http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

SOMOS TODOS CHAPECOENSES

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

DOENÇAS DA PROSTATA COMUNS NA MAIORIA DOS HOMENS E COMO PREVENIR


A próstata é uma glândula do tamanho aproximado de uma noz, localizada abaixo da bexiga e ao redor da uretra. Ela faz parte do aparelho reprodutor masculino e sua principal função é produzir o fluído seminal que compõe o sêmen e ajuda a transportar os espermatozóides durante a ejaculação.

Quando pensamos em problemas na próstata, a primeira doença que vem à cabeça é o câncer, grande preocupação do homem de meia idade – afinal, é o câncer masculino mais comum, com cerca de 90% de índice de cura quando descoberto no início. Porém, a próstata pode apresentar outras patologias que, apesar de não serem tão preocupantes, também precisam ser tratadas.


Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), aproximadamente 75% dos homens com 50 anos ou mais apresentam algum tipo de alteração na próstata. Para homens com mais de 80 anos, a porcentagem sobe para 95%.

 Todas essas doenças têm como principal sintoma a dificuldade para urinar, já que a glândula fica ao redor da uretra e, ao aumentar de tamanho, comprime-a.

Confira quais são as duas patologias prostáticas mais comuns, além do tão falado câncer:

PROSTATITE

A prostatite é a inflamação ou infecção da próstata causada por bactérias e atinge cerca de 10% dos homens. Seus sintomas são dores na região perineal (entre o saco escrotal e o ânus), no abdômen inferior, no pênis ou nos testículos e também dor ao urinar.


Quando aguda, a prostatite causa febre, tremores, fraqueza, dificuldade para urinar e infecção urinária constante, com urina escura e de cheiro forte, muitas vezes com a presença de sangue. O diagóstico se dá por exames de urina e da secreção prostática e o tratamento é feito com antibióticos, anti-inflamatórios, banhos de assento e repouso.
Já a prostite crônica tem sintomas mais leves e a indicação de tratamento é com antibiótico prolongado.

HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA

Mais comum após os 40 anos, quando chega a atingir de 80% a 90% dos homens, a hiperplasia prostática beningna é, como o próprio nome diz, o crescimento benigno da próstata. Com este aumento, a glândula masculina passa a comprimir ou até obstruir a uretra, causando dificuldade para urinar e infecções urinárias frequentes.

Os sintomas mais comuns são jato de urina fraco e com interrupções, sensação de não ter esvaziado a bexiga completamente, gotejamento terminal, necessidade urgente de urinar, sangue na urina, dor ou ardor na micção, entre outros.

O diagnóstico é feito por exame clínico detalhado, apoiado por exames de sangue, urina e muitas vezes ultrassonografia.


O tratamento se dá de três formas, conforme a gravidade da hiperplasia e as condições gerais do paciente: acompanhamento, medicamento e cirurgia. A cirurgia é indicada para aproximadamente 10% dos casos e a mais comum é a Ressecção Transuretral da Próstata (RTUP), feita por via uretral. Porém, pacientes com próstata muio volumosa ou cálculos na bexiga muitas vezes precisam realizar a intervenção cirúrgica por meio de uma abertura feita na bexiga. Quanto aos medicamentos, os mais indicados são os inibidores das α5 Redutase, que levam à redução do tamanho da próstata, e os αBloqueadores, que causam o seu relaxamento.

Como os sintomas de todas as doenças de próstata envolvem dificuldades no trato urinário, somente um urologista pode dar o diagnóstico correto para o seu caso.

Como Diminuir os Níveis de Antígeno Prostático Específico (PSA)

Reduzindo naturalmente os níveis de PSAObtendo ajuda médica para diminuir os níveis de PSA

O Antígeno Específico da Próstata (PSA) é uma proteína produzida pelas células da glândula prostática. Exames de PSA medem o nível de tal proteína no sangue, com resultados normais sendo os abaixo de 4.0 ng/mL; sempre que os índices superarem esse valor, é necessário saber se há algum problema, já que pode haver câncer de próstata. Ainda assim, outros fatores podem elevar os níveis de PSA, como o aumento ou inflamação da próstata, infecção no trato urinário, ejaculação recente, consumo de testosterona, idade avançada e até mesmo andar de bicicleta. É possível reduzir os níveis de PSA naturalmente ou através de tratamento médico.


Evite alimentos que “ativem” níveis maiores de PSA. Alguns alimentos aparentemente afetam a glândula prostática negativamente, elevando o índice de PSA no sangue. Dietas ricas em laticínios (leite, queijo, iogurte) e gordura animal (carne, manteiga e toucinho) foram especificamente ligadas ao aumento de risco do tumor na próstata.

Portanto, adotar uma dieta saudável, com baixos níveis de gorduras saturadas e rica em legumes e frutas antioxidantes podem diminuir o risco de câncer de próstata e diminuir o índice de PSA.

Aparentemente, os laticínios “ativam” maiores níveis de um fator de crescimento semelhante à insulina, que foi conectado a níveis altos de PSA e ao mau estado da próstata.

Ao comer carne, opte pelos tipos pobres em gorduras, como peru e frango. Dietas com pouca gordura também podem estar ligadas à melhor saúde da próstata, reduzindo o risco da hiperplasia (aumento) do órgão.

Substitua peixe por carne com mais frequência. Peixes gordurosos (salmão, atum e arenque) são ricos em gorduras ômega-3, que foram vinculadas à diminuição de risco de câncer de próstata.

Jabuticabas e uvas – bem como legumes com folhas escuras – tendem a ter maiores níveis de antioxidantes, que evitam os efeitos nocivos da oxidação em tecidos, órgãos e glândulas (como a próstata).

Coma mais tomates. Os tomates são fontes ricas de licopeno, que é um carotenoide (pigmento da planta e antioxidante) que protege tecidos do estresse e permite que utilizam energia de forma mais eficaz. 

Dietas ricas em tomates e produtos derivados – como molhos e extratos de tomate – estão vinculados aos menores riscos de câncer de próstata, reduzindo os índices de PSA circulando no sangue. 

Aparentemente, o licopeno é mais biodisponível (mais fácil de ser absorvido e aproveitado pelo organismo) quando está presente em produtos processados, como o extrato de purê de tomate.

Algumas pesquisas indicam que mais licopeno pode ser biodisponível através de tomates picados cozidos com azeite dos que são preparados sem.

Apesar da principal fonte de licopeno advir de produtos derivados do tomate, outras fontes são: damasco, melancias e goiabas.

Se por alguma razão você não quiser ou puder comer tomates, é possível tomar um suplemento diário de 4 mg de licopeno para obter os benefícios que o composto fornece contra a produção de PSA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.