http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

terça-feira, 18 de março de 2008

UMA NOVA GRANDE DEPRESSÃO????

Após a segunda guerra Mundial com as potências Européias esfaceladas e o mundo dividido entra as novas duas super potências que surgiram, os Estados Unidos da América impuseram uma nova ordem econômica mundial.
Essa nova ordem econômica estabelecia que o Dólar passaria a ser a moeda de transação internacional. Tal pacto entre as nações ficou estabelecido no Acordo de BRETTON WOODS. Foi a REORDENAÇÃO ECONÔMICA DO MUNDO.

A reordenação econômica:
No plano econômico, foi realizada nos EUA a conferência de Bretton Woods em 1944, onde a potência norte-americana se valendo do fato de ter acumulado com o conflito cerca de metade da riqueza mundial impôs as regras do jogo. As principais medidas tomadas na conferência foram: a criação do padrão monetário dólar-ouro, em substituição do padrão ouro, vigente até aquele momento, e a criação de organismos internacionais importantes como Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), conhecido também como Banco Mundial, e do Fundo Monetário Internacional (FMI), ambos com sede em Washington nos EUA o que já demonstra a influência dos EUA nesses organismos.

Essas medidas visavam a reconstrução da economia mundial capitalista, mas com o acirramento da Guerra Fria, para garantir o sucesso da doutrina Trumman, os EUA lançou em 1947 o plano Marshall, a fim de reconstruir os países europeus destruídos pela guerra, e o Plano Colombo, na década de 50 para estimular o desenvolvimento dos países do sul e sudeste asiático.

Por sua vez a URSS criou o COMECON (Conselho de assistência Econômica Mútua), organização que tinha por objetivo estimular o desenvolvimento dos países socialistas aliados da URSS, através de ajuda dada por esse país, como o que aconteceu com CUBA.
Com a criação do BANCO mundial e do Fundo Monetário Internacional, os Estados Unidos passariam práticamente a adotar uma doutrina econômica que visava garantir a HEGEMONIA NORTE AMERICANA sobre o mundo.
Os Bancos Americanos passaram a oferecer empréstimos em Dólares aos países como o Brasil com elevado potencial para desenvolvimento, objetivando o endividamento desses países e posteriormente o seu necessário atrelamento à políticas ditadas pelo Banco Mundial e o FMI.
O Banco Mundial empresta àqueles países que ficam atrelados às suas orientações e às políticas de Washington. Os Bancos comerciais só rolam dívidas e emprestam àqueles que tem o aval dessas instituições.
No fundo tudo é um CLUBE. O CLUBE dos países capitalistas. Quem não está do lado deles e subserviente a eles está fora e portanto inviavel economicamente pois tudo fica entrelaçado dentro de uma rede intrincada de relações comerciais que dependem do aval dos principais organismos reguladores da economia Mundial.
Na verdade a economia Americana a muito está falida e só espera o momento de outra grande depressão. Será essa a hora?

AÇÕES DE BERNANKE NÃO DEVEM BASTAR PARA FREAR CRISE

Fonte:Paul Krugman (economista) Extraído do jornal `Folha de S.Paulo` de 15.03.08

Há quatro anos, um economista acadêmico chamado Ben Bernanke co-escreveu artigo técnico que poderia ter sido intitulado `Coisas que o Federal Reserve Poderia Tentar se Estivesse Em Desespero` -embora isso não fosse evidenciado por seu título real: `Alternativas de Política Monetária no Rumo Zero -Uma Pesquisa Empírica`.
Hoje, o Fed está desesperado de fato, e Ben Bernanke, na condição de seu presidente, está adotando algumas das sugestões do artigo. Infelizmente, porém, as ações do Fed de Bernanke -apesar de inéditas em seu alcance- provavelmente não bastarão para frear a espiral descendente da economia.
E, se meu palpite estiver correto, existe outra implicação disso: a economia desagradável da crise financeira não vai demorar a ter efeitos políticos também desagradáveis. Para compreender o que está acontecendo, é preciso saber um pouco sobre como a política monetária geralmente opera.
O poder econômico do Federal Reserve se baseia no fato de ele ser a única instituição autorizada a aumentar a chamada `base monetária`: folhas de papel verde portando retratos de presidentes mortos, somadas a depósitos que bancos privados mantêm no Fed e podem converter em papel verde a seu bel-prazer.
Quando o Fed fica preocupado com o estado da economia, reage, basicamente, imprimindo mais papel verde e usando-o para comprar títulos de dívidas de bancos.
Os bancos, então, usam o papel verde para conceder mais empréstimos, o que leva empresas e famílias a gastar mais, e a economia, a se expandir.
Esse processo pode ser quase mágico em seus efeitos: um comitê em Washington passa algumas instruções técnicas a uma corretora de negócios em Nova York, e, de uma hora para outra, a economia gera milhões de empregos.
Às vezes, porém, a mágica não funciona. E agora está sendo uma dessas vezes. Hoje em dia, é raro que uma semana passe sem recebermos a notícia de mais um desastre financeiro.
Parte disso é inevitável: não há nada que Bernanke possa ou deva fazer para impedir as pessoas que apostaram na alta eterna dos preços dos imóveis residenciais de perderem dinheiro.
Mas o Fed está tentando conter os prejuízos decorrentes do colapso da bolha imobiliária, impedindo-a de provocar uma recessão profunda ou de destruir mercados financeiros que nada tinham a ver com o setor imobiliário residencial.
Imprimir papel verdeAssim, Bernanke e seus colegas vêm fazendo o de costume: imprimir papel verde e usá-lo para comprar títulos de dívida.
Infelizmente, essa política não vem tendo muito efeito sobre as coisas que importam. Os juros sobre os títulos de dívida governamentais diminuíram -mas o caos financeiro faz com que os bancos não se disponham a assumir riscos, e está ficando mais difícil, e não mais fácil, para empresas contraírem empréstimos.
Como resultado, é quase certo que a tentativa do Fed de evitar a recessão tenha fracassado. E cada nova informação econômica -como a notícia de que as vendas no varejo caíram no mês passado- intensifica o medo de que a recessão seja profunda e prolongada.
Agora, então, o Federal Reserve adota uma das opções sugeridas no artigo de 2004, sobre coisas a fazer quando a política monetária convencional não estiver surtindo efeito.
Em lugar de seguir sua prática usual de comprar só dívida segura do governo americano, o BC norte-americano anunciou nesta semana que vai verter US$ 400 bilhões -quase metade das reservas disponíveis- em outras coisas, incluindo títulos de dívida garantidos -sim, é isso mesmo- por hipotecas residenciais. A esperança é que isso estabilize os mercados e ponha fim ao pânico.
Oficialmente o Federal Reserve não vai comprar diretamente os títulos lastreados por hipotecas -vai apenas aceitá-los como caução, em troca de empréstimos. Mas não há dúvida de que está assumindo algum risco com hipotecas. Será isso um socorro para os bancos, até certo ponto? Sim.
Mesmo assim, não é isso o que me preocupa. O que me preocupa é que, apesar da escala extraordinária da ação de Bernanke -que eu saiba, nenhum outro banco central de país adiantado já se expôs a tanto risco de mercado-, o Fed ainda não conseguirá controlar a economia.
A razão disso é que US$ 400 bilhões soam como muito dinheiro, mas ainda é pouco em vista das dimensões do problema.
De fato, os primeiros retornos sobre os mercados de crédito vêm sendo decepcionantes. Os indicadores de estresse financeiro, como o `TED spread` (não queira saber o que é), estão um pouco melhores do que estavam antes do anúncio do Fed mas não muito, e as coisas ainda estão muito longe de terem voltado ao normal.
Alternativa E se essa iniciativa fracassar? Tenho certeza de que Bernanke e seus colegas estão freneticamente ocupados estudando outras ações que poderiam adotar, mas há um limite ao que o Federal Reserve cujos recursos são limitados e cujo mandato não se estende ao resgate de todo o sistema financeiro pode fazer quando confrontado com o que, cada vez mais, está se configurando como uma das grandes crises financeiras da história. Caberá aos políticos decidir os próximos passos.
Houve tempo em que eu pensava que os maiores problemas que o próximo presidente enfrentaria seriam como sair do Iraque e o que fazer em relação à saúde. Nesse ponto, porém, desconfio de que o maior problema da próxima administração será decidir que partes do sistema financeiro socorrer, como pagar as contas para fazer a faxina da confusão criada e como explicar suas ações a um público enfurecido.

Um comentário:

  1. Muito bom artigo. Didático, claro sem abusar do "economês", o que facilita a nós leigos a compreensão da crise que parece inevitável. É apenas questão de tempo.
    Até eu consegui entender.

    ResponderExcluir

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES