http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

JORNAIS QUE TEM INFORMAÇÃO REAL.

domingo, 12 de junho de 2016

Venda de ações pode abrir espaço para a privatização da Petrobrás, adverte Joel Rennó



O engenheiro Joel Rennó é hoje um dos mais experientes profissionais de sua área no país. Trabalhou sempre em grandes empresas e com grandes projetos, como na Companhia Paulista de Força e Luz, Telefunken e no Governo do Estado de São Paulo. Foi presidente da Companhia Vale do Rio Doce e, durante nove anos, comandou a maior empresa brasileira, a Petrobrás.


Inconformado com a orientação que o governo FHC pretendia dar à empresa, Joel Rennó pediu demissão do cargo no ano de 1999. Em entrevista exclusiva ao Correio da Cidadania, ele explicou por que a Petrobrás não deve ser vendida e advertiu que a venda das ações do capital votante da empresa, como fez o governo FHC, poderia representar o início de um processo de privatização. Leia a seguir os principais trechos da conversa.


Correio: A venda de cerca de 33% das ações do capital votante da Petrobrás, como FHC pretende fazer, significa a privatização da empresa?

Rennó: Não necessariamente, porque o governo ainda conservaria a maioria do capital votante. Mas, vendendo essas ações, se cria uma situação que favorece enormemente a privatização em um momento seguinte. Vendendo 33% das suas ações agora, o governo passa a deter 50% mais uma ação —o suficiente para assegurar-lhe o comando da companhia. Mas, de 50% mais uma ação a 50% menos uma ação, o intervalo é mínimo. O risco do "take over" por algum competidor torna-se enorme. Tudo passará a depender da honradez e da competência do novo comando da empresa.

Correio: Há necessidade de privatizar a Petrobrás?

Rennó: Absolutamente. A Petrobrás é uma empresa produtiva, lucrativa, que opera com grande economia de custos e padrões técnicos modernos, que investe pesadamente em pesquisa tecnológica e na formação de recursos humanos. Na classificação da revista especializada mais conceituada no mercado petrolífero, a "Petroleum Inteligence Weekly", a Petrobrás recebeu a sétima colocação entre as maiores empresas petrolíferas de capital aberto do mundo.

Correio: Muitos afirmam que o custo de produção do nosso petróleo é muito alto.

Rennó: De modo algum. O barril de petróleo produzido pela Petrobrás, tomando a média do que é produzido nos poços de terra e nos marítimos, custa US$ 13. O importado vem ao preço de US$ 11,50, mas, quando se adiciona o valor do frete, sobe aos mesmos treze dólares. O combustível fornecido pela Petrobrás ao consumidor brasileiro, operando com a tecnologia atual da empresa, é perfeitamente competitivo com o importado. Mas há um detalhe que os detratores da companhia não mencionam: os preços da Petrobrás são fixados em reais. Se tivermos que importar o petróleo que a Petrobrás consegue produzir a treze dólares, o impacto nas nossas divisas seria muito grande.

Correio: Se a Petrobrás continuar estatal, dará conta do recado de atender à demanda de uma economia que precisa crescer para poder oferecer um padrão de vida adequado a todos?

Rennó: Este ano a empresa atingirá uma produção de 1.300.000 barris/dia, o que atende a 75% do consumo nacional. Se os planos que deixei preparados forem executados, a produção chegará, no ano 2000, a 1.500.000 barris/dia, atendendo entre 80 e 85% da demanda.

Correio: Permanecendo estatal, a Petrobrás terá condições de acompanhar a evolução da tecnologia do setor petrolífero?

Rennó: A Petrobrás não apenas copia, como tem desenvolvido tecnologia própria. Quando comecei a trabalhar na empresa, ela ganhou um prêmio por ter conseguido extrair petróleo no mar a uma profundidade de 700 metros. Atualmente, estamos extraindo petróleo a 1.850 metros. Note-se: todo esse avanço tecnológico, que implica complexas pesquisas e experimentações no campo da resistência dos materiais a pressões elevadíssimas, foi conseguido com técnicos da empresa —por sinal, todos brasileiros. Gostaria de assinalar que esse desenvolvimento tecnológico não tem preço, porque se irradia por todo o país. A Petrobrás nunca se recusou a dialogar e a negociar com todas as companhias do mundo, nem a incorporar os conhecimentos que elas têm. Mas, quando percebemos que podíamos desenvolver esses conhecimentos por conta própria, o fizemos e vencemos, sozinhos.

Correio: Os brasileiros devem defender a Petrobrás?

Rennó: A Petrobrás é a "jóia mais valiosa da coroa" —uma empresa sem preço, sob qualquer ponto de vista. Um símbolo da capacidade do povo brasileiro. Precisamos preservá-la para o país.

Correio: Por que, então, há brasileiros que querem privatizá-la e entregá-la a capitais estrangeiros?

Rennó: Só me ocorre uma explicação: aquela que diferencia o neurótico do psicótico. O neurótico soma dois com dois e pensa que são cinco; o psicótico, sabe que são quatro, mas não se conforma...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.