http://filotec.com.br

http://filosofiaetecnologia.blog.br
ECONOMIA TECNOLOGIA FILOSOFIA SAUDE POLÍTICA GENERALIDADES CIÊNCIA AUTOHEMOTERAPIA NOSSOS VÍDEOS FACEBOOK NOSSAS PÁGINAS

QUEREM ACABAR COM A APOSENTADORIA

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

INCOMPETÊNCIA POLICIAL

Em uma operação de guerra a polícia do Rio de Janeiro coordenou uma mega operação no sentido de invadir o complexo da Vila Cruzeiro, uma favela que faz parte do grande mar de moradias carentes que se agregam em um grande complexo unido ao complexo do Alemão em resposta a onda de TERRORISMO promovida pelos traficantes do Rio de Janeiro atormentados pela perda de territórios decorrentes da instalação das unidades de Polícia Pacificadora nas favelas do Rio de Janeiro. A TV não parou de transmitir dando aos tele-espectadores do Brasil inteiro, imagens privilegiadas provenientes de um helicóptero que filmava a distancia segura, mas que podia aproximar imagens com possantes  Tele-objectivas.
Esse fato permitiu que os assistentes pudessem avaliar as acções da gigantesca força policial que  se  orquestrava em uma mega invasão.
Carros Blindados cedidos pela Marinha Brasileira conclamada a participar com apoio logístico, pelo Presidente da República, em apoio a todos os recursos do BOPE davam aos cidadãos estupefactos ante a visão de uma operação de guerra em zona urbana, até então desconhecida.
Os bandidos entricheirados no alto do morro, que era uma zona inexpugnavel, com vários obstáculos e a mira de armamento posicionado no alto da favela, assistiam angustiados a tomada inevitável de seu próprio território e com certeza tinham uma decisão difícil a tomar. Enfrentar ou fugir.
Tomaram a decisão mais sensata. fugiram. As câmeras mostrando aquele bando de uns duzentos bandidos em fuga desesperada, alguns caindo vítimas de disparos que vinham de algum lugar próximo. Foi ai que o cidadão se perguntava.
Porque a Polícia não cortou a rota de fuga desses bandidos, já que parecia óbvio que não iriam se dispor a enfrentar a polícia, afinal todo mundo tem medo de morrer?
É óbvio que nesses casos policiais corruptos infiltrados na força policial aconselham os bandidos a correrem e dão-lhes tempo para isso. Parecia que a polícia não queria realmente prende-los. Se moveu lenta e inexoravelmente e envolveu toda a Vila Cruzeiro. Era um rolo compressor.
A pergunta é. O que farão 200 bandidos que correram para o complexo do Alemão para se unir aos outros duzentos bandidos de lá, desesperados, sem comida ou agua? Passarão a ser cidadãos honestos?


Cerca de 15 anos atrás, os bairros que circundam o conjunto de morros e favelas do Alemão eram exclusivamente residenciais e calmos. A tranquilidade se transformou em medo. Hoje, moradores dos bairros de Inhaúma, Ramos, Olaria e Penha, que não tiveram condições de se mudar, vivem às margens da criminalidade.
São 13 favelas no conjunto do Alemão, onde vivem 250 mil pessoas, em cerca de cem mil casas e barracos.
De acordo com a Delegacia de Repressão a entorpecestes, cerca de 400 traficantes trabalham chefiados por Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco (Hoje prezo mas comandando o tráfico de dentro da prisão) , que seria o autor do assassinato do jornalista Tim Lopes.
Foi em uma das favelas da região, que Tim Lopes fez as imagens da reportagem sobre a feira de drogas, que deu ao repórter, o primeiro prémio Esso de jornalismo, no ano passado.
Na Vila Cruzeiro, onde foi morto o jornalista, nenhum morador quis falar sobre o clima de medo que está vivendo.
Segundo a Associação de Dirigentes do Mercado Imobiliário, de seis anos para cá, com o aumento da violência, houve uma estagnação no sector, por conta do avanço das favelas nos bairros da região.

“A região da Leopoldina, por exemplo, poderia ter sido desenvolvida se não tivesse tanta influência de favela. Quem é que quer viver vizinho de bala perdida, e vizinho de violência? Ninguém mais. E isso, o cidadão começa a enxergar a partir de agora. O índice de segurança é um grande argumento de venda. E que segurança a gente leva para esses empreendimentos?  Nós não temos segurança para vender esses empreendimentos”, afirma Rubem Vasconcellos, presidente da associação.
Dos quatro anos em que está no cargo de secretário de Segurança, os três dias - de quinta para domingo - entre a invasão da Vila Cruzeiro e a ocupação do Complexo do Alemão foram os mais difíceis para José Mariano Beltrame. 

Como um maestro, ele teve que reger uma orquestra que não podia sair do tom: foram 2.700 homens sob a sua batuta. Seu gabinete se transformou no QG das operações. Para finalizar a sinfonia, até segunda-feira, três batalhões de campanha da PM vão ser instalados nos complexos da Penha e do Alemão. 

Segundo o secretário, os PMs vão preparar o terreno para que as tropas do Ministério da Defesa se instalem nos complexos. Beltrame prevê: serão mais de 40 dias de buscas nas comunidades. "Aconteça o que acontecer, a polícia não vai sair de lá", afirmou.

Veja a entrevista na íntegra:

GLOBO: O que farão os batalhões de campanha da PM?







BELTRAME: Eles vão fazer varredura (buscas) o tempo que for necessário. Aquilo lá é muito grande. É serviço para mais de 40 dias. Depois que tivermos segurança, fica só o Exército. Ainda tem muita coisa lá: armas, drogas e bandidos.
GLOBO: Por que a operação começou pela Vila Cruzeiro?
BELTRAME: Efectivamente, a Vila Cruzeiro, mais do que o Alemão, estava numa situação crítica.
GLOBO: Como foi o planejamento das operações?







BELTRAME: Fizemos um planejamento para as UPPs e tivemos que puxar para a frente (as que serão instaladas nos complexos) em relação às demais. A ideia era fazer um cerco e direcionar os policiais para 53 pontos mapeados nos dois complexos. A gente tinha o efetivo, mas seria necessário deslocar policiais de outras unidades, tirar alguns do Leblon, outros de Copa cabana... Uma coisa é tomar a Vila Cruzeiro sem problema algum na cidade. Eu poderia pegar todos os blindados que tinha, mas, naquela situação, com os ataques, isso não era possível.
GLOBO: O que foi mais importante para retomar os complexos?
BELTRAME: O apoio do Ministério da Defesa foi crucial, por possibilitar o auxílio das tropas do Exército e da Marinha. O auxílio da Polícia Federal também foi importante, sem contar o ânimo dos nossos policiais.
GLOBO: O senhor viajou para Brasília na segunda-feira (dia 22 de Novembro), logo que começaram os ataques. O objetivo era pedir apoio das Forças Armadas para a operação?
BELTRAME: Não. Fui cobrar coisas que não tinham vindo. No início do ano, eu havia pedido ao governo federal mais blindados, duas lanchas... Mas estava chegando o fim do ano e nada. Agora está tudo na mão. Não fui pedir apoio das Forças Armadas.
GLOBO: O que deflagrou a invasão?
BELTRAME: No final da tarde, no dia das imagens dos bandidos se exibindo com armas na Vila Cruzeiro, acionamos a Marinha e eles nos ajudaram prontamente. Começou, assim, o planejamento. Houve o fator surpresa.
GLOBO:
BELTRAME: Chamei o coronel Marcus Jardim (do 1º Comando de Policiamento da Capital), o Allan (Turnowski, chefe de Polícia Civil) e pedi a eles que dividissem seus homens, para tomar pontos estratégicos. O Bope já tinha subido, mas o cerco por baixo precisava do apoio dos militares. Nesses três dias de preparo da operação, era imprescindível fazer o cerco. O Exército estava vindo.
GLOBO: A Marinha foi a primeira a auxiliar a polícia estadual. Por que a secretaria conseguiu sensibilizá-la primeiro para essa guerra?
BELTRAME: A Marinha já nos ajudava antes. Ela tem uma oficina de carros blindados e sempre arrumou (consertou) os nossos caveirões com a maior velocidade. Isso fez toda a diferença na operação. Já tínhamos contacto com a Marinha, por isso conseguimos acioná-la tão rapidamente. Quando você pede equipamento, é mais rápido. Quando o assunto é tropa, homens, a autorização do presidente da República e do Ministério da Defesa se faz necessária. Complica mais um pouco.
GLOBO: E o apoio da Polícia Federal?
BELTRAME: Ela é a minha casa. O Ângelo (Gioia, super intendente da Polícia Federal no Rio) liberou 300 homens e carros. A nossa sorte é que, um dia antes, os agentes tinham feito uma operação. O Ângelo disse: "Eles estão aqui à sua disposição até sexta-feira, Mariano". Montamos um gabinete de crise e ele foi o nosso parceiro nas decisões.
GLOBO: Alguma coisa lhe chamou atenção na operação conjunta com as Forças Armadas?
BELTRAME: O pessoal do Exército e da Marinha era do Rio. Praticamente todos os integrantes tinham uma história com o Alemão. O falso poder dos bandidos de lá estava no imaginário deles e de todo mundo. Agora, a casa do Alemão caiu.
GLOBO: Onde funcionou o quartel-general para solucionar a crise e frear os ataques?
BELTRAME: Foi no meu gabinete. Fazíamos tudo aqui.
GLOBO: O governador Sérgio Cabral participou do planejamento?
BELTRAME: O governador é muito carioca. A gente via um dos pontos de ataque, ele lembrava que já havia estado lá, seja quando criança ou durante a campanha. Ele era um dos mais animados, quebrava o clima pesado.
GLOBO: Qual a maior dificuldade?
BELTRAME: As pessoas que trabalham para o tráfico e não têm antecedentes criminais. Elas podem passar caminhando que você não vai poder prendê-las. Temos que cumprir a lei. O cara só é bandido se for preso em flagrante ou procurado pela Justiça.
GLOBO: Os grandes chefes do tráfico, como FB e Pezão, saíram do morro?
BELTRAME: Eles não estão mais lá. Fugiram.
GLOBO: O senhor acha que eles fugiram pela rede de águas pluviais da comunidade?
BELTRAME: Acredito que muitos devem ter fugido dessa forma.
GLOBO: O que o senhor acha das denúncias de que policiais saquearam casas revistadas?
BELTRAME: Temos que tomar cuidado. Alguns casos são verídicos. Por isso, pedimos às pessoas que procurassem a ouvidora ou a Defensoria Pública.
GLOBO: Qual o próximo passo para a pacificação ficar completa?
BELTRAME: Ainda temos muito o que fazer lá. Temos informações de que há famílias reféns. Se elas abrirem a boca, correm risco de vida. O nosso trabalho não é fácil. Sei que, de madrugada, eles (os bandidos) saem de seus esconderijos para circular na comunidade. O controle total nós só teremos quando vasculharmos tudo. Por isso a necessidade das patrulhas dos policiais militares das unidades de campanha. Depois do trabalho feito, já acertamos com o prefeito para ver a rede de esgoto, retirar as barreiras que os bandidos colocaram. Os dois córregos que passam pelo complexo serão limpos.
GLOBO: O que acontecerá nas outras comunidades ainda sob domínio do tráfico? Muitos bandidos correram para lá.
BELTRAME: Falam de explosivos e de armamento de guerra em outros morros. Todo esse poder acabou. Se houver isso em outras comunidades, a gente se programa e vai. A casa caiu verdadeiramente.
GLOBO: Como foi a recepção dos moradores dos complexos à operação?
BELTRAME: Muito moradores pediram que, pelo amor de Deus, a gente não saia mais do morro. Ainda há alguns bandidos por lá. Eu acho que muitos deles não têm para onde ir.
GLOBO: A vitória foi da polícia?
BELTRAME: O grande ganho foi da sociedade. Sempre disse que a polícia do Rio vai a qualquer lugar e a qualquer hora. Agora provamos que o estado é que manda no território.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos podem comentar e seus comentários receberão uma resposta e uma atenção personalizada. Seu comentário é muito bem vindo. Esse espaço é para participar. Te aguardamos e queremos seu comentário, mesmo desfavorável. Eles não receberão censura. Poderão apenas receber respostas, ou tréplicas.

SOMOS TODOS CHAPECOENSES