http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

JORNAIS QUE TEM INFORMAÇÃO REAL.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

ROGER WALTERS - #ELENÃO








SE OS REVOLTADINHOS NÃO GOSTARAM EU RECOMENDO AOS MESMOS QUE SE RASGUEM TODOS. ROGER WALTERS É MACHO, ANTI FASCISTA. PARABÉNS. VÃO TODOS LAMBER SABÃO.

domingo, 14 de outubro de 2018

FAMOSOS QUE ADERIRAM AO #ELENÃO



Madonna, Cher, Diplo, Dua Lipa, Ellen Page e Alfonso Herrera estão entre as personalidades que aderiram à campanha #EleNão nas últimas semanas.


Cher, Ellen Page, Madonna e Alfonso Herrera: artistas internacionais que posicionaram contra Bolsonaro


Roger Waters, ex-Pink Floyd, causou controvérsia esta semana em São Paulo ao projetar no telão de seu show no Allianz Parque a hashtag da campanha popular #EleNão, contra a eleição do candidato Jair Bolsonaro (PSL). O cantor também incluiu o nome do presidenciável em uma lista de líderes políticos considerados protagonistas do chamado "neofascismo", tais como os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, a líder nacionalista francesa Marine Le Pen, e o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán.


O posicionamento de Waters contra o candidato, que disputará o segundo turno com Fernando Haddad (PT) no próximo dia 28 de outubro, pegou de surpresa alguns milhares de fãs. No entanto, ele não é nem de longe único entre artistas e celebridades internacionais. Nas últimas semanas, diversos expoentes do showbizz usaram as redes sociais para se manifestar contra Bolsonaro e alertar seus fãs brasileiros sobre o retrocesso que a figura do ex-capitão do Exército pode representar para o País.

Veja a seguir 15 personalidades do mundo do entretenimento que se posicionaram contra o candidato do PSL à Presidência.

Madonna

BEN STANSALL VIA GETTY IMAGES

Madonna se posicionou contra Bolsonaro por meio de seu perfil no Instagram. Usando a ferramenta Instagram Stories, a rainha do pop compartilhou uma imagem na qual aparecia com a boca vedada por uma fita com a inscrição freedom (liberdade). A hashtag #EleNão aparecia no topo da imagem junto com as frases: "Ele não vai nos desvalorizar. Ele não vai nos oprimir. Ele não vai nos calar". Além disso, era possível ler uma segunda hashtag: #endfascism (fim do fascismo).


Cher
BARCROFT MEDIA VIA GETTY IMAGES

Ícone da comunidade LGBT em todo o mundo – e estrela do filme Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo -, Cher aderiu à campanha contra Bolsonaro via Twitter. No fim de setembro, a diva pop replicou em seu perfil oficial uma mensagem de um fã clube brasileiro que dizia: "Triste que o Brasil está enfrentando o seu próprio Trump. Um candidato homofóbico e racista está liderando as campanhas. Significaria muito se todos nós pudéssemos compartilhar esse #EleNão para apoiar isso".


Diplo, produtor e DJ

DIMITRIOS KAMBOURIS VIA GETTY IMAGES



Parceiro de Anitta e Pabllo Vittar no hit Sua Cara, o dj e produtor norte-americano Diplo manifestou apoio à campanha #EleNão compartilhando em seu perfil oficial no Twitter uma imagem com a hashtag. O tweet acumula mais de 65 mil curtidas.


Dua Lipa, cantora

AXELLE/BAUER-GRIFFIN VIA GETTY IMAGES



Dua Lipa foi uma das primeiras celebridades internacionais a aderir a campanha #EleNão contra presidenciável Jair Bolsonaro. No Twitter, a cantora inglesa postou a hashtag acompanhada de um comentário de Peter Meiszner, editor do jornal The New York Times que compara o candidato do PSL a Donald Trump. "E você achava que Trump era ruim: 'ele disse que preferia que seu filho morresse a ser gay. E, na frente das câmeras, ele disse a uma congressista que não a estupraria porque ela é feia'. O Brasil flerta com um retorno aos dias sombrios", consta no tweet.


Antoni Porowski, integrante do Queer Eye

EMMA MCINTYRE VIA GETTY IMAGES



Integrante do programa da Netflix Queer Eye, o chef Antoni Porowski compartilhou em seu Twitter a hashtag #EleNão acompanhada das palavras de incentivo: "Permaneçam fortes, Brasil".


Stephen Fry, escritor, comediante e cineasta

JACK TAYLOR VIA GETTY IMAGES



Stephen Fry entrevistou Bolsonaro há 5 anos para seu documentário Out There, que trata sobre o avanço da homofobia no mundo. A produção foi exibida pela BBC, no Reino Unido. Em declarações à imprensa, o cineasta descreve o encontro como um dos "mais sinistros" que já teve com um ser humano. Em setembro passado, antes do primeiro turno das eleições, Fry enviou um depoimento em vídeo ao BuzzFeed News Brasil no qual se posiciona mais uma vez contra o presidenciável. "As declarações dele, o discurso que usa contra negros, mulheres e claro a comunidade LGBTQ em particular é genuinamente aterrorizante", disse Fry. "E vai resultar em mais cabeças quebradas nas calçadas, mais sangue derramado, mais mortes, mais infelicidade, menos aceitação, mais pais chorando. E isso não pode estar certo."


Dan Reynolds, vocalista da banda Imagine Dragons
ETHAN MILLER VIA GETTY IMAGES

Dan Reynolds e sua banda Imagine Dragons foram uma das principais atrações do Lollapalooza Brasil, realizado em São Paulo no início do ano. Em setembro, o músico se posicionou contra Bolsonaro compartilhando no Twitter um artigo do jornal The New York Times sobre o candidato do PSL junto com o comentário: "Isso não representa o Brasil que eu conheço e amo". Dias depois, Reynolds usou uma camiseta com os dizeres da campanha #EleNão nos bastidores do festival de música iHeartRadio, realizado em Las Vegas, nos Estados Unidos.


Ellen Page, atriz, diretora e produtora

RICH POLK VIA GETTY IMAGES



A atriz e ativista Ellen Page (Juno, A Origem, Menina Má.Com) entrevistou Bolsonaro em 2015 para a série documental Gaycation, que abordou em sua passagem pelo Brasil o grave problema da homofobia. "Bolsonaro é um político com grande poder e influência. E é devastador saber que uma pessoa com tanta influência tem tanto desdém pela comunidade gay", disse a atriz após o lançamento da produção, hoje disponível na plataforma Hulu. Há poucos dias, Page aderiu à campanha #EleNão. Em seu perfil no Instagram, a atriz compartilhou uma mensagem de alerta aos seus seguidores: "ele é um homem perigoso, homofóbico, racista e misógino que atualmente lidera a corrida presidencial no Brasil".


Indya Moore, atriz e modelo trans
HANNA LASSEN VIA GETTY IMAGES

Uma das estrelas de Pose - a série de TV com o maior elenco trans da história -, Indya Moore também endossou a campanha internacional contra Bolsonaro. Ela compartilhou no Twitter a imagem que se tornou símbolo da campanha juntamente com o apelo: "Brasil! Não vote no Bolsonaro! Ele é anti-LGBTQ e misógino. Ele está manipulando as massas para criminalizar e discriminar as pessoas por não serem cis/hétero. Proteja suas famílias inocentes, amigos e entes queridos, do dano capital existencial desnecessário".


Shangela, drag queen
SAMIR HUSSEIN VIA GETTY IMAGES

Antes do primeiro turno da eleição presidencial, a drag queen americana Shangela compartilhou no Twitter uma imagem com a hashtag #EleNão acompanhada de uma mensagem destinada aos brasileiros. "Para todos os meus fãs no Brasil... É importante se envolver e fazer sua voz ser ouvida. Faça questão de votar na próxima eleição presidencial e lutar por igualdade, respeito e amor. Amo todos vocês", escreveu a drag que foi3 vezes participante do talent show RuPaul's Drag Race


Alfonso Herrera, ator e cantor

JENNY ANDERSON VIA GETTY IMAGES



Ator e cantor mexicano, ex-integrante do grupo RBD e estrela das séries Sense8 e The Exorcist, Alfonso Herrera usou o Twitter no último domingo (7), dia do primeiro turno da eleição presidencial, para fazer um apelo aos fãs brasileiros: "Brasil, última chamada... Depois não como voltar atrás", escreveu o artista. A mensagem acompanhava um vídeo feito pela sucursal americana do jornal El País, que compilava momentos "polêmicos" do candidato na abordagem de questões ligadas a minorias políticas. Esta foi a segunda vez que Herrera usou seu Twitter para se pronunciar sobre Bolsonaro. Em setembro, o ator compartilhou um artigo da revista The Economist junto com a afirmação "nova ameaça à América Latina".


Édgar Ramírez, ator

AXELLE/BAUER-GRIFFIN VIA GETTY IMAGES



O ator venezuelano Édgar Ramírez, da premiada minissérie American Crime Story: O Assassinato de Gianni Versace, compartilhou em seu perfil no Instagram uma imagem com a hashtag da campanha contra Bolsonaro e a legenda: "Unidos contra a misoginia, o racismo e a homofobia em qualquer lugar onde isso queira se estabelecer. O Brasil resiste".


Madeline Brewer, atriz

STEVE GRANITZ VIA GETTY IMAGES

Madeline Brewer já fez parte do elenco de Orange Is The New Black e atualmente pode ser vista na série The Handmaid's Taile. Junto com um artigo do jornal The New York Times (o mesmo que foi replicado por Dan Reynolds), a atriz postou no Twitter uma mensagem de apoio aos brasileiros. "Todo meu amor ao Brasil e força para vocês na sua luta."

Tom Morello, guitarrista da banda Rage Against the Machine

MIGUEL RIOPA VIA GETTY IMAGES

Após show realizado em São Paulo, o ex-guitarrista do Rage Against the Machine e do Audioslave usou seu perfil no Twitter para agradecer a "multidão incrível" e aderir à hashtag #EleNão. No mesmo tweet, o músico também pediu "Justiça para Marielle", referindo-se ao caso ainda não solucionado da vereadora assassinada no Rio, em março deste ano.

John Oliver, apresentador de TV

DAN MACMEDAN VIA GETTY IMAGES

John Oliver, comediante e apresentador do Last Week Tonight (HBO) - vencedor do Emmy 2018 de Melhor Programa Televisivo -, classificou Bolsonaro como "Trump Brasileiro" e fez críticas ao candidato do PSL durante quase 20 minutos do programa exibido no último domingo (7), mesmo dia da eleição no Brasil. "A coisa mais legal que posso falar dele é que ele não foi implicado em um caso de corrupção. Ainda. Infelizmente, isso é a única coisa legal que posso falar dele, porque ele é um ser humano terrível", disse o apresentador.


Fernanda Lima



Fernanda Lima foi uma das famosas que aderiu à campanha #EleNão. No seu Instagram, a apresentadora compartilhou dois vídeos falando sobre os motivos de não apoiar o candidato Jair Bolsonaro: “Ele não porque ele é grosseiro, porque ele é agressivo com seus projetos e com suas palavras. Ele não por mais de 20 anos como deputado do Rio de Janeiro não fez absolutamente nada em relação a segurança do Estado. Ele não porque ele diminui as mulheres, os negros e os gays. Isso simboliza um retrocesso enorme na conquista de direitos além de estimular ainda mais violência“. 

Nos comentários, alguns seguidores apoiaram a iniciativa de Fernanda Lima. Porém, outras pessoas dispararam críticas contra a global. A apresentadora também participou do protesto que tomou as ruas do Centro da Cidade, no Rio de Janeiro, na última semana.



Bruna Marquezine

Bruna Marquezine também decidiu apoiar a campanha contra Bolsonaro. A namorada de Neymar compartilhou o seguinte texto da atriz Maria Ribeiro, em seu Instagram, para justificar sua posição: "Considerar ter uma filha mulher uma coisa ‘menor’ do que ter um filho homem não é família. Dizer que preferiria um filho morto a um filho homossexual não é família. Considerar a gravidez um motivo para que as mulheres ganhem menos não é família, até porque muitos lares no Brasil são tocados sem a figura paterna. Família é amor incondicional, galera. E nem sempre isso tem a ver com sangue".
Por conta da repercussão, Bruna Marquezine resolveu bloquear todos os comentários de sua conta.


Maria Casadevall



Acostumada a interpretar mulheres fortes, ativistas e feministas na ficção, Maria Casadevall fez inúmeros posts contra Jair Bolsonaro e foi uma das famosas que mais apoiou a manifestação do dia 29 de setembro. Além disso, a atriz manifestou solidariedade aos famosos que sofreram ataques nas redes sociais: "Gostaria de prestar a minha solidariedade a todas as mulheres e homens que têm se posicionado politicamente e que têm recebido muita hostilidade e violência em contra partida. Queria dizer que isso é uma amostra da intolerância que pode se instalar no nosso país".



Sasha 




Sasha Meneghel publicou "Um Guia Anti-Bolsonaro", criado pelo publicitário Lucio Caramori, no seu Instagram. O guia, que diz ter o objetivo de "ganhar os indecisos", afirma que o candidato do PSL é um "retrocesso perigoso" e uma "ameaça a nossa democracia". Depois disso, a filha de Xuxa passou a ser ofendida por simpatizantes do candidato. Algumas pessoas usaram a foto mais recente de Sasha no Instagram, onde aparece em uma praia com seu cachorro, para apontá-la como patricinha e outras coisas.





Anitta 


Depois de ser pressionada pelos fãs para se posicionar politicamente, Anitta aderiu à campanha #EleNão, que viralizou nas redes sociais nos últimos dias: "Quero aproveitar essa oportunidade para deixar claro de uma vez por todas que não apoio o candidato Bolsonaro". Ela também afirmou que não votará em "candidato machista, racista e homofóbico" e pediu para ser deixada em paz com relação ao tema eleições. 

Desde que gravou um vídeo se mostrando a favor do movimento, a cantora vem sofrendo diversos ataques por parte dos eleitores do presidenciável. Em poucos dias, vários vídeos da funkeira postados no YouTube, além de comerciais realizados por ela para algumas marcas, passaram a receber uma espécie de "boicote" – através da função "descurtir" da rede social.







Daniela Mercury 




Através de um vídeo, a cantora Daniela Mercury convocou mulheres a irem às ruas e acusou o candidato Jair Bolsonaro de ser racista, machista e homofóbico: "Estou aqui para convidar todas as mulheres brasileiras para irem para a rua no dia 29 de setembro no movimento #EleNão. Ele não porque ele é machista, ele não porque é homofóbico, ele não porque é racista, ele não porque é um atraso para nossa democracia". Foi a baiana quem desafiou a cantora Anitta, que estava sendo questionada por fãs pela postura imparcial frente aos candidatos à presidência.




Ellen Page 

Diversos nomes da cultura pop internacional também já se posicionaram contra Bolsonarodesde que a hashtag #Elenão começou a circular nas redes sociais. Estrela de filmes como "Juno" e "A Origem", a canadense Ellen Page entrevistou o polêmico candidato para o documentário "Gaycation". No Instagram, ela relembrou a conversa e disse que Bolsonaro prolifera um tipo de atitude inaceitável: "Ele é perigoso, homofóbico, racista e misógino". E completou: "Frase diretamente homofóbica: ‘Prefiro que meu filho morra em um acidente do que apareça com um cara bigodudo. Juntem-se às vozes das pessoas que estão se unindo no Brasil para dizer #elenão #neverhim. Estou mandando amor e apoio".









Deborah Secco 


Deborah Secco, que vive a vilã Karola na novela “Segundo Sol”, publicou em seu Instagram um texto apoiando a campanha contra Bolsonaro: “#EleNao não tem a ver com política (só). Tem a ver com moral. Com a liberdade e a dignidade de “ser” e de pensar, que eu espero que a minha filha tenha. E os filhos de todos vocês tenham também. É por isso que #EleNão”. Assim como outras atrizes que se posicionaram contra Bolsonaro, ela passou a receber diversos comentários negativos nas redes sociais.





Claudia Raia 


A atriz Claudia Raia também citou os seus motivos para não votar em Bolsonaro e pediu o apoio de seus fãs: "Não à violência, não ao machismo, não ao preconceito, não à homofobia, não à intolerância, não à xenofobia e não para toda forma de pensamento que pregue o retrocesso de nossos direitos. Eu digo e repito: #ELENÃO #ELENUNCA Quem está comigo replique essa imagem na sua timeline. Quem não estiver, por favor, respeite minha opinião. PAZ! E muuuuito amor no 💖".







sexta-feira, 12 de outubro de 2018

NÃO DEIXE O TERROR VOLTAR AO MUNDO PELO BRASIL. A VÍTIMA SERÁ VOCÊ.




quinta-feira, 11 de outubro de 2018

CRISTÃO NÃO VOTA EM MENTIROSO, ASSASSINO, TORTURADOR, ESTUPRADOR, DITADOR E APOLOGISTAS DO NAZISMO.

Eu nasci em um mundo pós segunda guerra mundial. A humanidade estava cansada de guerras, mas os criminosos nazistas estavam ainda lá. Alguns presos, outros escondidos, outros mortos. Quase 60 milhões de pessoas morreram na guerra, e desse total mais de 10% desse total morreram na fábrica de matar gente desenvolvida pelos Nazistas.

O mundo se horrorizou. O repúdio a essa ideologia ultrapassada se transformou em leis contra o Nazifascismo em todo o mundo e essa ideologia se tornou proscrita. Ilegal.






O ataque aconteceu na segunda-feira (8) logo após a garota descer de um ônibus e, além de socos, os agressores desenharam uma suástica na barriga da jovem com um canivete."
Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/eleicoes/2018/jovem-marcada-com-suastica-por-supostos-apoiadores-de-bolsonaro-desiste-de-representacao-21bc9hfa49ku8285pngoxf1un
"Uma jovem de 19 anos relatou à polícia que foi agredida por três homens em Porto Alegre (RS) por utilizar uma camiseta com a hashtag #EleNão, marca de protestos contra Bolsonaro.


O Diabo é o pai da mentira

Se você é Cristão já deve ter ido na Bíblia a seguinte passagem:


Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;
Portanto eu pergunto a você Cristão. Quem é manso? Aquele que espanca e mata ou os que tiram a fome dos famintos?


Ao contrário do NAZIFASCISMO que mata, espanca e tortura, HADDAD representa aquele que tirou o Brasil do mapa da fome.

Caetano Veloso comenta a morte de MOA, precursor do Catendê no Brasil (Um estilo de capoeira). Morto por um adepto do NAZIFASCISMO que o esfaqueou pelas costas 12 vezes pelo crime de ter declarado seu voto em HADDAD.






Se você não é PT, una-se a essa frente contra o NAZIFASCISMO. Vote em HADDAD. Veja porquê ai acima.





terça-feira, 9 de outubro de 2018

O QUE PENSA O ELEITOR QUE VOTA NO COISO?



Se a maioria das pessoas de um país trabalha e vive de salários, seria lógico que zelassem pelo seu interesse, ou seja votassem em candidatos que defendem os interesses dos trabalhadores. Quem você que lê essas linhas entende que defende os seus interesses? O candidato COISO ou HADDAD?






Se você entende que o COISO defende os seus interesses, não prestou atenção. Não ouviu o que ele próprio disse. Não ouviu o que o seu vice disse quando afirmou por mais de uma vez que é contra o decimo terceiro salário e o abono de férias que provavelmente eles tentarão eliminar.



Hoje eu ouvi no rádio uma breve fala do COISO. Não gosto de ouvi-lo porque é profundamente desagradável para mim ouvir suas grosserias, mas o rádio estava ligado e eu não pude evitar de ouvir. Ele afirmou que o Brasil está quebrado porque o PT quebrou o Brasil, e por isso irá eliminar despesas como por exemplo o BOLSA FAMÍLIA. 

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

VEJA QUE DEFENSORES DA FAMÍLIA MARAVILHOSOS ESTÃO SENDO ELEITOS.


Mayã Frota é filho de Alexandre Frota, deputado federal do PSL eleito nesse domingo (7). Após o anúncio da vitória do ex-ator pornô nas urnas, o garoto, que vive em Antuérpia (Bélgica), fez um desabafo no Twitter, afirmando não saber como Frota conseguiu ser eleito.


“Eu sou filho de um ex ator pornô, viciado em cocaína, que defende a família, mas queria me abortar. Como ele virou deputado federal de São Paulo, não sei”, escreveu. Na sequência, Mayã ainda compartilhou uma imagem mostrando que é bloqueado por Alexandre Frota nas redes sociais.

O garoto é fruto de um relacionamento rápido de Frota com a personal trainer Samantha Lima Gondim. Eles se conheceram em 1998 e ficaram juntos por cerca de um mês. Após o nascimento de Mayã, que trabalha como modelo, Samantha chegou a brigar na Justiça durante um ano por conta de pensão.

domingo, 7 de outubro de 2018

UMA GRANDE PARTE DA POPULAÇÃO BRASILEIRA É FORMADA POR CONSERVADORES.

Já tive grandes decepções com eleitores Brasileiros. Uma das minhas grandes decepções foi com a eleição de Fernando Collor de Mello na primeira eleição direta depois de mais de 20 anos de ditadura militar. Um povo que lutou pelas diretas já em presença de uma ditadura militar que ceifou muitas vidas de mártires que lutaram contra o arbítrio, a tortura e a morte, elege na primeira oportunidade um almofadinha ladrão filho de um aliado da ditadura que roubava o povo descaradamente. A primeira coisa que fez foi sequestrar a poupança de todos os Brasileiros e depois foi fazendo aberrações uma atrás da outra até que finalmente foi apeado do poder depois de dois anos de mandato. 


Fernando Collor de Melo. Atual Senador da república foi eleito em 15 de Novembro de 1989, a primeira eleição direta depois de 30 anos de ditadura no Brasil.  Antônio Ermírio de Moraes teria doado US$ 3 milhões para a campanha. O FAKE NEWS da época foi veicular a filha que Lula como produto de um relacionamento com Miriam Cordeiro que foi uma iniciativa exclusivamente de Collor. Cerca de US$ 50 milhões de sobras de campanha ficaram nas mãos de PC Farias que até insinuaria um romance entre o já presidente e a Ministra da Economia na época a Zélia Cardoso.



Passado esse trauma que produziu um Impeachmam do presidente e a passagem conturbada do seu vice presidente, o povo imbecilizado desse país me elege um neoliberal, entreguista, que foi Fernando Henrique Cardoso. Esse então passa a desgraçar o Brasil, transformando-o em um bazar e oferecendo na vitrine as nossas empresas mais lucrativas como a Vale do Rio Doce, as empresas de telecomunicações, etc... O dinheiro dessas vendas desaparece do dia para a noite.

Depois de muito sofrer ocorre uma reação e Lula que concorreu a todas as outras eleições que eu comentei, consegue se eleger. O país experimenta então uma fase de prosperidade e as novas gerações que não conseguiram provar o sofrimento, finalmente se revoltam contra o governo do PT insufladas por uma campanha golpista tocada a rede BOBO, que vem se opor ao PT durante toda a trajetória em que o PT apoiado no seu sucesso vinha logrando as sucessivas reeleições.

Lula nos seus 8 anos de governo somados aos 4 anos do primeiro mandatos da Dilma obteve um grande sucesso como a seguir.
Elevou o nosso Produto Interno Bruto Brasileiro de 1,48 Trilhões de Reais em 2002 para 4,84 Trilhões de Reais em 2013. 

O PIB per capita (Produto interno Bruto dividido pelo número de cidadãos), aumentou de 7,6 mil reais em 2002 para 24,1 mil reais em 2013. 

A dívida do setor público diminuiu. Em 2002 era 60% do PIB e em 2013 caiu para 34% do PIB. 

O BNDES aumentou o seu lucro de 550 milhões em 2002 para 8,15 bilhões de reais em 2013. 

O Banco do Brasil por sua vez elevou seu Lucro de 2 bilhões de reais em 2002 para 15,8 bilhões de reais em 2013. 

Já a Caixa Econômica Federal aumentou seu lucro de 1,1 bilhões em 2002 para 6,7 bilhões em 2013. 

O Brasil durante a gestão de Lula atraiu a industria automobilística do mundo para o Brasil. Fábricas como Honda, Toyota, Mitsubishi entre inúmeras outras estabeleceram-se no Brasil pois o país tornou-se um BRIC que é sinônimo de potência emergente. Assim a produção de veículos subiu de 1,8 milhões em 2002 para 3,7 milhões em 2013. 

A Safra Agrícola elevou-se de 97 milhões de toneladas em 2002 para 188 milhões de toneladas em 2013. 

Com a dívida do FMI paga, e o Brasil tornando-se credor do FMI e acumulando reservas de 375 bilhões de dólares, os investimentos passaram a ser atraídos para o Brasil e assim os investimentos estrangeiros diretos saltaram de 16,6 bilhões de dólares em 2002 para 64 bilhões de dólares em 2013. 

Como já dito as reservas internacionais saltaram de 37 bilhões de dólares em 2002 para 375,8 bilhões de dólares em 2013. 

A Bolsa de valores subiu muito de 11268 pontos em 2002 para 51507 pontos em 2013. 

O Governo FHC gerou 627 mil empregos por ano mas os governos LULA e DILMA produziram 1,79 milhões de empregos por ano. 

A taxa de desemprego chegou quase ao nível de pleno emprego. em 2002 era de 12,2% da população economicamente ativa. Em 2013 chegou a 5,4% (4% seria o pleno emprego). 

A Petrobras aumentou o seu valor de mercado de 15,5 bilhões de dólares para 104,9 bilhões. Descobriu as reservas do Pré Sal graças a prospecção de Petróleo incentivada pelo governo Lula. O lucro médio da Petrobras saltou de 4,2 bilhões de Reais por ano para 25,6 bilhões de reais.(A Empresa mais lucrativa da América Latina e uma das mais lucrativas do mundo). 

O número de falências diminuiu vertiginosamente. No governo FHC eram de 25.587 por ano e nos governos Lula e Dilma caíram para 5.795 falências por ano em média. 

O salário mínimo aumentou em 2002 de 200 reais para 724 reais em 2014 aumentando de 1,42 cestas básicas para 2,24 cestas básicas. Em dólares foi de 70 dólares para 320 dólares. 

As nossas dívida externa em relação à nossa reserva em dólares foi de 557% em 2002 para 81% em 2014. 

A posição da nossa economia foi de 13ª economia para 7ª economia do mundo. 

O Governo Lula criou o PROUNI que propiciou bolsas de estudo para 1,2 milhões de estudantes. 

Foram vendida muitas passagens aéreas. Saltaram de 33 milhões em 2002 para 100 milhões em 2013. 

As nossas exportações que foram o motor do aumento do saldo da balança comercial saltaram de 60,3 bilhões de dólares em 2002 para 242 bilhões de dólares em 2013. 

A inflação média anual com todo esse crescimento manteve-se domesticada em 5,8% contra 9,1% no governo FHC. 

O Pronatec que foi um programa criado pelo governo LULA deu formação profissional para 6 milhões de jovens que passaram a ter uma profissão e não delinquir. 

Nosso juros, um dos mais altos do mundo também cairam de 18,9% para 8,5%/ano.

O FIES propiciou financiamento universitário para 1,3 milhões de pessoas. 

1,5 milhões de pessoas receberam moradia própria com o programa Minha Casa Minha Vida. 

O programa Luz para todos levou energia para cidades distantes do interior do Nordeste onde as pessoas viviam em extrema penúria. 9,5 milhões de pessoas foram beneficiadas. 

A capacidade energética do Brasil saltou de 74.800 Mega Whats para 122.900 MegaWhats. Acabaram-se os apagões da época de FHC. 

Foram criadas 6427 creches. O programa Ciência sem Fronteiras que propicia intercâmbio dos nosso jovens universitários beneficiou 100 mil indivíduos. 

O programa Mais Médicos que diminuiu a ausência de médicos principalmente no interior empregou 14 mil novos profissionais e beneficiou 50 milhões de pessoas. 

22 milhões de pessoas deixaram a extrema pobreza. 

Foram criadas 18 Universidades Federais. No governo FHC nenhuma foi criada. 

Foram criadas 214 Escólas Técnicas e no governo FHC nenhuma foi criada. de 1500 a 1994 foram criadas apenas 140. 

A desigualdade social teve uma queda de 11,4% contra 2,2% nos governos FHC. 

A produtividade aumentou 13,2% contra 0,3% no governo FHC. 

A taxa de pobreza em 2002 era de 34%. Em 2012 caiu para 15%. 

A taxa de extrema pobreza em 2003 era de 15%. em 2012 caiu para 5,2%. 

O IDH (Índice de desenvolvimento humano em 2000 era de 0,669, em 2005 0,699 e em 2012, 0,730. 

A mortalidade infantil caiu muito o que nos leva a constatar que o governo do PT salvou muitas vidas. Em 2002 era de 25,3 crianças mortas em cada 1000 nascidas vivas. Em 2012 passou a ser de 12,9 crianças nascidas mortas a cada 1000 nascidas vivas. 

O governo do PT aumentou o gasto com a saúde de 28 bilhões de Reais em 2002 para 106 bilhões de reais em 2013. 

Também na educação o Governo do PT gastou mais. Foram 17 bilhões em 2002 subindo para 94 bilhões de reais em 2013. 

Muita gente entrou para o ensino superior, inclusive pobres que antes não teriam essa possibilidade. 583.800 em 2003 para 1.087.400 em 2012. 

O RISCO BRASIL segundo o IPEA foi em 2002 de 1.446 para 224 em 2013. 

Como se sabe a Operação Lava Jato só teve êxito porque o Governo do PT deu autonomia a Polícia Federal e ao Ministério Público e reaparelhou esses órgãos. Também não partidarizou o STF que hoje se volta contra o PT. No governo FHC as operações da polícia Federal foram de 48, e no governo do PT foram de 1273 operações com 15 mil presos. 

As varas da justiça Federal aumentaram de 100 em 2003 para 513 em 2010. 

49,38 milhões de pessoas ascenderam à Nova classe média (Classe C) e 50,42 milhões de pessoas saíram da miséria.  

Diante desses números, considero que o Governo do PT foi o mais benéfico ao Brasil e ao seu povo de toda a história que pelo menos eu pude presenciar nos meus 67 anos de vida.

A corrupção existia antes do PT. Só não era conhecida porque não era investigada. Quem não se lembra do "Engavetador Geral da República" Geraldo Brindeiro do Época de FHC? Além do mais no "GOVERNO DE COALIZÃO" em que o governante precisa formar uma maioria parlamentar para aprovar seus projetos e não ser afastado como foi a presidente Dilma, os partidos buscam obter cargos e ministérios como moeda de troca para apoiar o governo e os querem não porque querem governar com probidade, mas porque querem manipular as verbas que os ministérios e os cargos lhes permite desviar. Quem não se lembra do saudoso Paulo Francis que já denunciava o roubo na Petrobras na época do diretor Joel Mendes Rennó que o processou? 

Quanto a Lula que poderá ganhar o Prêmio Nobel da Paz mesmo Preso pois é hoje aos olhos do mundo um preso político, um novo Nelson Mandela, recebeu o prêmio de ESTADISTA GLOBAL no fórum de Davos na Suíça como um exemplo de administração. E o fórum de Davos é a nata do Capitalismo Mundial. Não é um grupo Cubano ou Soviético. 

Quanto ao Juiz Sérgio Moro, foram descobertas falcatruas com relação a delações premiadas em que o dinheiro desviado da corrupção era dividido em três sendo que o réu ficava com 1/3 e 1/3 era devolvido sendo que 1/3 ficava com a quadrilha de Curitiba. 

Isso foi denunciado pelo Rodrigo Tacla Duran, que foi doleiro da Odebrecht, e hoje mora na Espanha. Não é foragido e o FBI suspendeu a sua condição de procurado devido as suspeições que pairam sobre o Juiz Sérgio Moro. 

Quanto a LULA nada foi provado contra ele, é um preso político homenageado pelo Frei Beto, pela Monja Cohen, pelo Papa Francisco e por inúmeras autoridades Nacionais e Internacionais. 

sábado, 6 de outubro de 2018

MEUS CANDIDATOS COMO ELEITOR DO RIO DE JANEIRO

PARA DEPUTADO ESTADUAL
MARCEL SILVANO







PARA DEPUTADO FEDERAL
WADIH DAMOUS



PARA DEPUTADO FEDERAL
JOSÉ MARIA RANGEL




SENADOR
LINDBERG FARIAS - 131



SENADOR
CHICO ALENCAR - 500






GOVERNADOR
MARCIA TIBURY - 13
PRESIDENTE
HADDAD - 13