorre os espaços cobrindo desde a pré-história brasileira até o período Republicano. Além de abrigar significativo número de exposições temporárias nacionais e estrangeiras.

Além da articulação entre acervo e recursos multimídias, vários projetos e eventos são desenvolvidos pelo setor educativo com foco nos alunos e professores das redes de ensino públicas e privadas, disponibilizando parte de seu acervo em itinerantes de temáticas diversas como: "A República no Traço de Rian", "Memória Cearense", "Imagens do Brasil", "Pelas Ruas e Calçadas - Comércio Informal e Ambulante Ontem e Hoje”, "Brasil: Nossa História" e "O Império e a República". 





No âmbito da produção e difusão do conhecimento, foi lançado em 1940 o primeiro volume dos "Anais do Museu Histórico Nacional", publicação que circulou regularmente até 1975, sendo retomada em 1995.


O museu desenvolve importantes projetos sociais em parceria com diversas instituições, assim como e seminários.

Instituição: trajetória e natureza jurídica

O Museu Histórico Nacional é uma instituição pública federal vinculada ao Instituto Brasileiro de Museus - IBRAM/MINc.



Foi criado pelo decreto nº 15.596, de 2 de agosto de 1922, e inaugurado no dia 12 de outubro, durante a administração de Carlos Sampaio (1920-22), com o aval do presidente da República Epitácio Pessoa (1919-1922).



O Que é o Centro Histórico
Aqui chama-se de Centro Histórico do Rio de Janeiro, os sítios e construções históricas, mais ligadas ao período colonial desde os primórdios da fundação da cidade como também do período subsequente, quando da vinda da Família Real e Corte Portuguesa para o Brasil, englobando também o período do Primeiro e Segundo Reinado.
Entre estes sítios e construções históricas enumero aqui os seguintes, divididos em áreas para facilitar tanto o entendimento como também a visitação.
Prioridades para ver e visitar
Se voce dispõe de pouco tempo na cidade, então não deixe de visitar e priorizar a Praça XV com suas construções adjacentes. Para quem é muito interessado em história, deve visitar também o Largo da Misericórdia, muito próximo à Praça XV, onde existem antigas construções e um pedaço de uma das três mais antigas ladeiras da cidade, sendo o que restou do arrasamento do Morro do Castelo.

Sede do Império, antiga capital da República e desde o ano passado reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco, a cidade do Rio de Janeiro, com seus prédios e instituições históricas, é há mais de cem anos palco de um embate entre preservacionistas e aqueles que defendem demolições e intervenções para a modernização e expansão da metrópole.
O Rio tem hoje 1,2 mil bens tombados e protegidos por lei, entre imóveis históricos, paisagens naturais e instituições imateriais. Mas nem sempre foi assim: no processo de urbanização da cidade, casas coloniais, igrejas barrocas e palácios da época do Império foram demolidos para dar lugar a ruas, avenidas, praças e até estacionamentos.
"Em um país jovem, em um país com uma população crescendo, é natural que haja uma predisposição ao novo, à mudança", diz o arquiteto e doutor em História da Arte Cyro Correa Lyra, que há três décadas atua no Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).
"Agora, tem que haver e está havendo cada vez mais uma consciência das pessoas de que, ao se demolir edificações antigas, nem sempre se ganha. Pelo contrário, geralmente se perde", afirma Lyra.

Muito antes das polêmicas atuais, no início do século 20, o desejo de transformar o Rio em uma espécie de "Paris dos Trópicos" fez com que o então prefeito Francisco Pereira Passos colocasse em prática o que ficou conhecido como "Bota-Abaixo", ou a demolição em massa de prédios e casas para modernizar a então capital da República.
Neste período, cerca de 1,7 mil imóveis foram desocupados e derrubados para a construção da avenida Central (atual avenida Rio Branco), inaugurada em 1905, e a avenida Beira Mar, aberta no ano seguinte. "A inauguração da avenida Central causou a destruição de todo um casario da época da Colônia e do Império", diz a historiadora Sandra Horta, gerente de Pesquisa do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.
No lugar do casario colonial, surgiram os edifícios ecléticos da Belle Époque, dos quais o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu de Belas Artes são alguns dos poucos remanescentes. Apesar da beleza e suntuosidade destes prédios, boa parte também acabou demolida, principalmente a partir da segunda metade do século 20.
"A avenida Rio Branco foi concebida para ser o grande cartão postal do centro do Rio de Janeiro. Todas as fachadas deveriam passar por um concurso, cada empreendedor buscou criar seu prédio mais bonito que o outro. Ela se tornou esse espaço meio europeu, meio parisiense", explica Roberto Anderson Magalhães, urbanista e arquiteto do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural do Estado do Rio de Janeiro (Inepac).
"(Mas) essa concepção foi alterada pela permissividade da legislação, que permitiu que aquilo fosse derrubado e fossem construídos novos prédios. Hoje o que restou foram só pequenas lembranças do que ela foi", diz Magalhães.
Uma das mais dramáticas intervenções urbanas no Rio, no entanto, foi o arrasamento do Morro do Castelo. Localizado em uma região que atualmente vai da Cinelândia ao Museu Histórico Nacional, a elevação foi o berço do Rio de Janeiro, ocupada em 1567 pelos portugueses comandados por Mem de Sá como parte de uma estratégia para proteger a recém-fundada cidade.
Após a demolição de uma pequena parte do morro para a construção da avenida Rio Branco, no início do século 20, o Morro do Castelo começou a desaparecer completamente da paisagem carioca a partir de 1920.
"O pretexto era de que era preciso arejar o centro, era preciso fazer com que o ar puro chegasse, mas se perdeu muita coisa. Ali havia a antiga fortaleza , a igreja e o Colégio dos Jesuítas, o seminário de São José, a cadeia, o calabouço, o Observatório...", diz a historiadora Sandra Horta.
O único remanescente do morro é o sopé da Ladeira da Misericórdia, primeira via pública da cidade e que ainda guarda o calçamento original de pé de moleque.
"Foi um crime, equivale a você chegar hoje e dizer ‘vamos tirar Veneza do mapa porque eu preciso de espaço’. É como arrancar Ouro Preto, Parati, Olinda, qualquer cidade histórica, do mapa", opina Cau Barata, pesquisador especializado na História do Rio.

Vargas e o 'destombamento'

Outro embate marcante sobre o destino de prédios históricos no Rio se deu durante a abertura da avenida Presidente Vargas, durante a década de 1940.
A construção da via de ligação entre a zona norte e o centro do Rio foi autorizada diretamente por Getúlio Vargas e prédios e locais importantes como igrejas do século 18, o Paço Municipal e a Praça Onze de Junho, um dos berços do samba e da boemia carioca, desapareceram durante as obras, finalizadas em 1944.
Um dos casos mais emblemáticos da abertura da Presidente Vargas foi a demolição da Igreja de São Pedro dos Clérigos. Construída em 1733 em estilo barroco, ela havia sido tombada pelo Iphan. Para a construção da via, no entanto, foi aprovado um decreto que dava ao presidente da República o poder de "destombar" um bem, o que acabou abriu caminho para que o templo fosse demolido.

Mas talvez a ausência que mais incomode os cariocas até hoje seja a do Palácio Monroe, localizado onde atualmente fica a Praça Mahatma Gandhi, próximo à Cinelândia.
O suntuoso prédio que chegou a ser sede da Câmara e do Senado Federal foi construído em 1904 para abrigar o pavilhão brasileiro durante a exposição de Saint Louis, nos EUA. Desmontado, ele foi transportado e remontado no Rio, onde virou marco na paisagem.
Em 1976, no entanto, após uma grande polêmica sobre seu destino, o Palácio Monroe acabou vindo abaixo, sob circunstâncias ainda não muito claras. "A desculpa era de que era preciso tirá-lo porque o metrô iria passar por ali. Mas é uma desculpa da época, o metrô não passa onde ele estava. Não se sabe direito qual foi a razão (da demolição), mas pode ser aquele caso de prefeito ou de governador mimado", brinca Cau Barata.




As políticas públicas de conservação do patrimônio cultural da cidade, que servem de referência simbólica do nosso patrimônio coletivo, ainda permanecem em baixa. Atitudes de preservar e conservar, ao que parece, não foram incorporadas à agenda política que continua contaminada pela ideia de que o crescimento se dá pela antropofagia do que já foi feito, do território e do ambiente.


Promessas e discursos repetem-se diariamente, divorciados da prática de ações efetivas, contrastando-se com a realidade observada após uma breve visita ao Centro do Rio, um dos centros urbanos mais antigos das Américas. Há anos, é possível observar-se a lamentável situação de imóveis históricos, alguns tombados, entregues à degradação permanente.






















Tradicional ponto de encontro dos estudantes e engravatados trabalhadores do Centro, o Amarelinho da Cinelândia tem música ao vivo de segunda a sábado, no segundo andar.


No cardápio, as pizzas fazem sucesso, a preferida é a portuguesa, acompanhda do chope Brahma geladinho, pode ser claro ou escuro, com ou sem colarinho, ao gosto do freguês. 


O Amarelinho, além de servir de referência aos cariocas, é ponto de encontro de pessoas de outros Estados, sempre proporcionando reminiscências a antigos freqüentadores, gente que busca reviver bons momentos do passado.
 

O Palácio Pedro Ernesto, inaugurado em 1923, faz parte de um dos mais importantes conjuntos arquitetônicos da cidade do Rio de Janeiro. Este foi erigido no contexto da instalação e desenvolvimento histórico da Primeira República. Trata-se de prédios públicos e privados que circundam uma praça (Floriano Peixoto), cortada por uma artéria (Avenida Rio Branco), em parte preservados, com exceção, a mais notada, da polêmica demolição, em 1975, do Palácio Monroe (1906), que outrora abrigou o Senado. 



O Palácio Pedro Ernesto foi construído entre 1919 e 1923, sendo projetado pelo arquiteto Heitor de Mello e desenvolvido, após a sua morte, por Archimedes Memória e Francisco Couchet. Seu estilo arquitetônico é definido como ecletismo, pois mistura elementos das concepções dos estilos neoclássicos denominados Luís XIV e Luís XV, que também inspiraram a Ala Lescot do Louvre. 


Sua inauguração ocorreu durante a gestão de Carlos Sampaio, prefeito do Distrito Federal entre 1920 e 1923. No mesmo período, houve o arrasamento do morro do Castelo, a continuação das obras de saneamento da Lagoa Rodrigo de Freitas e o término do alargamento do Largo da Carioca. O objetivo destas obras era o de conquistar novas áreas para a extensão da cidade, dando continuidade à política de urbanização iniciada na gestão Pereira Passos (1903-1906). 

Teatro Municipal do Rio de Janeiro localiza-se na Cinelândia (Praça Marechal Floriano), no centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ), no Brasil.
Inaugurado em 1909, como parte do conjunto arquitetônico das Obras de Reurbanização da Cidade do Rio de Janeiro (RJ), e abertura da Avenida Central, durante a prefeitura de Pereira Passos, exerce desde sua inauguração um importante papel para a cultura carioca e nacional, recebendo em seu palco importantes artistas, orquestras e companhias de Balet.
Apesar do nome, o teatro não pertence ao município, mas está vinculado ao estado do Rio de Janeiro.
É dirigido pela Fundação Teatro Municipal, que tem Carla Camurati como presidente. Em 4 de janeiro de 2013, foi anunciada a troca na direção artística: o maestro Silvio Viegas deixa o cargo, que acumulava com a regência da Orquestra do Teatro Municipal (OTM), e assume o maestro Isaac Karabtchevsky. A regência da OTM se mantém com o maestro Viegas.

A atividade teatral era, na segunda metade do século XIX, muito intensa na cidade do Rio de Janeiro. Ainda assim, a cidade não dispunha de uma sala de espetáculos que correspondesse plenamente a essa atividade e que estivesse à altura da então capital do país. Os seus dois teatros, o de São Pedro e o Lírico, eram criticados pelas suas instalações, quer pelo público, quer pelas companhias que neles atuavam.



O teatro em construção, 1906
Após a Proclamação da República brasileira (1889), em 1894 o autor teatral Arthur Azevedo lançou uma campanha para que um novo teatro fosse construído para ser sede de uma companhia municipal, a ser criada nos moldes da Comédie-Française.[4] Entretanto, naqueles agitados dias, a campanha resultou apenas em uma lei municipal, que determinou a construção do teatro municipal. Essa lei não foi cumprida, apesar da cobrança de uma taxa para financiar a obra. Observe-se que a arrecadação desse novo tributo nunca foi utilizada para a construção do teatro.
Seria necessário esperar até à alvorada do século XX quando a sua construção viria a representar um dos símbolos do projeto republicano para a então capital do Brasil. À época, o então prefeito Pereira Passos promoveu uma grande modernização do centro da cidade, abrindo-se, a partir de 1903, a Avenida Central (hoje avenida Rio Branco) moldada à imagem dos boulevards parisienses e ladeada por magníficos exemplares de arquitetura eclética.
Nesse contexto, realizou-se um concurso para a construção de um novo teatro, do qual saiu vitorioso o projeto de Francisco de Oliveira Passos (filho do então prefeito Francisco Pereira Passos), que contou com a colaboração do francês Albert Guilbert, com um desenho inspirado na Ópera de Paris, de Charles Garnier.[5]
O edifício foi iniciado em 1905 sobre um alicerce de mil e seiscentas estacas de madeira fincadas no lençol freático.[5] Para decorar o edifício, foram chamados os mais importantes pintores e escultores da época, como Eliseu ViscontiRodolfo Amoedo e os irmãos Bernardelli.[6] Também foram recrutados artesãos europeus para executar vitrais e mosaicos.

PALÁCIO TIRADENTES
Sua história começa em 12 de agosto de 1834, após a edição do Ato Adicional à constituição imperial de 1824, que prevê a criação do Município Neutro na área atualmente compreendida pela cidade do Rio de Janeiro, passando esta a ser separada administrativamente da província, a qual passaria a ter a mesma autonomia garantida às demais, apesar de permanecer aquele Município como primeiro distrito eleitoral da província fluminense, quando em votações para a Assembleia Geral, antecessora da atual Câmara dos Deputados.
23 de agosto de 1834, a Regência baixa um decreto designando a Vila Real da Praia Grande como o local onde deveria se reunir a primeira Assembleia Provincial do Rio de Janeiro, responsável pela representação dos anseios do povo fluminense. Seus trabalhos foram inaugurados a 1º de fevereiro de 1835 e um de seus primeiros atos foi eleger aquela vila como capital da província e, nesse mesmo ano, elevá-la à condição de cidade, com o nome de Niterói.
Seus deputados seriam eleitos pela população entre os súditos residentes no Rio de Janeiro, os quais receberiam um mandato de dois anos, renováveis indefinidamente pelo voto. A legislação provincial, em 1834, também previa que seis cidadãos seriam nomeados vice-presidentes da província pela Assembleia, aos quais competiria substituir o presidente, cuja nomeação cabia ao Imperador, cabendo a este a escolha da ordem de substituição, em caso de vacância ou impedimento do cargo. Tal situação perdurou até 1841, quando os vice presidentes também passaram a ser nomeados pelo Imperador.
A sede da Assembleia, até a 1919, compartilhava o prédio da Câmara Municipal de Niterói, no Jardim São João, quando da criação de sede própria, situada na conjunto cívico da Praça da República de Niterói, também no Centro da cidade.
Após a promulgação da Lei complementar número 20, que decretava, em 15 de março de 1975, a fusão dos estados do Rio e da Guanabara, a ALERJ foi transferida do prédio da Assembleia Legislativa da Praça da República de Niterói para o Palácio Tiradentes, situado na Rua da Assembleia, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, onde anteriormente funcionava a Assembleia Legislativa do Estado da Guanabara (ALEG) e, até 1960, a Câmara dos Deputados do Brasil, quando da criação de Brasília. O edifício que ocupava passa, então, a ser sede da Câmara Municipal de Niterói. Ainda na década de 1970, cria-se o anexo ao Palácio Tiradentes - o "Palácio 23 de Julho" - onde se situam os gabinetes dos parlamentares.


Em 2011, por exemplo, com toda pompa, foi noticiada a reinauguração da tradicional Praça Tiradentes, com a recuperação e limpeza do seu piso e a retirada das grades. O evento com festas e shows veio acompanhado da informação de que o Município teria restaurado, ao custo de alguns milhões, importantes prédios que circundam o local.
Entretanto, ainda hoje, o antigo Solar Visconde do Rio Seco,  com detalhes neoclássicos em sua fachada, continua mergulhado em estado de abandono. Apesar de uma placa do Sebrae informando que as obras serão feitas, a previsão era de que O Centro de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB), fundado em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro, abrisse suas portas em 2012 (!) neste antigo solar.

ESPÍRITOS QUE VAGAM PELO RIO DE JANEIRO


No Rio de Janeiro há casas, castelos e teatros em que é possível conhecer casos de mortes violentas, loucura e sofrimento que servem como explicação para os supersticiosos sobre o surgimento de sons sobrenaturais e aparições de supostos fantasmas. 

Até 2001, um circuito percorria os principais prédios assombrados na Cidade Maravilhosa. É isso mesmo, até esta data havia um turismo especializado em levar visitantes para estes locais, e é natural que existam lugares mal assombrados no Rio de Janeiro já que é um lugar tão cheio de histórias e foi povoado durante séculos como a sede da república e do reinado, onde era a corte e onde se estabeleceram disputas de poder e influência, onde ocorreram muitos crimes e onde se desenvolveu a vida e morte de muitas pessoas que hoje já não vivem mais entre nós.

O ARCO DO TELES

Somente este Arco resistiu ao grande incêndio que atingiu o conjunto arquitetônico em julho de 1790. No fogo, perderam-se importantes documentos do Senado da Câmara. A reconstrução foi imediata e auxiliada por autoridades locais. Hoje é um dos monumentos mais expressivos da influência portuguesa no Rio de Janeiro.


Atualmente, vive um de seus melhores momentos. Grande parte de seus freqüentadores diários fazem parte do nova safra de executivos, advogados, administradores entre outros que diariamente fazem do Arco do Teles um dos melhores pontos de "Happy Hour" da cidade.

Arco do Teles fica próximo à Praça 15 de novembro, uma monumental construção do século 18 e que somente um dos arcos se manteve após um incêndio em 1790. Atualmente se tornou um dos melhores pontos de encontros no fim da tarde e finais de semana, devido aos seus bares. Um dos lugares mais badalados do centro da cidade do Rio. Mas quando a movimentação termina, relata-se que barulhos de passos, choros, lamentos e palavrões são ouvidos por ali, além de vultos que parecem entrar e sair das paredes. No século 16, a região onde fica o Arco do Teles foi marcada por uma onda de violência e assassinatos.



A HISTÓRIA DE TERROR DOS ARCO DOS TELES 



FOTO ANTIGA DO ARCO DOS TELES


O que pouca gente sabe (e quem sabe não comenta) é que o beco debaixo do arco esconde muitos dramas e alguns mistérios. Há quem o considere um lugar maldito e garanta que é mal assombrado. Dentre os diversos episódios estranhos que envolvem o lugar, veremos um dos mais terríveis: a história de uma das primeiras feiticeiras do Rio de Janeiro, certamente a mais cruel. Desculpem-me pelo relato forte e chocante. Todos os fatos que vou citar ocorreram e estão registrados em documentos antigos da polícia carioca.


Com a construção da Casa do Governo pelo governador Gomes Freire no Largo do Paço (atual Praça VX), as redondezas se valorizaram e passaram a ser freqüentadas pela sociedade. Vendo isso, o português Antônio Telles Barreto de Menezes (juiz e proprietário de terras em Jacarepaguá e Baixada Fluminense) mandou construir uma carreira de casas de aluguel naquele logradouro, em 1743.


Quando a obra chegou à travessa do Mercado do Peixe, o engenheiro Alpoim (responsável pelo projeto) teve que traçar um amplo arco sobre ela, para que a via dos mercadores não ficasse obstruída pela nova construção. Vem daí o apelido de "Arco do Telles". Os prédios foram todos alugados, ficando os térreos principalmente para os lojistas de secos e molhados; a casa maior, justamente a que ostentava o arco, foi ocupada pelo Senado da Câmara (equivalente hoje à Câmara dos Vereadores).


A má sina daquele local iria se revelar nessa época, mais exatamente em 20 de julho de 1790, na loja térrea próxima à rua Direita, onde existia uma loja de objetos usados denominada curiosamente de "O Caga Negócios". Um violento incêndio criminoso destruiu o prédio e deixou dezenas de feridos e dois mortos. O fogo atingiu o andar superior e consumiu o arquivo do Senado da Câmara, perdendo-se assim toda a documentação referente aos primórdios da cidade, inclusive os recibos e cobranças de foros (espécie de IPTU) e os registros gerais de imóveis.


A partir desta tragédia, aquela área perdeu o viço e caiu em decadência, transformando-se em abrigo da malandragem e ponto de prostituição. Apesar de haver ali um oratório de N. Sra. dos Prazeres, a baixaria era tão grande que moradores das proximidades removeram a santa para a Igreja de Santo Antônio dos Pobres, onde permanece.

Foi nesse ambiente nefasto, em meio à escória da cidade, que Bárbara dos Prazeres certa noite apareceu, rompendo a penumbra do beco do Arco dos Telles. Começava ali uma história de pavor.

Após o incêndio do casario da Travessa do Mercado, em 1790, o lugar decaiu e tornou-se reduto de marginais e antro de prostituição do mais baixo nível. Dentre as mais famigeradas figuras do Arco do Telles nessa época, sobressaiu-se a prostituta e depois feiticeira Bárbara dos Prazeres. A maior parte dos dados abaixo foram registrados pela Intendência Geral de Polícia, criada pelo Príncipe D. João, em 1809.

Nascida em Portugal no ano de 1770, tinha 18 anos de idade quando veio com o marido para o Brasil. 

A Bárbara era uma mulher muito bonita e chamava a atenção de todos que a fitavam. Um deles, em especial, um mulato, cujo nome se perdeu nos ventos da história, acabou roubando seu coração e iniciando uma relação de adultério.

Há quem diga que ela se cansou do marido. Outros, ainda, que ela foi pega no flagra. O fato é que o seu esposo sucumbiu a golpes de faca da nossa bela portuguesa, que conseguiu se livrar do crime e passou a viver com seu amante.

Seria uma vida relativamente confortável com os espólios do antigo matrimônio, se o tal mulato não passasse a explorar financeiramente a Bárbara. Aos poucos, o patrimônio foi se dilapidando até que, numa briga, que já era costumeira, a portuguesa lançou à mão algo que lhe já era familiar e a faca ceifou outra vida.

Marcada pelos crimes e já sem dinheiro ou esperança de iniciar nova relação com quem lhe sustentasse, Bárbara resolveu usar sua melhor arma para sobreviver. Não... Não estou falando da faca e sim da beleza.

Num lugar chamado Arco do Telles que, num passado ainda mais remoto, havia sido uma galeria com lojas de todos os tipos e passagem de gente de bem, mas se tornou um antro de prostituição após o grande incêndio, fez ponto a nossa portuguesa, agora sob a alcunha de Bárbara dos Prazeres. Um codinome dúbio, que fazia referência à sua nova profissão e, também, pelo fato de se posicionar nas proximidades onde antes havia uma imagem da Nossa Senhora dos Prazeres, devidamente removida pelos fiéis quando o local tomou os rumos da devassidão.


Marcada pelos assassinatos e sem meios de subsistência, restou à bela jovem de 20 anos ganhar a vida se prostituindo. Fez seu ponto exatamente ali, debaixo do Arco do Telles, onde angariou vasta clientela. Por quase 20 anos, ela considerou ter encontrado a sua vocação e o seu lugar na sociedade.

E, nesse local, Bárbara dos Prazeres fez a sua vida por quase 20 anos. Sua fama de boa profissional suplantou a de viúva negra e ela conseguiu se manter com certa dignidade, se isso é possível dentro do meretrício, por um tempo considerável.

A Travessa do Mercado, em 1790, era um verdadeiro antro de prostituição do mais baixo nível. A polícia não entrava ali por nada. Dizem que mais de uma centena de mulheres faziam ponto na área, a travessa era escura e favorecia os "negócios" feitos em plena rua para quem quisesse ver. Muitas das mulheres viviam mancomunadas com violentos gigolôs que assaltavam e em certos casos surravam os clientes. Em pelo menos um caso, teria havido uma degola. Dentre as mais famigeradas figuras do Arco do Telles nessa época, sobressaiu-se uma prostituta e depois feiticeira que atendia por Bárbara dos Prazeres. A maior parte dos dados abaixo foram registrados pela Intendência Geral de Polícia, criada pelo Príncipe D. João, em 1809. 
Mas o problema, que acomete todas as mulheres que dependem da beleza, foram as marcas do tempo. Com quase 40 anos, viu sua clientela sumir lentamente à medida que as rugas esculpiam seu rosto. Tomada por desespero, passou a frequentar todo o tipo de casa de feitiçaria em busca de uma poção que a rejuvenescesse. Alguns dizem que uma bruxa velha e inconsequente lhe ensinou o segredo vindo de um dos tomos mais proibidos. Outros, ainda, que ela fez um pacto com o próprio Demo. O fato é que ela aprendeu uma forma de recuperar a juventude há muito perdida. Dentre outros ingredientes básicos, como ervas e fluidos naturais, havia um tão macabro e repugnante, que faria qualquer um desistir da contenda. Sangue fresco de crianças.

Uns dizem que custou todo o dinheiro que ela tinha juntado, outros, que o preço foi sua alma. Os principais componentes eram certas ervas e sangue humano morno, mais precisamente, de crianças ainda vivas.

Movida pelo desespero, Bárbara dos Prazeres não titubeou e passou a sequestrar pequenos infantes, que pouca falta fariam à sociedade. Meninos de rua, filhos de escravos ou mendigos eram sua presa principal. Atraídos por promessas de doces ou pequenos brinquedos, caíam na faca, há tempos aposentada, da agora feiticeira, lusitana.
Andava pelas ruas sempre de olho em crianças sozinhas ou longe o suficiente das mães. Carregava no bolso da saia doces ou brinquedos que usava para ganhar a confiança dos pequenos e prometia mais se eles viessem até a sua casa. As crianças iam com ela, pois a feiticeira sabia se fazer de inocente e bondosa. Em sua tapera decadente na Cidade Nova, ela as esganava ou dava de beber uma dose de ervas misturada com cerveja amarga.  
Realizava então o sinistro sacrifício. Atava uma corda aos pés da vítima e a dependurava de ponta cabeça, içando-a sobre um balde ou tina colocada abaixo. Com uma faca afiada, cortava a garganta e entornava o precioso sangue, ainda quente correr dentro da tina onde depois se banhava. Em algumas ocasiões se banhava direto sob a torrente escarlate gargalhando loucamente.

Não há números exatos, mas foram dezenas as vítimas que a feiticeira sacrificou em seu lúgubre ritual de rejuvenescimento. Ela contava vantagem para as colegas: dizia estar ficando mais bela, a pele mais alva do que antes e os cabelos mais escuros. Verdade ou não, sua loucura com certeza a fazia acreditar nos resultados do ritual. 
As ervas eram ingeridas pelas crianças sob a ameaça da faca e, depois de entorpecidas, eram penduradas de ponta cabeça e sangradas, até a morte. O conteúdo vertido pelas veias era recolhido num balde, que serviria de material para um banho ritualístico de rejuvenescimento.

Se funcionava? Para efeitos da história, vamos dizer que sim. Ou assim ela acreditava, pois repetiu o ritual um sem número de vezes, até que o desaparecimento das crianças se tornou evidente e os corpos começaram a aparecer. 

Quando os filhos dos esquecíveis se tornaram raros, a bruxa Bárbara passou a sequestrar crianças de um nível acima e a coisa tomou rumos já previsíveis. Investigações policiais, medo e pavor daqueles que presavam por suas crias, relatos nos jornais. Todos temendo novos desaparecimentos e especulando sobre o real assassino. No entanto, a imaginação humana sempre tenta buscar um culpado do sexo masculino, deixando Bárbara livre de suspeitas por um bom tempo.

Já fazia um bom tempo que a bruxa não encontrava seu ingrediente principal, pois ele se tonou raro nas ruas. Mães trancavam seus filhos em casa e até os meninos do mundo passaram a andar em bando com medo de se tornarem a próxima vitima. 

Restou à Bárbara dos Prazeres uma opção, a "Roda dos Inocentes"! Na Santa Casa da cidade, havia uma espécie de bandeja giratória num dos muros, onde mães sem condições de criar seus recém-nascidos, os abandonavam, na esperança deles serem acolhidos e levados para um orfanato. As enfermeiras, ao ouvirem o choro das crianças, giravam a roda e tratavam do assunto. 

Não há números exatos, mas foram dezenas as vítimas que ela sacrificou no lúgubre ritual de rejuvenescimento. O pavor tomou conta da população do Rio de Janeiro, cujas crianças passaram a ser trancadas em casa e a só sair na companhia de adultos.


Nossa personagem, nesta época, aparece nos registros do Intendente Geral de Polícia, desembargador Paulo Fernandes Vianna, como Bárbara dos Prazeres (por causa do oratório no Arco do Telles) e também como Bárbara "Onça" (referência à sua ferocidade). Parecem vir desse período as expressões: "cuidado que a bruxa está solta!" e "olha que a Onça está solta!".

E assim, ela passou a manter seu ritual de beleza por mais um tempo sem que ninguém a descobrisse, pois o descarte dos corpos era mais fácil devido ao tamanho reduzido.
 

Como ela foi descoberta é motivo de discussão. Alguns acreditam que, num momento de bebedeira, a bruxa contou, se gabando, seus feitos para uma meretriz qualquer, que, prontamente, horrorizada, acionou as autoridades. Outros dizem que, em um dos seus assaltos costumeiros, seu braço ficou preso na Roda dos Inocentes, quando a enfermeira girava em momento oportuno e suas maledicências contra a profissional, a denunciaram.

O fato é que a bruxa Bárbara dos Prazeres tornou-se a meliante mais procurada da cidade. Nessa altura, com quase 60 anos, fugida e devidamente escondida sabe-se lá o onde, nunca foi encontrada. Em 1830, o corpo de uma mulher apareceu boiando próximo ao Lago do Paço. Apesar do rosto estar irreconhecível, as descrições batiam com a feiticeira, mas nada foi comprovado.
A feiticeira logo se tornou a mulher mais procurada da cidade em todos os tempos, mas apesar de tudo, conseguiu ludibriar seus perseguidores fugindo para o outro lado da cidade onde se misturou com a população. Teria cortado os cabelos para se disfarçar e passou a usar um nome falso. Francamente ninguém reparava nela há muito tempo, e ninguém foi capaz de descrevê-la.  
Consta que teria vivido até 1830, quando simplesmente desapareceu próximo de completar 60 anos. Nesse ano, conta-se que apareceu um cadáver de mulher boiando próximo ao Largo do Paço, com as feições irreconhecíveis. Alguns afirmaram que era Bárbara dos Prazeres, mas ninguém soube dizer como ela teria morrido. 
Todavia, houveram os que recusaram a acreditar na sua morte e a lenda da bruxa Bárbara dos Prazeres se perpetuou pela história. Há quem diga que ela ainda anda por aí, mantendo seu ritual profano ao longo dos anos e se mantendo, se não jovem, pelo menos viva. Dizem que ela ainda anda por lá e sua risada, na calada da noite, denuncia a captura de uma nova vitima.

Talvez a criminosa mais procurada na cidade em todos os tempos, consta que viveu até 1830, quando simplesmente desapareceu. 

Há quem suspeite (lenda urbana?) que ela continua viva até hoje, graças ao segredo da fórmula de rejuvenescimento. E mais: teria assumido a condição de feiticeira e aplicado a receita em alguns milionários, em troca de parte de suas fortunas.


Diz-se que ainda hoje, em certas madrugadas sem lua, quando já partiram os últimos garçons dos bares da Travessa do Comércio e cessou o movimento da boemia, escuta-se no beco a gargalhada de Bárbara Onça, a feiticeira, ecoando assustadoramente pelos vazios escuros do Arco do Telles .Também ouvem-se choros, lamentos e palavrões, além de vultos que parecem entrar e sair pelas paredes, além de uma espécie de gargalhada espectral que muitos dizem vir do lugar onde morava a bruxa Bárbara dos Prazeres. 

O CASTELINHO DO FLAMENGO

O Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho, mais conhecido como Castelinho do Flamengo, é o centro das atenções na Zona Sul quando o assunto é o além. Conta-se que na década de 30 os donos do imóvel morreram atropelados. A filha do casal, Maria de Lourdes, passou então a ser criada por um tutor, que roubou seus bens, a prendeu na torre e a maltratou. 


Na década de 70, a construção se transformou em um cortiço habitado por moradores de rua, até que eles começaram a fugir de lá. Há relatos de que eles sentiam alguém tocando neles durante a madrugada, enquanto dormiam. Alguns chegaram a presenciar aparições de uma mulher, supostamente Maria de Lourdes, que teria voltado para retomar o que pertencia a ela.

CINELÂNDIA

Mas é a Cinelândia o bairro que parece concentrar a maior quantidade de assombrações por metro quadrado do Rio. Quem garante é Milton Teixeira, um dos maiores especialistas em história da cidade que, durante anos, foi guia do passeio Tour Fantasma. Em seu roteiro de dar calafrios estavam construções como o Arco do Telles, o Theatro Municipal, a Biblioteca Nacional, o Museu Nacional de Belas Artes e a Câmara dos Vereadores. Nestes lugares, segundo Teixeira, é comum escutar gritos, sussurros, correntes sendo arrastadas e, com sorte (ou azar), avistar até mesmo alguma aparição. "Em todos os prédios geralmente os fantasmas são ex-funcionários ou pessoas que os frequentavam", afirma Teixeira.

INTERIOR DO MUSEU HISTÓRICO NACIONAL
Outro prédio cheio de mistérios é o do Museu Histórico Nacional, antigo Arsenal da Marinha, no Centro. Lá, o corpo de Tiradentes, mártir da Inconfidência Mineira, foi esquartejado em uma das celas do calabouço. Sua cabeça foi então erguida em Vila Rica, hoje Ouro Preto, em Minas Gerais, para servir de exemplo aos inconfidentes. Os demais pedaços foram espalhados pelo Caminho Novo, uma das estradas reais que davam acesso à região das Minas Gerais à época do Brasil Colônia.

MUSEU NACIONAL DA QUINTA DA BOA VISTA

As assombrações também parecem rondar o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista. O casarão de São Cristóvão,onde a família real viveu é cercado de histórias que deixam até os mais céticos de cabelo em pé. Desde a morte da imperatriz Leopoldina, em 1826, há relatos sobre suas supostas aparições nos aposentos do antigo palácio. Consta até que um antigo vigilante noturno do museu chegou a pedir transferência do setor após ouvir, em plena madrugada, ruídos vindos das escadas e o barulho de uma máquina de escrever. Ao seguir os sons, nada foi encontrado.
THEATRO MUNICIPAL.

Já o fantasma do escritor Olavo Bilac é frequentador assíduo do Theatro Municipal, onde também vagam almas penadas de bailarinas, cantores e compositores. "Bilac se identificou para uma médium e até recitou poesia. A seção foi ao ar na extinta TV Manchete, em 1996", conta Teixeira. 


CONSIDERAÇÕES SOBRE ESPÍRITOS PRESOS A TERRA.

Pode uma alma, após a morte, permanecer presa à Terra?


Sim, pode. Isso acontece muitas vezes. As almas presas à Terra são pessoas que, após a morte, não conseguiram desligar-se dos seus corpos físicos e da vida que levavam. 

Eles permanecem envolvidos pelo magnetismo terrestre, presos ao nível da crosta planetária, e não conseguem se desprender do apego à existência que já se encerrou. Geralmente eles acreditam ainda estar vivos, e não entendem por que as pessoas não falam mais com eles. 

Essas almas possuem um acesso bem fácil aos encarnados, e podem mesmo se ligar psiquicamente a eles. Com isso, eles atrasam sua entrada nos planos mais sutis e permanecem em estado de perturbação e sofrimento.

 Fortaleza de Santa Cruz da Barra, situada do lado Niteroi, na entrada da Baía de Guanabara tem uma história que vem do século 16. Mas além ter sido uma secular guardiã da Cidade do Rio de Janeiro, também tem sua história recheada de mitos e lendas. Fantasmas de prisioneiros que lá perderam suas vidas, e que assombram o local arrastando correntes noite adentro estão entre as muitas outras histórias de arrepiar os cabelos e levar os mais incrédulos e céticos do homens a sentirem calafrios.
Histórias e Lendas

A fortaleza é também cercada de estórias e lendas. As ricas histórias acerca de personagens famosos e fugas são reais. Quanto às lendas, muitas destas podem ter vindo da imaginação fertil e ou de coincidências. Mas uma coisa é certa. Existiram fatos e acontecimentos reais que inspiraram as lendas. Então acredite se quizer.
Prisões, Masmorras e Fantasmas

O local possui uma masmorra e algumas celas de prisão com grades, onde nos tempos colonias e tempo dos Vice-Reis, corsários e piratas, assim como inimigos da coroa eram presos. Muitos destes que foram aprisionados, de lá não sairam com vida. No caso de corsários e piratas, se saissem vivos da masmorra, após um longo período de isolamente trancafiados, acabavam executados. A masmorra era uma cela escura escavada na pedra, e trancada por uma porta de ferro.
Conta a lenda para os superticiosos que, à noite perto da masmorra e das celas de prisão, podem ser ouvidos gemidos e gritos dos fantasmas dos que alí pereceram.

E para quem se interessa pelo que alguns chamam de estórias de assombração, e que outros chamam de fenômenos do sobrenatural, pode-se ver neste site sobre a mais incrível das estórias, a que versa sobre ofantasma da Fortaleza de Santa Cruz e alma penada do corsário francês que à dois séculos tenta se libertar da masmorra da fortaleza.

Na foto acima, grades das pequenas celas das prisões da Fortaleza de Santa Cruz que se voltam para um pátio interno. A celas não possuem janelas, sendo ventiladas e iluminadas somente pelas grades ou portas frontais. Algumas das celas não tinham altura suficiente para que os prisioneiros ficassem de pé.
Ao centro, vemos a foto da masmorra da Fortaleza, uma prisão fechada por uma porta de ferro cujo, sem janelas, onde no interior, parecia existir apenas um respiradouro. A quando a porta é fechada, o cômodo fica totalmente escuro. Por fim, na foto final, vemos o prédio da cisterna, para guardar água para a fortaleza, que fica de frente para o pátio das cadeias. Muitos prisioneiros eram enforcados neste pátio e depois jogados diretos no mar.
Um Caso Trágico de Amor
Um caso real que marcou a história da fortaleza, foi o da filha de um Capitão que se apaixou por um praça, num tempo que que isto não era permitido. Apaixonada, e sem o consentimento do pai, e sem esperança de poder juntar-se ao seu amado, ela se jogou de um pequeno penhasco do local onde fica a fortaleza. Este fato ocorreu nos primeiros anos do século 20.
A Capela de Santa Bárbara com suas Lendas e Estórias
Santa Bárbara - Capela da Fortaleza de Santa CruzNas dependências da Fortaleza de Santa Cruz da Barra, existe uma das mais antigas capelas do Rio, que foi construída no início do século 17. Foi iniciada durante o governo de Martim Correia de Sá e terminada em 1612.
Por volta do ano de 1912, início do século 20, a capela foi reformada.
Perto do altar existe uma janela para o mar, e reza outra lenda que, durante a missa o padre podia ficar também de viga e de olho no mar, enquanto os oficiais e soldados assistiam e se concentravam na missa. Verdadeiro ou falso, da posição do altar pode-se realmente ver o mar por uma espécie de seteira.
Segundo um guia do Exercíto que guiou e orientou a visita, ele disse que a filha do Capitão que se jogou do penhasco, foi emparedada em uma das paredes da capela, um tipo diferente de sepultura usada em algumas igrejas. A parede ou local não fica voltado para a nave da capela, mas para uma depência coberta lateral do corpo principal da capela, e este local é mostrado durante a visitação.
Outra lenda da capela é acerca da imagem de Santa Bárbara, entalhada ou esculpida em madeira. Reza esta lenda, segundo o guia da visita, que em algumas ocasiões tentaram transferir a imagem da Santa para outro local, em tempos passados. Mas sempre que se incorria em tal tentativa, o mar ficava raivoso e em péssimas condições de navegação. Antigamente, o único acesso ao local da Fortaleza era feito pelo mar.
Prisão de Grandes Personalidades e Fugas Históricas
O local também foi usado como prisão militar e política nos tempos coloniais e do Império. Mas no caso de prisioneiros de destaque, estes não eram colocados nas celas ou masmorra como piratas e corsários. Geralmente lhes era oferecido algum comodo das dependências e estes ficavam sob guarda. Foi o caso de José Bonifácio, o Patriarca da Independência que alí ficou preso por um curto período de tempo quando rompeu com D. Pedro I, antes de partir para o exílio.
BENTO GONÇALVES
Grandes nomes da história estiveram lá detidos, como comandantes de alta patente e comandantes de revoluções, entre outros pode-se citar Bento Gonçalves e também líderes da Revolução Farroupilhas que escaparam por volta de 1837.
Durante a República, outras grandes personalidades também estiveram lá detidas por divergências políticas.
O então Capitão Juarez Távora e dois companheiros que estavam lá detidos escaparam com um corda em 1930. Ele tinha permissão para pescar, e posicionava-se sempre em uma determinda abertura de tiro da mulhara. Quando surgiu a oportunidade ele fugiu. Ele havia sido preso por sua participação no movimento tenentista de 1922 e posteriormente se integrou à uma das três colunas tenentistas e depois participou da revolução de 30 que levou Getúlio Vargas ao poder, tendo participado de seu ministério e teve muita participação na vida política brasileira à sua época.

É possível a alma evoluir nesse estado de prisão?

Por exemplo, um rapaz morre num acidente de carro e fica chamando pelos seus pais. Ele pode ficar invocando a presença dos pais por períodos bem longos, sem perceber que sofreu um acidente e não possui mais corpo físico. Também contribui consideravelmente para a prisão no plano da Terra uma morte rápida e trágica. A alma não tem tempo de perceber o que ocorreu e pode ficar confusa com o impacto da súbita transição.


O que uma alma faz quando fica presa à Terra?

Algumas vezes ela tenta realizar as mesmas atividades de quando estava encarnada; outras vezes fica próxima de parentes e amigos, tentando um contato. Em outras situações, como já dissemos, ela fica repetindo os mesmos padrões de ação e comportamento de sua última existência. 

Em casos não tão raros, ela fica perambulando por locais que lhe foram familiares em vida ou peregrina por locais desconhecidos. Quando isso ocorre, na maioria das vezes ela acaba se conectando com um encarnado, e participa de seus prazeres e de sua vida. Sem que o encarnado se dê conta, ela pode guiar seus pensamentos, desejos e até as principais escolhas de sua vida. Porém, o mais grave é a vampirização de energias vitais que se processa nessa conexão psíquica entre ambos. A alma presa à Terra necessita da vitalidade de pessoas para se manter no nível da crosta terrestre. Na maioria das vezes, suga as energias sem perceber o prejuízo que lhes causa.

CASOS DE ESPÍRITOS NO RIO DE JANEIRO

  • A Câmara dos Vereadores teria várias almas penadas já que no local onde ela foi construída haveria ruínas de uma capela que realizava cultos satânicos.
  • No prédio da Cândido Mendes (Centro) haveria até hoje um fantasma…
  • Na Fortaleza de Santa Cruz (Niterói) que serviu  de presídio durante o Golpe de 64, ouve-se gemidos e choros.
  • No Museu Histórico Nacional haveria existência de muitos fantasmas, o local é pesado, Tiradentes foi esquartejado em seus calabouços.
  • Campo de Santana de madrugada aparecem fantasmas em um duelos. (Mario Fernandes)
  • Bairro de Santo Cristo e Gamboa fantasmas perambulam em noites silenciosas. (Mario Fernandes)
  • Instituto de Filosofia e Ciências Sociais – UFRJ, no Largo de São Francisco: Estudo lá e rolam vários boatos, especialmente entre os seguranças… (Luciana Campos)
  • O Campus da UFRJ na Praia Vermelha, onde parte da universidade é alocada, dividindo espaço com o Pinel. (Luciana Campos)
  • Caixa de Socorros Dom João VI – centro – várias pessoas, inclusive de dia ouvem vozes lá… (Luciana Campos)
  • . Instituto Estadual de Dermatologia Sanitária – a colônia dos tuberculosos. (Luciana Campos)
  • . Hospital Pedro II – Hoje onde se localiza o Museu do Inconsciente – Nise da Silveira… aquele lugar dá arrepios… mas vale a pena a visita!! (Luciana Campos)
  • . Um hospital que pertencia à Santa Casa, em Cascadura.. estudei ali do lado por um pequeno tempo, e haviam vários relatos de aparições no local… atrás do cursinho tinha/tem um antigo cemitério, nas imediações do hospital! (Luciana Campos)
  • . Na rua 28 de Setembro,Vila Izabel… em noites frias e silenciosas costumam serem vista Fantasmas vestidos à carater em trajes na antiga Boemia Carioca. (Mario Fernandes)
  • . Casa de Duque de Caxias, costuma aparecer a imagem de Duque de Caxias perambulando pelos corredores (Mario Fernandes)
  • . Retorno dos trens para Central do Brasil nas altas madrugadas. O fluxo de de passageiros no desembarque das estações não corresponde aos embarques. Tem até o caso de um trem que saiu de Sta.Cruz completamente vazio, não parando em estação nenhuma.
  • . Ao chegar na Central do Brasil as portas foram acionadas inexplicavelmente e desembarcaram Fantasmas devidamente vestidos à caráter da década de 20 e 30. (Mario Fernandes)
  • . Ilha de Paquetá. Escravos eram submetidos a uma triagem, antes de vir para o Litoral. Sendo assim alguns deles ainda perambulam à noite pela Ilha na esperança de reencontrar “parentes” que ficaram na África ou que foram enviados para outro local. É uma penosa,e eterna frustação de uma espera. (Mario Fernandes)
  • . Hospital Psiquiátrico Pedro II no Bairro do Engenho de Dentro. Ali à noite são ouvidos pelos vizinhos gemidos, e palavras sem sentidos. Longos discursos, longos debates com palavrões. Segundo conta-se ali muitas pessoas faleceram em eterno sofrimento e alienação mental.Nas grades são encontradas fantasmas à espera eterna de “visitas” dos parentes que os abandonaram naquele hospital até a morte. (Mario Fernandes)


Podeis enumerar um outro motivo da alma permanecer presa a Terra?

  • ceticismo extremo 
  • dogmatismo religioso


Os céticos conservaram ao longo da vida arraigadas concepções sobre a inexistência da vida após a morte, e, ao se deparar com uma realidade que negaram ao longo da existência corpórea, eles se recusam a enxergar sua nova condição. Não acreditam que possam estar mortos e ainda assim vivendo, pois sempre guardaram uma inquebrantável convicção que a morte é o encerramento definitivo da existência humana.


Os céticos da vida após a morte podem experimentar duas condições mais gerais: a primeira é um estado de perturbação pós-morte, uma firme negação de sua nova condição, o que gera confusão e até desespero. Por outro lado, os céticos podem unir-se a outros céticos, numa experiência coletiva, e podem acreditar que foram transladados para outro mundo, um local estranho que eles não sabe como chegaram ali, mas creem ainda estar vivos.

Por outro lado, ele pode encontrar-se frente a frente com suas convicções religiosas, que nada mais são do que suas próprias criações mentais produzidas quando encarnados. 

Ele pode envolver-se nessa ilusão de suas formas de pensamento e viver de acordo com elas. Porém, isso possui algo de providencial, pois a vida após a morte seria algo doloroso demais se as almas não pudessem, de certa forma, adaptar suas crenças ao novo ambiente e viver de conformidade com eles, caso ainda não estejam prontos para uma comunhão com estados sutis mais reais.


Há outros motivos para a fixação no nível da crosta terrestre?

Sim, esses motivos variam conforme a individualidade de cada alma. Mas existem motivos gerais a se considerar:

  • Não cumpriram seu plano divino(proposta encarnatória).
  • Suicidaram-se e deixaram assuntos inacabados.
  • Possuíam extremo apego a Terra e aos desejos materiais.
  • Viciaram-se em álcool, fumo, comida, sexo, lazer, prazeres diversos.
  • Tinham medo de morrer e após o desencarne continuaram negando a morte.
  • Dificuldade de aceitarem que passaram pela transição e não têm mais corpo físico.
  • Morte súbita (os espíritos não tiveram tempo de perceber que morreram).
  • Ódio e vingança a algum desafeto.
  • Apego a entes queridos ou a pessoas próximas.
  • Ceticismo fortemente arraigado.
  • Morte após deficiências mentais ou transtornos psíquicos graves.


Que dizer sobre as estórias de espíritos aprisionados em locais específicos?


Essas estórias podem ser reais. Alguns espíritos podem fixar-se em lugares em que eram muito afeiçoados durante a sua vida. Muitos ficam presos a sua própria residência; outros aos lugares onde ocorreu sua transição; outros ainda se unem a outras almas que escolhem um local propício a sua permanência. Esse é o fundamento das chamadas “casas mal assombradas”, que reúnem grande número de almas perdidas e presas em locais específicos. Ocorre com certa frequência uma ligação psíquica entre a alma recém-desencarnada e pessoas que compraram o imóvel onde a alma passou a maior parte de sua vida.

Disseste que uma alma pode ficar presa à Terra em decorrência do ódio a desafetos. Podeis explicar melhor?

Enquanto o ódio aprisiona, o amor liberta. No Novo Testamento está escrito: 

Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte. (João 3: 14). 

Isso significa que, aqueles que não amam, permanecem presos no ódio e aprisionados no nível terrestre após o passamento. Não é possível neutralizar o ódio com o esquecimento, pois em épocas futuras esse ódio regressará numa outra roupagem, numa outra forma de manifestação.

TODO ÓDIO UM DIA SE CONVERTERÁ EM AMOR. ÓDIO É UMA IMANTAÇÃO. DOIS ESPÍRITOS QUE SE ODEIAM SE PRENDEM UM AO OUTRO ATÉ QUE PASSEM A SE AMAR.

 O ódio só pode ser dissipado com amor e o perdão. O amor vem da consciência de que todos nós estamos interligados, que somos uma mesma família universal e estamos numa mesma missão cósmica; todos somos almas ainda inferiores, dependentes, ignorantes e limitadas. Compreender isto é uma forma de libertação de todo o ódio. Devemos também compreender que ninguém pode nos tirar nada, nem destruir qualquer de nossos bens sem a nossa participação. 

Nosso corpo pode ser queimado, torturado, destroçado e morto; mas nossa alma só sera tocada se assim permitirmos. 

Esse foi o caso de Jesus: enquanto o corpo físico e a personalidade humana de Jesus estavam sofrendo dores lancinantes na cruz, sua alma, seu espírito imortal estava completamente ausente e invulnerável a mortificação de sua carne. Ele assistia tudo de fora, sem se envolver no sofrimento que lhe acometera. As maiores maldades podem ser realizadas conosco, mas uma alma de luz, um ser mais evoluído, não pode ser atingido, pois ele sabe que não é matéria, não é esse ego nem essa personalidade; ele é algo infinitamente maior e que não pode jamais ser destruído. 

O espírito é indestrutível, é perene; vive para sempre e não é subjugado pelo caráter transitório da matéria e do mundo da manifestação. As almas que carregam o ódio dentro de si invariavelmente se prendem nos liames da matéria e podem permanecer longos períodos esperando para consumar sua vingança. Ela desconhece que estará tão presa e ficará tão mal quanto aquele que deseja prejudicar.


Almas de luz não poderiam resgata-las se assim desejassem?


Já dissemos que uma alma pode fixar-se em seus pensamentos, imagens mentais e padrões após a morte. Pois bem, quando ela fica nesse estado, a comunicação com o que está a sua volta é perdida. 



Ela está tão envolvida por uma autohipnose, tão cristalizada dentro de suas repetições, está de tal forma mergulhada em suas tendências, criando ilusões atrás de ilusões, que seu pensamento e percepção ficam girando em torno de si mesmo. 

Dessa forma, ela se fecha em seu mundo psíquico e não entra em contato e nem enxerga o que está ao seu redor. Quando é este o caso, as almas de luz sequer conseguem chegar até ela. Muitas vezes, esse resgate, caso ocorresse, seria uma violação de seu livre arbítrio. 

Se a alma ainda deseja estar naquele nível, uma alma mais evoluída não poderia contrariar sua própria vontade, mesmo que ela esteja seguindo um caminho que lhe seja prejudicial. O mesmo ocorre na Terra, quando as pessoas decidem optar por seguir caminhos errados como o crime ou uma vida dissoluta. Cada um é senhor de suas ações e os anjos não podem interferir embora desejem. O estado após a morte é semelhante a um doente que está delirando com febre alta. Perde a lucidez e a capacidade de ver o que está à sua volta.


Quando uma alma não fica presa à Terra, qual será o seu destino?

O grau de densidade de seu corpo etérico diminui, conforme ela vai se desvinculando de sua existência física. 

Os resíduos de materialidade do seu antigo corpo físico vão se dissolvendo, e ela aceita sua nova condição vibratória. 

Ela deixa para trás sua última vida, sem apego, assimilando as lições que necessita, revendo seus erros e compreendendo o que precisa fazer para melhorar-se. 

Conforme o tempo vai passando, seus níveis de maior densidade e materialidade vão sendo dissipados. Ela vai descartando os envoltórios menos pesados e adquirindo outros mais sutis. Muitas tendências grosseiras vão sendo depostas na matéria primordial de seu nível, e isso a permite ascender a planos mais sutis.

É correta a visão de algumas correntes esotéricas de que, após a morte, a alma vai ascendendo do corpo físico ao corpo etérico, do etérico ao astral, e do astral ao corpo mental?

Sim, é uma boa concepção, já que existem padrões de vibração diferentes para cada corpo, e nisso estão representados os corpos etérico, astral e mental. Porém, para efeito de melhor compreensão e simplificação, a ideia geral é essa: a alma vai sutilizando-se cada vez mais, desprendendo-se da matéria e dos resíduos de energias mais densas. Seus veículos mais próximos ao nível da matéria vão sendo descartados para que se torne possível a expressão de veículos mais sutis.

Tendo em vista essas considerações, podemos concluir que os contos e estórias sobre obsessões e possessões são reais, e não mera fantasia?

Sim, são reais e podem estimular a formação de diversos males ao ser humano.

Podeis nos dar exemplos desses males causados pela ligação psíquica entre as almas presas a Terra e os encarnados?


É muito comum se falar em "encostos". Algumas igrejas até possuem um dia específico para a "retirada de encostos". 
É sobre esse assunto místico que hoje nos propomos falar, na tentativa de retirar o caráter misterioso e mágico sobre o tema.
Desde épocas remotas se fala em possessão demoníaca (os demônios, diziam, têm o poder de entrar no corpo do indivíduo e possuí-lo, governando-o).
Obsessão é o império, o comando de um espírito sobre um indivíduo.
A obsessão existe, basicamente, em três espécies:
 

Obsessão simples: o espírito obsessor se acopla psiquicamente na pessoa e lhe transmite seus pensamentos, seus sentimentos, seus desejos, etc. É a mais comum. 
Fascinação: o espírito obsessor como que hipnotiza o obsediado, os pensamentos negativos do espírito obsessor exercem um domínio tão potente que é capaz de fazer a pessoa perder a noção do que é certo e do que é errado, perder a noção de quem ela é, de quais suas prioridades. 
Subjugação: é a possessão, o espírito obsessor domina completamente a mente do obsediado, que tem movimentos involuntários, o espírito o comanda, como uma marionete. 

Existe um mecanismo que facilita ou até faculta a obsessão de um espírito vingativo sobre um ser humano. Trata-se da culpa que eventualmente aquele ser humano carregue dentro de si mesmo que inconscientemente. 
Pode dar-se que em vidas passadas esse ser humano que hoje está encarnado, tenha prejudicado demasiadamente um espírito que sofreu muito por isso e esse espírito encontra-se no mundo espiritual. Quando esse espírito que normalmente está em estado de sofrimento descobre o motivo do seu ódio o espírito que o prejudicou, tendo em vista que o ódio é um sentimento de baixa vibração que o impede de ascender a planos mais elevados, passa a exercer sobre esse espírito encarnado uma obsessão, que se torna possível devido ao sentimento de culpa daquele que é o alvo da obsessão. 
Eles existem pode acreditar!, Encostos são bem reais e vivos muito vivos, digo sem sombra de duvida que todas as pessoas exceto os encostos é claro possuem um ou na pior das hipóteses mais encostos em sua vida, se apoiando em você com intuito de sorver o máximo de benefícios de seus hospedeiros, isso mesmo "hospedeiros", pois eles são parasitas da pior especie.

Os encostos são imprestáveis em sua maioria, e só exitem para atrasar e prejudicar a vida dos outros, e essas criaturas são quase que sobrenaturais, pois minam a força vital dos hospedeiros que podem ser quem você menos espera. Um filho, um irmão, um primo, um amigo, etc porque as possibilidades são grandes.

Ou seja eles estão em todos os lugares sempre buscando vida mainça mesclada com benefícios. Ao que parece o lema deles é, "venha a nós, e nosso reino". Que nosso reino?", ou trabalhe por mim, pois quero tudo fácil ,sombra e água fresca".

Por isso caro leitor a dica que lhes dou é que você deve identificar esses encostos parasitas fazendo o possível para cortar tais vínculos com eles, deixando-os a míngua de suas próprias necessidades e capacidades.

A forma de cortar vínculos com essas entidades é a espiritualização, a oração, e a vigília constante dos pensamentos. Exemplo: você pode identificar pensamentos que sejam seus ou não. Se você passa por um lugar em que existe algo que possa ser roubado e lhe vêm um pensamento de roubar aquele objeto, se esse pensamento lhe causa repulsa, ele não é seu. É sugerido. Na mesma hora faça uma oração por esse espírito que lhe está sugerindo tal ato, e peça a Jesus para orienta-lo. Isso provoca no espírito meio que um choque vibratório e ele se afasta de você. Provavelmente nunca mais irá querer se aproximar, a menos que esteja muito determinado, mas depois de alguns choques irá querer é distância de você.

Evite se aborrecer. As vezes esses espíritos procuram criar situações que nos irritem, que nos tirem do sério. Nesses estados somos invariavelmente susceptíveis às suas sugestões. Quando se ver nessa situação, pare um pouco, faça uma prece. Verá que tudo se resolverá e aquele espírito não irá encontrar ambiente para prosseguir na sua tentativa. Orações nos ligam a Deus e nos iluminam criando uma barreira de proteção contra o assédio de espíritos inferiores.
Muitas das vezes o indivíduo que é alvo da obsessão não tem consciência de sua culpa que está a nível inconsciente. A solução para isso é buscar vibrações positivas e superiores, fazendo caridade, buscando templos religiosos e unindo-se a Jesus. Espíritos enredados com sentimentos inferiores não conseguem permanecer em atmosferas positivas já que sua vibração é diferente. A luz não se mistura com as trevas. 
A dificuldade normalmente prende-se ao fato de que o indivíduo obsidiado compraz-se com a obsessão pois a nível inconsciente ele se considera culpado e aquilo traz conforto a uma consciência atormentada a nível inconsciente, e por isso ele recusa ajuda e se deixa possuir.
Em todos os casos, importante ressaltar, o espírito obsessor JAMAIS entra no corpo da pessoa obsediada. O comando é feito de espírito para espírito, ou seja, é o espírito obsessor que se liga energeticamente ao espírito do encarnado e assim exerce seu domínio. 
A grande questão é entendermos como essa ligação energética surge, de modo que possamos evitá-la. 
Em tal ligação, é como se nós criássemos uma tomada e o obsessor o plug, se ligando ao nosso psiquismo. Essa "tomada" é por nós criada por meio de pensamentos e sentimentos ruins, de pessimismo, de ódio, de rancor, de medo, e similares. 
Levando-se em conta o nosso atual estado de espíritos imperfeitos, espíritos com um passado tortuoso (em outras reencarnações), onde fizemos muitos inimigos por conta dos nossos atos egoístas, fica claro o quanto estamos vulneráveis a recebermos influências de espíritos menos dignos. 
Jesus já advertia: "Vigiai e orai", exortando-nos a vigiar os pensamentos, pois que são os pensamentos ruins que atraem a companhia espiritual correspondente. E a oração, dentre outros benefícios, higieniza nossos pensamentos, nos coloca em ligação com o Mais Alto. 
Nossos pensamentos nada mais são que manifestações do que sentimos, dos nossos sentimentos, uma pessoa de sentimentos nobres, terá pensamentos nobres, e o inverso também é verdadeiro. 
Daí a caridade - como meio de mudança íntima, de melhorar a nós mesmos do ponto de vista moral -, ser o mais eficaz remédio e também vacina contra a obsessão. 
A verdade é que podemos considerar como obsessão o império constante de um espírito ruim sobre uma pessoa, o que é algo não tão comum. No entanto, na Terra, ninguém está isento de receber, vez ou outra, as influências negativas de mentes desencarnadas que, por nossa invigilância - e também pelo nosso natural atraso moral, característica comum do ser humano terrestre -, encontram a brecha necessária para a perturbação, que eles operam por vingança (por conta de fatos ocorridos em vidas passadas), por inveja, por quererem se prender aos vícios materiais, por ignorância, etc. 
Pensamento é energia que se propaga. Somos influenciados por pensamentos dos desencarnados e também dos encarnados, numa constância que o vulgo nem imagina. Se oferecemos campo correlato - ou seja, se pensamos mais ou menos naquele nível e com aquelas espécies de pensamentos -, tal energia que a nós se achega, nos impregnará, causando alguns transtornos emocionais e até físicos. Isso, a nosso ver, seria o famoso "olho gordo". 
Em suma, devemos temer mais o que nós sentimos e consequentemente pensamos, vez que um coração nobre proporciona pensamentos sadios, fazendo com que a criatura fique imune as todas essas influências espirituais negativas e, ao contrário, se ligue aos bons espíritos e a Deus. 
Importante salientar, por fim, que em todos os casos qualquer espécie de amuleto, simpatia ou algum outro ato exterior parecido de nada valem, apenas a oração e a mudança de atitude mental por meio da reforma íntima - que se opera de maneira mais eficaz através da prática do bem e da caridade -, são capazes de verdadeiramente nos livrar dessas influências negativas.

As repercussões desse processo são bem numerosas, mas podemos citar os prejuízos mais gerais:

  • Sintomas físicos: doenças, dores, mal estar, náusea, dor na nuca, enjôo, arrepios, tontura, cansaço excessivo, estafa.

  • Problemas mentais: problemas de memória, desatenção, dissociação, falta de clareza, embotamento, parada do pensamento, confusão mental, ideias suicidas, despersonalização, pesadelos recorrentes, alucinações auditivas e visuais.

  • Descontrole emocional: ansiedade, angústia, medo, irritação, depressão, tristeza, choro sem causa aparente, impulsividade.

  • Inclinação às drogas: abuso de álcool, maconha, tabaco, drogas injetáveis, remédios.

  • Problemas com peso: Pelo estímulo à compulsão pela comida ou à perda de apetite, como obesidade, anorexia, bulimia.

Problemas de relacionamento: timidez, fobia social, introversão, dificuldade de comunicação.

Problemas sexuais: falta ou excesso de desejo sexual.

Fechamento dos caminhos: tudo parece dar errado, oportunidades não aparecem, dificuldade de expressar nosso potencial.

Para se livrar de tudo isso a solução é a espiritualização voltada para oração, vigiar os pensamentos de forma a se tornar sempre uma pessoa melhor, e a busca de uma religação com o Pai Deus por meio de Jesus. O trabalho de amor ao próximo também é uma forma efetiva de evitar influências prejudiciais.


Locais antigos que tem muitas histórias com certeza são frequentados por alguns espíritos que ainda estão presos à terra e que foram personagens das muitas histórias. Assim é o centro do Rio de Janeiro e é o caso também de outras metrópoles antigas.

Capital do Brasil por séculos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.