http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

JORNAIS QUE TEM INFORMAÇÃO REAL.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

COMO É FEITA A INTERFERÊNCIA NORTE AMERICANA NA POLÍTICA BRASILEIRA.

Antes de mais nada estamos aqui parabenizando o canal Duplo Expresso pelas suas reportagens, debates e entrevistas, sempre muito interessantes esclarecedoras e verdadeiras. Recomendamos vivamente a todos que acompanhem esse canal que tem um link no alta da página direcionado para os canais que recomendamos.
Abaixo a chamada para o canal que é apresentado por dois amigos do Brasil que falam de Estocolmo na Suécia e de Zurique na Suiça. Falam do verdadeiro primeiro mundo, países com cunho Socialista. É interessante para se perceber o modo de pensar desse outro mundo.




As matérias do canal são sempre debates profundos e longos na maioria das vezes, mas pinçamos uma parte do debate realizado domingo dia 3 de junho de 2018, dada as revelações do Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães. Seria bom acompanhar para se verificar como se dá a interferência dos Estados Unidos no Brasil. Quais os interesses envolvidos e como eles interferem no nosso Judiciário, na nossa mídia etc...






INSTITUTO MILLENIUM - UM NOVO IPES/IBAD?

É o triunfo do arquiconservadorismo nacional. Naveguei pelo site, e vi basicamente uma duplicação desinspirada do que você já vê na grande mídia brasileira: as mesmas pessoas, os mesmos articulistas, as mesmas ideias, o mesmo nhenhenhém.

E a mesma desconexão com o mundo moderno.
Vejamos o que o Millennium tem a dizer sobre o tema mais importante da agenda dos líderes globais: a questão da desigualdade social.
Nada. Simplesmente nada. É como se isso não existisse no Brasil. A história está abarrotada de situações em que a extrema desigualdade levou ao caos social, ou a revoluções. Mas para o Millennium isto não é um problema brasileiro.

Vejamos.
A desigualdade é o tema de uma reportagem especial desta semana da excelente revista The Economist, conservadora como o Millennium – mas com a diferença de que é competente, lúcida e persuasiva na defesa de seu ideário.

A Economist afirma, com razão, que o movimento Ocupe Wall St trouxe a desigualdade para a mesa dos debates mundiais. Nos Estados Unidos, ela está no centro da campanha de Obama para derrotar Romney e ganhar uma nova temporada na Casa Branca.

Nos últimos 30 anos, escreve a Economist, uma “dramática” concentração de renda nos Estados Unidos remeteu a uma situação “parecida ou pior” do que a que marcou a infame “Gilded Age” do começo do século 20. Foi a era dos “barões ladrões”, como passaram para a história magnatas americanos como os Vanderbilts, e da miséria para a maior parte da sociedade.Biltmore, a casa de George Vanderbilt II com 250 quartos.


Foi um tempo de extravagâncias chocantes. George Vanderbilt II, por exemplo, ergueu ao longo de seis anos na Carolina do Norte a Biltmore, uma mansão de 250 quartos na qual trabalharam 1000 pedreiros. Passados cem anos, a casa de Bill Gates em Seattle não faz feio diante de Biltmore.

A fatia da riqueza nacional das 16 000 famílias mais ricas dos Estados Unidos – 0,01% — quadruplicou nas três últimas décadas. “A ampliação da desigualdade começa a preocupar até os plutocratas”, afirma Economist.

Não os nossos, aparentemente. Ou não, pelo menos, os agrupados no Millennium. Eles parecem ignorar que, quanto menos desigual uma sociedade, menores as chances de radicalismos ou extremismos florescerem.
A despeito dos avanços recentes, o Brasil tem uma iniquidade pavorosa. No mundo da economia, há uma medição para isso, o chamado Coeficiente Gini. Os países escandinavos, como sempre, são os que aparecem no topo dos lugares em que a distribuição de renda é boa.

O Brasil é um dos últimos colocados. Tem disputado com a África do Sul a duvidosa honra de ser o primeiro da relação dos iníquos.

Segundo números do Banco Mundial, os 20% mais ricos do Brasil concentram 43,3% da riqueza nacional. Os 20% mais pobres têm 2,9%.

O Millennium se bate por esse status quo. Brotam de lá as habituais ladadinhas em relação ao excesso de impostos do Brasil. Isso lembra a pregação cínica de Romney, um especialista em achar maneiras de evadir impostos – com o assim chamado planejamento fiscal, uma arte disseminada entre a plutocracia brasileira. (A Receita cobra na Justiça uma dívida de 2,6 bilhões de reais da Globo, presentíssima no Millennium pelo acionista João Roberto Marinho e mais os colunistas de sempre.)

O Millennium defende um mundo velho, feito de privilégios – e é por isso que não influencia e não comove os brasileiros.

OS ASSOCIADOS MANTENEDORES DIZEM DE PERTO A QUAL INTERESSES SERVE ESSE INSTITUTO.

Entre outros mantenedores e associados notáveis, o Imil possui as seguintes personalidades das cenas cultural, jornalística e empresarial do Brasil:[6]
Alexandre Schwartsman (ex-diretor de assuntos internacionais do Banco Central do Brasil)
Armínio Fraga (ex-presidente do Banco Central do Brasil)
Gustavo Franco (ex-presidente do Banco Central do Brasil)
Ives Gandra (jurista e advogado)
Judith Brito (diretora superintendente do Grupo Folha)
Nelson Sirotsky (presidente do Grupo RBS)
Pedro Bial (ex-apresentador do Big Brother Brasil)
Ricardo Diniz (vice-presidente do Bank of America Merrill Lynch Brasil)
William Ling (Instituto Ling)

O falecido Roberto Civita, presidente do Grupo Abril, também foi um dos conselheiros do Instituto Millenium.[21]

Entre os membros "convidados", incluem-se:[22]

José Piñera, ex-Ministro da Previdência do Chile (governo Pinochet)


Entre os membros da categoria "especialistas", estão:[23]
Jorge Maranhão, jornalista da rede Globo
Marco Antonio Rocha, jornalista de O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.