http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

PREPARE-SE PARA O MERCADO DE TRABALHO



A tecnologia avança e coloca opções diversas no cardápio das nossas vidas. Chega-nos a todo o momento toneladas de informação, que não temos como processar. Os canais de TV chegam-nos às centenas com assuntos diversificados. A Internet bombardeia-nos com informações que nos chegam por Email, e por sites especializados como esse aqui. A Universidade hoje pode ser frequentada sem presença, das nossas casas, e os cursos baratos, a distancia, e excelentes colocam a tecnologia à nossa disposição, de forma fácil e em conta. Daremos aqui alguns exemplos para quem quer aproveitar oportunidades de se firmar em um mercado de trabalho dos mais promissores. O MERCADO TECNOLÓGICO.

A Estácio é uma das melhores instituições de ensino superior do Brasil, com mais de 210 mil alunos, presente em todas as regiões do país e com 40 anos de atuação. O grupo educacional tem hoje Universidades, Centros Universitários e Faculdades, distribuídos em mais de 70 unidades, em 17 estados.

A Estácio oferece cursos de graduação (bacharelado e licenciatura), graduação tecnológica e pós-graduação, nas modalidades presencial, a distância e a distância semi-presencial.

Além de dispor de uma equipe de professores (mestres e doutores) experientes e atuantes no mercado de trabalho, o que possibilita a prática acadêmica e a troca de conhecimento.

MATERIAL DIDÁTICO EM UM TABLET, SEM CUSTO
Esta inovação começa para os novos alunos de Direito (RJ e ES), e de Gastronomia e Hotelaria (RJ e de SP).


BIBLIOTECA VIRTUAL ESTÁCIO
Milhares de livros disponíveis na íntegra, o tempo todo.

EMPREGABILIDADE
Banco de vagas de estágio e emprego on-line, alimentado por empresas de todo o Brasil. São mais de 58.000OPORTUNIDADES DE EMPREGO E ESTÁGIO POR ANO.

ENSINO A DISTÂNCIA
Um modelo de ensino multimídia, material didático impresso, aulas teletransmitidas ao vivo, que podem ser assistidas em um dos mais de 40 polos da Estácio ou pela internet.

ENSINO A DISTÂNCIA SEMIPRESENCIAL
Junta a estrutura dos cursos presenciais e a flexibilidade dos cursos a distância. Ideal para quem tem pouco tempo mas não abre mão da convivência do mundo universitário.

BOLSAS DE ESTUDO E FINANCIAMENTOS:

- De 15% a 20% de desconto até o final do curso para ex-alunos de escolas públicas.

- 15% a 30% de desconto até o final do curso para maiores de 30 anos.

- FAÇA UMA SEGUNDA GRADUAÇÃO: de 20% a 30% de desconto até o final do curso para você que já possui diploma de nível superior.

- MUDE PARA A ESTÁCIO: de 20% a 30% de desconto até o final do curso para você que estuda em outra instituição de ensino superior.

- Novo Fies: estude agora e só comece a pagar depois de se formar. Você terá até 3 vezes o tempo do seu curso, mais 12 meses, para quitar seu financiamento.

- Crédito Universitário Itaú: pague o seu curso em até o dobro do tempo.
____________________________________________
O TreinaWeb Cursos é um dos maiores centros de ensino à distância do Brasil, líder e especializado no ensino e desenvolvimento de TI, Tecnologia da InformaçãoMinistramos dezenas de cursos online com foco em desenvolvimento e manutenção de sites e softwares, sempre atualizados com o que há de mais novo no mercado mundial de TI. Cursos com suporte incluso.

Cursos de qualidade

Conhecidos pela prática de valores acessíveis e Cursos de qualidade, já treinamos mais de 45 mil alunos em todos os estados brasileiros e em mais de 10 países, além de diversos alunos dos cursos de TI das mais renomadas universidades do Brasil e de Portugal.

Preço baixo de verdade
Todos os nossos cursos possuem umpreço acessível, e uma excelente relação Custo X Benefício. Além disso, você ganha descontos progressivos, de acordo com a quantidade de Cursos Online contratados. E tem mais: O pagamento é único, sem mensalidades.

O suporte aos nossos cursos é 100% incluso. Você pode entrar em contato com nossos instrutores sempre que precisar através do nosso sistema de ensino à distância e tirar todas as suas dúvidas relacionadas aos treinamentos em que estiver participando.

Os certificados TreinaWeb são extremamente reconhecidos no mercado de trabalho e por praticamente todas as faculdades e empresas, que o utilizam para comprovação da sua participação nos cursos. Caso prefira, você pode optar pelo certificado digital, gratuito.













Estudando a distância com eficácia!

Estudar é aplicar o entendimento para saber e compreender. O estudo pode ser realizado de várias formas, com a ajuda de professores/instrutores ou até sozinho, através do esforço pessoal.

O estudo a distância, aquele que o aluno estuda em casa, já é um prática a muito tempo conhecida. É um conforto para muitos. Uma dificuldade para outros. O aluno recebe em casa o material didático e inicia os estudos. Dependendo das circunstâncias, o suporte do professor é muito restrito ou pior, pode não haver suporte por parte de professores.

Com o advento da Internet veio o estudo on-line. Com a ajuda de professores, usando a Internet como meio de comunicação, os alunos podem estudar sem precisar sair de casa. O professor usa vários recursos tais como chats e e-mails. Todo o conteúdo do curso passa então a ser acessado pelo website. Existe, dessa forma, a condição de haver diálogos ao "vivo" entre professor e aluno, E essa é a forma adotada nesse curso. Todo o conteúdo está disponibilizado nesse website (o seu "campus virtual"), na íntegra. Dessa forma, você pode acessá-lo quando e quantas vezes quiser. Pode salvá-lo em seu computador (através do menu "Arquivo - Salvar Como" de seu navegador) ou até imprimir (através do menu "Arquivo - Imprimir" de seu navegador). Você pode estudar na ordem ou ir direto em matérias de seu interesse.

Iniciando os estudos

Mas para um estudo eficaz, o aluno deve se comprometer incondicionalmente com o curso. Ninguém está aqui para brincar, para se divertir, para passar o tempo ou para ver como é. Estudar é coisa séria! Concluir esse curso com um bom rendimento deve ser a sua meta.

O ideal é que você leia todos os tópicos com muita atenção. Dedique-se ao estudo. Tenha calma e paciência. Esses são os principais ingredientes que lhe conduzirá a um aprendizado eficaz e satisfatório.

Estipulando metas para vencer

Como já dito anteriormente, concluir o estudo e com um bom rendimento pessoal deve ser uma meta. Dessa forma, coloque isso como um dos seus principais objetivos, e mentalize que esse objetivo é extremamente importante na sua vida. As vezes é difícil começar a estudar, a ler um texto, porém, depois de um pequeno esforço, tudo se torna automático e estudar torna-se uma forma maravilhosa de passar o tempo.

Más, por que é difícil começar? O não hábito de estudo, a preguiça e o cansaço podem ser as principais causas.

O brasileiro não tem o hábito da leitura e isso explica o fato das pessoas ficarem com tantas dificuldades ao estudar. Quando lemos estamos educando nossa mente, aumentando nosso vocabulário, melhorando nossa capacidade de leitura e raciocínio. Ler é sem dúvida a melhor e mais fácil forma de aprendizado, não importando que tipo de leitura, que fonte de informação utilizamos. Podemos ler um jornal, uma revista, um livro ou até mesmo uma história em quadrinhos, que aliás, se você tem dificuldade de leitura comece lendo exatamente histórias em quadrinhos, que é uma fonte de fácil leitura e compreensão e te levará ao hábito da leitura. Desenvolver o hábito da leitura é extremamente importante, pois, não tem como estudar se ao depararmos com um texto extremamente grande, desistimos de o ler por causa de seu tamanho. Então leia todos os dias, procure pelas fontes de leitura e ficará surpreso ao descobrir que é muito fácil achar algo para ler, seja um jornal da cidade ou do estado, um livro escolar, uma história em quadrinhos, um livro guardado na estante, etc.

O estudo muitas vezes fica comprometido quando somos atacados pela preguiça ou cansaço, principalmente quando começamos a ler depois do almoço e bate aquele sono insuportável. Essa situação é realmente digna de nota e é mais comum do que possamos imaginar.

A primeira coisa a fazer é separar a preguiça do cansaço, é descobrir se é um problema normal ou se precisa de tratamento médico e resolver a situação.

Quando temos pouca disposição para o trabalho ou aversão a qualquer tipo de atividade mesmo estando descansado, estamos com preguiça. Nesse caso a superação depende de nós mesmos, depende de cada um entender que para se chegar a algum lugar devemos lutar dia após dia por mais difícil que seja. Se eu cair, levanto e continuo a caminhada de cabeça em pé, com orgulho do que sou, do que tenho e com plena consciência que ninguém nesse mundo é perfeito e que todos nós erramos o tempo todo. Por isso não devemos deixar nos vencer por algo tão insignificante que é a preguiça. Quanto mais eu ficar parado sem fazer nada, mais tempo levará para alcançar os meus objetivos.

O cansaço é gerado por vários motivos, como trabalho, esportes, etc. O único remédio contra o cansaço é, logicamente, descansar, me alimentar bem, ter boas horas de sono e nunca passar dos meus limites físicos. Um dos grandes problemas do homem é exatamente esse: pensar que somos uma máquina, que podemos trabalhar durante horas e horas, não se alimentando corretamente e não tendo horas de sono necessárias. Não há como estudar se levamos uma vida toda descontrolada, onde não temos hora para nada e automaticamente vivemos cansados. Para resolver essa situação devemos mudar o mais rápido possível os nossos hábitos diários. Em primeiro lugar é de extrema importância descobrir a causa do cansaço e fazer de tudo para encontrar uma solução, seja trabalhando menos e descansando mais, colocando horários para sairmos e voltarmos para casa, diminuindo as farras de fim de semana e melhorando nossa alimentação. É comum sentirmos sono depois do almoço principalmente se começarmos a ler. Isso acontece porque o nosso organismo faz muita força durante a digestão, principalmente se for um alimento pesado, levando-o a ter um certo desgaste e por isso sentimos sono. Se isso acontece sempre com você seria interessante tirar um cochilo de uns 30 minutos depois do almoço, antes de começar a estudar. Agora se você tem hábitos de vida favoráveis ao descanso e mesmo assim continua cansado, o problema pode ser um pouco mais sério precisando até de auxilio médico para averiguar as suas condições de saúde.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

TV 3D - INDEFINIÇÃO E TECNOLOGIA NO MERCADO.



Lá na loja do Ponto Frio do  Shopping Via Parque na Barra da Tijuca, há uma TV LG de 47 polegadas que é o supra sumo da tecnologia atualmente. TV a LED com tecnologia 3D, práticamente sem bordas e ultra fina, muito elegante. 

Quando algum provável cliente se aproxima, o vendedor convida-o a colocar o óculos 3d e a sentar-se em uma cadeira em frente a TV para poder apreciar mais confortavelmente a TV 3D. Estive lá e digo com sinceridade, que a experiência foi para mim surpreendente. 

Já assisti Filmes em 3D no cinema e não valorizei até aqui tanto a coisa. Vejo mais como um efeito bonitinho mas que a rigor pelo menos para mim em que pese a novidade, não vale o investimento, pois o preço do ingresso para um filme 3D práticamente dobra, e os efeitos 3D os vejo esparsados e não contínuos, com um ou outro efeito de impacto. 

Já o vídeo que presenciei em 3D na demonstração da loja do Ponto Frio no Via Parque foi surpreendente. Foi a melhor sensação em 3D que já presenciei. A imagem 3D salta aos olhos e a sensação de profundidade é ampla e envolvente.

Eis que hoje vejo a propaganda da TV que vi lá no Via Parque. Veja abaixo.


O preço é convidativo, e essa é uma tecnologia diferente. "NANO LED" ou seja um LED menor do que o convencional. Deve ter uma definição surpreendente. Se pensar que uma TV LCD de 47 polegadas fullHD que não é LED e nem 3D custava R$6000,00 (Seis mil reais), a uns tres anos. E óbviamente, porque a indústria não vende ainda muitas TVs 3D, o preço deve cair ainda mais. É questão de esperar.

A pergunta que se faz no entanto é a seguinte: O que iremos assistir em uma TV 3D? Eu ainda não vi nem em Locadoras e nem para venda filmes em 3D. Segundo a matéria abaixo, nos Estados Unidos existem muito poucos títulos. E as TVs por assinatura que mal acabaram de colocar alguns canais em HD, que nem Full HD são, quando irão transmitir em 3D?

Ha! É verdade que vão tranmitir um jogo americano em 3D. Transmissão única e exclusiva para os que forem os felizes proprietários dessa maravilha tecnológica, e tem aquele canal aberto (ÚNICO) que transmite em 3D. A Bandeirantes.
Mas é pouco ainda. Será que vale a pena esperar?

E o pior é que há no momento uma guerra entre dois padrões, tal como no passado assistimos a guerra entre BETAMAX e VHS, lembram e que finalmente teve como vencedor o padrão VHS. Dessa vez brigam de um lado a LG e de outro a SAMSUNG. Parece-me que a LG levará a melhor, mas vejam osdesdobramentos dessa batalha na coluna de Ethevaldo siqueira.

 

Guerra entre padrões de TV 3D



Ethevaldo Siqueira


Há hoje verdadeira guerra entre os dois maiores fabricantes mundiais de televisores: a Samsung e a LG Electronics, ambas coreanas e arquirrivais. A disputa, que parece estar chegando ao fim, deverá determinar o próprio futuro do mercado mundial de televisores 3D. O vencedor deverá ficar com a maior fatia do mercado e sua tecnologia poderá ser adotada pela maioria dos fabricantes.


Até aqui, o mercado de TV 3D não decolou, como provam as vendas mundiais de televisores 3D. Seus resultados em 2010 foram frustrantes para a indústria. A expectativa era de que fossem vendidos 30 milhões de televisores 3D, o equivalente a 12% do total de aparelhos comercializados em todo o mundo (248 milhões de receptores). Em lugar dos 30 milhões previstos, foram vendidos apenas 3 milhões de televisores 3D, ou seja, apenas um décimo da estimativa. Um verdadeiro balde de água fria para os fabricantes.


A indústria, entretanto, mesmo diante dos resultados de 2010, revela otimismo surpreendente e aposta em uma verdadeira explosão nas vendas em 2011: um crescimento de 1.000% sobre as vendas do ano anterior. É uma expectativa excessivamente ambiciosa.


O sonho dos fabricantes de televisores é repetir em âmbito doméstico o sucesso do cinema 3D, com os filmes Avatar e Alice no País das Maravilhas e que a produção de aparelhos 3D alcance algo próximo a 30% da produção mundial por volta de 2015. Hoje, a pergunta mais realista feita pelos analistas é: como chegar a 30% das vendas anuais nos próximos 4 ou 5 anos, se em 2010 não chegou sequer a 1,5%?


CINCO OBSTÁCULOS


Para alcançar algo próximo de um terço das vendas totais até 2015, a TV 3D precisará vencer ainda cinco barreiras principais: 1) o preço elevado; 2) o conteúdo escasso; 3) a aversão de muitas pessoas pelo uso de óculos especais; 4) a falta de opções em 3D tanto em TV aberta (broadcasting) quanto por assinatura; 5) a falta de padronização da tecnologia de óculos e de monitores.


1. Preços. Os consumidores das classes A e B relutam em pagar o equivalente a US$ 1,5 mil a 3 mil por televisores de 42 a 55 polegadas. Repete-se aqui o velho círculo vicioso: os televisores 3D são caros porque a indústria vende pouco; a indústria vende pouco porque os televisores são caros.


2. Conteúdo. Outro ponto decisivo é a relativa falta de conteúdo em 3D. O mundo compraria muito mais televisores 3D se houve mais filmes, documentários de boa qualidade e programas da TV aberta nessa tecnologia. Os raros filmes de boa qualidade, disponíveis em tecnologia Blu-ray disc 3D, ainda são caros.


A disponibilidade maior de programas em 3D é de jogos para garotos e adolescentes. Uma visita às maiores lojas de eletrônicos de Los Angeles (como Fry’s e Best Buy) há duas semanas, nos comprovou que não havia mais do que uma dúzia de filmes para TV 3D em Blu-ray.


Há poucos meses, os primeiros discos de Avatar 3D eram vendidos a US$ 100. Só agora os preços estão caindo abaixo de US$ 70. Mesmo assim, não entusiasmam a maioria dos consumidores, que ainda prefere pagar de US$ 25 a 40 por Blu-ray discs 2D, com bom conteúdo e excelente imagem de alta definição (2D).


3. Óculos ativos. Um dos grandes problemas da popularização da TV 3D está nos efeitos colaterais dos óculos ativos ultra sofisticados, que usam baterias e micro espelhos, adotados por alguns fabricantes, entre os quais a Samsung e a Sony. As imagens são excelentes. Mas o mal-estar dos expectadores é insuportável.


O problema dos óculos ativos é reconhecido até pelos manuais distribuídos pelos fabricantes, cujas advertências sobre seus efeitos colaterais são assustadoras. Entre outros problemas, os manuais lembram que assistir a filmes ou programas de TV 3D com esses óculos por mais de duas horas pode causar náuseas, tonturas, câimbras e olhos ardente. E um dos conselhos ao usuário é não dirigir depois de ver TV 3D por mais de uma hora.


4. Atraso na TV aberta. A televisão ainda não descobriu o mundo 3D. Raras são as emissoras de TV aberta (ou mesmo de TV por assinatura) que já oferecem programas 3D em broadcasting ou por cabo. No Brasil, a Rede TV é uma dessas poucas que transmite seus programas no canal 9.2 em 3D.


Amilcare Dallevo Jr., presidente da Rede TV, proclama: “Fomos a primeira emissora do mundo a transmitir regularmente em 3D”. Nos Estados Unidos, o número de TVs com programação regular em 3D chega hoje a 20, num universo de mais de 1.500 emissoras. As redes de TV por assinatura também oferecem opções de programas regulares em 3D e começam a transmitir grandes eventos esportivos em primeiro lugar.


5. Falta padronização. Enquanto o cinema já adotou um padrão consensual liderado por Hollywood, a indústria de TV ainda vive uma verdadeira guerra de tecnologias de 3D tanto nos monitores quanto nos óculos.


ÓCULOS ATIVOS VS. PASSIVOS





A LG demonstrou o padrão TV Cinema 3D na Feira de Las Vegas de 2011


No futuro, num horizonte de 5 a 10 anos, não precisaremos de óculos especiais para ver TV 3D ou cinema 3D, com imagens da melhor qualidade. Essa é a previsão unânime dos especialistas. Hoje, no entanto, 99% dos televisores 3D exigem óculos.


A única exceção é a japonesa Toshiba, que oferece a opção de TV 3D sem óculos. Mas essa tecnologia ainda não alcançou a maturidade, pois exige o posicionamento do espectador bem em frente ao televisor. Qualquer mudança de posição ou de ângulo de visão prejudica o efeito tridimensional.


Desse modo, o mundo só conta hoje com duas tecnologias adotadas pela maioria esmagadora dos televisores 3D comercializados no mundo: a de óculos ativos e a de passivos.


É bom esclarecer logo o significado de cada um desses acessórios. Óculos ativos são aqueles alimentados por baterias e dotados de milhares de lentes microscópicas que abrem e fecham dezenas de vezes por segundo, no que é chamado de cintilação ou flicking – uma espécie de pisca-pisca para possibilitar a percepção de imagens 3D. Nossos olhos recebem alternadamente as imagens que nos dão a sensação 3D. A cada fração de segundo, um olho recebe a imagem enquanto o outro fica o mesmo tempo sem imagem.


A outra nova tecnologia é a dos óculos passivos. Desenvolvida pela LG, essa tecnologia é muito parecida com a utilizada no cinema 3D. Por isso, a empresa lhe deu o nome comercial de TV Cinema 3D. A grande vantagem dos óculos passivos está no fato de não apresentarem o inconveniente da cintilação (ou flicking) da imagem.


Os primeiros televisores com essa tecnologia serão lançados em julho no Brasil. Daniel de Almeida, diretor de tecnologia da LG Electronics, do Brasil, garante que “a experiência de assistir TV 3D com óculos passivos, sem bateria e sem o uso das lentes é muito diferente, pois é muito mais confortável: as imagens são muito mais estáveis e permitem boa visão em ângulos mais amplos”.


O confronto


Por iniciativa da LG Electronics e sem a participação da Samsung, foi promovido no dia 1º de junho em Los Angeles o confronto das duas tecnologias, numa demonstração de todos os recursos de ambos os formatos. Diante de uma plateia formada por cineastas e jornalistas especializados, foram exibidos simultaneamente filmes e clippings com os melhores televisores de cada fabricante, lado a lado, para serem vistos tanto com óculos ativos, como passivos.


Visualmente, os resultados do sistema chamado TV Cinema 3D, foram convincentes: os óculos passivos são muito mais confortáveis do que os óculos ativos. Os efeitos colaterais são muito menores.


O sistema TV Cinema 3D introduz uma modificação fundamental na tela do televisor de LCD, que é a superposição de uma película que introduz uma forma de atraso na amostragem do filme, em inglês, Film Patterned Retarder (FPR).


Essa película FPR tem a função de aprimorar a separação de imagens para o olho direito e para o olho esquerdo. A seguir, elas são combinadas com a ajuda dos óculos 3D passivos (mesma tecnologia usada nos cinemas), projetados especialmente para receber cada imagem, criando uma experiência tridimensional mais confortável.


Outra vantagem da tecnologia TV Cinema 3D é a conversão automática das imagens 2D em 3D – embora com uma qualidade um pouco menor do que as imagens originalmente geradas em 3D, mas com boa sensação de profundidade. E ao adquirir um televisor de 55 polegadas com essa tecnologia, o comprador ganha quatro óculos passivos sobressalentes, que pesam apenas 16 gramas.


A apresentação da tecnologia TV Cinema 3D e o confronto com a tecnologia de óculos ativos foram conduzidos em Los Angeles por Humberto de Biase, diretor de marketing da LG Electronics Brasil, há duas semanas, em evento realizado paralelamente ao Festival do Filme Brasileiro de Hollywood.


A demonstração ressaltou não apenas a qualidade, mas, principalmente, a estabilidade da imagem, em confronto com a imagem dos óculos ativos. Na opinião da maioria esmagadora da plateia, a nova tecnologia dos óculos passivos praticamente elimina os efeitos colaterais da visão prolongada de TV 3D, não provocando tonturas, ardor nos olhos ou qualquer outro tipo de mal-estar.


A partir de agora, a guerra tende a definir-se entre um dos dois formatos patrocinados por Samsung e LG, seguidas por outros fabricantes.


A americana Vizio, produtora de televisores e de produtos eletrônicos de consumo e os fabricantes chineses de televisores aderiram à nova tecnologia e os executivos da LG estão desde março tentando atrair para o seu lado a Sony – empresa que compra os painéis e monitores da Samsung.


A REAÇÃO DA SAMSUNG


Diante da ofensiva da LG, a Samsung contra-ataca com seus televisores estereoscópicos e óculos ativados a bateria, acusando a LG de usar uma tecnologia velha, de 35 anos de idade, e que entrega apenas a metade do potencial de resolução e da alta definição (1080 pixels) dos filmes de cinema.


De fato, a LG utiliza imagens de 540 pixels em cada olho. A empresa alega, no entanto, que nosso cérebro soma essas duas imagens de 540 pixels, para produzir uma imagem de 1080 pixels, com o mesmo padrão de alta definição do Blu-ray disc.


Na guerra entre as duas corporações, a Samsung promoveu recentemente uma campanha na Coreia do Sul, com um anúncio impresso em que ataca a tecnologia de TV Cinema 3D. Um executivo de alto nível da Samsung acusou os engenheiros da LG de “estúpidos”. Mas depois pediu desculpas.


Nessa guerra, a LG tem desafiado a Samsung para demonstrações públicas dos dois sistemas perante pesquisadores independentes e jornalistas especializados. A Samsung até agora não aceitou o desafio.


Diante das reclamações dos clientes, a Samsung diz que está criando novos óculos, mais confortáveis, dando ainda dois pares grátis na compra de qualquer modelo e cobrando apenas US$ 50 por óculos extras.


COMO VEMOS 3D?


Cinema e TV resultam de uma ilusão de ótica. Com a sucessão de imagens rápidas, como no cinema ou na TV, a 25 ou 30 quadros por segundo, nosso cérebro funde as imagens rápidas e nos dá a perfeita sensação de movimento das imagens.


Algo semelhante, mas um pouco mais complexo ocorre com a tecnologia de TV 3D, que usa um truque curioso para enganar nosso cérebro: mostra ao olho esquerdo uma imagem e ao olho direito outra. O cérebro superpõe essas imagens para produzir a sensação visual das três dimensões. Para os filmes de cinema 3D mais recentes, óculos de luz polarizada filtram as diferentes imagens para cada olho.


Nos televisores 3D de tecnologia ativa, os óculos utilizam baterias para acionar as lentes que abrem e fecham as lentes de forma sincronizada, para que cada olho veja uma imagem diferente.


Na vida real, a sensação de 3D exige que nossos olhos façam duas coisas. Primeiro, eles precisam mover-se levemente para dentro ou para fora de modo que a projeção de uma imagem esteja sempre focalizada no centro de ambas as retinas. Em segundo lugar, nossos olhos devem convergir e acomodar-se – mudando o formato de cada lente para focalizar a imagem nas retinas.


Para Martin Banks, professor de optometria da Universidade de Berkeley, que pesquisa os efeitos da TV e do cinema 3D no sistema visual humano, “sem a adequada convergência, você acaba vendo imagens duplas ou imagens borradas.”

domingo, 28 de agosto de 2011

SITUAÇÃO DA AUTOHEMOTERAPIA NO BRASIL



VEJA O VÍDEO SOBRE A SITUAÇÃO DA AUTOHEMOTERAPIA NO BRASIL.


A Questão da ANVISA e dos demais órgãos que proíbem a AUTO-HEMOTERAPIA no Brasil (SÓ É PROIBIDA NO BRASIL) passou a ser uma questão pessoal. É uma questão de orgulho porque afirmaram que a técnica não funciona.

Mas iremos promover um movimento que afinal será vitorioso e irá desmascarar esses MAU PROFISSIONAIS que dedicam sua vida ao LUCRO e não a salvar vidas. Sua ação é responsável por milhares de mortes todos os dias. Saibam disso.

É uma crueldade que fazem com o povo Brasileiro e fizeram com o DR. Luiz Moura, tentando cassar-lhe o diploma. Não contavam com o apoio enorme de uma comunidade daqui e do exterior que o apoiou, e com o Emérito Senador Suplicy.

VAMOS MOVER CÉUS E TERRA PARA VER REVOGADA ESSA RIDÍCULA E ABSURDA PROIBIÇÃO.

EM DEFESA DA LIBERAÇAO DA AUTOHEMOTERAPIA NO BRASIL
MSc.Enf.Telma Geovanini
A Auto hemoterapia - AHT é uma técnica bastante antiga. Em 1911 F.
Ravaut descreveu seu emprego em diversas doenças infecciosas,
especialmente na febre tifóide e nas dermatoses. Era também usada em casos
de asma, urticária e estados anafiláticos. TEIXEIRA (1940); REIMANN (1990);
SHKMANN (1992).
A AHT é uma terapia complementar de baixo custo, que consiste em
coletar certo volume de sangue de uma veia periférica do próprio paciente,
comumente da prega do cotovelo e aplicá-lo imediatamente em seu músculo
(deltóide, ventroglúteo ou dorsoglúteo), sem nada acrescentar ao sangue. Este
procedimento estimula o Sistema Retículo Endotelial, quadruplicando o
percentual de macrófagos em todo organismo, conforme preconizado por
Teixeira (1940), ao comprovar que o Sistema Retículo Endotelial (SRE) era
ativado pela AHT em seu estudo publicado e premiado na Revista Brasil -
Cirúrgico, em março de 1940. Jesse Teixeira provocou a formação de uma
bolha na coxa de pacientes, com cantárida, substância irritante. Fez a
contagem dos macrófagos antes da autohemoterapia, a cifra foi de 5%. Após a
autohemoterapia a cifra subiu a partir da 1ª hora chegando após 8 horas a
22%. Manteve-se em 22% durante 5 dias e finalmente declinou para 5% no 7º
dia após a aplicação. METTENLEITTER (1936).

Em seu estudo, o Dr. Jesse Teixeira concluiu que:
“As complicações infecciosas - não surgiram em nossos 150
casos. Em vários dos numerosos casos em que deixamos de fazer a
autohemotransfusão, a título de contraprova, as complicações
infecciosas apareceram, sendo tratadas pela autohemotransfusão
curativa em altas doses (40 a 80 cc.)”. TEIXEIRA,(1940; pg 13).
Em 1936, Michael Mettenleitte, cirurgião do Pós-Graduate Hospital, de
Nova York, assinou o artigo citado pelo Dr. Jesse Teixeira e publicado no "The
American Journal of Surgery" (May, 1936 - pág.321), intitulado
"Autohemotransfusion in Preventing Postoperative Lung Complications". Onde
relata:
“A administração intramuscular de 20 c.c. de sangue autógeno, após
cirurgias, tem efeito estimulante sobre o sistema retículo- endotelial,
0%
5%
10%
15%
20%
25%
1 º Dia 2º Dia 3 º Dia 4 º Dia 5 º Dia 6 º Dia 7 º Dia 8 º Diabem como sobre o sistema simpático, que aumenta a atividade e
resistência dos tecidos”.
E afirma:
“Este método não é perigoso. Estes procedimentos vem sendo usados
em 300 casos, com bons resultados na prevenção de complicações
pulmonares pós-operatórias, com evidente redução de embolismo pósoperatório. Os resultados foram encorajadores na pneumonia pósoperatória, furunculoses, bronquites, enfisemas e urticárias”.
No ano de 1941 o Dr. Leopoldo Cea, no Dicionário de Términos Y
Expressiones Hematológicas, cita a autohemoterapia como método de
tratamento que consiste em injetar a um indivíduo certa quantidade de sangue
retirada dele mesmo. Ainda em 1941 H. DOUSSET relata que a
autohemoterapia é útil em certos casos para dessensibilizações.
Esses relatos científicos encontraram ressonância nos estudos do Dr.
Ricardo Veronesi, em que o então Professor de Doenças Infecciosas e
Parasitárias da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo,
descreveu a atuação do Sistema Reticulo Endotelial, atual Sistema Monocitico
Fagocitario, explicando que:
O sistema retículo-endotelial (S.R.H), é constituído por células
macrofágicas dotadas de intensa capacidade de fagocitar, lisar e
eliminar substâncias estranhas, quer vivas quer inertes. [...] as enzimas
linfocitárias tanto podem estimular como inibir o S.R.H., influindo no
controle, limitação ou erradicação do processo mórbido, seja ele de
natureza virótica, bacteriana, neoplásica ou auto-imune. VERONESI
(1976 pg 13).

Luiz Moura, médico e usuário da AHT, baseado nos estudos de Teixeira
(1940) e Veronesi (1976), e a partir da experiência adquirida na pratica com
seu pai, cirurgião da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, onde ambos tratavam seus pacientes com autohemoterapia; introduziu o método
em sua pratica clinica, e relatou inúmeros casos de sucesso obtido com o uso
do procedimento em um DVD lançado no ano de 2006, que se difundiu
rapidamente por todo o Brasil.
“As doenças infecciosas, alérgicas, auto-imunes, os corpos estranhos como os
cistos ovarianos, miomas, as obstruções de vasos sanguíneos são combatidas
pelos macrófagos, que quadruplicados conseguem assim vencer estes estados
patológicos ou pelo menos, abrandá-los. No caso particular das doenças autoimunes a auto-agressão decorrente da perversão do Sistema Imunológico é
desviada para o sangue aplicado no músculo, melhorando assim, o estado
geral do paciente” DVD do Dr MOURA, 2006, disponível em
http://inforum.insite.com.br/.
A autohemoterapia, desde então, vem sendo extensamente usada em
uma variedade de doenças e condições. Embora, no passado, a
autohemoterapia tenha sido usada quase que empiricamente, temos
atualmente uma clara explanação sobre suas ações.
Atualmente é perceptível a grande repercussão da AHT via internet,
*
entre cidadãos de várias partes do mundo – Holanda, Portugal, Espanha,
países da América Latina, EUA e Canadá.
No Brasil, uma incalculável quantidade de pessoas iniciou o tratamento
com essa terapêutica, na busca da cura de diversos males, em especial para
as doenças autoimunes, a baixíssimo custo. A comprovação desta afirmativa

*
http:// autohemo.multiply.com
http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S113480462006500008&lng=pt&n
rm=iso>
www.ncbi.nlm.nih.gov/PubMed/
www.ncbi.nlm.nih.gov/sites/entrez?db=journals
http://docs.google.com/View?docid=ddq5qwkp_60fq37qknv pode-se dar pela simples visita aos fóruns de discussão na internet
**
, em que
um imenso volume de depoimentos aponta resultados positivos na recuperação
e/ou na garantia da saúde das pessoas usuárias.
No ano de 2007, mais especificamente, desencadeou-se no País uma
atuação drástica dos Conselhos de Medicina e da Agência Nacional de
Vigilância Sanitária – ANVISA – Nota Técnica nº 01 de 13/04/07, em alguns
casos, amparados pelo Ministério Público, no sentido de proibir a utilização da
terapêutica, conforme resoluções oficiais destes órgãos. Os profissionais da
área de saúde e as farmácias foram proibidos de realizar a aplicação, sob
ameaças de processo, de cassação de diplomas e de fechamento de
estabelecimentos. Os argumentos usados para fundamentar tal proibição, é de
que faltam pesquisas e embasamento científico para a terapêutica e indicações
e execuções indiscriminadas da AHT.

**
http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/
http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia.htm
http://www.orientacoesmedicas.com.br/opiniao_integra.asp?cdg=1380&u=140
http://www.campanhaauto-hemoterapia.blogspot.com/
http://inforum.insite.com.br/39550/
http://www.youtube.com/profile?user=eaglestv
http://autohemo.blogspot.com/ ; http://www.medicinacomplementar.com.br/tema130206.asp ;
http://groups.msn.com/Auto-Hemoterapia/relatos.msnw - JUSTIFICATIVA
Nos últimos anos tem se observado uma demanda crescente do
uso de terapias complementares na população brasileira para a promoção da
saúde e prevenção de doenças. Entre elas se inclui a autohemoterapia –
AHT.
Com relação à tendência brasileira atual no uso de terapias,
complementares, recentemente o Ministério da Saúde elaborou uma nova
política aprovada pelo Conselho Nacional de Saúde, prevendo orçamentos e
recursos para a implantação de tratamentos não convencionais na rede
básica de saúde, com o objetivo de ampliar as opções terapêuticas aos
usuários do SUS com segurança e eficácia. Através da Portaria n.971 de
03/05/2006; publicada no Diário Oficial da União, autoriza, reconhece o valor
terapêutico e incentiva as unidades de saúde a adotarem terapias não
convencionais.
A OMS - Organização Mundial de Saúde, também tem incentivado o uso
de terapias não convencionais, partindo do princípio que os avanços científicos
e tecnológicos do mundo moderno alcançam menos de 1/3 da humanidade e
que tanto os profissionais de saúde quanto os usuários do sistema, atualmente
convivem com verdadeiros contrastes culturais, econômicos e sociais em seu
dia-a-dia. Os trabalhos de pesquisa nesta área têm demonstrado que além da
eficácia comprovada, a relação custo x benefício destes procedimentos tornaos mais acessíveis à população. Assim, a AHT vem ao encontro da Lei
8.080/90, que tem como um dos seus princípios a equidade. O Conselho Federal de Enfermagem - COFEN em sua Resolução
197/1997; reconhece as terapias alternativas como especialidade do
profissional de enfermagem qualificado, nas quais futuramente poderá ser
incluída a AHT.
Por apresentar relação custo x beneficio x eficácia satisfatória, a
autohemoterapia (AHT), tornou-se um tratamento requisitado, despertando
interesse de pacientes portadores de doenças crônico-degenerativas, em
especial as auto-imunes, que apresentam pouca ou nenhuma melhora em
seus quadros clínicos com os métodos tradicionais. Estas pessoas
reivindicam seu direito de realizar a AHT, ao mesmo tempo em que os
profissionais de saúde que acreditam no método, preocupam-se em lhes
proporcionar uma assistência de melhor qualidade, acessível e de baixo
custo. (SALOMÃO, 2006; FERREIRA e GEOVANINI, 2007; JUNIOR, 2008).
Os tratamentos atuais para as doenças autoimunes são baseados no uso
de corticosteróides e imunomoduladores, como o Interferon que apresentam um
alto custo mensal (2.400,00 a 5.600,00), e apenas diminuem a morbidade,
favorecendo uma melhor qualidade de vida ao paciente, já que não existe cura;
além disso, apresentam uma série de efeitos adversos graves. Devido a isto:
[...]“as buscas por novas alternativas terapêuticas mais seguras e de baixo
custo vem sendo implementadas em todo o mundo” (TYLBERY, 2005, pg 18).
No Brasil e no exterior, alguns especialistas da área de saúde chegaram
a iniciar pesquisas sobre o uso da autohemoterapia em doenças autoimunes: BOCCI (1993-1999); SHAKMAN (1992); ALVORD, E.C.; Jr,; SHAW, C.M.;
HRUBY, S (1996); CECIL (1998); GEOVANINI; MOZART (2007); GEOVANINI
et al (2007).
No Brasil, a ausência de protocolos e políticas de saúde
relacionadas ao uso da autohemoterapia levou à banalização da prática,
aumentando os riscos relacionados ao procedimento de punções venosas e
injeções intramusculares, como: lesões de nervos e vasos, necrose tecidual,
hematomas e flebites.
Embora proibida pelas autoridades sanitárias e Conselhos de
Classe, sob alegação de falta de evidências científicas, a prática da AHT se
popularizou, criando uma demanda reprimida, que continua fazendo uso da
terapia, sem nenhum acompanhamento e controle pelos órgãos competentes.
Como resultado dessa prática incontrolável, evidencia-se a real possibilidade
de prejuízos para os pacientes, que por não quererem abrir mão da terapia,
se submetem à aplicação da mesma de forma clandestina, realizada por
pessoas sem preparo específico.
Diante do exposto, eu Telma Geovanini, mestre em enfermagem,
Coordenadora e Docente da Faculdade de Enfermagem da UNIPAC de Juiz
de Fora , venho solicitar a esse Forum, a liberaçao da Autohemoterapia para
o bem da população brasileira.
Juiz de Fora, 17 de abril de 2009 Prof.Telma Geovanini
Rua Francisco Vaz de Magalhaes, 800/202 Cascatinha
Juiz de Fora – Minas Gerais
36033340
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NACIONAIS E
ESTRANGEIRAS SOBRE AUTOHEMOTERAPIA
E SISTEMA IMUNOLOGICO
ABBAS, Abul. Imunologia celular e molecular. 4. ed. Rio de Janeiro; Revinter
2003.
ACUNA, Garcia. Manuel. Ozono medicinal en el paciente quirúrgico. Rev.
Soc. Esp. Dolor. [online]. 2006, vol. 13, no. 5 [citado 2008-04-12], pp. 349-350.
Disponível
em:. ISSN 1134-8046.
ALVORD, E.C.; Jr,; SHAW, C.M.; HRUBY, S. Autohaemotherapy
Approaches to the treatment of central nervous system autoimmune
disease. Ann. Neurol. 6: 469 – 473, 1979.
BALESTERI, F.M. Imunologia. SP: Manole, 2006. BAYAS, A.; GOLD, R. Lessons From 10 Years Of Interferon Beta-1b
(Betaferon/Betas) Treatment. J Neurol. 250 Suppl 4: IV 3-8, 2003.
BEHMER, Oswaldo Arruda. Manual de técnicas para histologia normal e
patológica. 2ª ed. Barueri, SP: Manole, 2003.

BOCCI. V, Biological and clinical effects of ozone. Has ozone therapy a
future in medicine? Institute of General Physiology, University of Siena, Italy:
Br J Biomed Sci. 1999;56(4):270-9. PMID: 10795372 [PubMed - indexed for
MEDLINE]
BOCCI. V, Autohaemotherapy after treatment of blood. A reapprasisal.
Institute of General Physiology, University of Siena, Italy.PMID 8088420.
[PubMed - indexed for MEDLINE]
BOCCI. V, Luzzi E, Corradeschi F, Paulesu L. Studies on the biological
effects of ozone: 5. Evaluation of immunological parameters and
tolerability in normal volunteers receiving ambulatory autohaemotherapy.
Faculties of Pharmacy, Institute of General Physiology, Siena, Italy:
Biotherapy. 1993-1994;7(2):83-90. PMID: 7803194 [PubMed - indexed for
MEDLINE]
BOCCI. V., Efeitos biológicos e clínicos do ozônio: Tem a terapia do
ozônio um o futuro dentro medicina? Br J Biomed Sci 1999; 56: 270-9 BRASIL, M.S. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos
EstratégicosDepartamento de Ciência e Tecnologia. Por que pesquisa em
saúde? Council on Health Research for Development (COHRED) Global
Forum for Health Research; Série B. Textos Básicos de Saúde. Série
Pesquisa para Saúde: Textos para Tomada de Decisão; Brasília – DF,
2007.horia da
BRASIL, COFEN. Lei 7498 de 25 de junho de 1986 - Decreto 94.406/87.
Dispõe sobre a regulamentação do exercício enfermagem.
BRASIL, COFEN. Resolução 272 de 2002. Dispõe sobre a Sistematização da
Assistência de Enfermagem – SAE nas Instituições de Saúde.
BRASIL, MS. Portaria Nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política
Nacional de
Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde
BRASIL, COFEN. Resolução 197/1997. Reconhece as terapias alternativas
como especialidade do profissional de enfermagem.
BRUNO, Margarida Amorim. Esclerose Múltipla com ausência de patologia
Oro Facial - 1 Caso Clínico- UNIPAC-Faculdade de Ciências da Saúde.
2006. Disponível em http:// www.saude.sapo.pt/gP1/531501.html [Acessado em
01/05/2007].
CALLEGARO, D.; GOLDBAUM, M.; MORAIS, L.; TILBERY, C.P.; MOREIRA,
M.A.; GABBAI, A.A.; SCAFF, M. The prevalence of multiple sclerosis in the
city of São Paulo, Brazil, 1997. Acta Neurol Scand. 104(4):208-13, 2001.
CARVALHO, Maria Clara Azevedo de. Encefalomielite Autoimune
Experimental. Importância da expressão de fibronectina no
desenvolvimento das lesões. 1999. 132 p. Dissertação (Mestrado em
Patologia Experimental) – Universidade Federal Fluminense. Niterói – RJ.
1999.
CATALDO F.; GENTILLIN.L. Chemical kinetics measurements on the
reaction between blood and ozone. . Soc. Lupi Chemical Research, Via
Casilina, Rome-Italy: Comment in: IntJ Biol Macromol, 2005 Fec 30:37(5):287-
8. PMID: 16022895 PubMed index.
CATTELAN, A. V.; MOTA, C. B. Analise Cinemática da Marcha em
Portadores de Esclerose Múltipla – Um Estudo de Caso, 2003. Disponível
em http://www.wgate.com.br/conteudo/fisioterapia/neuro/analise_cinematica
[Acessado em: 03 /08/ 2004].
CECIL. RI, Angevine DM. Clinical and experimental observations on focal
infection, with an analysis of 200 cases of rheumatoid arthritis. Ann Intern
Med; 12:577-584, 1998. CORREA, José Otavio do Amaral. Efeito da Talidomida e da Pentoxifilina
na produção de mediadores inflamatórios e na patogênse da EAE, Tese.
Doutorado em Patologia. Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.Ano de
Obtenção: 2008.

CORREA, José Otavio do Amaral. Estudo da Resposta Th1 x Th2 em
camundongos Balb?c imunossuprimidos pela azatioprina e infectados
pelo Paracoccidioides brasiliensis., Dissertação de Mestrado em Ciências
da Saúde.
Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil. Ano de Obtenção: 2001.

DING, A.; NATHAN, C.F.; STUER, D.J. Release of reactive nitrogen
intermediates and reactive oxygen intermediates from mouse peritoneal
macrophages: comparison of activating cytokines and evidence for
independent production. J. Immunol. 141:2407-2503, 1988.
DOAN.T, MELVOLD.R e WALTENBAUGH C., Imunologia Médica Essencial. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan 2006.
DOMENICO, E.B.L. e COSTARDIDE,C.A. Enfermagem Baseada em
Evidências: princípios e aplicabilidades. Revista Latino Americana de
Enfermagem. Vol11. No. 1. Ribeirão Preto: Jan/Fev 2003. FERREIRA, J. E GEOVANINI, T. Perspectivas da Enfermagem Frente à
Implantação da SAE na Autohemoterapia. Monografia. UNIPAC - Faculdade
de Ciencias da Saúde.Juiz de Fora – MG, 2007.
GEOVANINI, Telma e NORBERTO, Manoel Mozart. Autohemoterapia:
Resultados de Estudos de Casos Clínicos. UNIPAC-JF. Trabalho Científico
apresentado 10º. CBCENF, Curitiba-PR, setembro, 2007. Disponível em
http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/
GEOVANINI, Telma e Norberto, Manoel Mozart. Tratamento da
Esclerodermia através da autohemoterapia: Um estudo de Caso Clínico.
Trabalho Científico apresentado no 10º. CBCENF, Curitiba-PR, setembro,
2007. Disponíval em http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/
GEOVANINI, Telma et al. Uso da Autohemoterapia como fator coadjuvante
no tratamento da Psoríase Vulgar. Trabalho Científico apresentado 10º.
CBCENF, Curitiba-PR, setembro, 2007.Disponível em
http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/
GEOVANINI, T. e NUNES, J.L.B. Estudo da Eficácia da Autohemoterapia:
Uma Análise Fisiopatológica. Trabalho Científico apresentado 10º.
CBCENF, Curitiba-PR, setembro, 2007.Disponível
http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/GERING HJ. Peridural autohemotherapy of headache after lumbar
puncture. Cah Anesthesiol 1986; 34: 523-526 [Medline].
HERNANDEZ, ML et al. Autohemoterapia: Alternativa eficaz em La
patologia autoimune. Centro de Salud de San Beniajan-San Andres –
Espanha –Septiembre 2001 Vol. 28: (04) p.291-292
JUNIOR. J.F. Infecção focal: Uma das causas esquecidas da etiologia de
doenças sistêmicas – o valor do FDG PET no diagnóstico e o valor da
autovacina e da autohemoterapia no tratamento. Disponível em www.
http:intercanalum.com.br, acesso em 12-04-08.
LEADBETTER, E.A.; BOURQUE, C.R.; DEVAUX, B. OLSON, C.D.;
SUNSHINE, G.H.; HIRANI, S.; WALLNER, B.P.; SMILEK, D.E.; HAPP, M.P.
Experimental autoimmune encephalomyelitis induced with a combination
of myelin basic protein and myelin oligodendrocyte glycoprotein is
ameliorated by administration of a single myelin basic protein peptide. J
Immunol. 161(1): 504 -12, 1998.

LICHTMAN, Abul R. Imunologia cellular e molecular. RJ: Elsevier,2002.
LUNA, L.G. Manual of histológic attaining methods of the Armed Forces
Institute of Pathology. 3
th
ed. New York: McGraw- Hill Book Company, 258p.
1968. MENENDEZ S. El empleo de la ozonoterapia en oftalmologia. Ver. Cubana
Oftalmol 1989; 2 (3): 168-172.
METTENLEITER, Michael W. M.D., F.A.C.S. "Autohemotransfusion in
Preventing Postoperative Lung Complications" assinado por Michael W.
Mettenletter (cirurgião do Pós-Graduate Hospital, de Nova York). Artigo
publicado no "The American Journal of Surgery" ; May, 1936 - pág.32 .
MOHAMED, A.; TARHUNI, H.; DUFAN, T.; BENGHUZZI, H.; TUCCI, M. The
use of digital technology to asses the severity of the Experimental Allergic
Encephalomyelitis (EAE) spinal cord lesion. Biomed Sci Instrum. 40:419-23,
2004.
MOREIRA, M. et al. Esclerose Múltipla – Estudo Descritivo de suas Formas
Clinica em 302 Casos. Arq. Neurop., 58 (2-B): 460 – 466, 2000.
MORESCHI JUNIOR, D.; NIGRO, A.J.T.; BANDEIRA, C.O.P.; SEIDEL, A.C.;
TORMENA, E.B. Investigation of the use of regional heparinization during
temporary arterial ischemia performed in rabbits. Acta Cir. Bras., 14(2),
1999.
MOURA, Luiz. Autohemoterapia. DVD Multimidia por Luis Fernando
Sarmento. 2006. OLWIN J.H, RATAJCZAK HV, HOUSE RV. Successful treatment of herpetic
infections by autohemotherapy. J. Altern Complement Med 1997; 3: 155-158.
[PubMed - indexed for MEDLINE].
PEIXOTO, MARCO AURÉLIO LANA, DAGOBERTO CALLEGARO. Consenso
Expandido do BCTRIMS para o tratamento da Esclerose Múltipla. (Dados
fornecidos pela Coordenadoria de Assistência Farmacêutica da Secretaria de
Saúde do Estado de Minas Gerais). Arq. Neuro-Psiquiatr. Vol.60(3-B): 881-
886 São Paulo Sept.2002. Disponível em:
www.bctrims.org.br/geral.aspx?pag=bctrims_metas [Acessado em: 28/05/2007]

PUGLIATI, M.; ROSATI, G.; CARTON, H.; RIISE, T.; DRULOVIC, J. et al. The
Epidemiology of multiple sclerosis in Europe. Eur J Neurol. 13: 700 – 22,
2006.
REIMANN. HA, Havens WP. Focal infection and systemic disease: a critical
appraisal. JAMA, 114:1- 6, 1990.
RIVA Sanseverino L. Et al. Effects of ozonized autohaemotherapy on
human hair cycle. Institute of Human Psysiology, University of Bologna, Italy,
2001.
ROSENOW. E.C. The newer bacteriology of various infections as
determined by special methods. JAMA, 63:903-7, 1994. SALOMÃO. S. M. C. e GEOVANINI, T. Autohemoterapia: Relatos de Casos
Clínicos. 95 paginas. monografia. Enfermagem – Faculdade de Ciencias da
Saude,Juiz de Fora - MG, 2006.
Disponível em http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/
SHAKMAN, Stuart Hale “The Autohemotherapy Reference Manual - The
Definitive Guide”, 1992 - ISBN 1-892506--14-9,

TEIXEIRA, Jesse. Complicações Pulmonares Pós- Operatórias
Autohemotransfusão. Revista BRASIL-CIRÚRGICO, Órgão oficial da
Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia
do Rio de Janeiro, vol. II, março de 1940, número 3, páginas 213 - 230.
(revisado por Luiz Fernando
Sarmento,2007).http://www.orientacoesmedicas.com.br/auto_hemoterapia.
asp.
TERUYA, R.; FAGUNDES, D.J., OSHIMA, C.T.F., BRASILEIR, J.L., MARKS,
M., YNOUYE, C.M., SIMÕES, M.J. The effects of pentoxifylline into the
kidneys of rats in a model of unilateral hindlimb ischemia/reperfusion
injury. Acta Cir. Bras. vol.23 (1), 2008.
TILBERY, C. P. Esclerose Múltipla no Brasil: aspectos clínicos e
terapêuticos. São Paulo: Atheneu, 2005 TYLICKI, T., et al. A influência de autohemoterapia ozonizada no estresse
oxidante entre pacientes de hemodiálise com isquemia arterioscleroses
dos membros inferiores. Jornal internacional dos órgãos artificiais/Vol.
26/No.. 4. 2003/pp. 297-303.
TYLICKI, T., et al. Beneficial clinical effects of ozonated autohemotherapy
in chronically dialysed patients with atherosclerotic ischemia of the lower
limbs pilot study. Department of Neprology, Medical University, Gdansk,
Poland. Int.J.Artif Organs. 2001 Fev, 24(2):79-82. PMID 11256512.PubMed
Index.

VERANES, Xiomara et al. Labor de enfermera en la aplicacion de la
ozonoterapia en retinosis pigmentaria. Santiago – Cuba: Rev. Cubana
Enfermeria 14 (2): 99-102, 1998.
VERONESI, Ricardo; FOCACCIA, Roberto (Ed.). Tratado de infectologia. 2. ed.
São Paulo:Guanabara Koogan, 2002.v.1 e v.2. 1996.
VERONESI, Ricardo. Imunoterapia: o impacto médico do século. Revista
Medicina de Hoje – Março de 1976.pg.194-200.
WEBSTER G.I., et al. Molecular epidemiology of a large outbreak of
hepatitis B linked to autohaemotherapy. Centre for Hepatology, Department
of Medicine, Royal Free and University College Medical School, London, UK. Lancet. 2000 Nov 11;356(9242):1684-5. PMID: 10972370 [PubMed - indexed
for MEDLINE.
WILLIANS J, et al. Autohaemotherapy for genital, anal and perianal warts.
Indian J Sex Transm Dis. Department of the Government Rajali
Hospital,Madurai, India : 1990;11(2):57-8. PMID: 12343559 [PubMed -
indexed for MEDLINE]
YANYING, Z.; BINGJIE, G.; XIAOHUI, J.; XINSHENG, D.; CHUNJIE, S.;
FEICHI, W. Sinomenime, an antirheumatic alkaloid, ameliorates clinical
signs of disease in the Lewis rat model of acute. Experimental Autoimune
Encephalomyelitis. Biol. Pharm. Bull. 30(8): 1438 – 1444, 2007.

AUTOHEMOTERAPIA - CADA VEZ MAIS COMPROVADAMENTE EFICAZ

Veja o vídeo acima com o Dr. Luiz Moura sobre  AUTOHEMOTERAPIA.


Você provavelmente já ficou doente algum dia e foi ao médico, e esse receitou para você um remédio. Você foi à farmácia e o comprou e ele foi caro.


De fato, esse é o mecanismo da Indústria Farmacêutica, para auferir grandes lucros. Eles lucram com a doença. Remédios são excessivamente caros, e inviáveis para uma grande massa de desvalidos na nossa sociedade que encontram-se marginalizados, impossibilitados de ter acesso a um tratamento que nem sempre é eficaz.


Milhares de pessoas todos os dias tem seus membros amputados, e morrem porque a medicina nem sempre tem a solução ideal para todos os casos.


Por isso a ANVISA que zela pelos interesses da indústria farmacêutica, não deseja médotos baratos e eficientes de tratamento. 


Recentemente veio a tona a polêmica da Autohemoterapia, um tratamento eficaz e BARATO contra um grande número de doenças e processos degenerativos. Tratamento esse que seria altamente eficaz principalmente para tratamento da população pobre que não tem acesso aos meios convencionais de tratamento.


As pessoas que experimentaram esse tratamento são unânimes em afirmar seus efeitos benéficos. Você poderá verificar inúmeros depoimentos clicando aqui.
Está ai para quem quiser pesquisar o trabalho do DR. S. H. Shakman. Pode ser adquirido o livro na Amazon. veja o link. 


Está ai para quem quiser pesquisar
o trabalho do DR. S. H. Shakman.
Pode ser adquirido o livro na
Amazon. veja o link. 
S. Hale Shakman esteve envolvido com a análise de saúde e programas relacionados desde 1966-9, quando atuou com os EUA na Agência do Departamento de Estado para o Desenvolvimento Internacional (AID), em Washington, DC Como Diretor para o Programa de Saúde Pública do Vietnã, ele participou do planejamento global de desenvolvimento e coordenação com assistência direta e esforços de treinamento, incluindo a supervisão da American Medical Association e American Dental Association, avaliações de unidade de saúde e nas necessidades de construção, e coordenação com os militares dos EUA. Isto incluiu dois trabalhos temporários para o Vietnã, totalizando 5 meses, e um prêmio de Serviços Meritórios. Em seguida atuou em capacitação de gestão do programa no Office of Economic Opportunity, em Washington, DC Shakman deixou o serviço público a aceitou o cargo de Vice-Diretor de Programas Internacionais (Operações) para o Fundo Pathfinder, uma instituição privada e voltada a organização de serviços de saúde. Mais tarde, como consultor independente e escritor, ele cooperou com o estado de Maryland, em Washington e  Alasca no desenvolvimento do "Administration on Aging" programas de nutrição patrocinados. Pesquisou, desenhou e escreveu o Guia de Planejamento e Operações para o Programa de Verão da Juventude Nacional do Desporto (patrocinado pelo Conselho do Presidente sobre Aptidão Física e NCAA); projetou um sistema de informação para atender as crianças com deficiência no Programa Headstart, e compilou e editou O Diretório "Guia de Recursos para Pessoas de Cor" Publicado em San Francisco. Outras publicações incluem artigos nos EUA HOJE e revista científica britânica Nature. Após a graduação da Northwestern University (BA), Shakman foi aceito no programa de doutorado direto para Georgetown University Graduate School em História do Pensamento Político, o que o levou a ganhar a eleição para Pi Sigma Alpha sociedade de honra. Retirou-se com a permissão de Georgetown a aceitou uma missão temporária no Vietnã para o Departamento de Estado dos EUA. Ele foi posteriormente um participante do Colóquio Scholars ", na Biblioteca do Congresso, e retomou e completou seu Ph.D. requisitos do programa em História da Odontologia por petição especial através da Academia Americana de Odontologia Biológica. Sua tese de doutorado é publicado sob o título MEDICINA DA FRAUDE título PHD. Shakman é Diretor Executivo do Instituto de Ciência em Santa Monica, Califórnia. - 




http://www.angelfire.com/ca/instituteofscience/hemo.html


Dr. Shakman Ph.D.
Stuart Hale Shakman propõe o avanço tecnológico: O uso da Auto HEMOTERAPIA promove a habilidade do corpo vivo no combater a infecção. Um processo que é em si verdadeiramente mágico. Auto-hemoterapia pode excepcionalmente ajudar o corpo a realizar essa mágica, facilitando a identificação de organismos infecciosos na corrente sanguínea, e permitindo o lançamento de um contra-ataque. Auto-hemoterapia, referindo aqui como inserção do próprio  sangue em meio intramuscular de forma imediata ou reinjeção subcutânea de seu próprio sangue, parece constituir uma atraente opção terapêutica na ausência de outros métodos, que também podem substituir outras técnicas não reconhecidas ,(técnicas experimentais e muitas vezes arriscadas) tentativas de terapias atualmente em voga.  






  Desde a introdução deste método por Ravaut em 1913 [* 1] , a auto-hemoterapia tem sido empregado em uma ampla gama de condições de doença.


Várias centenas de artigos sobre o assunto foram publicados nas principais revistas médicas principalmente a partir do início dos anos 1920 através do início dos anos 1940, conforme listado na volumes Medicus vários Index (geralmente sob o tema categoria "soroterapia"). Além disso, a via subcutânea ou intramuscular reinjeção de sangue autólogo ou componentes é freqüentemente discutido na literatura, sem referência específica ao termo "auto-hemoterapia", como pode ser observado em uma série de exemplos contemporâneos [* 2] .


 Auto-hemoterapia não é "terapia alternativa" . Inúmeros itens sobre o assunto que foram publicados no Jornal oficial da American Medical Association, incluindo o endosso um editor de 1938 é de auto-hemoterapia contra a psoríase [* 3] referência e ao seu uso contra outras doenças [* 4] , Auto-hemoterapia também foi proposto como uma medida preventiva. Por exemplo, um relatório de 1935 dos resultados favoráveis ​​contra a hemorragia cerebral afirmou que auto-hemoterapia é absolutamente indicada como tratamento preventivo em casos de predisposição hereditária estabelecida a pressão arterial elevada. [* 5] 



A ação benéfica da auto-hemoterapia relatados tem sido atribuída à presença de antígenos no sangue [* 6] que estimulam a produção de anticorpos quando injetado nos tecidos. Esta explicação encontra suporte no trabalho de Dr. CE Rosenow (Mayo Foundation, 1915-1944), que estabeleceu a presença de um organismo causador ou antígeno no sangue [* 7] durante os estágios ativos de muitas doenças.


 Assim, pode a ação da auto-hemoterapia ser comparado ao de uma vacina autógena. doses intramuscular comumente discutida na literatura tendem a cair dentro da faixa de cc 3-10. A segurança e a utilidade de um cronograma duas vezes por semana tem sido demonstrado na literatura histórica [* 8] , que agenda  em conjunto com a administração duas vezes por semana Dr. Rosenow de antígeno e anticorpos para doenças crônicas, tais como MS.


Como defendido por Dr. Rosenow no caso de MS, um membro da família responsável pode ser instruído para administrar a terapia, na medida em que pode ter de ser continuado indefinidamente. Como o Dr. Rosenow tem enfatizado, a contínua presença de focos primários oral, assintomática detectados focos orais ou inacessível focos secundários serviria para garantir a presença contínua dos patógenos causadores na circulação.


Sob tais circunstâncias, nem as vacinas do Dr. Rosenow nem auto-hemoterapia seriam de esperar o efeito de eliminação do organismo causador ( a eliminação pode ser equiparado a uma "cura"), daí a necessidade indicada para a continuação da terapia durante um período indefinido de tempo. Auto-hemoterapia é atributos de segurança, baixo custo e disponibilidade imediata.

Sugere-se continuar o uso potencial contra um amplo espectro de doenças em que um organismo causador dissemina através da corrente sanguínea, independentemente da origem ou identidade do organismo causador - incluindo os casos de malária, Ebola e AIDS. (Uma forma intramuscular de auto-hemoterapia, como supostamente usada com sucesso contra a malária, já ter sido proposto para a AIDS [* 9] , como uma forma experimental alternativa [* 10] ) 


Nos casos em que um foco, inacessível persistente de infecção não existe , auto-hemoterapia pode realmente ser suficiente para efetuar uma cura, e pode aí incluir um "tiro mágico". Enquanto auto-hemoterapia como uma entidade distinta desfrutou de um período bem documentado de popularidade durante a primeira metade do século 20, também representa a culminação de um fio de tecelagem fundamental através da arte de curar pelo menos a alguns milênios.


Tão diversas práticas tradicionais como sangria, acupuntura, cunhagem e maxubustion e moderna plasmaferese, inovações em transplante de medula óssea (uso de medula autóloga e uso de células estaminais do sangue no lugar de medula), e até certo ponto, mesmo autotransfusão - envolvem a manipulação do próprio sangue ou sangue de componentes ea possibilidade de que os benefícios podem, pelo menos em parte, ser devido a uma resposta defensiva forçada dentro dos tecidos do organismo contra substâncias nocivas no sangue circulante.    A esta luz, auto-hemoterapia pode ser vista como simplesmente a aplicação direta de tal processo, tornado possível  o grande avanço tecnológico  da agulha hipodérmica.



















HISTÓRICO DA AHT

No início do século XX surge um recurso terapêutico simples e de baixo custo, porém extremamente eficaz, a AUTO-HEMOTERAPIA (AHT), que consiste basicamente na retirada de uma pequena quantidade (5, 10 ou 20 ml) de sangue de uma veia e sua imediata aplicação no músculo, o que estimula o sistema imunológico, para que este possa realizar o trabalho de reequilíbrio, propiciando a cura. 

Como tal, embora num nível meramente físico (afora o papel transcendente do sangue na constituição oculta do ser humano), a AHT se insere perfeitamente na condição de buscar a cura no “dentro” e não no externo. Maravilha das maravilhas! Cada um leva consigo seu próprio remédio!

Como já foi comprovado em pesquisas particulares, a reinjeção do sangue extraído do paciente nele mesmo causa um aumento dos macrófagos, que são as células sangüíneas que fazem a "limpeza" de tudo o que é prejudicial no organismo, eliminando bactérias, vírus, as células cancerosas, etc. 



PARA O COMITÊ OLÍMPICO INTERNACIONAL E TODAS AS CONFEDEREÇÕES ESPORTIVAS INTERNACIONAIS, A AUTO-HEMOTERAPIA – AH, É CONSIDERADA DOPING.*VAMOS RACIOCINAR: ACUSAM A AH DE SER PLACEBO, SEM EFEITO CLÍNICO, SEM VALOR MÉDICO COMO TRATAMENTO VÁLIDO. ORA, SE NÃO TIVESSE VALOR TERAPÊUTICO, NÃO FIZESSE EFEITO, NÃO DEVERIA SER CONSIDERADO DOPING, POIS NÃO TRARIA BENEFÍCIOS PARA O ATLETA QUE O PRATICASSE... OU ESTOU ERRADO?*O QUE É DOPING: É A UTILIZAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS OU MÉTODOS CAPAZES DE AUMENTAR ARTIFICIALMENTE O DESEMPENHO ESPORTIVO DO ATLETA, ...OU CONTRA O ESPÍRITO DO JOGO.(ESSE FOI O MOTIVO QUE LEVOU O DOUTOR RUNCO A DESMENTIR AS INFORMAÇÕES QUE ELE MESMO PASSOU PARA A IMPRENSA DE QUE O FENÔMENO TERIA FEITO ESSE TRATAMENTO: RONALDO FOI AMEAÇADO DE RESPONDER PROCESSO POR DOPING NA ITÁLIA)Ronaldo e Maxi farão tratamento inédito para tratar lesão.
VEJA INCRÍVEIS DEPOIMENTOS


Esse aumento da produção de macrófagos pela medula óssea (de 5% para 22%) se deve ao fato de que o sangue injetado no músculo funciona como um "corpo estranho" a ser rejeitado pelo Sistema Retículo Endotelial – SER (hoje conhecido como Sistema Monocítico Fagocitário – SMF), o que faz com que o nível imunológico se eleve, permanecendo ativado durante 5 dias, após os quais o percentual de macrófagos vai decaindo até o sétimo dia, retornando finalmente aos 5%.

Dr. Ricardo Veronesi foi presidente
da Sociedade Brasileira de Infectologia em 1980
De acordo com o Dr. Ricardo Veronesi, eminente autoridade brasileira em Imunologia, o Sistema Imunológico atua através dos macrófagos, que além de fagocitar os organismos estranhos e antígenos, propiciando a cura de alergias, fazem também a função de clearance, isto é, liberam substâncias que dissolvem fibrinas que formam os coágulos ou trombos obstrutivos das artérias, melhorando a circulação e prevenindo os acidentes vasculares, além de atuar na biotransformação e excreção do colesterol e eliminação de proteínas desnaturadas (anormais), prevenindo o aparecimento do câncer.


Com esse aumento no nível imunológico, inúmeras doenças, inclusive as graves como as auto-imunes, regridem rapidamente, proporcionando o restabelecimento da saúde. Ademais, a AHT não representa, entretanto, nenhum risco para o paciente e não produz efeitos colaterais.

Michael W. Mettenletter, por sua vez, relatou suas pesquisas em artigo publicado no "The American Journal of Surgery" (May, 1936 - pág. 321). Fez o trabalho no Pós-Graduate Hospital, de Nova York. 

Em 1911, o médico F. Ravaut usou, ao que parece pela primeira vez, a auto-hemoterapia em certos casos de asma, urticária e estados anafiláticos. Mas, foi o Professor Jésse Teixeira que provou que o Sistema Monocítico Fagocitário – SMF (antigamente conhecido como Sistema Retículo-Endotelial – SER) era ativado pela auto-hemoterapia em seu trabalho publicado e premiado em 1940 no número de março da Revista “Brasil-Cirúrgico”. 

O Dr. Jésse Teixeira provocou a formação de uma bolha na coxa de pacientes, com cantárida, uma substancia irritante. Fez a contagem dos macrófagos antes da auto-hemoterapia, a cifra foi de 5%. Após a auto-hemoterapia a cifra subiu a partir da 1ª hora chegando após 8 horas a 22%. Manteve-se em 22% durante 5 dias e finalmente declinou para 5% no 7º dia após a aplicação. Os macrófagos são as células sangüíneas que fazem a "limpeza" de tudo o que é prejudicial no organismo, eliminando bactérias, vírus, as células cancerosas, etc. Esse aumento da produção de macrófagos pela medula óssea se deve ao fato de que o sangue injetado no músculo funciona como um "corpo estranho" a ser rejeitado pelo SMF, o que faz com que o nível imunológico se eleve. O Professor Jésse Teixeira deixou registrado, em 1940, que em 150 cirurgias as mais variadas, em que os pacientes foram submetidos à AHT, houve 0% de complicações infecciosas pós-operatórias.

Em 1941, durante a guerra, a AHT foi usada em diversas situações para tratar contingentes populacionais privados do acesso a tratamentos convencionais. O extenso trabalho do Dr. S.H. Shakman, “Autohemotherapy Reference Guide and Historical Review” fornece detalhada descrição de tais eventos.

Efetivamente, nos anos 40 e 50 a AHT era mais conhecida e utilizada do que nos tempos atuais. O Dr. Pedro Moura, autoridade em cirurgia geral, a utilizava sistematicamente em seus pacientes, especialmente antes de cirurgias, para que eles pudessem enfrentar o trauma da operação e a ambiente hospitalar com o sistema imunológico fortalecido. 

Naquela época, era seu filho, o Dr. Luiz Moura, quem aplicava a AHT nos pacientes de seu pai. Hoje é justamente o Dr. Luiz Moura, com 83 anos de idade e respeitáveis 58 anos de profissão médica, o maior divulgador da AHT, tendo recentemente produzido um DVD que foi visto, segundo estimativas, por mais de 20 milhões de pessoas. Isso fez com que a prática da AHT sofresse um aumento em escala exponencial. 
QUEM É O DR. LUIZ MOURA?
Dr. Luiz Moura 


( MAIOR DIFUSOR DA AH NO BRASIL E UM DOS MUITOS MÉDICOS QUE A RECEITAVAM)

NASCIDO EM 04 DE MAIO DE 1925, NO BAIRRO DE BOTAFOGO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, DR. LUIZ MOURA ESTUDOU NA FACULDADE NACIONAL DE MEDICINA DA UFRJ, QUANDO A UNIVERSIDADE AINDA FICAVA NA PRAIA VERMELHA, MESMO LUGAR EM QUE O SEU PAI SE FORMARA TAMBÉM EM MEDICINA NOS IDOS DE 1918.

MÉDICO CLÍNICO-GERAL, DR. LUIZ MOURA FOI VICE-DIRETOR DO HOSPITAL CARDOSO FONTES E DO HOSPITAL DE BONSUCESSO, DOIS DOS MAIORES HOSPITAIS DO RIO DE JANEIRO, PRESIDENTE DO INPS, NA ÉPOCA EM QUE ESTE ENGLOBAVA O INAMPS, DIRETOR DA DIMED, ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO QUE DEU LUGAR A ANVISA, DIRETOR DE MEDICINA SOCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FUNDADOR DA CEME, CENTRAL DE MEDICAMENTOS - (SE O GOVERNADOR JOSÉ SERRA É O PAI DOS GENÉRICOS, O DR LUIZ MOURA É O AVÔ...).

APOSENTOU-SE COMO COORDENADOR ADMINISTRATIVO MÉDICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. COM 82 ANOS DIRIGE SEU FIAT, DE VISCONDE DE MAUÁ ATÉ O RIO DE JANEIRO (3 HORAS DE VIAGEM) DUAS VEZES POR MÊS, PARA ATENDER A SEUS PACIENTES A PREÇOS IRRISÓRIOS POR AMOR A MEDICINAA AUTO HEMOTERAPIA %3 AH, É UMA TÉCNICA MÉDICA COMPLEMENTAR AO TRATAMENTO CONVENCIONAL, COM MAIS DE 90 ANOS DE PRÁTICA NO BRASIL E EM VÁRIOS PAÍSES (NA ALEMANHA É USADA HÁ 75 ANOS), SEM CONTRA INDICAÇÕES OU REAÇÕES ADVERSAS, SEM RESTRIÇÕES DE IDADE, SEXO OU DOENÇA, QUE CONSISTE EM RETIRAR SEMANALMENTE UMA PEQUENA QUANTIDADE DE SANGUE, E, LOGO EM SEGUIDA, SEM QUALQUER ALTERAÇÃO, INJETAR ESSE SANGUE NO MÚSCULO DA PRÓPRIA PESSOA, VISANDO ESTIMULAR O SISTEMA IMUNOLÓGICO (AS DEFESAS NATURAIS DO CORPO) PROVOCANDO UMA REAÇÃO DO S.I. LEVANDO À CURA, POR EXEMPLO, DE DOENÇAS ALÉRGICAS, INFECCIOSAS OU AUTOIMUNES, AMENIZANDO DOENÇAS CRÔNICAS E SUAS SEQUELAS, PROVOCANDO A MELHORA NA QUALIDADE DE VIDA DO DOENTE, DIMINUINDO SEU SOFRIMENTO, A FRAGILIDADE DA SUA SAÚDE, PROVOCANDO, AINDA, UMA MAIOR RESISTÊNICA AOS EFEITOS COLATERAIS DAS MEDICAÇÕES ALOPÁTICAS EM GERAL

NOTA: O Dr. Luiz Moura foi absolvido das acusações relacionadas com a divulgação da auto-hemoterapia, nos dois processos que foram a julgamento dia 13.08.2010 no Conselho Federal de Medicina, em Brasília


As informações são de que houve absolvição e o Conselho não mudou a posição quanto à liberação da AHT. Nesse ponto, foi uma vitória imensa, por um lado. Pelo outro, a luta continua, certamente com novos momentos em busca da vitória final. Apostemos em aliados como o Senador Suplicy e muitos outros.
Abraços,


* Walter Medeiros
* Jornalista e Bacharel em Direito
Leia mais artigos de Walter Medeiros sobre auto-hemoterapia em

* Resposta do Gabinete Pessoal do



E os milhares de relatos de sucesso, alguns deles emocionados, na consecução da cura, após o uso da AHT, comprovam a plena eficácia da técnica.

Por ser uma terapia de baixíssimo custo, alta eficácia e largo espectro de atuação, a AHT tem tudo para ser vista pela indústria farmacêutica como uma ameaça ao lucrativo negócio da venda de remédios. 

Por isso, a AHT tem sido combatida pela grande mídia e pelos Conselhos de Medicina, os quais emitiram recente deliberação, proibindo os médicos de receitá-la. 

Entretanto, verifica-se que até o presente momento não houve qualquer denúncia contra a AHT que venha a justificar esta medida por parte dos órgãos oficiais da Medicina brasileira. Enquanto isso, em países como México e Argentina, a prática da AHT é uma terapêutica reconhecida oficialmente. 

Na Europa e Estados Unidos já se pratica a Auto-Hemoterapia com ozônio, que é uma das variantes da AHT, através da qual retira-se o sangue, adiciona-se O3 e se o reinjeta. O ozônio possui atividade antiviral direta, bem como contra as bactérias e os fungos.

O único argumento oficial contra a prática da AHT é apenas o de que é um procedimento não reconhecido cientificamente. Ora, de que serve o “reconhecimento científico” se a cura é atingida? Como afirma o Dr. Moura em seu DVD:

O Dr. Olivares Rocha é um dos mais profícuos defensores da técnica da AutoHemoterapia. Seu site na Internet é rico em  informações sobre o assunto.
veja em:
http://autohemoterapia.orgfree.com/AH_Livreto_Olivares_Rocha.htm

“Medicina é a arte de curar. Eu só tenho um único compromisso com meus pacientes: aliviar o sofrimento e, quando possível, curar. Por isso que não respeito os padrões chamados científicos. Para mim o que comprova qualquer coisa é o efeito do tratamento. Se ele produz benefícios para o paciente é um tratamento científico, mesmo que não saibamos qual o mecanismo de ação deste tratamento. Eu uso recursos - sejam quais forem - para beneficiar os pacientes, para que tenham alívio do sofrimento e, se possível, a cura.”



Na base de dados pubmed, do NIH (Instutito Nacional de Saúde americano), considerada a maior base de dados médicos do mundo, existem cerca de 106 estudos científicos publicados sobre auto-hemoterapia, a maioria sendo clínicos. É um numero modesto, mas mostra que alguma pesquisa já foi realizada. Um estudo, inclusive, foi realizado no Brasil. Nele vacas com um tipo de infecção na pele chamada de ectima receberam auto-hemoterapia ou um antisséptico a base de iodo (tratamento convencional) no final de uma semana 26% das vacas que receberam auto-hemoterapia tinham melhorado contra 8% das que receberam tratamento convencional (uma diferença que é significativa do ponto de vista estatístico). Nenhum efeito colateral ou agravamento foi descrito nesse estudo.


A outra área onde se propõe a auto-hemoterapia é no campo da modulação da imunidade, seja para o tratamento de infecções ou em doenças auto-imunes. No México, por exemplo o médico Jorge Gómez Ramirez, um entusiasta do método tem proposto seu emprego em doenças auto-imunes, e conta com o apoio da Sociedade Mexicana para o Diagnóstico e Tratamento das Doenças Auto-imunes para realizar várias séries clínicas naquele país. Um estudo clinico feito pelo Dr Olwin do Hospital Presbiteriano de St. Luke, reportou uma melhora significativa em portadores de herpes zoster, uma doença que causa seqüelas e ainda não tem tratamento satisfatório. Nesse trabalho os resultados formam extremamente significativos, com 100% de ausência de seqüelas com evolução mais branda nos 20 pacientes do grupo tratado, contra uma incidência regular de dor e evolução arrastada no grupo placebo.
Por Alex Botsaris - Infectologista.


É formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especializado em doenças infecciosas pelo Hospital Claude Bernard (Paris) e em acupuntura e medicina chinesa pela Sociedade Internacional de Acupuntura (França), e pela Universidade de Pequim (China). É ex-presidente do Instituto Brasileiro de Plantas Medicinais (IBPM). Autor dos livros: "O Complexo de Atlas", "Sem Anestesia", "As Fórmulas Mágicas das Plantas", "Segredos Orientais da Saúde e do Rejuvenescimento" e "Medicina Complementar"


Por outro lado, seria altamente desejável que a AHT fosse reconhecida pelo corpo científico, pois isso permitiria que os médicos pudessem passar receitá-la, auferindo um grande incremento na consecução da cura para um grande espectro de doenças.



Para tal, entretanto, é necessária a realização de pesquisas, as quais demandam consideráveis aportes financeiros. Aguardemos o aparecimento de organismos dispostos a investir na pesquisa científica da AHT, a despeito das pressões dos interesses da indústria farmacêutica. Por outro lado, o valor desta terapêutica tem sido plenamente comprovado de maneira empírica por aqueles que a utilizam.




O reconhecimento oficial da AHT abriria caminho para que ela possa ser levada, primordialmente, à grande população carente de nosso país, que não tem posses para comprar remédios, e que muitas vezes morre desassistida. Quando este grande contingente populacional se der conta de que a cura de seus males pode estar dentro de si mesmo e o “remédio” não custa quase nada, atingiremos um novo patamar nos níveis de saúde em nosso país.




---

Bibliografia: 

· Medeiros, Walter – A Notícia que ninguém publicou – in Observatório da Imprensa (http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=466FDS006)




· Moura, Luiz – Transcrição do Vídeo sobre Auto-Hemoterapia




· Shakman, S.H. – Auto-Hemotherapy Reference Guide and Historical Review – Institute of Science – 1996




· Teixeira, Jesse – Complicações Pulmonares Pré-Operatórias – in Revista Brasil Cirúrgico – março de 1940, vol. II no.3




· Veronesi, Ricardo – Imunoterapia, o Impacto Médico do Século – in Medicina de Hoje, março de 1976

AUTO HEMOTERAPIA NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL





IDA ZASLAVSKY

"Auto-hemoterapia: terapêutica que utiliza o sangue autólogo,

retirado da veia e aplicado diretamente no músculo do paciente,

capaz de promover a saúde, prevenir, controlar e tratar diversas

doenças, sem efeitos colaterais e praticamente sem custos para o

paciente".

FLORIANÓPOLIS/SC

2009

AUDIÊNCIA PÚBLICA DO STF SOBRE O SUS

Exmo Sr. Ministro Gilmar Mendes

Presidente do Supremo Tribunal Federal

Ilmos. Srs. e Sras. Participantes da Audiência Pública sobre Saúde

Brasília – DF

Ida Zaslavsky, 45 anos, brasileira, solteira, Enfermeira, natural de Porto Alegre/RS, residente em

Florianópolis desde 1992, atualmente no endereço Rodovia Admar Gonzaga, 1663, bloco A, apto

203 – Itacorubi, vem, respeitosamente:

SOLICITAR e AUTORIZAR a publicação no site do STF, bem como VINCULAR este tema na

Audiência Pública sobre saúde, a seguinte tese:

"Auto-hemoterapia: terapêutica que utiliza o sangue autólogo,

retirado da veia e aplicado diretamente no músculo do paciente, capaz de

promover a saúde, prevenir, controlar e tratar diversas doenças, sem

efeitos colaterais e praticamente sem custos para o paciente".


1. Fato

Apresentação da defesa/inclusão de discussões sobre a Terapêutica Auto-Hemoterapia às

autoridades de saúde, em conseqüência da audiência pública da saúde a realizar-se

em abril/maio de 2009.

Recurso terapêutico simples de estimulação imunológica, de baixo custo que consiste na retirada

de sangue da veia da pessoa (antebraço) e a sua reaplicação no músculo deltóide, ventroglúteo

(local de Hochstetter) ou dorsoglúteo, sendo que este processo estimula o Sistema Retículo-

Endotelial (S.R. E), quadruplicando os macrófagos em todo organismo.

Como cidadã brasileira, estudiosa e pesquisadora, usuária e enfermeira, venho lhes apresentar

informações que podem ajudar no conhecimento da existência de um recurso imunológico eficaz e

de benefícios de saúde que faço uso há 16 anos para mim e minha família, bem como ofereço a

outras pessoas em forma de tratamento. Estas informações podem contribuir no direcionamento

das discussões e nas suas decisões enquanto autoridades de saúde reunidas nesta instância do

STF, que é a Audiência Pública.


Há aproximadamente 16 anos, acompanho e participo da grande massa de cidadãos

brasileiros que, por todo o País, usam e defendem a liberação dessa terapêutica pelos órgãos

de saúde, para que a mesma possa ser indicada por médicos, aplicada por enfermeiros,

farmacêuticos e outros técnicos em saúde, principalmente no SUS, sem qualquer tipo de

constrangimento, inibição, restrição ou ameaça por parte de Conselhos Profissionais e da

ANVISA. Tem, também, convicção de que não há razões éticas, técnicas ou legais para

sustentar a proibição da mesma, mantendo-a na clandestinidade, uma vez que continua

sendo usada por milhares de pessoas, em todas as regiões do País.


2. Justificativa

“Obrigação do Estado de disponibilizar medicamentos ou

tratamentos experimentais não registrados na ANVISA ou

não aconselhados pelos Protocolos Clínicos do SUS”.

Há mais de 100 anos esse tratamento é realizado em diversos países com a efetiva

ocorrência de benefícios de saúde e comprovadamente com 0% de existência de efeito colateral,

risco de infecções oportunistas pela aplicação, não apresenta contra-indicação e pode ser usado

nos setores primários (promoção e prevenção), secundários e terciários de saúde.

São com muita firmeza, dedicação e sensibilidade, que dirijo esse documento as

autoridades competentes e habilitadas para os encaminhamentos de temas enviados, na

esperança de que com as mesmas qualidades seja avaliado.

Desde 1993, quando fiz uma formação em Trabalho Corporal de Bioenergética, para meu

crescimento pessoal e aperfeiçoamento profissional/social/cultural, enquanto agente de

transformação para melhora na qualidade de vida (incluindo aqui Paradigma de Saúde),nesta

oportunidade conheci uma técnica denominada AUTO-HEMOTERAPIA, sua fundamentação,

depoimentos e o relato de um médico muito conceituado no Rio de Janeiro por sua experiência há

58 anos acompanhando pessoas, abrandando sofrimentos e dedicando-se ao exercício da Medicina

(como ele se refere: "Medicina é a Arte de Curar").


Por ser Enfermeira, pesquisadora e principalmente dedicada ao Cuidado com o Ser

Humano, fiquei interessada, convidei uma colega Enfermeira e juntas aplicamos uma na outra,

registrando, observando alterações e benefícios durante um período de três meses. Ao mesmo

tempo, iniciei tratar minha mãe com uma obstrução circulatória nos membros inferiores, e os

resultados foram impressionantes em quatro semanas. Depois, tratei de um adolescente de 16

anos com acne juvenil muito avançada, filho de uma colega que confiou em mim, este rapaz fez

por vinte semanas o tratamento com abrandamento importante das acnes e sintomas de pânico.

Então, passei a pesquisar com mais profundidade, convidar pessoas para conhecer a técnica e

discutirmos termos associados na área imunológica, e fui obtendo minhas próprias experiências e

expansão desse conhecimento e tratamento. Amigos começaram a procurar e solicitar, enviar

outros amigos, familiares e um leque de pessoas com diferentes situações de saúde e seus

agravantes, teve a oportunidade de se beneficiar com resultados, abrandar sintomas de doenças e

reduzir reações a tratamentos mais agressivos que continuavam se submetendo (cabe salientar

que sempre tratado como complementar ninguém interrompe tratamentos anteriores sem

orientação médica), e depois de vivenciar esses benefícios, não tenho como voltar atrás e negar a

verdade desse tratamento simples, econômico e muito eficaz no tratamento da Pessoa Humana e

de Saúde Pública, como vem se encaminhando. Faço esse relato detalhado para facilitar a

compreensão dos acontecimentos.

3. Fundamentação e análise

Segundo o Médico Luiz Moura e outros autores, a auto-hemoterapia é um recurso

terapêutico simples, de baixo custo que consiste na retirada de sangue da veia da pessoa

(antebraço) e a sua reaplicação no músculo deltóide, ventroglúteo (local de Hochstetter) ou

dorsoglúteo, sendo que este processo estimula o Sistema Retículo-Endotelial (S.R. E),

quadruplicando os macrófagos em todo organismo.

O volume a ser retirado varia de 5 a 20 ml, dependendo da gravidade da doença a ser

tratada. O sangue (tecido orgânico) em contato com o músculo (tecido extravascular)

desencadeia uma reação de rejeição, estimulando o S.R.E. A medula óssea produz então

monócitos em maior quantidade que vão colonizar os tecidos, recebendo agora a denominação de

macrófagos. Antes da aplicação do sangue intramuscular, a contagem média de macrófagos gira

em torno de 5%, sendo que após a aplicação a taxa sobe, e ao fim de oito horas, chega a 22%.

Durante cinco dias a taxa permanece entre 20 e 22%, retornando aos 5% no sétimo dia após a

aplicação da auto-hemoterapia, período em que o sangue aplicado é totalmente absorvido pelo

músculo. A comprovação dos percentuais de macrófagos antes e após a auto-hemoterapia, a sua

permanência elevada e o seu declínio em 7 dias é atribuída ao Médico Brasileiro Jesse Teixeira

(1940), afirma Luiz Moura.

As doenças infecciosas, alérgicas, auto-imunes, os corpos estranhos como os cistos

ovarianos, miomas, as obstruções de vasos sangüíneos são combatidas pelos macrófagos, que

quadruplicados pela auto-hemoterapia conseguem vencer estes estados patológicos ou pelo

menos, abrandá-los. No caso particular das doenças auto-imunes, a auto-agressão decorrente da

perversão do Sistema Imunológico é desviada para o sangue aplicado no músculo, melhorando

assim o estado do paciente (Luiz Moura).

Este Médico, além de fazer uso próprio da auto-hemoterapia, emprega esta terapêutica

desde 1940 quando ainda era estudante de medicina. Relata muitos casos de prevenção e cura de

diferentes doenças, como: prevenção da infecção pulmonar no pós-operatório, acne juvenil,

dermatoses de fundo alérgico, obstrução de artéria, esclerodermia, miastenia gravis, doença de

Crohn, púrpura trombocitopênica, gangrena por picada de aranha e muitas outras.

Há muitos registros de médicos sobre o emprego da auto-hemoterapia desde o início do

Século XX, principalmente antes da descoberta da penicilina. Na Internet encontramos artigos em

português, espanhol e em inglês que relatam a utilização desta prática em diferentes situações de

saúde. Encontramos também artigos de médicos brasileiros, sendo que uns se manifestam a favor

e outros, contra. Estes últimos argumentam que não há comprovação científica desta terapêutica.

Encontramos ainda grupos de pessoas que relatam as suas curas pela auto-hemoterapia.

Apesar das manifestações médicas contrárias à Auto-hemoterapia, têm-se notícias de

Médicos que acreditam nos seus resultados tanto assim que a prescrevem, inclusive no Estado de

Santa Catarina, Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e outros.

Vale lembrar que o paciente tem a liberdade de decidir e de escolher entre várias

alternativas de ação e que a sua autonomia de escolha deve ser respeitada. Para Fortes (1998, p.

37), Autonomia significa autodeterminação, autogoverno, o poder da pessoa humana de tomar

decisões que afetem sua vida, sua saúde, sua integridade físico-psíquica, suas relações sociais.

(...) Refere-se à capacidade do ser humano de decidir o que é ‘bom’, o que é seu ‘bem-estar’, de

acordo com valores, expectativas, necessidades, prioridades e crenças próprias.

A autonomia relaciona-se com a percepção da subjetividade de cada pessoa humana

(FORTES, 1998, p. 37). Neste sentido, o autor cita uma decisão do Supremo Tribunal Brasileiro: ‘o

instinto de autopreservação faz de toda pessoa humana, por rudimentar que seja seu

conhecimento básico, o mais seguro juiz das conveniências de sua própria saúde’.

Na legislação, não encontramos referências ao assunto. Podemos assim concluir que se

trata de um procedimento não regulamentado, não sendo, portanto, privativo de nenhuma

categoria profissional da área da saúde.

As normas legais que regulamentam o exercício profissional de Enfermagem (Lei Federal

7.498/86 e Decreto Federal 94.406/87) também não se referem a esta prática, mas também não

proíbem a sua realização. Para o Conselho Regional de Enfermagem do Distrito Federal (Parecer

COREN-DF nº. 011/2006),... Não há impedimento legal para que os Enfermeiros realizem o

procedimento, desde que tenham feito treinamento apropriado, entretanto, isto não

deve ser considerado uma atribuição privativa dos mesmos. Em que pese a atual posição

do COFEN sobre a auto-hemoterapia - que os enfermeiros que conhecem a técnica querem ver

mudado - há pareceres lapidares sobre a participação do enfermeiro na aplicação da autohemoterapia.

Um deles é o PARECER COREN-DF Nº. 011/2006, publicado em 29/1/2007.

Sua íntegra: “ASSUNTO: Trata sobre:” Enfermeiro é respaldado ética e legalmente para fazer o

tratamento de auto-hemoterapia”. SOLICITANTE: Sra. Thábata Pereira Gomes de Souza, CORENDF

Nº. 1136-IP, Estudante de Enfermagem. CONSIDERANDO que não existe legislação que proíbe

o profissional de Enfermagem realizar o procedimento. CONSIDERANDO que não existe contra

indicação, pois o sangue utilizado é do próprio paciente, sendo compatível com o mesmo.

CONSIDERANDO que é um recurso terapêutico de baixo custo, pois consiste em retirar o sangue

da veia do paciente e aplicá-lo em seu próprio músculo. CONSIDERANDO que a quantidade varia

de 5ml a 20ml dependendo da gravidade da doença a ser tratada. Obs.: O sangue (tecido

orgânico), em contato com o músculo (tecido extra-vascular), desencadeia uma rejeição, e isso

estimula o sistema retículo endotelial. A medula óssea produz monócitos que se dirigem aos

tecidos orgânicos, onde recebem o nome de macrófagos. Estes se quadruplicam em todo o

organismo, ajudando no tratamento da enfermidade. CONSIDERANDO o Código de Ética dos

Profissionais de Enfermagem que versa: Capítulo III Das Responsabilidades Art. 16 – Assegurar

ao cliente uma Assistência de Enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência ou

imprudência. Art. 17 – Avaliar criteriosamente suas competências técnicas e legais e somente

aceitar encargos ou atribuições, quando capaz de desempenho seguro para si e para a clientela.

CONCLUSÃO: Somos de parecer que não há impedimento legal para que os Enfermeiros realizem

o procedimento, desde que tenham feito treinamento apropriado e o procedimento seja prescrito

pelo médico, entretanto isto não deve ser considerado uma atribuição privativa dos mesmos.

Brasília, 04 de dezembro de 2006. Drª. Geralda Christina Lins de Oliveira COREN-DF nº. 24155”.

O parecer está no endereço http://www.coren-df.org.br/site/materias.asp?ArticlesID=1256

Há muita discussão entre os enfermeiros. No ano de 2007, após uma observação do crescimento

da procura e conhecimento maior das pessoas sobre a Auto-Hemoterapia, fui ao Conselho de

Enfermagem solicitar um parecer, e minha surpresa foi grande em ver que a equipe que fiscaliza o

exercício da profissão, NÃO TINHA CONHECIMENTO SOBRE O TEMA!!! E havia solicitação de

outros profissionais sobre a posição do Conselho. Nessa ocasião deixei todo material para

pesquisa e documentos para avaliação, bem como meus contatos para esclarecimentos, e fiquei

disponível para maiores informações devido minha experiência (durante 2 semanas fui muito

solicitada por fone e e-mail pela conselheira técnica). Foi quando fui convidada a palestrar na

reunião dos fiscais do COREN-SC que vieram de várias cidades do estado de SC. Segue citado site

do parecer, a justificativa da Conselheira Técnica e o resultado do parecer?????

Surpreendente, pois não tem nada contrário nem ao tratamento, tampouco a capacitação do

Enfermeiro para realizá-lo. Veja na íntegra o parecer do COREN-SC,

http://www.coren-sc.org.br/documentacao2/P004AT2007.doc

Sob o ponto de vista ético, em qualquer situação de cuidado, o profissional de Enfermagem

deve:

· Assegurar ao cliente assistência de Enfermagem livre de danos decorrentes de

imperícia, negligência ou imprudência (CEPE, Art. 16).

· Avaliar criteriosamente sua competência técnica e legal e somente aceitar

encargos ou atribuições, quando capaz de desempenho seguro para si e para a

clientela (CEPE, Art. 17).

· Manter-se atualizado ampliando seus conhecimentos técnicos, científicos e

culturais, em benefício da clientela, coletividade e do desenvolvimento da profissão

(CEPE, Art. 18).

A aplicação da Auto-hemoterapia, como a execução de qualquer cuidado, requer

competência profissional, ou seja, conhecimentos, habilidades e atitudes para a execução do

procedimento. Assim, o profissional deve avaliar antes de tudo a sua competência, ou conquistá-la

se for o caso, e somente então assumir o cuidado.

E finalmente, talvez seja o caso de citar, ou transcrever uma posição da Justiça sobre tratamentos

alternativos.

Há uma informação curta, disponível na íntegra:

Tratamento alternativo TRF 1 - Vera Carpes Os primeiros registros sobre a prática da autohemoterapia

foram escritos pelo médico francês François Ravout em 1911. A técnica consiste em

retirar sangue de uma veia e injetá-lo nos músculos da mesma pessoa, estimulando o aumento

dos macrófagos que fazem limpeza dos vírus, bactérias e células cancerosas. Essa é a explicação

dada pelo médico Luiz Moura em um CD divulgado pelos adeptos da prática. Difundido pela

Internet, o assunto virou uma febre no país. Com a promessa de cura para doenças graves, a

auto-hemoterapia tem sido praticada em farmácias ou por enfermeiros que vão até a casa das

pessoas aplicarem a injeção. O custo da aplicação é de R$ 5. O Conselho Nacional de Enfermagem

não reconhece o procedimento. Já o Conselho Federal de Medicina divulgou nota condenando o

procedimento e alertando a população para o risco do abandono de tratamentos convencionais.

“Acho isso muito temerário. Em situações limites pode causar danos irreversíveis, explica Geraldo

Guedes, do CFM. A polêmica sobre a medicina alternativa já chegou aos tribunais. A Justiça

Federal do Pará autorizou um paciente com Hepatite C a manter tratamento médico por meio de

método alternativo. A Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará contestou a

decisão recorrendo ao Tribunal Regional Federal da 1a. Região, em Brasília. A 6a. Turma do

Tribunal autorizou a continuidade do tratamento. Segundo o paciente, depois de realizar três

sessões do tratamento não convencional, houve uma melhora no quadro clínico. O Conselho

Federal de Medicina criticou a decisão. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) alerta

que a prática da auto-hemoterapia é arriscada e poderá apresentar, no futuro, efeitos colaterais.

Nada que assuste os adeptos dessa novidade. “Não tenho receio. Às vezes você toma algum

remédio e não dá resultado”, afirma a estudante Ângela Mota. Além de condenar á prática da

auto-hemoterapia, a Anvisa determinou que as vigilâncias sanitárias estaduais e municipais

adotem as medidas legais cabíveis, que vão de multas a fechamento do local que oferece o

tratamento”. Esta matéria foi exibida no Via Legal 255 em 25/07/2007 e está no endereço:

http://daleth.cjf.gov.br/vialegal/materia.asp?CodMateria=791

Na reportagem “Quando o corpo cura... E é interditado!

“Uma terapia simples e eficiente, que aproveita os recursos do próprio organismo, dissemina-se

pelo Brasil, é discutida na imprensa e proibida pelas “autoridades””, Ralph Viana se expressa a

favor da técnica, faz um relato histórico da Auto-Hemoterapia e apresenta comprovações

científicas desde 1941. O inteiro teor da reportagem está no endereço

http://www.jornalbemestar.com.br/mat_capa.php?idCapa=9

Sendo assim, ofereço mais este endereço para sua maior oportunidade de informações,

http://www.campanhaauto-hemoterapia.blogspot.com/ a respeito desta eficiente, antiga,

beneficiária e tão discutida forma de tratamento de saúde.

4. Conclusões

Considerando o exposto, concluímos que são urgentes a avaliação e autorização desta

Terapêutica no Sistema Único de Saúde:

· Seja decidido pela permissão do uso da auto-hemoterapia por pessoas que

desejarem e autorizem aos profissionais de saúde realizar o procedimento,

tendo em vista que não se encontra nenhum registro de danos provocados à

saúde das pessoas em decorrência do seu uso.

· Seja recomendado o estímulo às pesquisas na área de saúde, para comprovar a

eficácia desse procedimento, que vem combatendo inúmeras enfermidades há

mais de cem anos.

· Nada consta que impeça o Enfermeiro de aplicar a Auto-hemoterapia.

· O Enfermeiro deve avaliar a sua competência técnica, científica e ética e

somente realizar as atividades relacionadas à Auto-hemoterapia quando for

capaz de desempenho seguro para si e para as clientes.

Essas são, inicialmente, considerações que ofereço a esta Audiência Pública de Saúde no STF,

para que se faça Justiça aos brasileiros, para que as autoridades liberem a aplicação da autohemoterapia

onde houver necessidade comprovada por profissional de saúde e/ou pedido do

paciente. Que se possam realizar pesquisas com maior liberdade, formando assim, um

protocolo mais seguro para realização do tratamento, ou outras possibilidades de contato mais

esclarecedor com essa terapia, ou seja, campos de discussões, palestras, debates entre

profissionais de saúde, apresentação de casos e relatos existentes, entre outros.

Agradeço o cuidado e atenção.

Que Deus ilumine seus caminhos.

IDA ZASLAVSKY

ENFERMEIRA (COREN-SC 47446)

TERAPEUTA CORPORAL



TRABALHO DO DR. JESSE TEIXEIRA PUBLICADO na revista científica BRASIL-CIRÚRGICO, Órgão oficial da Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, vol. II, março de 1.940, número 3, páginas 213 - 230.


AUTOHEMOTRANSFUSÃO
COMPLICAÇÕES PULMONARES PÓS-OPERATÓRIO

Dr. Jessé Teixeira

Com o intuito de contribuir para o estudo das complicações pulmonares pós operatórias,
principalmente no que se refere à sua profilaxia, apresentamos aqui
o relato de nossas conclusões, baseadas em 150 casos, dos quais cerca de 60 %
observados no hospital de pronto-socorro.

A circunstância de ser o hospital de pronto-socorro estritamente um hospital de
urgência, confere ao método preventivo que empregamos segura garantia de
eficácia e utilidade. Sabem todos que os imperativos da cirurgia de urgência
afastam qualquer cuidado pré-operatório, ficando assim os doentes
desamparados ante a ameaça da complicação pulmonar pós-operatória, uma
vez que a tão decantada vacina anti-broncopneumonia é de uma facilidade
comprovada.

Há extrema falta de unidade entre os autores que se ocupam do assunto,
resultando daí a notável disparidade que existe entre os diversos resultados
publicados.

Tomemos um exemplo : as estatísticas sobre a freqüência das complicações
pulmonares pós-operatórias; dentre as estrangeiras - e deixamos de citar as
nacionais, porque delas não encontramos publicações - a de PROTOPOW dá uma
incidência de 7,6% a de MANDIL 14,5%, a de ORATOR STRAATEN 2,9 % ...

Esses resultados dispares têm, a nosso ver, sua fonte numa questão puramente
doutrinária, pela falta de unidade no conceito de complicação e de suas formas
anatomo-clínicas e isto acontece não só porque toda indicação numérica
depende de condições subjetivas e pessoais, mas também, e sobretudo, porque
"são extremamente elásticos os limites da verdadeira normalidade no pósoperatório".

Em virtude dessas considerações, resolvemos tecer as nossas conclusões sobre
as bases científicas de um conceito e de uma classificação, a cuja concepção
fomos conduzidos pelo estudo e pela meditação sobre os casos, que nos foi dado
observar,

Assim, antes de relatar a profilaxia e a nossa casuística, faremos uma breve
exposição do conceito e classificação das complicações pulmonares pósoperatórias,
segundo o nosso ponto de vista, seguida de uma rápida explanação
sintética sobre o diagnóstico e a etio-patogenia das referidas complicações.

I - Conceito

Segundo Alejandro Ceballos, "são consideradas complicações pulmonares pósoperatórias
todas as pneumonias agudas que sobrevenham em conseqüência da
operação, em operados que tinham, até então, o aparelho respiratório normal".

Ora, é sabido que indivíduos portadores de tuberculose em latência, ou velhos
sofredores de bronquite crônica, podem apresentar, em conseqüência da
operação, manifestações agudas dessas doenças, as quais, sem dúvida, devem
ser consideradas como complicações pulmonares pós-operatórias.

Desse modo, à definição de CEBALLOS, permitimo-nos acrescentar : ... em
operados que tinham, até então, o aparelho respiratório normal - ou ser de
processos patológicos, em fase de cronicidade ou latência.

II- Classificação



Estabelecemos uma classificação esquemática, que procura individualizar em
quatro tipos principais, de acordo com sua etiologia, anatomia patológica e
evolução clínica, as mais importantes complicações pulmonares pós-operatórias:

1 - Complicações devidas ao choque operatório: Pseudo-bronquites do pósoperatório
e atelectasia pulmonar pós-operatória.

2 - Complicações infecciosas: Bronquites (elemento de ligação entre primeiro e
o segundo grupo), corticopleurites (as complicações infecciosas mais
freqüentes), pneumonias, broncopneumonias, que podem conduzir a largas
supurações, como o abscesso e a gangrena pulmonares,

3 - Complicações devida à embolia pulmonar: Desde o tipo banal da poeira de
embolia (discutido e negado por muitos), passando pelo tipo médio de enfarto
hemoptóico de LAENNC, até o tipo fulminante sincopal ou asfixio da embolia da
artéria pulmonar.

4 - Complicações Especiais :
a) surto agudo de tuberculose;
b) complicações próprias à cirurgia torácica.

A presente classificação terá os fundamentos de sua justificação no item
seguinte, que trata da etiopatogenia das complicações pulmonares pósoperatórias.

III - Etiopatogenia

Na etiopatogenia, são descritas numerosas causas predisponentes das
complicações pulmonares: o estado geral do operado, a idade, o sexo, o estado
pré-operatório do pulmão e vias aéreas superiores, garganta, boca e nariz (que,
quando sede de inflamações predispõem a infecção pulmonar por via
broncógena), assim como do aparelho cardiovascular (por isso que a sua
insuficiência determina estase na pequena circulação, capaz de favorecer a
evolução de um processo pulmonar), a técnica cirúrgica e o tempo da operação
(as manobras suaves, a hemostasia bem cuidada, aliadas a um tempo curto,
dão menor número de complicações), a região abdominais altas), a hipótese,
pelo decúbito prolongado na lei (é fator que só se evidência nos indivíduos muito
idosos, caquéticos e com lesões do aparelho cardiovascular) e a estação do ano
(o inverno fornece maior contingente de complicações).
No particular do sexo, o masculino paga maior tributo: em 40 complicações,
pulmonares, 33 são de indivíduos masculinos. O fenômeno se explica pela
diferença entre os tipos respiratórios do homem e da mulher. O homem tem
uma respiração costo-diafragmática ou abdominal e a mulher uma respiração
costal superior, e como em conseqüência da operação há uma paresia
diafragmática, a amplitude respiratória do homem diminui consideravelmente,
predispondo, pela hipoventililação pulmonar, toda sorte de complicações, o que
não sucede com a mulher, que continua com uma amplitude satisfatória.
Por uma razão semelhante, se explica o maior número de complicações
pulmonares que todas as estatísticas conferem às operações gastroduodenais
sobre as intervenções nas vias biliares extra-hepáticas : é que as afeções
gastroduodenais são mais freqüentes no homem, ao passo que as das vias 
biliares atingem mais o sexo feminino.
Uma estatística, só de mulheres operadas de estômago e vesícula, demonstrou
que a cirurgia biliar dava 8 % de complicações, ao passo que a cirurgia gástrica
determinava apenas 6%.

Estudaremos agora a etiopatogenia de cada um dos quatro tipos de nossa
classificação.

Primeira - Complicações devidas ao choque operatório: - Estas complicações
são explicadas, segundo a concepção das manifestações segmentárias do
choque de Carlos Stajano, por inibição do setor neurovegetativo, que preside à
inervação das fibras lisas traqueo-bronco-pulmonares, dando como
conseqüência uma traqueo-broncoplegia (ruído de glú-glú traqueal, pela
impossibilidade de expectorar) e assim se constituem e se diagnosticam as
"falsas bronquites passageiras do pós-operatório, atribuídas durante muitos
anos ao éter ou ao resfriamento das salas de operações e que desaparecem,
como fantasmas, de um dia para outro, apesar da medicação mais ou menos
penosa para o doente, como envoltórios, ventosas "...

Esta modificação de tipo paretico na fibra lisa traqueo-broncopulmonar , tem a
mesma explicação que a paresia intestinal psicológica do pós-operatório
(Stajano), que desaparece, normalmente, ao fim de 48 horas e que nada mais
representa que o choque segmentar da fibra lisa intestinal.

Os pulmões têm pouca atividade independente e, quando retirados do tórax e
separados, são apenas massas inertes (Henderson).

A depressão funcional pós-operatória manifesta-se também na baixa do tônus
muscular geral, sob a influência da inibição nervosa. As alças intestinais, sede
de paralisia, deixam-se distender pelos gazes, o indivíduo não consegue tossir e,
nos seus esforços para expectorar, só consegue deglutir saliva misturada a
gotículas de ar, pelo que se constitui uma aerogastria e assim intestinos e
estômago distendidos elevam o diafragma hipotônico, a amplitude respiratória e
a capacidade vital decrescem consideravelmente ( dispnéia, com respiração
rápida e superficial), as secreções brônquicas, que não podem ser expelidas,
agem como rolha mucosa nas vias respiratórias, o ar alveolar, por fenômeno
puramente físico, é absorvido e surge o quadro da atelectasia pulmonar (o
atelectasio é um asfixico, mas não é um infectado).

Estas manifestações de choque, pós-operatório imediato, podem perdurar e,
como todo órgão em retenção está em condições propícias para infectar-se, se o
meio é séptico, não se livram da ameaça de, sobre elas, se enxertar uma
complicação infeciosa. Assim, as complicações do segundo tipo podem iniciar-se
como meras manifestações de choque e através do elemento de ligação -
bronquites pós-operatórias - evidenciar-se com todas as características clínicas
de uma cortico-pleurite , pneumonia, broncopneumonia, abscesso ou gangrena
pulmonares.

Segunda - Complicações Infeciosas: - Na gênese das complicações infeciosas
tem sido invocados numerosos fatores através dos tempos. Passemo-los em
revista:

a) Anestesias por inalação: - Foi o éter principalmente responsabilizado, porque
"irrita a árvore brônquica, exagera as secreções e diminui a ação bactericida das


mesmas, além de provocar resfriamento". Contudo, as complicações surgem,
indiferentemente, com todos os tipos de anestesia, inclusive a local e a
raquidiana foi incriminada de despertar complicações pulmonares por diminuição
da amplitude respiratória conseqüente a anestesias altas e mais ou menos
prolongadas. Quanto à anestesia local, é ela que fornece maior cifra de
complicações pulmonares nas estatísticas o que facilmente se explica, porque é
empregada em maior cópia, como também porque é a anestesia de escolha para
numerosos indivíduos tarados (bronquiticos, cardíacos, etc.), como diz Quênu.

Em suma, a anestesia por inalação tem a sua parte no aparecimento de
complicações em indivíduos com aparelho respiratório lesado e, sobretudo, nas
chamadas pneumonias por aspiração, em que o conteúdo gástrico, durante um
esforço de vômito, passa para as vias aéreas superiores, desencadeando uma
pneumonia gravíssima, com elevada cifra de mortalidade (infeção brônquica).

Diga-se, de passagem que as anestesias locais, feitas com o
reforço de uma injeção de morfina, podem, pelos mesmos motivos, conduzir à
pneumonia aspirativa.

b) Embolias do pós-operatório, sem que existam pleurites : Foram durante largo
tempo imputadas, como causa de complicações pulmonares, as micro-embolias
que se originariam da sede do trauma cirúrgico, instalando-se então "um quadro
inflamatório pulmonar caracterizado por zona de maciez, silêncio respiratório e
febre alta ".

Pierre Duval nega qualquer fundamento de veracidade a esta opinião e afirma
que "só por comodidade o cirurgião invoca a embolia ", uma vez que a anatomia
patológica que ela não tem existência real.

c) Infecção por via linfóide, hematóide ou bronquial: A via linfogena tem sido
invocada, nas operações sépticas do andar supra-mesocolico, em que a
infecção, pelos linfáticos, atravessaria o diafragma e chegaria ao pulmão; a essa
afirmação se têm oposto argumento irrespondíveis. Apenas, a infecção bronquial
pôde ser aceita, como elemento de valor, nas pneumonias aspirativas e nos
epidêmicos de gripe.

d) Intoxicação pelos polipeptídios: - Segundo Pierre Duval, de acordo aliás, com
a escola francesa, as complicações infecciosas se explicam através do fértil
conceito da chamada "maladie post-opératoire", recebendo então os
polipeptídios, originados pelo trauma cirúrgico, uma transcendente importância.

Experimentalmente, Pierre Duval e Léon Binet sensibilizaram cães a albuminas
musculares e, semanas após, injetando o mesmo material pela safena,
conseguiram reproduzir, sistematicamente, lesões pulmonares, em tudo
semelhantes as do pós-operatório humano. Estas lesões produziram-se sempre
que se atuava sobre animais previamente sensibilizados, e, no homem essas
complicações são mais freqüentes nos indivíduos com intra-dermo-reação
positiva para os polipeptídios. Portanto, é necessário um estado de
sensibilização.

Conclusão: - Todas as teorias encerram sua parte de verdade, mas pecam todas
unilaterais. A principal explicação reside no próprio ato operatório, criador da
"maladie post-operatoire", que é um desequilíbrio biológico súbito, capaz de
trazer, entre outras, as complicações pulmonares.



Terceira - Complicações devidas à embolia pulmonar: - A embolia pulmonar,
nas suas duas formas, geralmente aceitas, o enfarto hemotóico de Laennec e a
embolia de artéria pulmonar, origina-se, via de regra, de uma trombobliebite
pélvica ou dos membros inferiores, para cuja patogenia se inscrevem os três
fatores seguintes:
a) lesões do revestimento endotelial vascular;
b) alterações qualitativas do sangue (hiperinose);
c) estagnação sangüínea

O processo trombótico vai progredindo até uma encruzilhada venosa, onde um
fragmento, batido pela corrente sangüínea, se desprende e, ao atingir a
pequena circulação, desperta o quadro de enfarto pulmonar, de que fazem parte
os escarros homópticos e a dor torácica. Este enfarto pôde infectar-se e teremos
constituída uma pneumonia tardia pós-enfarto. Outras vezes, continuam a
desprender-se êmbolo, até que um, de maiores proporções, determine o quadro
fulminante da embolia da artéria pulmonar.

Nas nossas observações contam-se dois casos de embolia pulmonar : o
primeiro, após um quadro de enfarto hemóptico, faleceu subitamente de
embolia da artéria pulmonar, revelando a autopsia dois grossos êmbolos que
obstruíam os ramos de bifurcação da artéria. O segundo teve um enfarto
hemóptico, também originado de flebite da safena interna, que se transformou
numa pneumonia pós-enfarto, mas teve alta curado.

Quarta - Complicações Especiais:
a) Surto agudo de tuberculose - toda intervenção cirúrgica cria um estado de
alergia, favorável ao aparecimento de surtos evolutivos agudos de tuberculose
pulmonar;
b) Complicações próprias à cirurgia torácica - como o esvaziamento, na árvore
brônquica, do conteúdo de uma caverna, após uma toracoplastia, ou as
complicações de uma lobectomia (hemotórax supurado, desvio do mediastino,
etc.)
Sobre este tipo de complicações, não nos alongaremos, pois pertencem a uma
especialidade que não cultivamos.

IV – Diagnóstico

O cirurgião deve pensar em complicação pulmonar pós-operatória quando, no
seu operado, se manifestam tosse, febre, dispnéia, dor torácica ou escarros
hemópticos. O exame físico revelará: estertores, roncos, sibilos, sopros,
diminuição da sonoridade pulmonar e, por vezes, mesmo, massicez. Há
repercussão principalmente sobre o aparelho circulatório, que, muitas vezes,
comanda o prognóstico.
Será desnecessário encarecer as vantagens do exame radiológico, para o
estabelecimento do diagnóstico.

V - Profilaxia

Fora do âmbito da cirurgia de urgência, são numerosos os meios profiláticos das
complicações pulmonares pós-operatórias (eleição do doente e da anestesia,


cura de catarros das vias respiratórias, saneamento da boca, prevenção de
resfriamentos, exercícios respiratórios, inalações de carbogenio, etc.). Todos
aliás, muito precários.

Para a profilaxia destas complicações há, contudo, um recurso, que, segundo as
observações do seu autor e as nossas próprias, ao que parece únicas em nosso
meio, é da mais alta valia, podendo ser vantajosamente empregado, quer na
cirurgia de urgência, quer nos casos em que o doente pode ser preparado.

Trata-se da autohemotransfusão de 20 cc logo após a operação; estando o
doente ainda na mesa de operação, retiram-se 20 cc de sangue de uma veia da
prega do cotovelo, que são imediatamente injetados na nádega.

Baseamo-nos em 150 observações (1) das quais, a maioria, pertencentes à
cirurgia de urgência, através dos casos passados pelo Serviço "Daniel de
Almeida" a cargo do Dr.Jorge Doria, no Hospital de Pronto Socorro.

Deixamos de publicar aqui grande número de observações também favoráveis à
utilidade do método, que foram feitas por colegas nossos nos seguintes
serviços: décima terceira - Enfermaria da Santa Casa (Serviços do Dr. Darcy
Monteiro) pelo doutorado Carlos Teixeira, serviço do Dr. G. Romano (Hospital da
Gamboa) pelo doutorado Oscar de Figueiredo Barreto e Serviço Chapôt-Prevost
(Hospital de Pronto Socorro) a cargo do Dr. Darcy Monteiro, pelo doutorando
Monteiro de Figueiredo.

Foi-nos sugerida a atenção para o assunto em fins de 1937, pelo jovem e
brilhante docente Dr. Sylvio D Ávila, que chefiava a décima segunda enfermaria
da Santa Casa, de que éramos internos, sendo as primeiras 60 observações ali
colhidas.

A sugestão do nosso chefe de então se prendeu a um artigo publicado no "The
American Journal of Surgery" (May, 1936 - pág.321), intitulado
"Autohemotransfusion in Preventing Postoperative Lung Complications" e
assinado por Michael W. Mettenletter (cirurgião do Pós-Graduate Hospital, de
Nova York).

Mettenleiter, considerando os excelentes resultados do processo, como método
curativo das pneumonias pós-operatórias declaradas, onde foi aconselhado por
Vorschutz, resolveu empregá-lo, como profilático, em 300 casos de sua clínica
particular e não teve uma só complicação pulmonar, a não ser pequena área
trombótica em um pulmão, cinco dias após a operação.

Antigamente, o emprego da autohemotransfusão se submetia às influências
fecundas, mas anti-científicas do empirismo. Hoje, porém, temos uma
explicação razoavelmente clara e perfeitamente aceitável de sua ação. Quando o
sangue empregado fora de sua situação normal, no aparelho circulatório, ele se
torna uma substância completamente diferente para o organismo.

O sangue extraído por punção venosa é um sangue asfixico que, por curto
lapso, se põe em contato com um corpo estranho (seringa), o que é suficiente
para provocar modificações na sua físico-química e, por isso, injetado no
organismo, atua como si fora uma proteína estranha. De todos é conhecido o
efeito estimulante das proteínas parentais sobre o sistema simpático e o
parassimpático, pelo que ocorrem reações vasomotoras e teciduais em todo o
organismo.



Widal observou acentuada diminuição dos leucócitos em todo o sistema vascular
periférico. Porém, mais tarde, Müller e Petersen demostraram que essa
diminuição periférica corresponde a um aumento destas células nos órgãos
abdominais, e consequentemente, a um incremento nas funções orgânicas,
particularmente do fígado, acelerando-se a secreção biliar e os processos de
desintoxicação. Nenhum efeito sobre o sistema vasomotor, sangue ou tecidos se
observa nos órgãos cuja inervação autônoma foi suprimida antes da infeção.

O sistema retículo-endotelial de Aschoff-Landau também é poderosamente
estimulado pela autohemotransfusão.

As seguintes experiências provam essa afirmação:
a) Um emplastro de cantáridas, colocado sobre a pele da coxa, determina a
formação de pequena vesícula. Pois bem, se aspiramos o conteúdo dessa
vesícula num tubo em U e o centrifugarmos, depois de seco e corado, a
contagem diferencial nos revelará uma incidência de monócitos por volta
de 5% (os monócitos são os representantes no sangue circulante do S.
R. E. ). Após a autohemotransfusão, a cifra de monócitos, no conteúdo
da vesícula, se eleva em oito horas para 22% e, após 72 horas, ainda há
20% caindo a curva gradualmente para voltar ao normal, no fim de sete
dias;
b) pela prova do Vermelho Congo se evidência a capacidade de armazenar
corantes do S. R. E. - essa capacidade acentua-se consideravelmente
após a injeção de sangue;
c) outro teste utiliza a determinação do índice bactericida dos tumores,
segundo o método de Wright. Após a injeção, o índice mostra um
acréscimo, que, dentro de oito horas, chega a um máximo de 15 a 20
valores normais. Como a elevação dos monócitos, a elevação do índice
bactericida dos tumores prova a estimulação dos poderes defensivos do
organismo do S. R. E. ou melhor, para ceder aos impulsos de um são
nacionalismo, sem desatender às exigências da boa ciência, através do
sistema angio-histio-lacunar de Póvoa-Berardinelli (o alvéolo pulmonar é
parte integrante do sistema lacunar).
Para os que aceitam as idéias de Pierre Duval, podemos concluir que a
autohemotransfusão atua como elemento desensibilizante, contra a agressão
dos polipeptídios, que só agem em indivíduos sensibilizados.
Finalmente, estamos inclinados a aceitar a eficácia da autohemotransfusão nas
complicações da tuberculose, visto como ela parece remediar a fase de
inferioridade ou alergia, que a intervenção cirúrgica desperta nos tuberculosos.

A propósito da desprezível quantidade de sangue, que se acumula na ferida
operatória, sugeriu-se que a observação deste sangue poderia tornar uma
adicional autotransfusão desnecessária.

São de Mettenletter as seguintes palavras: "as alterações físico-químicas, na
totalidade do sangue e do soro, são tão delicadas e ocorrem tão rapidamente,
que nenhuma comparação pode ser feita entre o sangue retirado de uma veia e
reinjetando intramuscularmente e o sangue acumulado numa ferida para ser
absorvida; estes dois processos são inteiramente diferentes".



O sangue tem sobre os outros agentes protéico-terápicos, além das vantagens
de comodidade e economia, a de que a sua absorção se faz mais prontamente.

Para terminar, em vista dos nossos excelentes resultados, que confirmam
amplamente as verificações de Mettenletter, podemos fazer nossas as suas
palavras: "as complicações pulmonares podem surgir, com qualquer espécie ou
método de anestesia, mas a ausência de acometimentos pulmonares, em nossa
série, prova que a autohemotransfusão e não o tipo de anestesia, responde
pelos bons resultados".

Casuística - 150 casos.
1) - Intervenções :
— Safenectomia 1
— Arteriotomia 1
— Coecopexia 1
— Castração 1
— Simpatectomia periarterial 1
— Cistotomia 1
— Cholecistomia 1
— Drenagem da fosse ilíaca direita 1
— Esplenectomia 1
— Apendicectomias 56
— C.R.hérnia inguinal 29
— Laparotomias exploradoras 11
— C.R.hérnia inguinal estrangulada 7
— Gastrectomias 5
— Fístulotomias 5
— Hemorroidectomias 5
— Inversões da vaginal 5
— Sepultamento de úlceras gastroduodenais perfuradas 4
— Operação de Ivanissevitch 3
— Operação de Ombredanne (ectopia testicular) 3
— Emasculações totais 3
— Anus ilíacos 3
— C. R. hérnias crurais estranguladas 2
— Recessão intestinais 2
— Exérese de quisto dermóide 2
— Salpingectomia 2
— Exérese de quisto torcidos do ovário 2
— C. R. de hérnia umbilical estrangulada 2
— Amputações de membros 2
— Cholecistectomia 1
— Gangliectomia Lombar 1
— Gastroenterostomia 1
— Cerclagem da rótula 1
— Operação de Albee (enxerto vertebral) 1
— Nephrectomia 1
— Nephrostomia e retirada de cálculo 1
— Trepanação da tíbia 1
— Prostatectomia 1
— C. R. hernial crural 1

2) - Anestesias :


— 
Local 62
— Balsoformio 50
— Rachidiana 20
— Éter 10
— Peridural segmentária 5
— Eunarcon 3
TOTAL 150

3) - Diagnósticos :
— Apendicites 51
— Hérnias inguinais 24
— Hérnias inguinais estranguladas 7
— Fistulas anais 6
— Feridas penetrantes do abdômen 5
— Hidroceles da vaginal 5
— Ectopias testiculares 4
— Úlceras duodenais 4
— Úlceras gastroduodenais perfuradas 4
— Varioceles 3
— Epiteliomas do pênis 3
— Canceres do reto 3
— Hérnias umbilicais estranguladas 3
— Peritonites agudas generalizadas 3
— Canceres do estômago 2
— Quistos dermóides 2
— Roturas de prenhez ectópica 2
— Quistos torcidos de ovário 2
— Esmagamentos de membros 2
— Cholecistite 1
— Gangrena do pé 1
— Fratura de rótula 1
— Mal de Pott 1
— Fistula estercoral 1
— Tuberculose renal 1
— Litiase renal 1
— Osteomielite aguda 1
— Adenoma prostático 1
— Hérnia crural 1
— Varizes da perna 1
— Artrite supurada do joelho 1
— Úlcera de perna 1
— Oclusão intestinal 1
— Câncer de bexiga 1
— Rotura traumática de baço 1
— Varicocele pelvice 1
— Ferida penetrante do tórax 1
— Pancreatite edematosa, com peritonite biliar sem perfuração 1
— Abscesso apendicular 1
— Vólvulo da sigmóide 1

VI - Resultados e conclusões



Primeiro - As complicações devidas ao choque : - Só cedem, evidentemente,
ao tratamento do choque (sol, chloretadas hipertônicas e, eventualmente,
infusão maciça de café em clister). Contudo, a autohemotransfusão contribui,
seguramente, para que sobre elas deixem de enxertar-se as complicações do
segundo tipo ou infeciosas.

Segundo - As complicações infeciosas - não surgiram em nossos 150 casos. Em
vários dos numerosos casos em que deixamos de fazer a autohemotransfusão, a
título de contraprova, as complicações infeciosas apareceram, sendo tratadas
pela autohemotransfusão curativa em altas doses ( 40 a 80 cc.) pelo soro
chloretado hipertônico, álcool, digital, vitamina C, etc.

Comentemos alguns casos interessantes : numerosos doentes se submeteram à
operação com bronquites crônicas ou subagudas. Pois bem, após a operação,
fez-se a autohemotransfusão e essas bronquites ou continuaram na mesma,
sem se agravar ou, então, desapareceram.

De dois doentes que sofreram esplenectomia por ruptura traumática do baço,
em um foi feita a injeção de sangue - alta, curada, em oito dias. Em outro não
se fez a autohemotransfusão e manifestou-se-lhe um foco de condenação na
base direita.

Um velho prostático sofreu uma falha hipogástrica, como tempo prévio à
prostatectomia. Dada a benignidade da intervenção, não lhe fizemos a
autohemotransfusão e se constitui uma cortico-pleurite.
Curou-se e, operado de prostatectomia, foi-lhe feita a injeção de sangue,
tendo um pós-operatório respiratório normal.

Outro doente, que padecia de mal de Pott, submeteu-se à operação de ALBEE
(enxerto vertebral). Era portador de catarro crônico das vias aéreas superiores;
foi operado sob anestesia geral pelo balsoformio e ficou três meses no leito
gessado sem apresentar a mínima complicação pulmonar, tendo-lhe sido feita a
autohemotransfusão após a operação.

Terceiro - Complicações devidas à embolia pulmonar. - Não podemos tirar
conclusões seguras a respeito deste ponto, em primeiro lugar, porque tivemos
apenas dois casos e, em segundo, porque só em um foi feita a
autohemotransfusão, aliás no que não morreu. Contudo, parece-nos que a
autohemotransfusão não pôde impedir a formação de uma tromboflebite, nem
que desta se desprendam êmbolos.

Quarto - Quanto às complicações pulmonares pós-operatórias nos indivíduos
tuberculosos, parece-nos que a autohemotransfusão age beneficamente no
sentido de corrigir a fase de inferioridade orgânica que o ato cirúrgico desperta
nesta classe de pacientes.

Tivemos quatro casos de intervenções, em indivíduos tuberculosos
comprovados, sem complicação pulmonar pós-operatória: duas
apendicectomias, uma nefrectomias por tuberculose renal e uma nefrotomia
com retirada de cálculo coraliforme, em indivíduo que se havia submetido a
pneumotórax terapêutico.

Só num caso se desenvolveu uma pneumonia tuberculosa, mas o indivíduo era
portador de tuberculose evolutiva e, operado de apendicite aguda, foi-lhe feita
somente injeção de 10 cc de sangue, portanto dose insuficiente, metade da que
aconselha o autor do método.


Esses casos não nos permitem ainda uma conclusão segura, do mesmo modo
que os de embolia pulmonar.
Não resta dúvida que as complicações infeciosas, segundo o critério por nós
estabelecido, são prevenidas seguramente pela prática da autohemotransfusão.

Trabalho do Dr. Jesse Teixeira, publicado na revista científica BRASIL-CIRÚRGICO, Órgão oficial da
Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro,
vol. II, março de 1.940, número 3, páginas 213 - 230.

FIOCRUZ 2009






OBS: DR. LUIS MOURA COMPROVOU EM HUMANOS POR 59 ANOS O QUE ESSE ESTUDO COMPROVOU EM ANIMAIS






Utilização do camundongo NOD (Non-obese diabetic) como modelo de

estudo sobre a eficácia da autohemoterapia.

Dr. Flávio Alves Lara

Bacharel em Microbiologia

Mestre em Biociências e Biotecnologia

Doutor em Química Biológica

Assistente de Pesquisa do Laboratório de Microbiologia Celular

Instituto Oswaldo Cruz

Fundação Oswaldo Cruz

Fica aqui registrado que se trata de um estudo preliminar, que não dá respaldo científico ao uso da ferramenta em humanos. Apesar da sua provável eficácia em um modelo animal clássico de doença autoimune, seu mecanismo de ação e riscos em potencial não são conhecidos.
(Essa observação provavelmente pretende não se comprometer com a proibição vergonhosa desse organismo chamado ANVISA que mostra zelar pelos interesses dos laboratórios que querem vender remédios a preços extorsivos e não da população.)

Endereço:

Flavio Alves Lara

Laboratório de Microbiologia Celular

Pavilhão Hanseníase, sala 27

Av. Brasil 4365 – Manguinhos

Rio de Janeiro – Brasil

CEP: 21045-900

e-mail: falara@ioc.fiocruz.br

Introdução

A linhagem de camundongo NOD (Non-obese diabetic) é largamente utilizada

em estudos envolvendo modulação da resposta imune, fisiologia de linfócitos T

reguladores e diabetes. Os animais dessa linhagem apresentam o desenvolvimento

espontâneo de uma síndrome autoimune, levando em poucas semanas de vida à

infiltraçäo linfomononuclear progressiva das ilhotas de Langerhans (insulite), iniciada

na quinta semana de vida, levando ao desenvolvimento do quadro clínico de diabetes

dependente de insulina (Kikutani e Makino, 1992). A linhagem NOD foi gerada por

pesquisadores japoneses através da indução de polimorfismo no lócus Idd3, associado à

produção de IL-2, o que acarreta no desaparecimento da população de linfócitos T

reguladores (Makino e cols, 1980). A perda da população de lifocitos responsáveis pela

gestão da imunotolerancia acarreta em um leque maior de síndromes autoimunes a

serem observadas na supracitada linhagem, tais como sialites autoimune, tireoidites

autoimune, polineuropatia periférica autoimune e dermatite sistêmica autoimune.

Estudos recentes apontam o papel imunomodulador apresentado por

componentes sanguines tais como plaquetas e heme (Porto e cols. 2007; Graca-Souza e

cols. 2002; Knighton e cols. 1986).

Dessa forma, decidimos no presente estudo fracionar os componentes do

sangue em três: fração celular, fração plasmática e fração heme, realizando protocolo

semelhante à autohemoterapia em camundongos NOD, observando dessa forma a

contribuição individual de cada componente para a imunomodulação já observada

durante o tratamento envolvendo a autohemoterapia em humanos (comunicação

pessoal). Utilizamos como grupo controle animais injetados com salina tamponada,

utilizando-se um total de 20 animais para cada condição.

Metodologia

Frações do sangue

A partir de uma colônia isogênica (mesmo pool genético) de camundongos BalbC

NOD, machos foram sacrificados por asfixia em câmara de CO2 e sangrados com a

ajuda de uma seringa contendo heparina como anticoagulante. O sangue foi rapidamente

centrifugado a 1000g por 10 minutos, no sentido de separarmos a fração celular (que

nas pranchas das figuras 1 e 2 são abreviadas como sangue) e a fração plasmática (que

nas figuras 1 e 2 são chamadas de plasma). Ambas as frações são congeladas em freezer

para uso posterior.

Solução de Heme

Neste trabalho uma solução de 10mM de heme (Fe-Protoporfirina IX) foi preparada da

seguinte forma: heme em pó adquirido da empresa Molecular Products foi resuspendido

em solução de NaOH 0.1N, e posteriormente tamponado com PBS (tampão fosfato

tamponado a pH 7,2).

PBS

A solução de PBS foi montada através da combinação de soluções contendo 100mM de

fosfato de sódio monobásico e dibásico adicionados de 150mM de NaCl até atingir-se o

pH 7,2. Todos os sais foram adquiridos da empresa Merck.

Tratamento

O tratamento consistiu de injeções intramusculares de 10ml dos diferentes estímulos

(fração celular do sangue, fração plasmática do sangue, heme e PBS) em apenas um dos

membros inferiores por vez, a cada 2 semanas, de forma que um mesmo membro

recebia injeções a cada 4 semanas. Não foram observados nos animais em questão sinais

maiores de desconforto atribuídos ao tratamento. Foram utilizados 20 animais por

grupo, iniciando-se o tratamento no segundo mês de vida. Divergências no padrão de

dermatite autoimune foram registradas ao longo do período, interrompendo-se o estudo

ao sexto mês de vida.

Dessa forma, decidimos no presente estudo fracionar os componentes do sangue em

três: fração celular, fração plasmática e fração heme, realizando protocolo semelhante à

autohemoterapia em camundongos NOD, observando dessa forma a contribuição

individual de cada componente para a imunomodulação já observada durante o

tratamento envolvendo a autohemoterapia em humanos (comunicação pessoal).

Utilizamos como grupo controle animais injetados com salina tamponada, utilizando-se

um total de 20 animais para cada condição.

Resultados e discussão

Após 4 meses de tratamento, é vivível a diferença entre os animais tratados

com injeções contendo a fração celular e plasmática do sangue, quando comparados aos

animais tratados com heme e salina (figura 1 e 2). É possível observar regiões de

foliculite e dermatite autoimune, evidenciadas por setas. Na região ventral, onde tanto a

pele como os folículos pilosos são mais susceptíveis ao ataque autoimune, as diferenças

são mais evidentes, tornando clara uma maior eficácia em imunomodulação do

tratamento envolvendo a fração celular (sangue), quando comparado aos demais,

incluindo-se o tratamento envolvendo a injeção intramuscular da fração plasmática do

sangue (plasma).

Os animais que receberam injeções intramusculares contendo a fração celular

do sangue apresentaram aspecto normal, semelhante a camundongos selvagens não

NOD. Já animais tratados com todos os demais estímulos, apresentaram, mais

severamente os grupos controle e heme, arrepiamento de pelo quando estimulados,

demonstrando desconforto, letargia, perda de peso e tremores. Não foi observada

nenhuma diferença entre o grupo de animais estimulados com heme e o grupo controle,

estimulados com salina tamponada.

Os resultados colhidos até o momento apontam para um novo e inesperado

mecanismo envolvendo a autohemoterapia. Seria mais lógico supor que o mesmo

estivesse diretamente ligado à liberação de heme após a digestão proteolítica da

hemoglobina, ativando dessa forma mediadores imunes locais, seja integro ou após ser

degradado à bilirrubina, ferro e monóxido de oxigênio. É bem reconhecido seu papel

como ativador de migração e geração de radicais livres em neutróficos (Porto e cols.

2007; Graca-Souza e cols. 2002), assim como seu papel como ativador dos receptores

semelhantres a Toll 4 (TLR4) (Figueiredo e cols, 2007).

No entanto, a administração de 100nMoles de heme intramuscularmente não

apresentou qualquer efeito no quadro autoimune de animais NOD.

Nos voltamos então para a fração celular do sangue, a única que apresentou

forte efeito imunomodulador. Acreditamos que a pouca ação da fração plasmática se

deve aos contaminantes presentes da fração celular, que provavelmente te juntam a esta

após lise celular proveniente do procedimento de coleta de sangue. Sabemos que o

efeito benéfico da fração celular não é proveniente da ação de inoculação de células

sanguíneas viáveis no ambiente intramuscular, visto que esta fração foi congelada após

seu preparo e descongelada previamente ao uso, procedimento que inviabiliza a

existência de células viáveis. É conhecido também que o tratamento prévio do sangue

com ozônio, o que acarreta no rompimento de todas as células ali presentes, aumenta

sua eficácia como imunomodulador (comunicação pessoal). Dessa forma, acreditamos

em um componente protéico presente no interior de alguma população celular presente

no sangue como responsável pelos efeitos terapêuticos da autohemoterapia.

O heme é o grupamento prostético da hemoglobina, e não apresentou qualquer

efeito, no entanto, peptídeos gerados a partir da hidrolise da hemoglobina apresentam

uma gama de efeitos no organismo de mamíferos, dentre eles a cascata de sinalização de

proteína kinase C (PkC) e caseina kinase 2 (Chen-Roetling et al, 2008). Os eritrócitos

lisados e injetados intramuscularmente dessa forma estariam envolvidos na ação

terapêutica da autohemoterapia. Temos que ter em mente também que um antígeno

comum e não ativador como a hemoglobina pode ser subvertido a um imunoativador,

supressor ou modulador por estar sendo reconhecido fora de seu ambiente natural, o

sangue. O grupo de evidencias que descrevem as diferenças no reconhecimento de

antígenos decorrentes ao ambiente e/ou o tipo celular através dos quais são apresentados

às células efetôras criou a hipótese do “Danger Model” (Matzinger, 2002).

Por outro lado, não podemos nos abster em discutir um outro tipo celular

potencialemnte envolvido no efeito terapeutico visualizado na fração celular do sangue,

as plaquetas. Um grande numero de fatores de crescimento são porduzidos e

armazenados no interior dessas células, tais como: fator de crescimento derivado de

plaquetas (PDGF), um potente agente quimiotático, TGF-b (transforming growth factor-

β) que possui atividade imunosupressora por evitar a ativação de linfócitos e

macrofagos, fator de crescimento de fibroblasto (FGF), IGF-1 (insulin-like growth

factor-1) também reconhecido imunomodulador por aumentar a viabilidade celular de

fagocitos, dentre outros fatores de crescimento. De fato, autohemoterapia utilizando-se

apenas da fração plaquetária já é utilizada em vários tipos de tratamento, de implantes

ósseos à cura de ulcerações cutâneas, associadas ou não à diabetes (O’Connell e cols.

2008; Sanchez e cols. 2007; Knighton e cols. 1990; Knighton e cols. 1986).

Como conclusão, observamos novas evidencias a respeito da eficácia da

autohemoterapia como ferramenta terapêutica imunomodulatória. Nossos resultados

iniciais apontam para a participação preponderante da fração celular em detrimento da

fração plasmática e do componente heme. Novos estudos tornam-se necessário para

uma total compreensão do mecanismo de ação da supracitada ferramenta terapêutica.


Referências


Chen-Roetling J, Li Z, Regan RF (2008). Hemoglobin Neurotoxicity is Attenuated by


Inhibitors of the Protein Kinase CK2 Independent of Heme Oxygenase Activity. Curr


Neurovasc Res. 5, 193-8.


Graca-Souza AV, Arruda MA, de Freitas MS, Barja-Fidalgo C, Oliveira PL (2002).


Neutrophil activation by heme: implications for inflammatory processes. Blood. 99,


4160-4165.


Kikutani H, Makino S (1992). "The murine autoimmune diabetes model: NOD and


related strains". Adv. Immunol. 51: 285–322.


Knighton DR, Ciresi KF, Fiegel VD, Austin LL, Butler ELL. Classification and


treatment of chronic nonhealing wounds: successful treatment with autologous plateletderived


wound healing factors (PDWHF). Ann surg 1986; 204:322-30.


Knighton DR, Ciresi K, Fiegel VD, Schumerth S, Butler E, Cerra F. Stimulation of


repair in chronic, non healing, cutaneous ulcers using platelet-derived wound healing


formula. Surg Gynecol Obstet 1990; 170:56-60.


Porto BN, Alves LS, Fernández PL, Dutra TP, Figueiredo RT, Graça-Souza AV, Bozza


MT. Heme induces neutrophil migration and reactive oxygen species generation


through signaling pathways characteristic of chemotactic receptors. J Biol Chem. 2007


Aug 17;282(33):24430-6.


MF, Oliveira PL, Graça-Souza AV, Bozza MT, Figueiredo RT, Fernandez PL, Mourao-


Sa DS, Porto BN, Dutra FF, Alves LS, Oliveira. Characterization of heme as activator


of Toll-like receptor 4. J Biol Chem. 2007 Jul 13;282(28):20221-9


Matzinger P (2002). The danger model: a renewed sense of self. Science. 296, 301-305.


Makino S, Kunimoto K, Muraoka Y, Mizushima Y, Katagiri K, Tochino Y (1980).


"Breeding of a non-obese, diabetic strain of mice". Jikken Dobutsu 29 (1): 1–13.


O’Connell S, Impeduglia T, Hessler K, Wang XJ, Carroll R, Dardik H. Autologous


platelet-rich fibrin matrix as cell therapy in the healing of chronic lower-extremity


ulcers. Wound Rep Reg 2008; 16:749-756.


Sánchez M, Anitua E, Azofra J, Andía I, Padilla S, Mujika I. Comparison of surgically


repaired Achilles tendon tears using platelet-rich fibrin matrices. The American Journal


of Sports Medicine 2007; 35 (2): 245-51.

Plasma


Heme


Figura 1- Visão dorsal de fêmeas de camundongos NOD de 6 meses de


idade com 4 meses de tratamento envolvendo injeções intramusculares


contendo diferentes estímulos.


Animais enquadrados no grupo de tratamento envolvendo administração de


plasma e sangue apresentam aparência dorsal saudável, no entanto animais do


grupo tratado com plasma apresentam leve arrepiamento de pelo, indicativo de


desconforto. O mesmo não é visto no grupo tratado com a fração celular do


sangue. Animais tratados com PBS (salina tamponada) e heme (Fe-


Protoporfirina IX) apresentam claro sinal de dermatite, com perda de pelo (setas)


e visível arrepiamento de pelo.


Sangue


Figura 2- Visão ventral de fêmeas de camundongos NOD de 6 meses de


idade com 4 meses de tratamento envolvendo injeções intramusculares


contendo diferentes estímulos.


A visão ventral torna evidente a diferença de eficácia entre o tratamento usando


a fração celular do sangue, e o tratamento envolvendo a fração plasmática.


Enquanto os primeiros apresentam ausencia total de dermatite, animais tratados


com a fração plasmática do sangue apresentam níveis de inflamação


SOMOS TODOS CHAPECOENSES