http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

NÃO SOMOS COMUNISTAS. SOMOS SOCIALISTAS DEMOCRÁTICOS.

A solução para os problemas da humanidade não está nos regimes mas nos homens. Se os homens forem bons independentemente de qual regime estejam, as sociedades encontrarão o equilíbrio.

Entretanto de todos os regimes políticos, o COMUNISMO totalitário, antidemocrático não serve ao homem mas apenas aos ditadores. É o que acontece na Coréia do Norte. Esse é o segundo pior de todos os regimes. O Pior é o do Estado Islâmico.

Entretanto não devemos deixar de dizer que o COMUNISMO TOTALITÁRIO não deve ser confundido com o SOCIALISMO DEMOCRÁTICO, porque o SOCIALISMO DEMOCRÁTICO é o melhor de todos os regimes. É o regime que reúne o melhor do Capitalismo à essência do verdadeiro objetivo comunista que é o homem. A seguir mostraremos o fracasso da idéia Comunista, e o êxito da solução SOCIALISTA DEMOCRÁTICA.

COMUNISMO: O "paraíso" da Coreia do Norte

A Coreia é uma península localizada no extremo leste, entre a Manchúria e no Japão, e está dividido entre dois estados: a Coreia do Norte e Coreia do Sul.


Nos tempos antigos, havia três reinos da península (chamados pelos historiadores como um "front"): Goguryeo, Baekje e Shilla.

O reino de Koguryo , teve vida de 37 a. C. até 668 d. C., e se estendia desde o sul da Manchúria à Coreia do Norte do norte e central

O reino de Baekje , por outro lado, existe desde 198 aC a 660 dC, eo site território ocupado na Coreia do sudoeste.

O reino chamado Shilla ou Silla , no período de 57 aC a 935 d. C, foi localizado no sul da península, e em 668 foi aliada com a China para conquistar os outros dois reinos, Baekje em 660e Goguryeo em 668 .

Depois destas conquistas do Reino de Silla (rebatizado de Unified Silla histórica) ocupou a maior parte da península coreana, em seguida, após cerca de 300 anos fragmentados em três pequenos estados adicionais, chamada Three Kingdoms traseiros:

Silla , Hubaekje (originado de Baekje, traseira), e Taebong , também conhecido comoHugoguryeo (derivado de Goguryeo, traseira) e submetidos à dinastia de Koryo em 935 .

Em 936 o controle dos Três Reinos foi tomado por Wang Geon proclamou o Reino de Goryeo , encerrando o período dos Três Reinos traseira.

Em 1897 veio o império coreano sob o rei Gojong até 1910, quando o país foi conquistado pelos japoneses.

No final da II Guerra Mundial, em 1945, a península coreana foi dividida em duas áreas:

Norte território do paralelo 38, sob a influência e a ocupação soviética, e o território ao sul do paralelo 38, sob a influência e a ocupação americana.

Em 1948, nasceu a República Democrática da Coreia ( RPDC ) e da República da Coreia ( Coreia do Sul ) com diferentes governos e sistemas políticos hostis entre si:




A Coreia do Norte tornou-se uma ditadura comunista e pró-chineses com capital emPyongyang , presidido por Kim Il - SUNG , enquanto a Coreia do Sul tornou-se uma democracia capitalista pró-EUA com capital em Seul , liderado por Syngman Rhee .

Em 1950, a Coreia do Norte impôs a sua vontade de estender " para o bem do povo " sua área de influência e fê-lo militarmente invadindo os territórios da Coreia do Sul.

A Coreia do Norte foi imediatamente visto como o estado comunista mais fechado do mundo, e, portanto, foi apelidado de " Reino Eremita ".

A guerra, que começou em 1950 e continuou até 1953, causada bem 2.800.000 vítimas, metade deles civis, e provocou uma das fases mais agudas e perigosas da chamada " Guerra Fria ", o risco resultante de um conflito nuclear.

Os Estados Unidos, juntamente com 17 outros países, intervieram militarmente em um mandato da ONU para derrubar o governo norte-coreano e libertar a Coreia do Sul.

Kim, o ditador comunista norte-coreano, já tinha lutado com os guerrilheiros comunistas chineses para lutar contra as tropas japonesas de ocupação na Manchúria, e tinha seguido os cursos de doutrinação política comunistas e militares para Khabarovsk, na União Soviética, de modo que em trinta anos tinha ele assumiu a posição de capitão do Exército vermelho.

Ele voltou para a Coréia em 1946, onde foi imediatamente nomeado pelas forças de ocupação soviéticas "Cabeça do Comité Popular do Provisória", porque o Partido Comunista coreano tinha a sua sede em Seul, o território ocupação norte-americana.

Mais tarde, ele se tornou primeiro-ministro da República Democrática da Coreia recém-formado Popular (RPDC).

Kim preparou o ataque traiçoeiro sobre a Coreia do Sul bem à frente, concentrando tropas na fronteira e fazer exercícios ocultos para preparar as tropas para a invasão.

Na noite de 25 de junho de 1950, aproximadamente 120 mil soldados norte-coreanos cruzaram a fronteira sem aviso prévio com a Coreia do Sul, e ocuparam a cidade de Seoul.

Depois de três anos de guerra e perda de vidas no conflito chegou ao fim, graças ao fato de que a União Soviética, em contraste com Mao Tse Tung negou a ajuda militar norte-coreano solicitado.

Paz, no entanto, não impediu que as intenções ditatoriais da comunista Coréia, que ainda continua a subjugar os povos sob imposições rigorosas de maoísta e stalinista.


      Kim Jong Il
Galopante no país os " expurgos " repressivas, seguido de sentenças à pena de morte, alcançando o número de 90.000 vítimas .

São organizadas inúmeras prisões e campos de detenção etrabalho forçado para os criminosos comuns, as áreas de deportação para as famílias, e as áreas ditadura especial para os presos políticos.

Os prisioneiros sofrem torturas e abusos de todos os tipos, e são forçados a trabalhar a partir de cinco da manhã até meia-noite, continuamente sujeitos à brutalidade e ferocidade.

Os nascimentos de crianças em detenção são punidos com o abate do recém-nascido.

A dinastia KIM escraviza a população coreana nas garras de ferro do terror comunista, começando com Kim Il-sung (1972/1994), e continuando com KIM JONG-IL (1994/2011), para obter-se atualizado sobre Kim Jong-un, busque saber sobre seus crimes contra a humanidade, massacrando seu próprio povo, como foi confirmado por histórias de sobreviventes.


As histórias falam de corpos espremidos para extrair a gordura e a cremação dos ossos permanecem, além de gritos desumanas das celas de tortura, cabelo ensanguentado colados à parede, instrumentos de tortura aplicada aos órgãos genitais de prisioneiros infelizes e de execuções e mortes provocadas muito lentamente com o propósito de prolongar a agonia das vítimas.

As mulheres também não escapam a ferocidade Comunista, e fala de seus seios rasgados em golpes de faca, os órgãos genitais esmagados com o cabo de uma pá, cães treinados para rasgar os seres humanos, dos quais ficam apenas o esqueleto.

Mesmo as pessoas mais velhas são torturados e mortas, assim como os meninos, como inimigos da revolução comunista, num paroxismo de fúria sádica e perversa que desonra a toda a humanidade.

Esse regime parece-nos muito pior do que os campos de concentração Nazistas.

.
As vítimas dos campos de concentração da Coreia do Norte atingram o numero de um milhão e meio de individuos, enquanto fora dos campos, a chamada sociedade civil, padece uma total falta de quaisquer liberdades mínimas ou direitos.

As políticas econômicas fracassadas do regime comunista e a fome da população tem provocado um verdadeiro genocídio , com um número de vítimas estimadas em dois milhões , enquanto a Cruz Vermelha diz que 10.000 crianças morrem todos os meses de fome e desnutrição.

O horror do Estado que a Coreia do Norte impõe sobre a população inocente e indefesa é igual apenas a esse nefasto e sádico regime dos infames Khmer Vermelho Cambojano.
É também igual à estupidez criminosa daqueles regimes no Ocidente que louvam a " foice e o martelo ", com um punho cerrado levantado como um sinal de filiação no mundo comunista.

É também igual à idiotice culpada dessas massas estudantis manipuladas pela esquerda na Itália, nos anos '68 / '70, acenando com o "pequeno livro vermelho" de Mao , em um frenesi de condescendência macabra, durante as marchas e manifestações de rua organizadas pela esquerda.

Eles devem sentir em sua pele o que o povo coreano sofreu e continua a sofrer por causa da ditadura comunista.

Personagens como Cossutta, Bertinotti, Tolyatti, Alboresi, que pertencem ou pertenceram ao universo comunista devem trazer suas próprias famílias para viver no que deveria ser, de acordo com suas normas sociais e políticos, um verdadeiro paraíso na terra .

Eles podem muito bem experimentar a emoção da deportação para Laogai no molde chines, para iniciar a " reeducação através do trabalho " a que estão submetidos, pelo menos uma vez em suas vidas todos os Coreanos, ou a descobrir um dia em que os seus familiares tenham desaparecido, engolidos por um regime que nem sequer lhe diz o que aconteceu com eles.

A falsidade da organização comunista europeia é desprezível, como astuciosamente finge não saber que crimes realizam seus irmãos coreanos, tornando-nos cúmplices em todos os aspectos.

E 'também é proibido acessar a Internet, a fim de limitar qualquer indução a dissidência, enquanto a comunicação com o exterior via celular é considerado um dos crimes de espionagem e é punido com a prisão e detenção.

Centenas de milhares de pessoas estão sendo mantidos incomunicáveis e são torturados sem quaisquer acusações contra eles, se não o genérico "é formulado motivo de culpa por associação " que corresponde ao ser parentes ou amigos de pessoas que são impopulares com o regime comunista.

Kim Jong-un
O regime comunista norte-coreano tem forçosamente enviado 50.000 coreanos para outros países como a Líbia, Mongólia, Nigéria, Qatar e Rússia, como um pacote de trabalho escravo, supervisionado para serem explorados, embolsando os seus salários e forçando-os a trabalhar em turnos exaustivos.

O actual ditador norte-coreano Kim Jong-un , ao representar o papel da liderança comunista dos trabalhadores, tem, paradoxalmente, formação na Escola de Inglês de Berna na Suíça onde graduou-se duas vezes, tentando esconder sua verdadeira natureza, que o retrata sim como cruel e implacável, um amante do luxo desenfreado e violência gratuita, como mostrado pelas leis impostas ao seu próprio povo.

Sua megalomania levou-o a busca de um papel como o líder de uma potência nuclear, para a qual ele sempre incentiva a aumentar mais exercícios militares e corrida armamentista.

O terror ainda é a sua arma favorita, com a qual ele carrega todo povo norte-coreano sob tirania, da mesma forma que os marxistas-leninistas são mestres, com ferocidade e desrespeito pela vida humana.

O Comunismo, portanto, mais uma vez, é um exemplo de desrespeito pelos direitos mais básicos, como a liberdade e igualdade, e carrega vestígios de uma via de terror contra as pessoas, já testado nos regimes de Stalin, Mao e Fidel Castro .

Enquanto o Ocidente tende a fazer negócios com as superpotências comunistas, como a China, em vez de dar um sinal claro de condenação por violações dos direitos humanos nestes países, as massas planetárias são presa fácil dos apetites insaciáveis de hierarcas comunistas.

Cabe a nós lutar, porque eles não o fazem, opondo-se desde sempre a todo o caminho para o comunismo, boicotando seus produtos e seus bens, recusando qualquer abordagem amigável, condenando abertamente suas ações .. 

Espero que a ganância míope dos governos ocidentais não prevaleca sobre os ideais de liberdade que devem caracterizar o nosso estereótipo de civilização, e que imediatamente cessem o comércio com países comunistas, na verdade, impondo-lhes uma seqüência estrita de sanções de qualquer tipo. 
 
Ao não fazê-lo, vai tornar-nos mais do que estamos agora, seus cúmplices em todos os aspectos . 

A dissidência

O socialismo democrático demonstra ser o melhor regime

Ao contrário do que afirmam os porta-vozes da direita, o socialismo democrático não fracassou. O que malogrou foi o socialismo real de inspiração soviética, que terminou com a queda do Muro de Berlim. Não significou o “fim da história” propagado por Fukuyama, com a vitória definitiva do liberalismo econômico.

O socialismo democrático, tal como é praticado principalmente nos países escandinavos (Noruega, Dinamarca, Suécia e Finlândia), continua extremamente vigoroso e é representado pelo conjunto dos governos de natureza social democrática que vêm ocupando o poder nesses países, de forma não ininterrupta.

Os sistemas sociais dessas nações se caracterizam pelo fato de haver uma carga tributária extremamente elevada, girando em torno de 50 a 60% do PIB, mas, em compensação, os referidos Estados proporcionam a suas populações serviços públicos de qualidade, principalmente nas áreas de saúde, educação, previdência e assistência social, amparo aos idosos e outros benefícios.

Relativamente a esses países, diz-se que eles garantem o bem estar dos seus cidadãos do “berço ao túmulo”. São nações que, ainda nos anos 30 do século passado, concluíram que o capitalismo não era perfeito, e que apresentava deficiências, mormente no que concerne à injustiça da distribuição social da riqueza. Desta forma, as nações escandinavas estruturaram um regime avançado em termos políticos e sociais.

OBJETIVOS ALCANÇADOS

Por intermédio da social democracia e de um pacto entre os fatores capital e trabalho, este último representado pelos sindicatos, este regime proporcionou justiça social e desenvolvimento econômico para as populações. A evidência concreta e palpável de que essa modalidade de socialismo democrático deu certo, sob o ponto de vista econômico e social, é o fato de que esses países apresentam os melhores Índices de Desenvolvimento Humano do planeta, mensurados pela Organização das Nações Unidas (ONU) e que levam em conta indicadores tais como a expectativa de vida dos cidadãos, a taxa de escolaridade da população, a qualidade de vida e a renda per capita.

Na Europa Ocidental, a despeito da alternância no poder entre os sociais-democratas, trabalhistas e conservadores mais à direita em países como Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e Portugal, pode-se considerar que nesses países houve a instituição de sistemas de proteção social que atenuaram significativamente as distorções distributivas do capitalismo neoliberal, reduzindo as desigualdades sociais e contribuindo para o nivelamento e equilíbrio sociais desses países. Na Alemanha, o modelo de capitalismo com responsabilidade social foi denominado de “economia social de mercado”.

CONQUISTAS PERENES

Instituições relevantes, tais como o sistema nacional de saúde britânico, que nem Margaret Thatcher conseguiu privatizar, e a participação dos trabalhadores nos lucros das empresas, própria do capitalismo alemão, inclusive com intensa participação dos sindicatos, dentre os quais se destaca o IG Metall, foram conquistas importantes e perenes das quais a população europeia não abre mão.

Exceção nesse panorama são os Estados Unidos, no qual subsiste um capitalismo liberal que até pouco tempo atrás era extremamente desregulamentado, o que redundou na crise econômica de 2008. O presidente Barack Obama enfrentou sérias resistências para implantar o seguro social de saúde, conhecido como “Obamacare”, o qual ainda corre o risco de ser inviabilizado pelo Judiciário estadunidense, em virtude de ações judiciais movidas por grupos reacionários vinculados ao Partido Republicano.
Diante desse quadro, como dizer que o socialismo fracassou?

This entry was posted in Tribuna da Internet. Bookmark the permalink.

O futuro do socialismo democrático

As incertezas e as dificuldades do momento crescem em países como o Brasil, onde as estruturas políticas não permitem uma representatividade efetiva dos pobres e das minorias em geral.

Nas lutas operárias do século XIX, as raízes da social-democracia, que, mesmo depois da Primeira Guerra Mundial, manteve a agenda reformista e contribuiu ao nascimento do Estado do Bem-Estar Social


Há poucos dias participei de um debate com intelectuais, políticos sem exercício de mandato, ativistas sociais e membros de associações da sociedade civil das mais diversas partes do mundo. O objetivo era discutir que bandeiras poderiam unir os diversos movimentos que se consideram “progressistas” e como poderiam contribuir para a construção de um mundo mais justo e mais livre. 

Embora estivessem presentes personalidades de variadas proveniências, era claro que o pano de fundo da discussão, ainda que universalmente relevante, era o mal-estar dos partidos europeus ligados à tradição da social-democracia.

Aliás, o próprio termo “social-democracia” gerou alguma polêmica, já que, em certas regiões do mundo, especialmente na América do Sul, é um rótulo que foi apropriado por partidos de direita ou centro-direita. E não estou falando do velho PSD de Benedito Valadares, uma coalizão de interesses oligárquicos, com vagas pretensões industrializantes, formada quando da queda da ditadura de Getulio Vargas, que deveria originalmente chamar-se “Partido Democrático”.

Mas era o final da Segunda Guerra e a União Soviética emergira como uma das grandes vencedoras na luta contra o fascismo. A sabedoria (ou melhor: esperteza) política levou um dos líderes da nova formação a dizer: vamos botar “social” no nome; está na moda.

Refiro-me a versões mais modernas, como a que emergiu da dissidência do PMDB, que, mais que um partido, era uma grande frente democrática que englobava várias tendências. Assim, o PSDB, embora já demonstrasse inclinação pelo que se veio a denominar de “neoliberalismo”, pretendeu dar uma coloração política mais definida a uma das facções do conglomerado de forças que se juntaram para combater a ditadura. 

À sua esquerda já existia o Partido dos Trabalhadores, o que contribuiu para que os nossos sociais-democratas sequer buscassem um disfarce mais progressista.

Na Europa, entretanto, a social-democracia tem raízes históricas, que remontam às lutas operárias do século XIX. Mesmo tendo se afastado (sobretudo ao apoiar financiamento aos gastos militares na Primeira Guerra Mundial) de ideais internacionalistas, conservou uma agenda reformista, que ajudou a construir o Estado de Bem-Estar. E muitos (se não todos) sociais-democratas foram importantes aliados dos movimentos de descolonização e tentativas de emancipação econômica no Terceiro Mundo.

Mas, hoje, quais são as reais bandeiras da social-democracia? E que respostas dão aos desafios que atormentam muitos dos seus países, como terrorismo, desemprego, movimentos migratórios e questões ecológicas? Mais importante: a quem dirigem sua pregação por um mundo que não seja totalmente dominado pelo lucro fácil, pela exploração dos trabalhadores (nacionais ou migrantes), pelo tráfico de armas e pelo uso unilateral da força?

Curiosamente, durante o debate, a expressão “classe trabalhadora”, em torno da qual se estruturaram os movimentos sociais do século XIX, e que persistiu como um conceito organizador até décadas recentes, mal foi pronunciada. Assim, a busca pela construção do socialismo democrático (fórmula que prefiro à desgastada social-democracia) parece carecer não só de posicionamentos claros em torno dos temas já citados (e, mais, a situação da mulher, as mudanças climáticas, a governança democrática, o desarmamento e o comércio justo), mas de uma melhor definição sobre as “agências de transformação” da sociedade.

Serão essas agências os próprios partidos políticos, que passam a representar interesses difusos, não ligados a uma posição específica na estrutura econômica? Ou conjuntos ainda mais vagos, definidos em termos geracionais ou de comportamentos individuais? Sem dúvida, há muita perplexidade a respeito dessas questões. Estamos muito longe das convicções que levaram os socialistas dos dois últimos séculos a apostar no papel redentor do proletariado industrial.

Isso, naturalmente, não significa que inexista a percepção das injustiças criadas e reproduzidas pelo sistema capitalista, sobretudo em sua versão financeira e especulativa. Injustiças que se replicam no nível local, nacional e global. Mas como juntar todas essas vítimas da desigualdade, todos esses despossuídos, oprimidos ou abandonados: os refugiados (econômicos ou políticos), os trabalhadores submetidos a regime similar à escravidão, os que sofrem de discriminação de qualquer espécie?

Esse problema, complexo em si mesmo, torna-se mais grave em países como o Brasil, cujas estruturas políticas não permitem uma representatividade efetiva dos mais pobres, dos negros, das mulheres, das minorias, em geral. Se não é possível conceber hoje uma verdadeira democracia que não seja efetivamente “social”, tampouco se pode pensar em um socialismo que não tenha suas raízes na democracia.

É importante ter eleições, sem as quais qualquer governo carece de legitimidade. Mas é importante que as próprias eleições sejam legítimas, de modo que a “voz do povo” se faça ouvir e seja respeitada. O caminho para a democracia e o socialismo é longo, incerto e cheio de percalços. Mas é mister percorrê-lo, superando obstáculos e desmistificando falsas soluções, como as privatizações massivas, o congelamento das despesas em saúde e educação, o encolhimento do Estado e a renúncia à soberania. Para tanto, não basta o combate à corrupção, por importante que seja. É necessária uma profunda reforma das instituições políticas que diminua – ou se possível suprima – o peso do capital nas eleições. Ao lado de “Diretas Já” temos de gritar: “Constituinte exclusiva já!”

Olho: No brasil é indispensável a reforma política. hoje se recomenda gritar, ao lado de "diretas já", "constituinte exclusiva já".


Um comentário:

  1. Kim Jong-Un é o Ministro das Forças Armadas. O Primeiro-Ministro da Coreia no Norte chama-se Park Pong-Ju e o presidente do Presidium, o chefe de estado, é Kim Yong-Nam. Todos eles, repito, todos eles foram eleitos pelo povo. Assista ao seguinte vídeo copiando e colando o título no YouTube: North Korea report on 2014 Elections in English.

    ResponderExcluir

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES