http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

quinta-feira, 9 de julho de 2009

A GRANDEZA DE DEUS

Sem ele nada do que foi feito se fez. Dizem as sábias palavras bíblicas. Mas antes o homem pensou que a Terra e toda a sua grandeza era toda a obra da criação de Deus. Imaginou que as estrelas foram criadas para iluminar a nossa noite.



Entretanto a Terra não é o centro do Universo conforme o homem pensou por milênios. E hoje percebendo a grandeza do Universo que vai além do que a nossa vista consegue alcansar, percebemos que a Terra e toda a sua grandeza é um "NADA" perante a imensidão do UNIVERSO.



Hoje com o Telescópio Hubble sabemos que o Universo é cada vez maior e se estende para além do que as potentes lentes do Hubble podem alcançar ou do que as sondas possam sonhar em viajar.




  • A IMPORTÂNCIA DO HUBBLE
    A grande importância do Telescópio Espacial Hubble (nome dado em homenagem ao astrônomo norte-americano Edwin Powell Hubble que viveu de 1889 a 1953) está no fato de ele estar colocado no espaço, fora da atmosfera da Terra. A luz dos astros para chegar a ele não precisa passar por nossa atmosfera. Toda informação que obtemos de um astro está na luz que vem deles. A atmosfera sempre "some" com parte dessa informação e é por isso que os observatórios astronômicos profissionais sempre são construídos em locais bem altos. Mesmo assim um telescópio "de solo" somente conseguirá momentaneamente uma resolução de imagem superior a 1,0 segundo de arco, isso em condições atmosféricas extremamente adequadas à observação. Com essa resolução somos capazes de ver uma bola de futebol a 51,5 km de distância. A resolução do Hubble é cerca de 10 vezes melhor, ou seja, de 0,1 segundo de arco. Com essa resolução e com a ajuda de técnicas de reduções fotográficas feitas por computador, podemos distinguir separadamente objetos suficientemente brilhantes a até menos de dois metros de distância um do outro, como os dois faróis de um carro que estivesse na Lua.
    COMO É O HUBBLE
    A "potência" de um telescópio está na quantidade de luz que ele pode receber instantaneamente de um objeto. Quanto maior o diâmetro de um telescópio, maior a sua "potência". O Hubble é um telescópio refletor (seu elemento óptico principal é um espelho) com 2,40 metros de diâmetro. Se fosse um telescópio de solo ele seria considerado de porte médio. (Os 2 maiores telescópios do mundo estão no observatório de Mauna Kea no Havaí e têm 10 metros de diâmetro cada. Existem 28 telescópios maiores que o Hubble, espalhados pelo mundo, em funcionamento.) Mais que um telescópio, o Hubble é um verdadeiro observatório espacial, contendo instrumentação necessária a vários tipos de observação. (Contém 3 câmeras, 1 detector astrométrico e 2 espectrógrafos). Além de fotografar os objetos e medir com grande precisão suas posições, o Hubble é capaz de "dissecar" em detalhes a luz que vem deles. O Hubble está em uma órbita baixa, a 600 km da superfície da Terra e gasta apenas 95 minutos para dar uma volta completa em torno de nosso planeta. A energia necessária para o seu funcionamento é coletada por 2 painéis solares de 2,4 x 12,1 metros cada. A sua massa é de 11.600 kg.
    O HUBBLE TEVE QUE USAR ÓCULOS
    Colocado em órbita em abril/90, logo em seguida foi detetado um grave defeito em sua óptica. O Hubble não era capaz de focar os objetos, principalmente os mais fracos, com a precisão planejada e desejada. Esse defeito foi "diagnosticado" como aberração esférica; uma distorção óptica causada por uma forma incorreta de seu espelho principal. Perto das bordas a curvatura desse espelho estava menor que deveria por uma quantidade cerca de 1/50 da espessura de um fio de cabelo humano. Trocar o espelho seria algo caro e difícil. A solução adotada foi a de projetar uma óptica corretiva para seus instrumentos. Essa óptica foi instalada com grande sucesso em dezembro/93.
    OBJETIVOS
    Os objetivos do Hubble podem ser resumidos como sendo: Investigar corpos celestes pelo estudo de suas composições, características físicas e dinâmica; Observar a estrutura de estrelas e galáxias e estudar suas formação e evolução; Estudar a história e evolução do universo. Para atingir seus objetivos a pesquisa do Hubble é dividida em Galáxias e Aglomerados; Meio Interestelar; Quasares
    e Núcleos Ativos de Galáxias; Astrofísica Estelar; Populações Estelares e Sistema Solar.
Se o homem conseguisse viajar na velocidade da luz, nem assim conseguiria atingir os limites da Via Lactea, e o que dirá do Universo em mais de mil anos viajando a essa velocidade. Por outro lado existem milhões de VIAS semelhantes à Via Láctea detectadas até onde nossa vista consegue alcansar, e tudo isso foi criado por DEUS, e DEUS tem contados os fios de cabelo de nossas cabeças, segundo disse Jesus. Ele nos conhece profundamente e nos ama profundamente.








Não conseguimos entende-lo. Está além de nossa capacidade, assim como não conseguimos entender o Infinito. Como entender uma coisa que jamais teve início e que nunca terá fim, porque é eterno nos dois sentidos.





Mas para que se tenh uma idéia do tamanho da obra divina, viaje comigo na velocidade da progressão geométrica até os confins do UNIVERSO, até onde a imaginação possa alcansar, a partir de um ponto no estado da Flórida.





Na verdade quando olhamos para o ceu e vemos as estrelas estamos contemplando o passado, porque a luz das estrelas nos mostram o que elas eram a vários anos luz atrás. A luz de algumas estrelas só chegam aos nosso olhos vários milenios depois. Se alguém que estivese do lado oposto conseguisse aumentar a imagem ao ponto de ver o que se passava em nosso planeta, hoje estaria provávelmente vendo o tempo de Jesus a dois mil anos atrás, portanto a imagem do passado está nesse momento viajando pelo universo.



Se alguém conseguisse se posicionar no lugar em que quisesse do universo provávelmente poderia ver todo o passado que viaja pelo universo.







Para que tenhamos a dimensão do universo iremos fazer uma digressão de um ponto caminhando em direção ao universo em progressão geométrica.

















Um ponto que vai se distanciando.




















A Via Láctea que aparece à medida que nos distanciamos desaparece na imensidão doUniverso.

Tudo isso é obra da inteligência Universal que é DEUS, coisa que não podemos alcansar.



























Aqui a Via Láctea pode ser vista e vai se distanciando até desaparecer ao longo de mais de 100 milhões de anos luz de distância daquele ponto original na Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES